Accessibility / Report Error

Avaliação da qualidade de chás medicinais e aromáticos comercializados em Itajaí-SC

Resumos

Diversas espécies de plantas medicinais secas e estabilizadas, comercializadas para o preparo de chás nos estabelecimentos farmacêuticos de Itajaí - SC foram analisadas quanto à procura, à embalagem e à qualidade que apresentam. As análises farmacognosticas utilizadas foram simplificadas de forma que possam ser executadas rotineiramente em pequenos laboratórios. Pelas análises realizadas, verificou-se que nenhuma das amostras em estudo apresentou bula e informações sobre precauções de uso; 18,36% não apresentaram registro no Ministerio da Sadde, 26,53% não informaram o nome científico da planta e 79,16% das espécies analisadas farmacognosticamente não apresentaram qualidade satisfatória tanto para a comercialização quanto para a utilizacao das mesmas.


The quality of several species of medicinal plants commercialized as "herbal medicinal teas" were analised, using simplified farmacognostic tecniques that could be performace by small laboratories and pharmacies. Results obtained pinted out that no sample analised, presented instructions or informations or cited precautions; 18, 36% of the samples were not registered at the Health Mistery; 25,53% did not inform the scientific name of the plant. 79,16% of the species analised were not appropriate for use.


TRABALHOS ORIGINAIS

Avaliação da qualidade de chás medicinais e aromáticos comercializados em Itajaí-SC

Silvana Nair Leite; Maique Weber Biavatti

Laboratório de Farmacognosia, UNIVALI-FAQFAR- Universidade do Vale do Itajaí. Rua Uruguai, 458. C.P.360, CEP 88302202 - Itajai-SC

RESUMO

Diversas espécies de plantas medicinais secas e estabilizadas, comercializadas para o preparo de chás nos estabelecimentos farmacêuticos de Itajaí - SC foram analisadas quanto à procura, à embalagem e à qualidade que apresentam.

As análises farmacognosticas utilizadas foram simplificadas de forma que possam ser executa­das rotineiramente em pequenos laboratórios. Pelas análises realizadas, verificou-se que nenhuma das amostras em estudo apresentou bula e in­formações sobre precauções de uso; 18,36% não apresentaram registro no Ministerio da Sadde, 26,53% não informaram o nome científico da planta e 79,16% das espécies analisadas farmacognosticamente não apresentaram qualidade satisfatória tanto para a comercialização quanto para a utilizacao das mesmas.

ABSTRACT

The quality of several species of medicinal plants commercialized as "herbal medicinal teas" were analised, using simplified farmacognostic tecniques that could be performace by small laboratories and pharmacies.

Results obtained pinted out that no sample analised, presented instructions or informations or cited precautions; 18, 36% of the samples were not registered at the Health Mistery; 25,53% did not inform the scientific name of the plant. 79,16% of the species analised were not appropriate for use.

Texto completo disponível apenas em PDF.

Full text available only in PDF format.

6 - REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

  • 1. BATISTIC, M. A. et al. Verificaçăo da qualidade e identidade de chás medicinais. Revista Institute Adolfo Lutz, v. 49, n. 1, p.45-49, 1989.
  • 2
    BRASI. Secretaria de Vigilância Sanitária. Portaria n9 6 de 31 de janeiro de 1995. In. Informativo Sociedade Brasileira Farmacognosia. [s.l], mai/jun. de 1995.
  • 3. CAETANO, N.N.; DUARTE, M.R.; SANTOS, C.A.M. Farmacognosia prática. Curitiba. 1994. Apostila (Disciplina de Farmacognosia). Departamento de Farmácia, Universidade do Paraná.
  • 4. CALIXTO, J.B. Natureza em cápsulas. Cięncia Hoje, São Paulo, n. 115, p. 73, nov. 1995.
  • 5. MANCINI, B. Plantas medicinais: a realidade. Revista Racini, São Paulo, p. 6-7, jun./jul. 1995.
  • 6. MARTINS, Ernane R. et al. Plantas medicinais. Vicosa: UFV, Impressora Universitária, 1995. p. 164-165.
  • 7. MATOS, F. A. Proposta de validaçăo farmacognóstica de drogas vegetais, plantas medicinais e fitoterápicas. INFARMA, Brasília, v. 3, p. 9-14, 1994.
  • 8. NEVES, E. S. Plantas medicinais na saúde. Silvicultura em Săo Paulo, São Paulo, [s.d.
  • 9. OLIVEIRA, F. de; AKISUE, G. e AKISUE, M. K. Farmacognosia Săo Paulo: Atheneu, 1991.
  • 10. OLIVEIRA, F. de; AKISUE, G. O problema da adulteracão de drogas. Revista Brasileira de Farmácia, [s.l.], p. 71-81, mar./abr. 1973.
  • 11
    Quality control methods for medicinal plant materials, Geneva: OMS, v. 1, 1992.
  • 12. SCHENKEL, E. P. et al. As plantas medicinais, os chás e os fitoterâpicos. In: Cuidados corn medicamentos, Porto Alegre, Saga/De Luzzatta Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 1991. p. 103-106.
  • 13. SCHULTZ, Alarich R. Botânica sistemática. 3. ed. Porto Alegre: Globo, v. 2., p. 117 e 338, 1968.
  • 14. SIMŐES, C. M. O. et al. Plantas da medicina popular do Rio Grande do Sul. Porto Alegre: Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 1989.

Datas de Publicação

  • Publicação nesta coleção
    12 Jan 2010
  • Data do Fascículo
    1996
Sociedade Brasileira de Farmacognosia Universidade Federal do Paraná, Laboratório de Farmacognosia, Rua Pref. Lothario Meissner, 632 - Jd. Botânico, 80210-170, Curitiba, PR, Brasil, Tel/FAX (41) 3360-4062 - Curitiba - PR - Brazil
E-mail: revista@sbfgnosia.org.br