Tarefas da educação lingüística no Brasil

Marcos Bagno Egon de Oliveira Rangel Sobre os autores

Resumos

Com base no conceito de "educação lingüística", os autores discutem a necessidade de atender às demandas sociais por essa educação lingüística e definem as áreas de reflexão e atuação mais importantes para a implementação de uma política de educação lingüística no Brasil.


Based on the concept of "linguistic education", the authors debate the need of responding to the social demands for this linguistic education and define the most important areas of reflection and action for the implementation of a politics of linguistic education in Brazil.


Tarefas da educação lingüística no Brasil1 1 O título deste artigo inspira-se diretamente num outro, de Aryon D. Rodrigues, "Tarefas da Lingüística no Brasil", publicado em 1967, e ainda hoje atual - o que certamente ilustra nossa dificuldade em propor as questões de língua e linguagem como questões relativas a uma política lingüística.

Marcos BagnoI; Egon de Oliveira RangelII

IUnB

IIPUC-SP

RESUMO

Com base no conceito de "educação lingüística", os autores discutem a necessidade de atender às demandas sociais por essa educação lingüística e definem as áreas de reflexão e atuação mais importantes para a implementação de uma política de educação lingüística no Brasil.

ABSTRACT

Based on the concept of "linguistic education", the authors debate the need of responding to the social demands for this linguistic education and define the most important areas of reflection and action for the implementation of a politics of linguistic education in Brazil.

Texto completo do artigo disponível apenas em PDF.

Article full text available only in PDF format.

  • 1
    O título deste artigo inspira-se diretamente num outro, de Aryon D. Rodrigues, "Tarefas da Lingüística no Brasil", publicado em 1967, e ainda hoje atual - o que certamente ilustra nossa dificuldade em propor as questões de língua e linguagem como questões relativas a uma política lingüística.
    • ALÉONG, S. Normas lingüísticas e normas sociais: uma perspectiva antropológica. In: BAGNO, M. (Org.). Norma lingüística São Paulo: Loyola, 2001.
    • ANTUNES, I. Aula de português: encontro & interação São Paulo: Parábola, 2003.
    • BAGNO, M. Preconceito lingüístico: o que é, como se faz. São Paulo: Loyola, 1999.
    • BAGNO, M. Dramática da língua portuguesa: tradição gramatical, mídia & exclusão social. São Paulo: Loyola, 2000.
    • BAGNO, M. A norma oculta: língua & poder na sociedade brasileira. São Paulo: Parábola, 2003.
    • BAGNO, M.; STUBBS, M.; GAGNÉ, G. Língua materna: letramento, variação & ensino. São Paulo: Parábola, 2002.
    • BORTONI-RICARDO, S. M. Educação em língua materna: a sociolingüística na sala de aula São Paulo: Parábola, 2004.
    • BOURDIEU, P. A economia das trocas lingüísticas. São Paulo: Edusp, 1996.
    • BRASIL. Critérios para avaliação de livros didáticos de português para o ensino médio Brasília: Ministério da Educação/SEMTEC, 2003.
    • CASTILHO, A. A gramaticalização. Estudos Lingüísticos e Literários, Salvador, n. 19, p. 25-64, 1997.
    • DIONÍSIO, A.; MACHADO, A. R.; BEZERRA, M. A. (Org.). Gêneros textuais: teoria e ensino. Rio de Janeiro: Lucerna, 2002.
    • FARACO, C. A. (Org.). Estrangeirismos: guerras em torno das línguas São Paulo: Parábola, 2001.
    • FARACO, C. A. Norma-padrão brasileira: desembaraçando alguns nós. In: BAGNO, M. (Org.). Lingüística da norma São Paulo: Loyola, 2002.
    • LUCCHESI, D. Norma lingüística e realidade social. In: BAGNO, M. (Org.). Lingüística da norma São Paulo: Loyola, 2002.
    • MARCUSCHI, L. A. Da fala para a escrita: exercícios de retextualização. São Paulo: Cortez, 2001.
    • MARTINS, A. A.; BRANDÃO, H. M. B.; MACHADO, M.Z.V. A escolarização da leitura literária: o jogo do livro infantil e juvenil Belo Horizonte: CEALE/Autêntica, 1999.
    • NEVES, M. H. Gramática na escola São Paulo: Contexto, 1991.
    • NEVES, M. H. Que gramática ensinar na escola? São Paulo: Contexto, 2003.
    • OLIVEIRA, G. M. Brasileiro fala português: monolingüismo e preconceito lingüístico. In: SILVA, F.; MOURA, H. (Org.). O direito à fala: a questão do preconceito lingüístico. Florianópolis: Insular, 2000.
    • PAIVA, A.; MARTINS, A.; PAULINO, G.; VERSIANI, Z. (Org.). Literatura e letramento: espaços, suportes e interfaces - o jogo do livro Belo Horizonte: Autêntica/CEALE, 2003.
    • PAIVA, M. C.; SCHERRE, M. M. P. Retrospectiva sociolingüística: contribuições do PEUL. D.E.L.T.A., São Paulo, 15: 201-232, 1999.
    • PERINI, M. A. Sofrendo a gramática São Paulo: Ática, 1997.
    • PINTO, E. P. O português popular escrito. São Paulo: Contexto, 1990.
    • POSSENTI, S. Por que (não) ensinar gramática na escola Campinas: Mercado de Letras, 1996.
    • REY, A. Usos, julgamentos e prescrições lingüísticas. In: BAGNO, M. (Org.). Norma lingüística. São Paulo: Loyola, 2001.
    • SOARES, M. Linguagem e escola: uma perspectiva social São Paulo: Ática, 1986.
    • SOARES, M. Português: uma proposta para o letramento. Livro do Professor. São Paulo: Moderna, 1999.
    • TRAVAGLIA, L. C. Gramática e interação. São Paulo: Cortez, 1995.
    • TRAVAGLIA, L. C. Gramática: ensino plural São Paulo: Cortez, 2003.

    1 O título deste artigo inspira-se diretamente num outro, de Aryon D. Rodrigues, "Tarefas da Lingüística no Brasil", publicado em 1967, e ainda hoje atual - o que certamente ilustra nossa dificuldade em propor as questões de língua e linguagem como questões relativas a uma política lingüística.

    Datas de Publicação

    • Publicação nesta coleção
      28 Jan 2013
    • Data do Fascículo
      2005
    Faculdade de Letras - Universidade Federal de Minas Gerais Universidade Federal de Minas Gerais - Faculdade de Letras, Av. Antônio Carlos, 6627 4º. Andar/4036, 31270-901 Belo Horizonte/ MG/ Brasil, Tel.: (55 31) 3409-6044, Fax: (55 31) 3409-5120 - Belo Horizonte - MG - Brazil
    E-mail: rblasecretaria@gmail.com