Toxicidade aguda e atividade antiedematogênica e antinociceptiva do extrato aquoso da entrecasca de Tabebuia avellanedae Lor. ex Griseb

Resumo

Os efeitos antinociceptivo e antiedematogênico do extrato aquoso da entrecasca de Tabebuia avellanedae foram verificados através dos modelos experimentais de nocicepção em camundongos e edema de pata induzido por carragenina (1%) em ratos. O extrato aquoso (100, 200 e 400 mg/kg) reduziu a nocicepção produzida pelo ácido acético (0,6%) em 44,9%, 63,7% e 43,8%. No teste da formalina (1%) o extrato aquoso (200 e 400 mg/kg) reduziu o efeito da formalina apenas na 2a fase do teste; o percentual de inibição foi de 49,3% e 53,7%. A naloxona (5 mg/kg) não reverteu a ação do extrato; a cafeína (10 mg/kg) reverteu seu efeito em 19,8% na 2a fase do teste da formalina. No modelo de edema de pata, o extrato aquoso (200 mg/kg) inibiu o edema em 12,9%. A toxicidade aguda foi baixa em camundongos. O extrato aquoso da entrecasca de T. avellanedae apresentou atividades antiedematogênica e antinociceptiva nos modelos testados, com o efeito antinociceptivo associado ao sistema adenosina.


Toxicidade aguda e atividade antiedematogênica e antinociceptiva do extrato aquoso da entrecasca de Tabebuia avellanedae Lor. ex Griseb

Fábio Guilherme Gonçalves de Miranda; Ivana Andréa Nunes Alves; Jeane Carvalho Vilar; Josemar Sena Batista; Ângelo Roberto Antoniolli* * aroberto@ufs.br

Departamento de Fisiologia, Universidade Federal de Sergipe, Brasil

RESUMO

Os efeitos antinociceptivo e antiedematogênico do extrato aquoso da entrecasca de Tabebuia avellanedae foram verificados através dos modelos experimentais de nocicepção em camundongos e edema de pata induzido por carragenina (1%) em ratos. O extrato aquoso (100, 200 e 400 mg/kg) reduziu a nocicepção produzida pelo ácido acético (0,6%) em 44,9%, 63,7% e 43,8%. No teste da formalina (1%) o extrato aquoso (200 e 400 mg/kg) reduziu o efeito da formalina apenas na 2a fase do teste; o percentual de inibição foi de 49,3% e 53,7%. A naloxona (5 mg/kg) não reverteu a ação do extrato; a cafeína (10 mg/kg) reverteu seu efeito em 19,8% na 2a fase do teste da formalina. No modelo de edema de pata, o extrato aquoso (200 mg/kg) inibiu o edema em 12,9%. A toxicidade aguda foi baixa em camundongos. O extrato aquoso da entrecasca de T. avellanedae apresentou atividades antiedematogênica e antinociceptiva nos modelos testados, com o efeito antinociceptivo associado ao sistema adenosina.

Texto completo disponível apenas em PDF.

Full text available only in PDF format.

  • 1 Almeida ER. Plantas medicinais brasileiras: Conhecimentos populares e científicos. HEMUS. 1834; 341p
  • 2 Falkenberg MB. Quinonas. In: Farmacognosia - da planta ao medicamento. (Org. Simões, C.M.O. et al.). Porto Alegre. UFRGS/UFSC. 1999; 821p
  • 3 Panizza S. Plantas que curam: Cheiro de mato. São Paulo. IBRASA. 1997; 279p
  • 4 Lorke D. A new approach to pratical acute toxicity testing. Archives of Toxicology. 1993; 54:275-287
  • 5 Winter CA, Risley EA, Nuss GW. Carrageenin-induced oedema in hind paw of the rat as a essay for antiinflamamtory drugs. Proceedings of the Society for Experimental Biology and Medicine. 1962; 111(1):543-547
  • 6 Collier HOJ, Dinnen LC, Johnson CA, Scheneider C. The abdominal constriction response and its suppression by analgesic drugs in mouse. British Journal of Pharmacology. 1968; 32:295-310
  • 7 Dubuisson D, Dennis SG. The formalin test: a quantitative study of the analgesic effects of morphine, meperidine, and brain stem stimulation in rats and cats. Pain. 1977;4:161-174.
  • 8 Husnkaar S, Hole K. The formalin test in mice: dissociation between inflammatory and non-inflammatory pain. Pain 1987; 30:103-119
  • 9 Di Rosa M, Giround JP, Willoughby PA. Studies on the mediators of acute inflamatory response induce in rat in different sites by carrageenin and turpentine. Journal of Pathology and Bacteriology. 1971;104: 5-29
  • 10 Tjolsen A, Berge OG, Husnkaar S, Rosland JH, Hole K. The formalin test: an evolution of the method. Pain. 1992; 51:5-17
  • 11 Daval J, Nehlig A, Nicolas F. Physiological and pharmacological properties of adenosine: Therapeutic implications. Life Sciences. 1991; 49(19):1435-1453
  • 12 Sawynok J, Yaksh TL. Caffeine as an analgesic adjuvant: A review of pharmacology and mechanisms of action. Pharmacological Reviews. 1993; 45(1):43-85

Datas de Publicação

  • Publicação nesta coleção
    05 Out 2009
  • Data do Fascículo
    2002
Sociedade Brasileira de Farmacognosia Universidade Federal do Paraná, Laboratório de Farmacognosia, Rua Pref. Lothario Meissner, 632 - Jd. Botânico, 80210-170, Curitiba, PR, Brasil, Tel/FAX (41) 3360-4062 - Curitiba - PR - Brazil
E-mail: revista@sbfgnosia.org.br