Presença e Processos de Subjetivação

Presence and Subjectivation Processes

Présence et Processus de Subjectivation

RESUMO

Este artigo apresenta uma reflexão sobre uma perspectiva pedagógica para intensificar a presença do aluno/ator em representações e práticas performativas. Para tanto, considera pressupostos de processos de subjetivação relacionados com a materialidade (suporte material) e imaterialidade (carga informacional e emocional) de trabalhos de criação. A abordagem é exemplificada através de procedimentos pedagógicos utilizados com a estratégia do estímulo composto no campo do process drama.

Palavras-chave:
Presença; Processos de Subjetivação; Materialidade e Imaterialidade; Composição de Estímulos; Process Drama

ABSTRACT

This article presents a reflection on an educational perspective to enhance the presence of the student/actor at theatre representations and performances. To carry out this task it considers the subjectivation processes related to materiality (material support) and immateriality (emotional and informational load) of the creative work. The approach is exemplified by pedagogical procedures based on the strategy of the compounding stimulus in the area of process drama.

Keywords:
Presence; Subjectivation Processes; Materiality and Immateriality; Compounding Stimulus; Process Drama

RÉSUMÉ

Cet article présente une réflexion sur une perspective éducative pour améliorer la présence de l'étudiant/acteur du spectacle dans les représentations et les pratiques performatif. D'examiner les deux hypothèses de processus subjectivante liés à la matérialité (support matériel) et immatérialité (charge informationnelle et émotionnelle) du travail de création. L'approche est illustrée par des procédures pédagogiques de le stratégie stimulus composé dans le domaine du théâtre processus.

Mots-clés:
Présence; Processus Subjectivante; Matérialité et Immatérialité; Stimulus Composé; Process Drama

Texto completo disponível apenas em PDF.

Full text available only in PDF format.

Referências

  • ACKROYD, Judith. Role Reconsidered - a re-evaluation of the relationship between teacher in role and acting. Staffordshiere: Tremtham Books Limited, 2004.
  • BACHELARD, Gaston. A Formação do Espírito Científico. Rio de Janeiro: Contraponto, 1996.
  • CABRAL, Beatriz. Looking for Change - towards breaking down habitus Education & Theatre Journal, Atenas, TheatroEdu, v. 10, p. 13-22, 2009.
  • COUCHOT, Edmond. A Tecnologia na Arte, da Fotografia à Realidade Virtual. Porto Alegre: UFRGS Editora, 2003.
  • DELEUZE, Gilles. Diferença e Repetição. São Paulo: Graal, 2009.
  • DOSSE, François. Gilles Deleuze & Félix Guattari - Biografia Cruzada. Porto Alegre: Artmed, 2010.
  • GIROUX, Henri. Os Professores como Intelectuais. Porto Alegre: Artes Médicas, 1997.
  • ISER, Wolfgang. O Jogo do Texto. In: LIMA, Luiz Costa. A Literatura e o Leitor. São Paulo: Paz e Terra, 2002.
  • MACHADO, Roberto. Introdução. In: DELEUZE, Gilles. Sobre o Teatro - um manifesto de menos; o esgotado. Rio de Janeiro: Zahar, 2010.
  • NEELANDS, Jonothan. Structuring Drama Work. Cambridge University Press, 1990.
  • NOVITZ, David. Memory, Identity, Community. New York: Sunny Press, 1997.
  • O‟NEILL, Cecily. Drama Worlds - a framework for process drama. Portsmouth: Heinemann, 1995.
  • PAVIS, Patrice. Dicionário do Teatro. São Paulo: Perspectiva, 2003.
  • RYNGAERT, Jean-Pierre. Jogar, Representar: práticas dramáticas e formação. São Paulo: Cosac Naify, 2009.
  • SOMERS, John. Narrativa, Drama e Estímulo Composto. Tradução de Beatriz Cabral. Urdimento - Revista de Estudos em Artes Cênicas, Florianópolis, UDESC/CEART, v. 1, n. 17, p. 175-186, 2011.
  • TUAN, Yi-Fu. Space and Place - the perspective of experience. USA: University of Minnesota Press, 2008.
  • WOLFF, Janet. The Aesthetics of Uncertainty. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2008.

  • 1
    Drama, process drama, drama education são denominações alternativas para o ensino do teatro na escola, correspondendo ao espaço do teatro educação no contexto do ensino brasileiro. Uso a expressão drama para me referir à metodologia específica que prioriza o contexto ficcional e o enquadramento de situações (frames) para instalar o estado de jogo e o roleplay.
  • 2
    Pré-texto refere-se ao entendimento de que um texto - social, literário, imagético, sonoro, deve figurar como pano de fundo para orientar a condução do trabalho de teatro em grupo; segundo Cecily O‟Neil (1995), o pré-texto opera como uma espécie de forma-suporte para os significados sendo explorados.
  • 3
    À ocasião eu assisti a um encontro dos alunos com Ryngaert; esta foi minha percepção de uma manhã de trabalho; não tenho referências para entender o curso como um todo.

Datas de Publicação

  • Publicação nesta coleção
    Jun 2011

Histórico

  • Recebido
    Abr 2011
  • Aceito
    Jun 2011
Universidade Federal do Rio Grande do Sul Av. Paulo Gama s/n prédio 12201, sala 700-2, Bairro Farroupilha, Código Postal: 90046-900, Telefone: 5133084142 - Porto Alegre - RS - Brazil
E-mail: rev.presenca@gmail.com