Accessibility / Report Error

"Contar histórias sempre foi a arte de contá-las de novo"

"Telling stories has always been the art of telling them again"

"Conter des histoires a toujours été l'art de les reconter"

Ana Cecília de Carvalho Reckziegel Gisela Costa Habeyche Sobre os autores

RESUMO

O presente artigo discute alguns aspectos do processo improvisacional da criação do espetáculo Cinco tempos para a morte e os relaciona à experiência de presença descoberta nesse trabalho, a partir do pensamento de Richard Schechner, Henri Bergson e Walter Benjamin. Para tanto são pinçadas duas cenas performadas pelas próprias autoras na montagem mencionada, que consistem na narração de dois acontecimentos vividos pelas atrizes, colocando-as na situação de realizar um depoimento diante da plateia, sem a intermediação de um personagem.

Palavras-chave:
Processo de Criação; Improvisação; Experiência; Usina do Trabalho do Ator; Cinco Tempos para a Morte

Universidade Federal do Rio Grande do Sul Av. Paulo Gama s/n prédio 12201, sala 700-2, Bairro Farroupilha, Código Postal: 90046-900, Telefone: 5133084142 - Porto Alegre - RS - Brazil
E-mail: rev.presenca@gmail.com