Revista Brasileira de Ginecologia e Obstetrícia, Volume: 20, Issue: 5, Published: 1998
  • RBGO: presente e futuro Editorial

  • Níveis de hemoglobina glicosilada e anomalias cardíacas em fetos de mães com diabetes mellitus Trabalhos Originais

    Behle, Ivo; Zielinsky, Paulo; Zimmer, Lucia Pellanda; Pontremoli, Mila; Risch, Juliana N.

    Abstract in Portuguese:

    Avaliou-se, prospectivamente, a existência de relação entre o controle glicêmico materno, na primeira metade da gestação, com a ocorrência de anomalias cardíacas fetais, em gestantes com diabetes mellitus. O nível da hemoglobina glicosilada (HbA1c) foi determinado em 127 grávidas, por ocasião da primeira visita pré-natal. Nove eram portadoras de diabetes do tipo I, 77 do tipo II e 41 de Diabetes mellitus gestacional (DMG). Todas foram submetidas a ecocardiografia fetal detalhada na 28ª (±4,1) semana da gestação. Em 31 dos 127 fetos (24,4%) foram detectadas anomalias cardíacas. Em 10 (7,87%), foram diagnosticadas anomalias cardíacas estruturais e, em 21 (16,53%), miocardiopatia hipertrófica como anomalia cardíaca isolada. A média das dosagens de HbA1c no grupo de gestantes sem anomalias cardíacas (5,6%) foi estatisticamente diferente da média das HbA1c do grupo com anomalias (10,1%) (p<0,0001). A elaboração da curva ROC, representando o balanço entre a sensibilidade (92,83%) e a especificidade (98,92%) no diagnóstico das anomalias cardíacas estruturais, com base nos níveis da HbA1c e resultados da ecocardiografia fetal, revelou ponto de corte discriminatório em 7,5%. Em nove dos dez fetos portadores de anomalias cardíacas estruturais, o nível materno da HbA1c era maior do que 7,5%. Não foi observada diferença estatisticamente significante quando se compararam as médias das dosagens de HbA1c dos casos com e sem miocardiopatia hipertrófica, diagnosticada como anomalia isolada (MCPH), nos subgrupos de diabetes tipo II e DMG. Concluem os autores que o nível de HbA1c acima de 7,5% correlaciona-se com o diagnóstico ecocardiográfico de anomalias cardíacas estruturais. Por outro lado, este teste não se mostrou útil para discriminar conceptos portadores de MCHP.

    Abstract in English:

    We analyze prospectively the existence of a relationship between the mother's glycemic control, in the first half of pregnancy, and the occurrence of abnormal fetal cardiac abnormalities, in pregnant women with diabetes mellitus. In 127 pregnant women, the level of glycosylated hemoglobin was determined on the first visit during prenatal care. Nine patients had type I diabetes, 77 type II and 41 gestational diabetes mellitus (GDM). All mothers were submitted to detailed fetal echocardiography, during the 28th ± 4.127 week of gestation. In 31 (24.4%) of the 127 fetuses cardiac anomalies were detected. In 10 (7.87%) an isolated cardiac anomaly was identified. Mean HbA1c in the group of pregnant women without cardiac anomalies (5.64%) was statistically different from the group with anomalies (10.14%) (p<0.0001). The receiver-operator characteristic, representing the balance between sensitivity (92.83%) and specificity (98.92%) in the diagnosis of structural cardiac abnormalities, showed a cut-off point at the 7.5% HbA1c level. In nine of ten fetuses with structural cardiac anomalies, the maternal level of HbA1c was higher than 7.5%. The difference between means of the groups with and without myocardial hypertrophy diagnosed as isolated anomaly (MCHP) was not statistically significant, when considering both type II diabetes and GDM subgroups. In conclusion, levels of HbA1c higher than 7.5% were associated with most cases of echocardiographycally diagnosed structural cardiac anomalies. On the other hand, this test was not useful to discriminate conceptus with MCHP.
  • Ação crônica do ácido acetilsalicílico na prenhez da rata Trabalhos Originais

    Espiridião, Sílvia; Ajeje, Renato; Kopelman, Benjamin I.; Simões, Manuel J.; Evêncio-Neto, Joaquim; Kulay Júnior, Luiz

    Abstract in Portuguese:

    O objetivo deste trabalho foi avaliar os efeitos do ácido acetilsalicílico (AAS) sobre a prenhez da rata albina. Para tanto, utilizamos 60 ratas prenhes divididas ao acaso em seis grupos numericamente iguais. Todas receberam diariamente por gavagem o volume total de 1 ml, do 5º até o 20º dia de prenhez, com as seguintes características: Grupo I - somente água destilada (controle); Grupo II - solução aquosa de carboximetilcelulose 0,2% (veículo); Grupos III, IV, V e VI - respectivamente, 1, 10, 100 e 400 mg/kg de peso de AAS dissolvido em solução de carboximetilcelulose a 0,2%. Os pesos maternos foram anotados nos dias zero, 7º, 14º e 20º de prenhez. No 20º dia as matrizes foram sacrificadas. Nossos resultados mostraram diminuição do número de crias vivas a partir da administração de 100 mg/kg de AAS e também queda do ganho de peso materno, dos conceptos e placentas nas ratas tratadas com dose de 400 mg/kg por dia.

    Abstract in English:

    The purpose of the present study was to evaluate the effects of acetylsalicylic acid (ASA) on the pregnancy of female albino rats. We used 60 pregnant female rats which were divided into six groups of ten cache. All the animals received daily by gavage, from the 5th (day zero) until the 20th day of pregnancy, 1 ml of the following: Group I - only distilled water (control); Group II - 0.2% aqueous solution of carboxymethylcellulose (vehicle); Groups III, IV, V and VI - 1, 10, 100 and 400 mg/kg body weight respectively, of ASA diluted in 0.2% carboxymethylcellulose solution. The animals were weighed on days 0, 7, 14 and 20 of pregnancy. Our results showed that the animals treated with 100 mg of ASA presented a reduction in the number of live newborns. The animals treated with 400 mg/kg/day presented not only a reduction in the number of live newborns but also decrease in maternal, newborn and placental weight.
  • Acurácia do teste de Clements para avaliação da maturidade pulmonar fetal em gestantes com doença hipertensiva específica da gestação Trabalhos Originais

    Amorim, Melania Maria Ramos de; Faúndes, Aníbal; Santos, Luiz Carlos; Azevedo, Elvira

    Abstract in Portuguese:

    Objetivos: determinar sensibilidade, especificidade e valor preditivo positivo e negativo do teste de Clements para avaliação da maturação pulmonar fetal na DHEG. Métodos: foi realizado um estudo prospectivo para validação de técnica diagnóstica, envolvendo 163 gestantes (com idade gestacional entre 28-34 semanas) internadas no IMIP com diagnóstico de DHEG (leve, grave, pura ou superposta) e indicação de pesquisa de maturidade pulmonar fetal. O diagnóstico de DHEG e suas formas clínicas foi realizado de acordo com os parâmetros propostos pelo "National High Blood Pressure Working Group", 1990. O teste de Clements foi realizado em três tubos, considerando-se para análise os resultados positivos, intermediários e negativos (em relação à presença ou não de maturação pulmonar fetal). Os parâmetros de acurácia já descritos foram calculados levando em consideração a real incidência de doença da membrana hialina (maturidade positiva = ausência de doença) ao nascimento. A análise dos dados foi realizada em Epi-Info 6.04, utilizando-se o teste chi² de associação e considerando-se um nível de significância de 5%. Resultados: para determinação da acurácia do método, foram considerados os resultados intermediários como positivos ou negativos. Quando estes foram considerados positivos, determinou-se uma sensibilidade de 87,9% e uma especificidade de 74,5%, valor preditivo positivo e negativo de respectivamente 89,4% e 71,4%, com uma acurácia de 84%. Em se analisando como negativos esses resultados intermediários, a sensibilidade caiu para 62%, ao passo que a especificidade elevou-se para 89,4%, com um valor preditivo positivo de 93,5% e valor preditivo negativo de 51,2% (acurácia em torno de 70%). Os resultados falso-positivos foram raros e em geral associados à hipoxia neonatal: somente 5 (6.5%) de 77 recém-nascidos com Clements positivo apresentaram DMH após o nascimento. No entanto, os resultados falso-negativos foram freqüentes, em torno de 40% para os resultados negativos/intermediários. Conclusões: o teste de Clements representa um bom teste para investigação maturação pulmonar fetal em casos de DHEG, sendo raros os resultados falso-positivos. No entanto, em virtude da especificidade baixa, com elevada freqüência de resultados falso-negativos, seus resultados devem ser analisados com cautela, complementando-se a pesquisa de maturidade com outros métodos (sobretudo em casos graves, quando a maturidade pulmonar presente irá determinar a indicação de interrupção da gestação).

    Abstract in English:

    Objectives: To determine sensitivity, specificity, positive and negative predictive values of the shake test (Clements) for evaluation of fetal lung maturation in preeclamptic patients. Methods: A prospective study for validation of a diagnostic method was conducted enrolling 163 preeclamptic patients (gestational age between 28-34 weeks) admitted at CAM-IMIP with indication for fetal maturity testing. Preeclampsia diagnosis and classification followed criteria of the National High Blood Pressure Working Group, 1990. Clements' test was performed in three tubes and positive, negative or intermediate results were considered for analysis (related to presence or absence of fetal lung maturity). Accuracy parameters were calculated considering actual incidence of hyaline membrane disease (positive maturity = absent disease) after birth. Hyaline membrane disease was defined by criteria of CLAP, 1978. Statistical analysis was performed using c² test (Epi-Info 6.04b) with a 5% significance level. Results: Intermediate results were considered alternately as positive or negative for analysis. When considered positive, sensitivity was 87.9% and specificity 74.5% with positive and negative predictive values of 8.9.4% and 71.4% respectively - efficiency was 84%. When intermediate results were evaluated as negative, sensitivity decreased to 62% and specificity raised to 89.4% and positive and negative predictive values were 93.5% and 51.2% respectively (efficiency = 70%). False-positive results were rare and usually related to neonatal hypoxia: only 5 (6.5%) of 77 neonates with previous positive Clements had hyaline membrane disease. Nevertheless, false negatives were frequent: almost 40% for negative/intermediate results. Conclusions: Despite its limitations, Clements' test remains a good method for investigation of fetal lung maturation in preeclamptic patients since false positive results are unusual. However sensitivity is low and results have be cautiously analyzed because of elevated rate of false negative results. A good policy is to complement fetal maturity investigation with other tests if a negative result is determined, specially in severe cases when confirmed maturity represents indication for interruption of pregnancy.
  • É pior o prognóstico do segundo gemelar ? Trabalhos Originais

    Costa, Hélio de L. F. F.; Rocha, Ana Cecília O.; Galvão, Alessandra F.; Souza, Juliana de A.; Rigaard, Ana Cláudia de O.; Costa, Laura O. B. F.

    Abstract in Portuguese:

    Muito se discute sobre as desvantagens que sofre o gêmeo que nasce por derradeiro, em relação às condições de seu nascimento. Neste estudo foram revistos 90 casos de partos gemelares ocorridos na Maternidade da Encruzilhada (CISAM) em Recife, entre Janeiro de 1992 e Dezembro de 1993, com o objetivo de comparar variáveis perinatais entre o 1º e o 2º gemelar. Foram pesquisados a estática fetal, a via de parto, o peso ao nascer, o Apgar do 1º e 5º minutos, a ocorrência de complicações neonatais como a síndrome da membrana hialina, taquipnéia transitória e infecção neonatal e, finalmente, o prognóstico de cada um dos gemelares. Não houve diferença estatisticamente significativa na incidência de apresentações não cefálicas, operação cesariana, baixo peso ao nascer, Apgar < 7 no 1º e 5º minutos ou das complicações neonatais acima referidas. Não houve também diferença na mortalidade perinatal entre os gêmeos. Nossos resultados sugerem ser iguais as condições de nascimento dos gemelares de uma mesma gestação, devendo ser prestada uma assistência igualmente apurada a ambos pela equipe de perinatologia.

    Abstract in English:

    The disadvantages of the second twin in respect of his birth conditions are of great concern. In this study we have reviewed 90 twin births occurred at the Maternidade da Encruzilhada (CISAM) in Recife, from January/92 to December/93, in order to compare perinatal variables between the first and second twin. Fetal presentation, way of delivery, birth weight, Apgar of the 1st and 5th minutes, occurrence of perinatal complications such as hyaline membrane syndrome, transitory tachypnea, and neonatal infection and, finally, the prognosis of each of the twins were evaluated. There was no statistical difference between the incidence of non-vertex presentation, cesarean section, low birth weight, Apgar < 7 in the 1st and 5th minutes and neonatal complication cited above. There was also no difference in perinatal mortality between the first and the second twin. Our results suggest a similar birth condition for both twins of a same pregnancy, therefore, the same perinatal care must be provided for each one.
  • Esteróides sexuais e gonadotrofinas em mulheres com e sem carcinoma de endométrio: um estudo clínico comparativo Trabalhos Originais

    Tadini, Valdir; Brenna, Sylvia M.F.; Pinto-Neto, Aarão Mendes; Paiva, Lúcia Helena Simões da Costa; Martins, Maurício de Sena; Souza, Gustavo Antônio de

    Abstract in Portuguese:

    Objetivo: analisar os níveis dos esteróides sexuais endógenos e gonadotrofinas em mulheres com e sem câncer de endométrio. Métodos: foi realizado estudo clínico-comparativo com 20 mulheres na pós-menopausa com câncer de endométrio e 20 mulheres na pós-menopausa, sem câncer de endométrio. A idade, o tempo de menopausa e o índice de massa corpórea foram utilizados como variáveis de emparelhamento. Os níveis plasmáticos dos esteróides sexuais endógenos foram medidos por métodos de radioimunoensaio e imunoenzimático. Para análise estatística utilizamos o teste "t" de Student. Resultados: os níveis de androstenediona (A), testosterona total (t) e testosterona livre (TL) foram mais elevados nas mulheres com câncer de endométrio e os níveis de hormônio luteinizante (LH) foram significativamente menores nessas mulheres. Também observamos que a razão (E1/A) mostrou valores significativamente menores no grupo de mulheres com câncer, ao passo que a razão (E2/E1) não apresentou diferenças nos dois grupos. Conclusões: destacamos a potencialidade dos esteróides sexuais e gonadotrofinas na gênese do adenocarcinoma de endométrio em mulheres na pós-menopausa.

    Abstract in English:

    Objective:To analyze the levels of endogenous sexual steroids and gonadotrophin in women with and without endometrial cancer. Methodology:We developed a clinical comparative study on 20 postmenopausal women with endometrial cancer and 20 postmenopausal women without endometrial cancer. The age, the postmenopausal time and the index of body mass were used as matching variables. The plasma levels of the endogenous sexual steroids were measured using radioimmunoassay and immunoenzymatic methods. For the statistic analysis we used the Student's t test. Results: The levels of androstenedione (A), total testosterone (t) and free testosterone (TL) were higher in the women with endometrial cancer, and those of the luteinic hormone (LH) were significantly lower values in these women. We also observed that the ratio (E1/A) showed significantly lower in the group of women with cancer, while the ratio (E2/E1) did not present any differences between groups. Conclusions: We emphasize the potentiality of sexual steroids and gonadotrophins in the genesis of endometrial adenocarcinoma in postmenopausal women.
  • Avaliação da tolerabilidade e do controle de ciclo de dois contraceptivos orais de baixa dose: estudo comparativo aberto Trabalhos Originais

    Baracat, Edmund C.; Barbosa, Ione C.; Campos, Altamiro A.; Hyppolito, Sylvia B.; Melo, Nilson R. de; Mussielo, Rafael; Nassar, Rosival; Pinho-Neto, João S.; Tomaz, Geraldez

    Abstract in Portuguese:

    Realizou-se um estudo aberto comparativo em nove centros brasileiros para avaliar a tolerabilidade e o controle de ciclo obtido com o uso de dois contraceptivos orais de baixa dose contendo 20 mg etinilestradiol/75 mg gestodeno e 20 mg etinilestradiol/150 mg desogestrel, durante seis ciclos de tratamento. Foram selecionadas 167 mulheres saudáveis com vida sexual ativa (77 no grupo do gestodeno e 90 no grupo do desogestrel), das quais 138 completaram os seis ciclos de tratamento. Em um subgrupo de novas usuárias realizou-se também perfil lipídico e hemostático. Foram avaliados 867 ciclos no total. Ocorreu sangramento irregular em 4,6% dos ciclos com gestodeno e em 8,1% com desogestrel. A tolerabilidade a ambas preparações foi boa, mas houve significativamente mais náusea no grupo do desogestrel. O controle de ciclo foi bom com os dois contraceptivos, sendo que houve freqüência significativamente menor de sangramento irregular no grupo do gestodeno quando se leva em conta que todos os ciclos foram considerados. Não houve alterações clinicamente significativas no perfil hemostático. O perfil lipídico mostrou tendência a tornar-se mais favorável após seis ciclos de tratamento com as duas preparações. Não ocorreu alteração no peso médio das mulheres no grupo do gestodeno; no grupo do desogestrel houve aumento significativo no peso médio de aproximadamente 1 kg após seis meses de tratamento. A adesão ao tratamento foi boa com as duas preparações. Os resultados deste estudo mostram que preparações contendo baixa dose de gestodeno ou desogestrel associados a 20 mg de etinilestradiol são contraceptivos bem tolerados que permitem bom controle de ciclo, sem efeitos colaterais significantes.

    Abstract in English:

    An open-label comparative study was conducted in nine centers in Brazil to evaluate the tolerability and cycle control of two low-dose oral contraceptives containing 20 mg ethynylestradiol/75 mg gestodene and 20 mg ethynylestradiol/150 mg desogestrel, during six treatment cycles. A total of 167 healthy sexually active women were enrolled (77 in the gestodene group and 90 in the desogestrel group) and 138 completed the six-cycle treatment period. A lipid and hemostatic profile was performed for a subgroup of first users. A total of 867 cycles were evaluated. Irregular bleeding did not occur in 95.4% of the cycles evaluated with gestodene and in 91.9% with desogestrel. Tolerability was good with both preparations but there was significantly more nausea in the desogestrel group. Cycle control was good with both preparations with a significantly lower incidence of irregular bleeding with gestodene when all cycles were considered. There were no clinically significant changes in the hemostatic profile. Lipid profile showed a trend to be more favorable after six cycles of treatment with both preparations. Women in the gestodene group did not present changes in the mean weight; in the desogestrel group there was a significant mean weight increase of 1 kg after six cycles of treatment. Compliance with treatment was good with both preparations. Results of this study demonstrated that low-dose preparations containing gestodene or desogestrel combined with 20 mg of ethynylestradiol are well-tolerated oral contraceptives that provide good cycle control.
  • Feto portador de síndrome de turner e tetralogia de fallot associadas à elevação de alfafetoproteína materna Relatos de Casos

    Vieira Neto, Eduardo; Liberman, Jaime; Fonseca, Armando A.

    Abstract in Portuguese:

    A síndrome de Turner fetal e suas complicações, a hidropisia e o higroma cístico, podem produzir alteração dos marcadores bioquímicos de soro materno inicialmente utilizados no rastreamento de síndrome de Down e de defeitos de tubo neural (DTN). Os autores relatam o caso de uma gestante de 37 anos, que foi rastreada para síndrome de Down e DTN no início do 2º trimestre. Foi constatado aumento da alfafetoproteína de soro materno (MSAFP) e o rastreamento foi considerado positivo para DTN. Foi realizado exame ultra-sonográfico tridimensional, que não demonstrou nenhuma anormalidade fetal ou placentária, caracterizando o caso como elevação idiopática de MSAFP. No 3º trimestre, a gravidez evoluiu com acentuada oligoidrâmnia e alteração do fluxo uteroplacentário, obrigando à instituição de terapia com corticosteróides e parto cesáreo na 34ª semana gestacional. O concepto do sexo feminino foi encaminhado à UTI neonatal, onde foram diagnosticadas tetralogia de Fallot e síndrome de Turner. Esse caso incentivou os autores a rever a literatura sobre marcadores bioquímicos de soro materno na síndrome de Turner e nas malformações cardíacas congênitas. Ao final, propõe-se um protocolo para elevação idiopática de MSAFP.

    Abstract in English:

    Turner syndrome and its complications, hydrops and cystic hygroma, can produce alterations in maternal serum biochemical markers used in screening for Down's syndrome and neural tube defects (NTD). The authors report the case of a 37-year-old pregnant woman, screened for Down's syndrome and NTD in the second trimester of pregnancy. The maternal serum alpha-fetoprotein (MSAFP) level was increased and the test was considered screen positive for NTD. A three-dimensional ultrasound investigation was performed, but no fetal or placental anomalies were found, indicating a case of unexplained increased msafp. In the third trimester severe oligohydramnios and disturbances in uteroplacental arterial circulation developed, requiring corticosteroid therapy and premature cesarean section at the 34th week of gestation. The female newborn was transferred to a neonatal ICU and tetralogy of Fallot and Turner syndrome were diagnosed. This case prompted the authors to review the literature on maternal serum biochemical markers in Turner syndrome and congenital heart defects and to propose a protocol for unexplained increased MSAFP.
  • Pneumoperitônio pós-cesárea: relato de caso Relatos de Casos

    Amorim, Melania Maria Ramos de; Spencer Netto, Fernando Antônio Campelo; Santos, Luiz Carlos; Mascarenhas, Everaldo; Katz, Leila

    Abstract in Portuguese:

    A associação de pneumoperitônio, dor abdominal e íleo paralítico no período pós-operatório relaciona-se, na maioria dos casos, à perfuração de vísceras ocas. Os autores apresentam um caso de pós-operatório de cesariana por DPPNI em que a paciente evoluiu com importante distensão e dor abdominal. Realizada radiografia de tórax e abdome evidenciou-se importante dilatação das alças de intestino grosso e delgado e pneumoperitônio, foi submetida a laparotomia exploradora com a hipótese diagnóstica de perfuração intestinal. Na cirurgia, no entanto, não foi encontrada lesão gastrintestinal; foi confirmado o diagnóstico de pneumoperitônio, identificando-se hemoperitônio e hematoma subaponeurótico infectados (E. coli). A evolução pós-operatória foi satisfatória, mantendo-se antibioticoterapia (ceftriaxona + metronidazol) por 4 dias. A paciente teve alta no 7º dia pós-laparotomia. Depois de revisão da literatura pertinente, os autores concluem que o presente caso de pneumoperitônio relacionou-se possivelmente à infecção por bactéria produtora de gás em paciente com quadro clínico de íleo paralítico.

    Abstract in English:

    Pneumoperitoneum, abdominal pain and paralytic ileus in the postoperative period are usually related to perforation of the gastrointestinal tract. The authors present a case of a patient submitted to cesarean section (abruptio placentae) who had a postoperative course of abdominal distention and abdominal pain. Abdominal X-ray showed important dilatation of the colon and small bowel. Pneumoperitoneum was seen on chest X-ray. An exploratory laparotomy was performed because of suspicion of intestinal perforation. The operation showed a marked dilatation of bowel, pneumoperitoneum, and infected hemoperitoneum and subaponeurotic hematoma (Escherichia coli), without any perforation. Postoperative recovery was good and antibiotics were given for 4 days (ceftriaxone + metronidazole). The patient was diseharged from hospital on the 7th day after laparotomy. After review of the literature the authors concluded that this case of pneumoperitoneum was probably related to infection by a gas-producing bacterium in a patient with clinical findings of paralytic ileus.
Federação Brasileira das Sociedades de Ginecologia e Obstetrícia Av. Brigadeiro Luís Antônio, 3421, sala 903 - Jardim Paulista, 01401-001 São Paulo SP - Brasil, Tel. (55 11) 5573-4919 - Rio de Janeiro - RJ - Brazil
E-mail: editorial.office@febrasgo.org.br