VARIABILIDADE DO DESEMPENHO NO LINE-DRILL TEST EM ADOLESCENTES JOGADORES DE BASQUETEBOL

PERFORMANCE VARIABILITY IN LINE-DRILL TEST IN ADOLESCENT BASKETBALL PLAYERS

VARIABILIDAD DEL DESEMPEÑO EN EL LINE-DRILL TEST EN JUGADORES ADOLESCENTES DE BALONCESTO

André Luiz de Almeida Soares Thiago José Leonardi Riller Silva Reverdito Carlos Eduardo Gonçalves Roberto Rodrigues Paes Humberto Moreira Carvalho Sobre os autores

RESUMO

Introdução:

A prática de basquetebol durante a adolescência aumenta o tamanho corporal e o desempenho funcional. O basquetebol envolve esforços máximos de curta duração com mudanças de direção que utilizam o metabolismo anaeróbico e a agilidade.

Objetivo:

Examinar a variação do desempenho no Line-drill Test em adolescentes jogadores de basquetebol (n = 59, faixa etária 9 a 15 anos) com relação ao estado de maturação somática (idade estimada do pico da velocidade de crescimento [PVC]) e à variação do tamanho corporal.

Métodos:

Foi considerada a idade cronológica, o tempo previsto para a idade do PVC pelo protocolo maturity offset, a estatura e a massa corporal medidas por antropometria e o desempenho no Line-drill Test. Foram utilizados modelos alométricos proporcionais para controlar a variação associada ao tamanho corporal, idade cronológica e estado de maturação na variação interindividual no Line-drill Test.

Resultados:

Observou-se uma relação linear negativa elevada entre o desempenho no Line-drill Test e a idade cronológica (r = - 0,64, IC 95% -0,77 a -0,46, p < 0,01). A relação entre o desempenho no Line-drill Test e o tempo até a idade do PVC mostrou ser não linear, indicando desaceleração na variação do desempenho, aproximadamente entre a idade do PVC e um ano após o PVC predito. Os modelos alométricos mostraram uma relação negativa entre o tamanho corporal e o desempenho no Line-drill Test. A amplitude da variância explicada nos modelos alométricos proporcionais foi de 0,28 a 0,48. Foram observados expoentes negativos de pequena magnitude para a idade cronológica e para o indicador de maturação, sendo, porém, significativos e de amplitude reduzida (-0,05 a -0,06).

Conclusão:

A utilização de modelos alométricos para controlar a influência do tamanho corporal tem o potencial de ajudar a compreender o desenvolvimento dos desempenhos de agilidade durante a adolescência em jogadores de basquetebol.

Descritores:
atletas; basquetebol; desempenho atlético

Sociedade Brasileira de Medicina do Exercício e do Esporte Av. Brigadeiro Luís Antônio, 278, 6º and., 01318-901 São Paulo SP, Tel.: +55 11 3106-7544, Fax: +55 11 3106-8611 - São Paulo - SP - Brazil
E-mail: atharbme@uol.com.br