O melting pot venezuelano: 1500-1800

Resumo

Pouco se sabe sobre a demografia da população nativa da Venezuela dos tempos coloniais. Até meados do século XVII, algumas informações factuais podem ser obtidas por meio das narrativas dos primeiros conquistadores, missionários e colonizadores, assim como de autores 221 Bacci, M.L. Venezuela’s melting pot: 1500-1800 R. bras. Est. Pop., Belo Horizonte, v.34, n.2, p.199-221, maio/ago. 2017 do final do período colonial com acesso a fontes de documentos originais. Até meados do século XVII, alguma informação quantitativa foi coletada pelos missionários jesuítas, capuchinos e franciscanos e, na última década do século XVII, pela administração colonial e pelas autoridades religiosas. A população nativa, que era de 200.000 a 500.000 habitantes (estimativas de autores modernos), diminuiu para talvez 120.000 em 1800, de acordo com a estimativa de Hambold. É possível que o declínio inicial tenha se tornado mais acentuado após a primeira pandemia de varíola de 1580 e tenha continuado, em um ritmo mais lento, até a Independência. Como em outras regiões da América Latina, os casamentos eram precoces e quase universais, e a elevada taxa de nascimentos sobre mortes parece indicar um alto potencial de crescimento, interrompido pelas frequentes crises de mortalidade. Uma causa competitiva para o declínio da população nativa foi o processo de mestiçagem intensificado com o aumento da população de origem europeia e africana.

Palavras-chave
Venezuela; População; Missões; Mestiçagem

Associação Brasileira de Estudos Populacionais Rua André Cavalcanti, 106, sala 502., CEP 20231-050 Rio de Janeiro - RJ - Brasil, Fone: 55 31 3409 7166 - São Paulo - SP - Brazil
E-mail: editor@rebep.org.br