Accessibility / Report Error

Usuárias brasileiras de crack apresentam níveis séricos elevados de alumínio

OBJETIVO: Não há informação na literatura sobre o impacto do uso de crack fumado em latas de alumínio utilizadas como cachimbos improvisados, uma forma comum de uso de crack no Brasil. Uma vez que a ingestão de alumínio está associada a dano neurológico, nós medimos alumínio sérico em usuários de crack. O objetivo deste estudo foi avaliar os níveis de alumínio em usuários de crack que fumam em cachimbos improvisados de lata de alumínio. MÉTODO: Setententa e uma usuárias de crack, com média de idade de 28,0 anos (± 7,7), forneceram informação sobre seu uso de drogas e tiveram amostras de seu sangue testadas para níveis séricos de alumínio. RESULTADOS: Cinqüenta e seis (79%) sujeitos fumaram crack usando cachimbos de lata e 15 (21%) fumaram em outros formatos. Cinqüenta e dois (73,2%) dos 71 sujeitos apresentaram níveis de alumínio sérico de 2 µg/l e 13 (18,3%) tinham níveis no ponto de corte 6 µg/l, o que está acima dos valores de referência. Quando comparados com não-usuários pareados por média de idade e do mesmo gênero, os sujeitos tiveram valores medianos e intervalos inter-quartil para níveis séricos similares [3 (2-4,6) para usuários de crack; 2,9 (1,6-4,1) para os controles], porém com médias e desvios-padrão diferentes (4,7 ± 4,9 e 2,9 ± 1,7, respectivamente). DISCUSSÃO: Usuários de crack apresentam altos níveis de alumínio sérico, mas não temos certeza disto estar associado completamente com as latas de alumínio. Mais estudos são necessários. Se tal associação se mostrar verdadeira em pesquisa no futuro, questões terão que ser debatidas a respeito deste problema, incluindo planejamento apropriado e avaliação das políticas públicas nesta área.

Alumínio; Cocaína crack; Saúde pública; Toxicidade; Soro


Associação Brasileira de Psiquiatria Rua Pedro de Toledo, 967 - casa 1, 04039-032 São Paulo SP Brazil, Tel.: +55 11 5081-6799, Fax: +55 11 3384-6799, Fax: +55 11 5579-6210 - São Paulo - SP - Brazil
E-mail: editorial@abp.org.br