Hierarquias do Real na Mímesis Espetacular Contemporânea

Hierarchy of the Real in Contemporary Performative Mimesis

Hierarchie du Réel dans les Mimesis Performative Contemporaine

RESUMO

Parte-se da hipótese de que haja uma hierarquia de reais, menos e mais autênticos operando na avaliação da produção espetacular contemporânea. A hipervalorização da realidade dada - tomada em bruto e de pronto, enquanto elemento vivificador dos processos narrativos contemporâneos, documentários ou artificiais - é problematizada como metafísica, em contraste com obras imaginárias de mímesis espetacular que estranham e dilatam a ideia do real.

Palavras-chave:
Real; Mímesis; Espetáculo; Documentário; Hierarquia

ABSTRACT

It departs from the hypothesis of a hierarchy of real(s), with less and more legitimacy, operating in the evaluation of the contemporary spectacular production. The hyper valuation of a given reality, took as a ready-made an instantly, as a source of liveness in the narrative contemporary processes, documentary or artificial, is discussed and seen as metaphysic, against the imaginary works of performative mimesis, which get to strange and amplify the idea of the real.

Keywords:
The Reality; Mimesis; Performance; Documentary; Hierarchy

RÉSUMÉ

Le point de départ est l'hypothèse de ce qu'il y a une hiérarchie de réels, plus au moins autentiques et en opération au moment d'évaluer la production spetaculaire contemporaine. La hyper évaluation de la realité - prise en brut et d'imediat, a le manière d'un élement vivan du processus narratif contemporain, documentáire ou artificiaux - est discutée entant que metaphisique en opposition aux oeuvres imaginaires de mimesis spétaculaire étranges e amplificatrices de l'idée du réel.

Mots-clés:
La Realité; Mimesis; Mise-em-scène; Documentaire; Hierarchie

Texto completo disponível apenas em PDF.

Full text available only in PDF format.

Referências

  • AUSLANDER, Philip. Live from Cyberspace, or, I Was Sitting at My Computer This Guy Appeared He Tought I Was a Bot. In: REINELT, Janele; ROACH, Joseph; ARBOUR, Ann (Org.). Critical Theory and Performance. The University of Michigan Press, 2007. P. 526-531.
  • AUSLANDER, Philip. Humanoid Boogie: reflections on robotic performance. In: KRASNER, David; SALTZT, David; ARBOUR, Ann (Org.). Staging Philosophy - intersections of theater, performance and philosophy. The University of Michigan Press, 2006. P. 87-103.
  • BLAU, Herbert. Virtually Yours: presence, liveness, lessnes. In: REINELT, Janele; ROACH, Joseph; ARBOUR, Ann (Org.). Critical Theory and Performance. The University of Michigan Press, 2007. P. 532-546.
  • BLAU, Herbert. Seeming, Seeming: the ilusion of enough. In: ACKERMAN, Alan; PUCHNER, Martin (Org.). Against Theatre - creative destructions on the modernist stage. Houndmills: Palgrave Macmillan, 2006. P. 231-247.
  • BOURRIAUD, Nicolas. Estética Relacional. São Paulo: Martins Fontes, 2007.
  • CASTELLUCCI, Romeo. A Iconoclastia da Cena e o Retorno do Corpo. A potência carnal do teatro. In: Epopea Della Polvere. Il Teatro della Societas Rafaello Sanzio 1992-1999. Milano: Ubulibri, 2001. P. 43-90.
  • FLUSSER, Vilém. Line and Surface. In: STRÖHL, Andreas (Org.). Writings. Minneapolis: University of Minnesota Press, 2002. P. 21-34.
  • HALLIWELL, Stephen. The Aesthetic of Mimesis: ancient texts and modern problems. Princeton: Princeton University Press, 2002.
  • KLEIST, von Kleist. Sobre o Teatro de Marionetes. Tradução de Pedro Sussekind. Rio de Kaneiro: Sette Letras, 1997.
  • SMITH, Jack. The Writings of Jack Smith: wait for me at the bottom of the poll. HOBERMAN, Jim; LEFFINGWELL, Edward (Org.). New York: High Risk Books, ICA/P.S.I, 1997.
  • STEIN, Gertrude. Plays. In: Look at Me Now ad Here I Am - writings and lectures (1909-45). London: Penguin Books, 1967.

  • 1
    O conceito de foco de apreciação foi desenvolvido por David Davies em Art as Performance, Oxford, Blackwell, 2004.
  • 2
    Aqui cabe diferenciar a ideia de desumanização daquela implícita no preconceito antiteatralista, que já aparece em Platão e que rebaixa o ato interpretativo do ator, associando-o às capacidades imitativas do macaco. Nesse caso a animalização não suprime o humano, mas o degrada. O temor da supressão parece estar associado à revolução industrial e à ideia realizada da máquina realizando as tarefas humanas.
  • 3
    É necessário pontuar que a recusa à prótese, à tecnologia, ao gravado e aos recursos de automação não é generalizada e aparece aceita e assimilada tanto no âmbito dos espetáculos da Broadway como no de encenadores radicais como Romeu Castelucci, ou inovadores, como Robert Lepage.
  • 4
    O espetáculo Os Cegos foi apresentado em São Paulo, numa temporada de quatro dias no Sesc Pinheiros,entre 29 de julho e 1 de agosto de 2010. Criação da companhia d'UBU, de Denis Marleau, e apoiada pelo Museu de Arte Contemporânea de Montréal e pelo Festival d'Avignon, tinha o subtítulo de Tecnologia Fantasmagórica.
  • 5
    Josette Feral e Sílvia Fernandes são teóricas que vem, a partir da constituição da performatividade como conceito operador, apontando esta emergência em diversas obras e reconhecendo-a como tendência característica de nosso tempo. A intempestividade implica na ideia de um real que emerge de forma involuntária.
  • 6
    CAGE, John. Experimental Music, un Silence: lectures and writing. Middletown, Conn.: Wesleyan University Press, 1974.

Datas de Publicação

  • Publicação nesta coleção
    Jun 2011

Histórico

  • Recebido
    Abr 2011
  • Aceito
    Jun 2011
Universidade Federal do Rio Grande do Sul Av. Paulo Gama s/n prédio 12201, sala 700-2, Bairro Farroupilha, Código Postal: 90046-900, Telefone: 5133084142 - Porto Alegre - RS - Brazil
E-mail: rev.presenca@gmail.com