Evaluation of the birth certificates as source of information on birth defects

Abstracts

OBJETIVO: Estimar a prevalência de defeitos congênitos (DC) em uma coorte de nascidos vivos (NV) vinculando-se os bancos de dados do Sistema de Informação de Mortalidade (SIM) e do Sistema de Informação sobre Nascidos Vivos (SINASC). MÉTODOS: Estudo descritivo para avaliar as declarações de nascido vivo como fonte de informação sobre DC. A população de estudo é uma coorte de NV hospitalares do 1º semestre de 2006 de mães residentes e ocorridos no Município de São Paulo no período de 01/01/2006 a 30/06/2006, obtida por meio da vinculação dos bancos de dados das declarações de nascido vivo e óbitos neonatais provenientes da coorte. RESULTADOS: Os DC mais prevalentes segundo o SINASC foram: malformações congênitas (MC) e deformidades do aparelho osteomuscular (44,7%), MC do sistema nervoso (10,0%) e anomalias cromossômicas (8,6%). Após a vinculação, houve uma recuperação de 80,0% de indivíduos portadores de DC do aparelho circulatório, 73,3% de DC do aparelho respiratório e 62,5% de DC do aparelho digestivo. O SINASC fez 55,2% das notificações de DC e o SIM notificou 44,8%, mostrando-se importante para a recuperação de informações de DC. Segundo o SINASC, a taxa de prevalência de DC na coorte foi de 75,4%00 NV; com os dados vinculados com o SIM, essa taxa passou para 86,2%00 NV. CONCLUSÕES: A complementação de dados obtida pela vinculação SIM/SINASC fornece um perfil mais real da prevalência de DC do que aquele registrado pelo SINASC, que identifica os DC mais visíveis, enquanto o SIM identifica os mais letais, mostrando a importância do uso conjunto das duas fontes de dados.

Defeitos congênitos; Linkage; Declaração de Nascido Vivo; Declaração de Óbito; Sistema de informação; Prevalência


OBJECTIVE: To obtain the prevalence of birth defects in a live birth cohort, linking the live birth information system (SINASC) and the mortality information system (SIM) databases. METHODS: Descriptive study to assess linked databases of hospital live births (LB) and neonatal deaths of resident mothers that occurred in the city of São Paulo, between January 1st, 2006 and June 30th, 2006. RESULTS:According to the SINASC, the most prevalent birth defects (BD) were: BD and musculoskeletal system deformity (44.7%), nervous system BD (10.0%) and chromosomal anomalies (8.6%). There was 80.0% of recovery of circulatory system BD, 73.3% of respiratory system BD and 62.5% of digestive system BD in the linked database. Linked data set identified BD in 640 live births; the SINASC accounted for 55.2% of notifications and the SIM for 44.8%. The prevalence rate of BD based on SINASC data was 75.4%00 LB. This rate showed an increase of 14.3% when obtained from the linked dataset (86.2%00 LB). CONCLUSION: Linkage of the live birth (SINASC) and mortality systems (SIM) provides a more real BD profile. BDs notified by the SINASC were more visible at birth, while the SIM notified more fatal BD, showing the importance of utilizing both data sources.

Birth defects; Linkage; Birth certificate; Death certificate; Information system; Prevalence


  • 1
    1. Dicionário digital de termos médicos 2006 Disponível em http:/www.pdamed.com.br/diciomed/pdamed [Acessado em 26 de julho de 2006.
  • 2. Horovitz DDG, Llerena Junior JC, Mattos RA. Atenção aos defeitos congênitos no Brasil: panorama atual. Cad Saúde Pública 2005; 21(4): 1055-64.
  • 3. Maciel ELN, Gonçalves EP, Alvarenga VA, Polone CT, Ramos MC. Perfil epidemiológico das malformações congênitas no município de Vitória-ES. Cad Saúde Coletiva 2006; 14 (3): 507-18.
  • 4. Canadian Perinatal Surveillance System. Congenital anomalies in Canada: a perinatal health report. Health Canada, Santé Canada, 2002. Disponível em http://www.phac_aspc.gc.ca/publicat/cac_acc02/pdf/cac2002_e.pdf [Acessado em 13 de janeiro de 2007]
  • 5. Patel ZM, Adhia RA. Birth defects surveillance study. Indian J Pediatr 2005, 72 (S1): 489-91.
  • 6. Castro MLS, Cunha CJ, Moreira PB, Fernández RR, Garcias GL et al. Frequência das malformações múltiplas em recém-nascidos na cidade de Pelotas, Rio Grande do Sul, Brasil, e fatores sociodemográficos associados. Cad Saúde Pública 2006; 22(5): 1009-15.
  • 7. Amorim MMR, Vilela PC, Santos ARVD, Lima ALMV, Melo EFP, Bernardes HF et al. Impacto das malformações congênitas na mortalidade perinatal e neonatal em uma maternidade-escola do Recife. Rev Bras Saúde Mater Infant 2006; 6(S1): 519-25.
  • 8. Guerra FAR. Avaliação das informações sobre defeitos congênitos no município do Rio de Janeiro através do SINASC [tese de doutorado]. Rio de Janeiro: Ministério da Saúde, Fundação Oswaldo Cruz, Instituto Fernandes Figueira; 2006.
  • 9. Moratilla NA, García AMG, Benavides FG. El conjunto mínimo básico de datos al alta hospitalaria como fuente de información para el estudio de las anomalías congénitas. Rev Esp Salud Publica 1999; 73 (1): 61-9.
  • 10. Ortiz LP, Camargo ABM. Mortalidade infantil no Estado em 2003. Fundação SEADE, Resenha de Estatísticas Vitais do Estado de São Paulo 2004; 10 , ano 5, jul. 2004, 1-7. [http://www.seade.gov.br/produtos/spdemog/PDF/julho_2004.pdf]
  • 11. Schuller-Faccini L, Leite JCL, Sanseverino MTV, Peres RM. Avaliação de teratógenos potenciais na população brasileira. Ciênc Saúde Coletiva 2002; 7(1), 65-71
  • 12. Menezes AMB, Victora CG, Barros FC, Albernaz E, Menezes FS, Jannke HA, et al Mortalidade infantil em duas coortes de base populacional no Sul do Brasil: tendências e diferenciais. Cad Saúde Pública 1996; 12(S1): 79-86.
  • 13. Guerra FAR, Llerena Junior JC, Gama SGN, Cunha CB, Theme Filha MM. Defeitos congênitos no município do Rio de Janeiro, Brasil: uma avaliação através do SINASC (2000-2004). Cad Saúde Pública 2008; 24(1): 140-9.
  • 14. Almeida MF, Alencar GP, França Junior I, Novaes HMD, Siqueira AAF, Schoeps D, et al Validade das informações das declarações de nascidos vivos com base em estudo de caso-controle. Cad Saúde Pública 2006; 22 (3): 643-52.
  • 15. Mello Jorge MHP, Gotlieb SLD, Soboll MLMS, Almeida MF, Latorre MRDO. Avaliação do sistema de informação sobre nascidos vivos e o uso de seus dados em epidemiologia e estatísticas de saúde. Rev Saúde Pública 1993; 27: 1-46.
  • 16. Piper JM, MitchellI Junior EF, Snowden M, Hall C, Adams M, Taylor P. Validation of 1989 Tennessee birth certificates using maternal and newborn hospital records. Am J Epidemiol 1993; 137: 758-68.
  • 17. Fundação SEADE - Movimento do Registro Civil - Tabulação de Microdados. Disponível em http://www.seade.gov.br [Acessado em 02 de março de 2009]
  • 18. Pinto CO, Nascimento LFC. Estudo de prevalência de defeitos congênitos no Vale do Paraíba Paulista. Rev Paul Pediatr 2007; 25(3): 233-39.
  • 19
    Saúde Brasil 2004. Uma análise da situação de saúde. Ministério da Saúde Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Análise de Situação de Saúde. Brasília/DF, maio de 2004.
  • 20. Tanaka ACA, Siqueira AAF, Bafile APN. Situação de saúde materna e perinatal no Estado de São Paulo, Brasil. Rev Saúde Pública 1989; 23(1): 67-75.
  • 21. Ferrari LSL, Brito ASJ, Carvalho ABR, Gonzáles MRC. Mortalidade neonatal no município de Londrina, Paraná, Brasil, nos anos 1994, 1999 e 2002. Cad Saúde Pública 2006; 22 (5): 1063-71.

  • Correspondência:
    Ana Lívia Geremias
    Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo
    Departamento de Epidemiologia
    Avenida Dr. Arnaldo, 715
    01246-904 - São Paulo, SP - Brasil
    E-mail:

Publication Dates

  • Publication in this collection
    06 Apr 2009
  • Date of issue
    Mar 2009

History

  • Received
    06 Nov 2008
  • Reviewed
    02 Mar 2009
  • Accepted
    04 Mar 2009
Associação Brasileira de Saúde Coletiva Av. Dr. Arnaldo, 715 - 2º andar - sl. 3 - Cerqueira César, 01246-904 São Paulo SP Brasil , Tel./FAX: +55 11 3085-5411 - Rio de Janeiro - RJ - Brazil
E-mail: revbrepi@usp.br