Revista Brasileira de Ginecologia e Obstetrícia, Volume: 32, Issue: 1, Published: 2010
  • Anti-inflamatórios e alterações cardíacas fetais Editorial

    Lopes, Lilian Maria; Francisco, Rossana Pulcineli Vieira; Zugaib, Marcelo
  • Correlação entre peso fetal estimado por ultrassonografia e peso neonatal Artigos Originais

    Freire, Djacyr Magna Cabral; Cecatti, José Guilherme; Paiva, Cláudio Sérgio Medeiros

    Abstract in Portuguese:

    OBJETIVO: avaliar a correlação entre o peso fetal estimado (PFE) por ultrassonografia e o peso neonatal (PN), bem como a capacidade do PFE predizer as alterações do PN entre gestantes de João Pessoa (PB). MÉTODOS: estudo de validação diagnóstica incluindo 122 gestantes que tiveram o PFE calculado por ultrassonografia até sete dias antes do parto e o PN determinado imediatamente após o nascimento, com balança específica para recém-nascidos. A correlação entre o PFE e o PN foi avaliada pelo coeficiente de correlação de Pearson entre as duas medidas e pela média das diferenças entre elas. O PFE e o PN foram classificados em: pequeno para idade gestacional (PIG), adequado para a idade gestacional (AIG) e grande para a idade gestacional (GIG), de acordo com os percentis 10 e 90 das respectivas curvas de referência. O diagnóstico de desvios do PFE foi validado utilizando a curva de valores de referência de peso neonatal de Alexander como padrão-ouro, estimando-se a sensibilidade, especificidade, valores preditivos positivo e negativo. RESULTADOS: houve uma elevada correlação linear entre o PFE e o PN (R=0,96) e a diferença entre eles variou entre -474 g e +480 g, com média de +3 g. A maioria das máximas variações percentuais da estimativa de peso esteve entre 10 e 15%. O PFE teve sensibilidade de 85,7% e especificidade de 100% para detecção de PIG, e de 100 e 77,2%, respectivamente, para GIG. CONCLUSÕES: o PFE é capaz de predizer adequadamente o PN, e a curva de PFE de referência testada teve bom desempenho no rastreamento dos desvios do crescimento fetal, quando utilizada nessa população.

    Abstract in English:

    PURPOSE: to evaluate the correlation between the estimated fetal weight (EFW) by ultrasonography and the neonatal weight (NW), as well as the EFW's capacity to predict changes in NW among pregnant women in João Pessoa, Paraíba, Brazil. METHODS: a diagnostic validation study, including 122 pregnant women who have had the EFW calculated by ultrasonography up to seven days before delivery and the NW established immediately after birth, with a specific newborn's scale. The correlation between EFW and NW measurements was assessed by Pearson's correlation coefficient and by the mean difference between them. EFW and NW were classified as: low for the gestational age (LGA), adequate for the gestational age (AGA) and high for the gestational age (HGA), according to the percentiles 10 and 90 of the respective reference curves. The diagnosis of EFW deviation has been validated using the values of the Alexander's NW reference curve as gold-standard, by estimating the sensitivity, specificity, and positive and negative predictive values. RESULTS: there has been a high linear correlation between the EFW and NW (R=0.96), and the difference between them has varied from -474 g to +480 g, with an average of +3 g. Most of the highest percent weight estimate variations were between 10 and 15%. EFW has had 85.7% of sensitivity and 100% of specificity for the detection of LGA, and 100 and 77.2%, respectively, for the detection of HGA. CONCLUSIONS: EFW is able to predict NW adequately, and the reference EFW tested has had a good performance in the screening of fetal growth deviation, in the population studied.
  • Centralização de fluxo sanguíneo fetal: comparação entre os índices diagnósticos Artigos Originais

    Franzin, Cleide Mara Mazzotti de Oliveira; Silva, João Luiz Pinto e; Pereira, Belmiro Gonçalves; Marba, Sérgio Tadeu Martins; Morais, Sirlei Siceni; Amaral, Tatiana; Reszka, Erick Barbosa

    Abstract in Portuguese:

    OBJETIVO: descrever os resultados perinatais adversos em pacientes com centralização de fluxo sanguíneo fetal, utilizando a relação entre os índices de pulsatilidade das artérias cerebral média e umbilical (IPACM/IPAU) e entre os índices de resistência das artérias cerebral média e umbilical (IRACM/IRAU), assim como comparar os dois índices diagnósticos. MÉTODOS: foram incluídas 151 gestantes com diagnóstico de centralização de fluxo sanguíneo atendidas na maternidade da Universidade Estadual de Campinas, cujo parto ocorreu até 15 dias após o diagnóstico ultrassonográfico. Foram considerados como resultados perinatais adversos: índice de Apgar inferior a sete no quinto minuto, internação em UTI neonatal, concepto pequeno para a idade gestacional, sofrimento fetal agudo, mortalidade perinatal, hipoglicemia, policitemia, enterocolite necrosante, hemorragia cerebral, hemorragia pulmonar, anemia, septicemia, doença de membrana hialina, síndromes convulsivas, síndrome de hiper-reflexia e insuficiência renal. As frequências dos resultados perinatais adversos (RPA) para as relações cérebro-placentária foram comparadas utilizando-se o teste exato de Fisher ou o do χ2 de Pearson, considerando-se como estatisticamente significativo o nível de 5%. Os resultados perinatais adversos foram avaliados de acordo com a idade gestacional, utilizando-se o teste de tendência de Cochrane-Armitage. RESULTADOS: os resultados perinatais adversos para o grupo em que os dois índices apresentaram-se alterados constatou que 62,5% dos recém-natos necessitaram de internação em UTI, conceptos pequenos para a idade gestacional (PIG) ocorreram em 75,2%, sofrimento fetal agudo em 35,3%, hipoglicemia em 84,4%, policitemia em 8,3%, enterocolite necrosante em 4,2% e hemorragia cerebral em 2,1%. Constatou-se associação significativa das relações IPACM/IPAU e IRACM/IRAU, no decorrer da idade gestacional, para necessidade de cuidados intensivos neonatais, fetos pequenos para a idade gestacional, septicemia, enterocolite necrosante, insuficiência renal, doença de membrana hialina e anemia. Não houve diferença significativa entre um ou outro índice para resultados perinatais adversos.

    Abstract in English:

    PURPOSE: to describe adverse perinatal outcomes in patients with fetal blood flow centralization, using the relationship between the pulsatility indexes of the middle cerebral and umbilical arteries (MCAPI/UAPI), and between the resistance indexes of the middle cerebral and umbilical arteries (MCARI/UARI), as well as to compare both diagnostic indexes. METHODS: 151 pregnant women with diagnosis of blood flow centralization, attended to at the maternity hospital of Universidade Estadual de Campinas, whose delivery occurred up to 15 days after the ultrasonographic diagnosis, were included. It was considered as adverse perinatal outcomes: Apgar index lower than 7 at the fifth minute, permanence in neonatal ICU, small fetus for the gestational age, severe fetal suffering, perinatal death, hypoglycemia, polycythemia, necrotizing enterocolitis, brain hemorrhage, lung hemorrhage, anemia, septicemia, hyaline membrane disease, convulsive syndromes, hyperreflexia syndrome and kidney insufficiency. Rates of the perinatal adverse outcomes (PAO) for the brain-placentary ratios have been compared, using Fisher's exact or Pearson's χ2 tests, at 5% significance level. Adverse perinatal outcomes according to the gestational age have been evaluated using the Cochrane-Armitage test for trend. RESULTS: the adverse perinatal outcomes for the group with the two indexes altered were: 62.5% of the newborns needed to be placed in an ICU, 75.2% were small for the gestational age (SGA), 35.3% were under severe fetal suffering, 84.4% had hypoglycemia, 8.3% polycythemia, 4.2% necrotizing enterocolitis, and 2.1% brain hemorrhage. There has been significant association between the MCAPI/UAPI and MCARI/UARI ratios along the gestational age, and the need for neonatal intensive care, small fetuses for the gestational age, septicemia, necrotizing enterocolitis, kidney insufficiency, hyaline membrane disease, and anemia. There has been no significant difference between the two indexes of adverse perinatal outcome.
  • Avaliação de riscos teratogênicos em gestações expostas ao misoprostol Artigos Originais

    Opaleye, Emérita Sátiro; Coelho, Helena Lutéscia Luna; Schüler-Faccini, Lavínia; Almeida, Paulo César de; Santos, Elaine Cavalcante dos; Ribeiro, Ana Júlia Velozo; Costa, Fabrício da Silva

    Abstract in Portuguese:

    OBJETIVOS: a tentativa de aborto mal sucedida com o uso do misoprostol (Cytotec®) sem indicação médica tem sido associada a malformações congênitas. Este estudo teve por objetivo identificar, em recém-nascidos malformados e controles normais, a frequência de exposição ao misoprostol e o espectro de malformações associadas. MÉTODOS: estudo de caso-controle desenvolvido em 2005 nas quatro principais maternidades públicas de Fortaleza (CE). Através de busca ativa diária, foram identificados recém-nascidos com diagnóstico de malformação fetal (caso) e controles saudáveis de mesmo sexo nascidos em seguida na mesma maternidade (pareamento 1:1). A amostra foi de 252 parturientes entrevistadas por equipe treinada utilizando questionário estruturado com base no Estudo Colaborativo Latino-Americano de Malformações Congênitas (ECLAMC). Além de abordar questões sociodemográficas e histórico familiar de malformação, o questionário objetivou identificar exposições diversas durante a gestação, incluindo o misoprostol. A análise bivariada com teste do χ2 comparou os grupos quanto às características e fatores associados à malformação e foi calculada a Odds Ratio para verificar a razão de chances de o Grupo Caso apresentar malformação em relação ao Grupo Controle com relação à exposição ao misoprostol. RESULTADOS: não houve diferenças significativas entre os grupos caso e controle quanto à maioria dos fatores de riscos investigados para malformações. O relato de tentativa de aborto foi de 6,8%, havendo uma maior exposição ao misoprostol durante a gestação em neonatos malformados comparados a saudáveis, Odds Ratio (OR)=3,65 (IC95%=0,74-17,91). O espectro de malformações encontradas entre os recém-nascidos expostos ao misoprostol foi compatível com a literatura, como os decorrentes de defeitos do tubo neural e disrupção vascular. CONCLUSÕES: os achados deste estudo, apesar de não apresentarem significância estatística, sugerem que os fetos expostos ao misoprostol apresentam uma tendência a maior risco de defeitos congênitos comparados aos não-expostos. Outras investigações devem ser incentivadas para que se identifique melhor o dano causado pela utilização indevida do misoprostol, principalmente em países onde o controle de medicamentos é ineficaz.

    Abstract in English:

    PURPOSE: failed attempted abortions with the use of misoprostol (Cytotec®) without medical indication have been associated with the occurrence of congenital malformations. The objective of the present study was to identify, in newborns with malformations and in normal controls, the frequency of exposure to misoprostol and the spectrum of associated malformations. METHODS: this was a case-control study involving a daily survey at four public maternities in Fortaleza (CE) for the identification of newborns with malformations and paired controls (1:1) during the period from July to November 2005. The sample comprised 252 parturients interviewed by a trained team by means of a structured questionnaire based on the Latin American Collaborative Study of Congenital Malformations (Estudo Colaborativo Latino-Americano de Malformações Congênitas, ECLAMC). The questionnaire was used to obtain sociodemographic data and a family history of malformations, as well as to identify diverse forms of exposure during pregnancy, including misoprostol. Bivariate analysis and the chi-square test were used to compare cases and controls regarding their characteristics and factors associated with malformation, and the Odds Ratio was calculated to determine the chance of the Case Group to present malformations as compared to the Control Group after exposure to misoprostol. RESULTS: there were no significant differences between groups regarding most of the risk factors for malformations investigated. Attempted abortion was reported by 6.8% of the mothers, with a higher exposure to misoprostol during pregnancy resulting in a greater proportion of malformed newborns, Odds Ratio (OR)=3.65 (95%CI=0.74-17.91). The spectrum of congenital defects encountered with exposure to misoprostol included defects of the central nervous, musculoskeletal, urogenital and cardiovascular systems, in agreement with literature data. CONCLUSION: the findings of this study suggest that fetuses exposed to misoprostol tend to be at higher risk of developing congenital malformations in comparison to non-exposed fetuses. Other studies should be encouraged for a better identification of the damage caused by the improper use of misoprostol, especially in countries where the control of medication is inadequate.
  • Avaliação da dor em histeroscopia ambulatorial: comparação entre duas técnicas Artigos Originais

    Diniz, Daniela Barreto Fraguglia Quental; Depes, Daniella De Batista; Pereira, Ana Maria Gomes; David, Simone Denise; Lippi, Umberto Gazi; Baracat, Fausto Farah; Lopes, Reginaldo Guedes Coelho

    Abstract in Portuguese:

    OBJETIVO: comparar a dor referida pelas pacientes submetidas à histeroscopia pela técnica convencional com gás carbônico (CO2) e a vaginohisteroscopia com soro fisiológico (SF 0,9%). MÉTODOS: estudo prospectivo de coorte, realizado em um serviço de histeroscopia ambulatorial. Foram incluídas 117 pacientes com indicação para realizarem o exame, alocadas aleatoriamente em dois grupos. Todas responderam a um questionário epidemiológico e quantificaram a dor esperada antes do exame e sentida após seu término em uma escala verbal de dor de 0 a 10. Para a técnica convencional, foram utilizados espéculo, tração do colo, inserção de ótica de 30º e camisa diagnóstica com diâmetro total 5 mm. A cavidade foi distendida com CO2 sob pressão de 100 mmHg controlada por histeroinsuflador e a biópsia realizada com cureta de Novak. A vaginoscopia foi realizada sem toque, por distensão da vagina com líquido, visualização direta do colo e introdução de ótica com duas camisas de fluxo contínuo com canal acessório de perfil ovalado, totalizando também 5 mm de diâmetro para o conjunto. Foi utilizado SF 0,9% como meio de distensão e a pressão, definida como a necessária para adequada visualização do canal e da cavidade com pressurizador pneumático externo. A biópsia foi realizada de forma dirigida com pinça endoscópica. Foram calculados média e desvio padrão para as variáveis quantitativas e frequência para as qualitativas. O teste t de Student foi utilizado para comparar médias e o teste do qui-quadrado ou exato de Fischer (quando n<5), para análise categórica usando o SPSS 15.0. O estudo foi desenhado para 95% de poder do teste com significância se p<0,05. RESULTADOS: os grupos foram similares quanto a: idade, paridade, cirurgia uterina prévia, estado menopausal e necessidade de biópsia. No grupo vaginoscopia, comparado ao da técnica convencional, houve menor dificuldade técnica (5,1 versus 17,2%, p=0,03), maior taxa de exames considerados satisfatórios (98,3 versus 89,7%, p=0,04) e menor índice de dor (4,8 versus 6,1; p=0,01), com diferença mais evidente em comparação a pacientes que nunca haviam tido um parto normal prévio (4,9 versus 7,1; p=0,0001). Ao estratificar a escala de dor em leve (0-4), moderada (5-7) ou intensa (8-10) a técnica por vaginoscopia foi associada à redução de 52% na frequência da dor intensa (p=0,005). CONCLUSÕES: A vaginohisteroscopia mostrou-se um procedimento menos doloroso do que a técnica com espéculo e CO2 independentemente de idade, menopausa ou paridade, com resultados mais satisfatórios e menor dificuldade técnica.

    Abstract in English:

    PURPOSE: to compare the pain reported by patients submitted to hysteroscopy by the standard technique with carbon dioxide (CO2) and to vaginal hysteroscopy with physiological saline (0.9% NaCl). METHODS: this was a prospective cohort study conducted at an ambulatory hysteroscopy service. A total of 117 patients with indication for the exam were included, being randomly assigned to one of the groups. All patients answered an epidemiological questionnaire and scored the pain expected before the exam and that felt after the end of the procedure on a verbal pain scale from 0 to 10. A speculum, traction of the cervix, insertion of a 30º light source and a diagnostic shirt with a total diameter of 5 mm were used for the standard technique. The cavity was distended with CO2 under a pressure of 100 mmHg controlled with a hysteroflator, and a biopsy was obtained with a Novak curette. Vaginoscopy was performed without a touch by distention of the vagina with fluid, direct visualization of the cervix and introduction of the light source with two continuous-flow shirts, with an accessory channel with an oval profile, the whole set measuring 5 mm in diameter. The medium distention was 0.9% NaCl and the pressure used was that considered to be necessary for an adequate visualization of the canal and of the cavity with an external pneumatic pressurizer. The biopsy was obtained in a directed manner using an endoscopic clamp. The mean and standard deviation were calculated for the quantitative variables and the frequency was calculated for the qualitative variables. The Student's t-test was used to compare the means, and the chi-square or exact Fisher test was used (when n<5) for the categorical analysis using the SPSS 15.0 software. The study was designed for a 95% test power, with the level of significance set at p<0.05. RESULTS: the groups were similar regarding age, parity, previous uterine surgeries, menopausal status, and the need for a biopsy. In comparison to the group submitted to the standard technique, the vaginoscopy group involved a lower technical difficulty (5.1 versus 17.2%, p=0.03), a higher rate of exams considered to be satisfactory (98.3 versus 89.7%, p=0.04) and a lower pain index (4.8 versus 6.1; p=0.01), as the difference were more evident when patients who never had a previous normal delivery were compared (4.9 versus 7.1; p=0.0001). When the pain scale was stratified as mild (0-4), moderate (5-7) or intense (8-10), the vaginoscopy technique was found to be associated with a 52% reduction of the frequency of intense pain (p=0.005). CONCLUSIONS: vaginohysteroscopy was proved to be a less painful procedure than the technique based on the use of a speculum and CO2, regardless of age, menopause or parity, with more satisfactory results and lower technical difficulty.
  • Metaplasia óssea endometrial: quadro clínico e seguimento após tratamento Artigos Originais

    Parente, Raphael Câmara Medeiros; Freitas, Vilmon de; Moura Neto, Rodrigo Soares de; Oliveira, Marco Aurélio Pinho de; Lasmar, Ricardo Bassil; Patriarca, Marisa Teresinha; Canavez, Felipe Simões

    Abstract in Portuguese:

    OBJETIVO: apresentar o quadro clínico das pacientes com metaplasia óssea e avaliar os fatores de risco, as mudanças dos sinais e sintomas após a retirada do fragmento ósseo. MÉTODOS: foi realizado um estudo transversal com 16 pacientes diagnosticadas com fragmentos ósseos na cavidade uterina no período de julho de 2006 a janeiro de 2009. O critério de inclusão foi o achado de fragmento ósseo retirado da cavidade uterina. Todas as pacientes tiveram confirmação histológica de presença de tecido ósseo na cavidade endometrial. Obtivemos os dados de todas as pacientes antes e depois da retirada por meio de um questionário para avaliar o efeito da retirada sobre a sintomatologia das pacientes, além da pesquisa de possíveis fatores relacionados ao aparecimento da doença. RESULTADOS: metade das pacientes (8/16) tinha sintomas hemorrágicos e um terço (6/16) apresentava infertilidade. A retirada dos fragmentos foi efetiva na melhora das queixas, havendo desaparecimento dos sintomas em todos os casos de menorragia e dor pélvica. CONCLUSÃO: A retirada do fragmento ósseo pode restaurar a fertilidade em pacientes selecionadas e que tenham como causa a metaplasia óssea, além de ser bastante efetiva em proporcionar melhora nos casos que cursam com dor pélvica e menorragia.

    Abstract in English:

    PURPOSE: to describe the clinical signs and symptoms of patients with bone metaplasia and to assess the risk factors for changes in these symptoms after removal of the bone fragment. METHODS: a cross-sectional study was conducted on 16 patients with a diagnosis of bone fragments in the uterine cavity during the period comprising July 2006 to January 2009. The inclusion criterion was the detection of a bone fragment removed from the uterine cavity. The presence of bone tissue in the endometrial cavity was histologically confirmed in all patients. The data of all patients were obtained before and after removal by means of a questionnaire for the evaluation of the effect of removal on the symptoms and for the search of possible factors related to the onset of the disease. RESULTS: half the patients (8/16) had hemorrhagic symptoms and one third (6/16) were infertile. Removal of the fragments was quite effective in improving the complaints, with the disappearance of symptoms in all cases of hemorrhage and of pelvic pain. CONCLUSION: removal of bone fragments can restore the fertility of selected patients whose infertility is caused by bone metaplasia and is quite effective in leading to improvement in patients with pelvic pain and menorrhage.
  • Prevalência de HPV em mulheres assistidas pela estratégia saúde da família na Baixa Fluminense do Estado do Rio de Janeiro Artigos Originais

    Girianelli, Vania Reis; Thuler, Luiz Claudio Santos; Silva, Gulnar Azevedo e

    Abstract in Portuguese:

    OBJETIVO: estimar a prevalência de HPV e avaliar os fatores associados em mulheres residentes na Baixada Fluminense do Estado do Rio de Janeiro. MÉTODOS: estudo transversal incluindo 2.056 mulheres de 25 a 59 anos assistidas pela Estratégia Saúde da Família, residentes nos municípios de Duque de Caxias e Nova Iguaçu do Estado do Rio de Janeiro. Todas as mulheres foram submetidas, numa única consulta, ao exame de Papanicolaou e de detecção do HPV por captura híbrida segunda geração, no período de dezembro de 2001 a julho de 2002. A prevalência de HPV foi calculada segundo local de residência, grupo etário, escolaridade, tabagismo, características sexuais e reprodutivas. Foram calculadas as razões de prevalência associadas às variáveis estudadas através de regressão de Poisson multivariada. RESULTADOS: a prevalência de HPV foi de 12,8% para tipos de alto risco oncogênico e 5,0% para baixo risco. Observou-se uma redução na prevalência de HPV para tipos de alto risco oncogênico com avanço da idade e um recrudescimento no grupo etário de 55 a 59 anos. Não viver com companheiro (RP=1,4; IC95%=1,1-1,8) e ter mais de um parceiro sexual (aumento de 1,4%; IC95%=1,1-1,6 para cada parceiro sexual na vida) associaram-se à infecção pelo HPV de alto risco oncogênico após ajustamento por idade, escolaridade, número de partos, tabagismo e idade do início da atividade sexual. CONCLUSÕES: a prevalência de HPV na população estudada foi mais baixa da que tem sido observada em outros estudos brasileiros, provavelmente por ser oriunda de amostra populacional. Apenas os fatores relacionados ao comportamento sexual mostraram-se associados à infecção pelo HPV, porém a influência do tabagismo nesse processo ainda precisa ser mais bem compreendida. Estudos adicionais são necessários para esclarecer essas questões, bem como o possível recrudescimento da infecção pelo HPV após a menopausa e os tipos de vírus mais prevalentes na população brasileira.

    Abstract in English:

    PURPOSE: to evaluate the prevalence of HPV infection and associated factors among women living in the "Baixada Fluminense", state of Rio de Janeiro, Brazil. METHODS: a cross-sectional study conducted on a sample of 2,056 women aged 25-59 years covered by the Family Health Program in the municipalities of Duque de Caxias and Nova Iguaçu, state of Rio de Janeiro, southeastern Brazil. All women were submitted to the Papanicolaou and HPV detection tests in a single session by second-generation hybrid capture from December 2001 to July 2002. The prevalence of HPV was stratified by age, place of residence, schooling, smoking habit, and sexual and reproductive history. The prevalence rates associated with the studied variables were calculated by Multivariate Poisson regression. RESULTS: the prevalence of HPV was 12.3% and 5.0% for high-risk and low-risk HPV types, respectively. A reduction in high-risk HPV prevalence was observed with aging, with an increase in the 55-59 year age range. After adjusting for age, schooling, smoking, early sexual initiation and parity, high-risk HPV infection was associated with not living with a partner (1.4; 95%CI=1.1-1.8) and having more than one sexual partner (an increase of 1.4%; 95%CI=1.1-1.6, for each lifetime sexual partner). CONCLUSIONS: the prevalence of HPV was lower than that reported in other Brazilians studies, most likely because our sample was population-based. HPV infection was associated only with factors related to sexual behavior, but the potential association between HPV infection and smoking still needs to be better understood. Further studies are needed to explore these issues, as well as postmenopausal increased infection rates, and to identify the most prevalent HPV types in the Brazilian population.
  • Tratamento das malformações fetais intraútero Revisão

    Sbragia, Lourenço

    Abstract in Portuguese:

    RESUMO Aproximadamente 1% das gestações apresenta anomalias estruturais. Durante as últimas três décadas, vários estudos experimentais em animais de grande porte associados ao avanço tecnológico dos equipamentos de imagem diagnóstica e de fetoscopia permitiram grande evolução no conhecimento da fisiopatologia de vários defeitos congênitos. Tais conhecimentos aplicados na correção intraútero das anomalias transformaram a história natural de muitas doenças que passaram do óbito para um considerável número de sobreviventes. Intervenção fetal, como a cirurgia fetal aberta, pode ser indicada na meningomielocele ou na malformação adenomatoide cística congênita e no teratoma sacrococcígeo, que levam à hidropsia fetal secundária. Além disso, procedimentos minimamente invasivos utilizando fetoscópios podem ter aplicação na hérnia diafragmática congênita, nas transfusões feto-fetais, na gravidez gemelar com feto acárdico, na válvula de uretra posterior e na hipoplasia de câmaras cardíacas com bons resultados. Embora cirurgia fetal aberta e procedimentos minimamente invasivos ainda sejam experimentais e necessitem ser plenamente validados, o diagnóstico ecográfico correto e o encaminhamento da paciente para centros terciários com atendimento multidisciplinar de medicina fetal permitem oferecer aumento da sobrevivência de muitas doenças congênitas de evolução fatal.

    Abstract in English:

    ABSTRACT About 1% of all pregnancies present structural anomalies. During the last three decades, various experimental studies in large animals, associated with the technological advance of diagnostic imaging and fetoscopy equipment, have led to great progress in the knowledge of the pathophysiology of various congenital defects. Such knowledge applied to intrauterine correction of abnormalities has transformed the natural history of several previously fatal diseases, leading to a considerable number of survivors. Fetal intervention, such as open fetal surgery, may be indicated in meningomyelocele or in congenital cystic adenomatoid malformation, and in sacrococcygeal teratoma, which lead to secondary fetal hydropsy. Besides, minimally invasive procedures using fetoscopy may have application in congenital diaphragmatic hernia, in feto-fetal transfusion, in twin pregnancies with an acardiac fetus, in the posterior urethral valve, and in hypoplasia of the cardiac chambers, with good results. Even though open fetal surgery and minimally invasive procedures are still experimental and still need to be fully validated, a correct echographic diagnosis and the patient's referral to tertiary centers providing multidisciplinary fetal care contribute to the survival of fetuses with congenital diseases of usually fatal evolution.
  • Escolha da especialização em ginecologia e obstetrícia Carta ao Editor

    Wanderley, Miriam da Silva; Sobral, Dejano Tavares
Federação Brasileira das Sociedades de Ginecologia e Obstetrícia Av. Brigadeiro Luís Antônio, 3421, sala 903 - Jardim Paulista, 01401-001 São Paulo SP - Brasil, Tel. (55 11) 5573-4919 - Rio de Janeiro - RJ - Brazil
E-mail: editorial.office@febrasgo.org.br