Efeito do raloxifeno na densidade mamográfica em mulheres na pós-menopausa

Effect of raloxifene on mammographic density in postmenopausal women

Cristiane Donida Silvério Sobre o autor

RESUMO DE TESE

Efeito do raloxifeno na densidade mamográfica em mulheres na pós-menopausa

Effect of raloxifene on mammographic density in postmenopausal women

Autor: Cristiane Donida Silvério

Orientador: Prof. Dr. Jorge Nahás Neto

Co-orientadora: Profa. Dra. Eliana Aguiar Petri Nahás

Dissertação apresentada e desenvolvida na Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho – Faculdade de Medicina de Botucatu – UNESP, para obtenção do título de Mestre no dia 4 de dezembro de 2006

OBJETIVO: avaliar a densidade mamográfica de mulheres na pós-menopausa submetidas ao tratamento com raloxifeno.

METODOLOGIA: estudo prospectivo, no qual foram incluídas 80 mulheres menopausadas alocadas em dois grupos: GR, 40 pacientes submetidas ao tratamento com Raloxifeno/60 mg/dia, com diagnóstico densitométrico de osteoporose em coluna lombar e/ou colo de fêmur e GC, 40 mulheres com densitometria óssea normal (controle). A densidade mamográfica foi avaliada de forma qualitativa (subjetiva) e quantitativa (objetiva) nos momentos inicial e após seis meses. Os laudos mamográficos foram interpretados por um mamografista seguindo a classificação de BI-RADS e pela digitalização de imagem. Em ambas classificações, os profissionais envolvidos não tinham conhecimento do estudo. Para análise estatística empregou-se o teste não paramétrico de Wilcoxon e o teste de concordância de Kappa.

RESULTADOS: na comparação estatística inicial os grupos foram homogêneos para as variáveis: idade, tempo e idade da menopausa, paridade, amamentação e índice de massa corpórea (IMC). Correlacionando a densidade mamográfica inicial pelos métodos qualitativo e quantitativo, houve correlação negativa com a idade nas duas classificações em ambos os grupos (p < 0,05). Apenas na avaliação quantitativa inicial observou-se correlação negativa com o IMC nas pacientes do grupo controle (p < 0,05). As demais variáveis analisadas (tempo de menopausa, paridade e amamentação) não apresentaram correlação significativa. Após seis meses, não foi observada alteração na densidade mamográfica em ambos os grupos e métodos. Obteve-se concordância entre a classificação da densidade mamográfica segundo os métodos qualitativo e quantitativo.

CONCLUSÃO: mulheres na pós-menopausa com osteoporose, submetidas ao tratamento com raloxifeno por seis meses, não apresentaram alterações na densidade mamográfica.

Palavras-chave: Menopausa Densidade mamográfica Raloxifeno Densitometria óssea

Datas de Publicação

  • Publicação nesta coleção
    02 Maio 2007
  • Data do Fascículo
    Fev 2007
Federação Brasileira das Sociedades de Ginecologia e Obstetrícia Av. Brigadeiro Luís Antônio, 3421, sala 903 - Jardim Paulista, 01401-001 São Paulo SP - Brasil, Tel. (55 11) 5573-4919 - Rio de Janeiro - RJ - Brazil
E-mail: editorial.office@febrasgo.org.br
Accessibility / Report Error