Adubação foliar no desenvolvimento e produção de óleo essencial de manjericão

Foliar fertilization in the development and production of essential basil oil.

L.H.T. YOKOTA C.G. IOSSAQUI E.A. HOSHINO J.R.P. SOUZA Sobre os autores

RESUMO

O objetivo do trabalho foi avaliar o desenvolvimento e a produção de óleo essencial de manjericão com a aplicação de adubo foliar em Londrina-PR. O delineamento experimental utilizado foi o de blocos casualizados com três doses de adubo foliar (0, 2 e 4 L.ha-1) e sete repetições. Foram realizadas três colheitas durante o desenvolvimento do experimento. Os cortes ocorreram no início do florescimento, a altura do oitavo nó aos 40, 80 e 120 dias após o transplantio. Avaliou-se a altura, área foliar, produção de massa seca de folhas e rendimento de óleo essencial. A aplicação de 4 L ha-1 do adubo foliar proporcionou os maiores acréscimos na produção de massa seca de folhas e no rendimento de óleo essencial até o segundo corte das plantas de manjericão. A renovação da cultura se faz necessária a partir do terceiro corte.

Palavras-chave
Ocimum basilicum L.; biomassa; crescimento; nutrição

ABSTRACT

The aim was to evaluate the development and production of basil essential oil with the application of foliar fertilizer in Londrina-PR. The experimental design was a randomized block with three doses of foliar fertilizer (0, 2 and 4 L.ha-1) and seven replications. Three harvests were made during the development of the trial. The cuts occurred at flowering, at the height of the eighth node and at 40, 80 and 120 days after the transplanting. We evaluated the height, leaf area, dry matter production of leaves and essential oil yield. The application of 4 L ha-1 foliar fertilizer provided greater rise in production of dry matter of leaves and essential oil yield until the second harvest of basil plants. The renewal of the cultivation is needed from the third cut.

Keywords
Ocimum basilicum L.; biomass; growth; nutrition

INTRODUÇÃO

O cultivo de plantas medicinais, aromáticas e condimentares cresce a cada ano. O estado do Paraná possui destaque no cultivo dessas plantas, sendo responsável por 90% da demanda nacional. Estima-se que existam 1800 produtores na atividade, em uma área cultivada de seis mil hectares e movimentam cerca de 78 milhões de reais (Corrêa Júnior & Scheffer, 2014CORRÊA JÚNIOR, C; SCHEFFER, M.C. As plantas medicinais, aromáticas e condimentares e a agricultura familiar. Horticultura Brasileira, v.32, n.3, p.376, 2014.).

Muitas espécies medicinais, aromáticas e condimentares, cultivadas no Paraná, são da família Lamiaceae. Essas espécies apresentam grande importância por produzirem óleo essencial em seus tricomas glandulares. Óleos essenciais são substâncias voláteis, odoríferas e líquidas, obtidos de partes das plantas. (Simões & Spitzer, 2007SIMÕES, C.M.O.; SPITZER, V. Óleos voláteis. In: SIMÕES, C.M.O. et al. Farmacognosia: da planta ao medicamento. 6.ed. Florianópolis: Ed. da UFSC; Porto Alegre: Ed. da UFRGS, 2007. p.394-412.).

Um componente químico muito valorizado que está presente nos óleos essenciais é o linalol, sendo este bastante utilizado nas indústrias de alimentos como aromatizante, atuando também pela indústria de perfumes na fixação de fragrâncias como a do mundialmente conhecido perfume Chanel n° 5 (Ereno, 2006ERENO, D. Perfume de manjericão. Revista Fapesp, n.120, p.72-75, 2006.).

Por muitos anos a principal fonte natural do linalol foi o pau-rosa (Aniba rosaeodora Ducke), árvore nativa da Amazônia (Pravuschi et al., 2007PRAVUSCHI, P.R. et al. Manjericão irrigado: alternativa à extração predatória do pau-rosa. Fórum ambiental da Alta Paulista, v.3, p.64-78, 2007.). Com o risco de extinção do pau-rosa, o manjericão (Ocimum basilicum L.) passou a ser uma alternativa para a obtenção do linalol como também uma opção de cultivo para o pequeno produtor (Simon, 1995SIMON, J.E. Basil. West Lafayette: Purdue University, 1995. 6p. (Bulletin).). Além do uso in natura Ocimum basilicum L. é bastante utilizado para a obtenção de óleo essencial (Blank et al., 2004BLANK, A.F. et al. Caracterização morfológica e agronômica de acessos de manjericão e alfavaca. Horticultura Brasileira, v.22, n.1, p.113-116, 2004.). A extração do óleo essencial de manjericão é feita normalmente pelo processo de arraste de vapor (Ribeiro & Diniz, 2008RIBEIRO, P.G.F.; DINIZ, R.C. Plantas aromáticas e medicinais: cultivo e utilização. 1.ed. Londrina: IAPAR, 2008. 218p.). Embora o teor de linalol varie entre 40 e 50% no óleo de manjericão, alguns genótipos, em estudo, demonstraram que podem chegar a 70% de linalol no óleo (Blank et al., 2004BLANK, A.F. et al. Caracterização morfológica e agronômica de acessos de manjericão e alfavaca. Horticultura Brasileira, v.22, n.1, p.113-116, 2004.).

Devido a grande demanda por produtos aromáticos e condimentares, muitos produtores têm adentrado no seu cultivo, porém, poucos estão obtendo êxito (Chaves, 2002CHAVES, F.C.M. Produção de biomassa, rendimento e composição de óleo essencial de alfavaca-cravo (Ocimum gratissimim L.) em função da adubação orgânica e épocas de corte. 2002. 144p. Tese (Doutorado – Área de Concentração em Horticultura) – Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho”, Botucatu.).

Embora os fertilizantes sejam um dos principais fatores na condução de uma lavoura, freqüentemente são os mais negligenciados em relação a outros insumos, principalmente quando se leva em consideração o uso de boas práticas agrícolas de alta produtividade. O descuido no uso destes deve-se ao fato do desconhecimento de como esse fator pode potencializar o desenvolvimento das plantas (Almeida, 2005ALMEIDA, J.C.V. Uso do sistema integrado de diagnose e recomendação (Dris) na avaliação da cana-de-açúcar. 2005. 81p. Tese (Doutorado – Área de Concentração em Fitotecnia) – Universidade Estadual de Londrina, Londrina.).

O interesse em espécies vegetais que produzam óleo essencial traz também a necessidade de realizar pesquisas sobre a capacidade de como essas plantas resistem quando são submetidas a muitas colheitas (May et al., 2008MAY, A. et al. Crescimento de plantas de manjericão e produção de óleo em sistema de produção com cortes sucessivos. Bragantia, v.67, n.2, p.385-389, 2008.).

Diante do exposto, o objetivo do trabalho foi avaliar o desenvolvimento e a produção de óleo essencial de plantas de manjericão frente à aplicação de adubo foliar em Londrina-PR.

MATERIAL E MÉTODOS

O experimento foi realizado no Horto de Plantas Medicinais do Departamento de Agronomia da Universidade Estadual de Londrina (23°23’ S e 51°11’ W; 566 m de altitude) em Londrina-PR. O clima é Cfa, segundo a classificação de Köppen. A temperatura média anual teve mínima de 16°C e máxima de 27,3°C, umidade relativa do ar média de 70,4% e precipitação média anual de 1600 mm (IAPAR, 2013IAPAR Instituto Agronômico do Paraná. Agrometeorologia. 2013. Disponível em: <http://www.iapar.br/modules/conteudo/conteudo.php?conteudo=2014>. Acesso em: 20 mai. 2013.
http://www.iapar.br/modules/conteudo/con...
).

O solo da área experimental é classificado como Latossolo Vermelho Distroférrico e apresentou a seguinte análise química (Tabela 1):

TABELA 1
Caracterização química do solo da área experimental para o cultivo de manjericão. Londrina, UEL, 2014.

As mudas de manjericão foram produzidas a partir de sementes comerciais da ISLA Sementes®, variedade Alfavaca Basilicão, em estufa coberta com malha termo refletora Aluminet Externa para retenção de 50% do fluxo de radiação solar. A semeadura foi efetuada em tubos cônicos de polipropileno de alta densidade com volume total de 50 cm3. Os tubetes foram preenchidos com mistura contendo 25% de casca de arroz carbonizada e 75% de vermicomposto, e em cada unidade foram colocadas três sementes da espécie. Estes recipientes foram sustentados por bandejas planas de polipropileno com capacidade para 176 tubetes e ficaram suspensas a 1,0 m do solo por estrutura metálica.

A operação de desbaste foi realizada após a formação do 2° par de folhas, deixando uma plântula por célula. O transplante das mudas de manjericão para o Horto de Plantas Medicinais ocorreu 45 dias após a semeadura.

O delineamento experimental utilizado foi o de blocos casualizados com três doses do fertilizante organo-mineral foliar (0, 2 e 4 L.ha-1) e sete repetições. As aplicações foram efetuadas aos 15, 30, 55, 70, 95 e 110 dias após o transplantio (DAT). Cada parcela foi composta por seis linhas de plantio de três metros de comprimento e espaçamento entre plantas e entre linhas de 0,30 x 0,30 m. A área útil amostrada foi representada pelas quatro linhas centrais de cada parcela menos 0,3 m de cada extremidade totalizando 32 plantas em 4,86 m2.

Foram realizadas três colheitas durante o desenvolvimento do experimento, cortando-se a parte aérea. Os cortes ocorreram no início do florescimento, a altura do oitavo nó aos 40, 80 e 120 DAT.

As variáveis avaliadas em cada corte foram: a altura da planta, área foliar, produção de massa seca de folhas e rendimento de óleo essencial. A altura foi obtida em centímetros com o auxílio de régua milimetrada, medida a partir da base até o ápice da planta. A área foliar foi determinada em cm2 pelo integrador de área foliar LI-COR® modelo LI 3100. As plantas coletadas foram acondicionadas em sacos de papel identificados e colocados em estufa com circulação forçada de ar a 40 °C. Após atingirem massa constante as folhas foram separadas dos caules para se obter a produção de massa seca de folhas. A produção de óleo essencial foi avaliada pelo método de arraste a vapor (Koketsu & Gonçalves, 1991KOKETSU, M.; GONÇALVES, S.L. Óleos essenciais e sua extração por arraste a vapor. Rio de Janeiro: EMBRAPA-CTAA, 1991. 24p.). Para a extração do óleo essencial das folhas, foram utilizadas amostras de 100 gramas/parcela e colocadas no Mini Destilador D1 da LINAX®. Cada extração do óleo foi realizada por um período de 90 minutos. Ao final, foi feita a leitura do volume e, em seguida, calculado o rendimento de óleo essencial em L ha -1.

TABELA 2
Composição química do adubo organo-mineral foliar. Londrina, UEL, 2014.

Os dados coletados foram submetidos à análise de variância e a comparação entre as médias foi efetuada pelo teste de Tukey a 5% de probabilidade. Utilizou-se o programa Sisvar® versão 5.3 para as análises estatísticas (Ferreira, 2011FERREIRA, D.F. Sisvar: a computer statistical analysis system. Ciência e Agrotecnologia, v.35, n.6, p.1039-1042, 2011.).

RESULTADOS E DISCUSSÃO

A altura de plantas não foi influenciada pelas diferentes doses de adubo foliar no 1° corte (Tabela 3). Blank et al. (2005)BLANK, A.F. et al. Influência da adubação orgânica e mineral no cultivo de manjericão cv. Genovese. Revista Ciência Agronômica, v.36, n.2, p.175-180, 2005. verificaram também que o uso de adubação mineral não afetou a altura das plantas de manjericão após a 1ª colheita. A aplicação de 2 e 4 L ha-1 proporcionou obter maiores plantas no 2° e 3° corte (Tabela 3). O nitrogênio, presente no fertilizante foliar, é o nutriente mais exigido pelas plantas e desempenha diversas funções ligadas ao crescimento das plantas por estar presente em estruturas de moléculas de aminoácidos, enzimas e pigmentos (Malavolta, 2006MALAVOLTA, E. Manual de nutrição mineral de plantas. 1.ed. São Paulo: Editora Agronômica Ceres, 2006. 638p.). Maia et al. (2008)MAIA, S.S.S. et al. Influência da adubação orgânica e mineral no cultivo do bamburral (Hyptis suaveolens (L.) Poit.) (Lamiaceae). Revista Brasileira de Ciências Agrárias, v.3, n.4, p.327-331, 2008., avaliando o desenvolvimento de bamburral constataram que a adubação orgânica e mineral promoveram aumentos significativos na altura das plantas.

TABELA 3
Altura e área foliar de plantas de manjericão submetidas à aplicação de quatro doses de adubo foliar em três colheitas. Londrina, UEL, 2014.

O aumento da concentração do adubo foliar proporcionou maior acréscimo no desenvolvimento das folhas de manjericão (Tabela 3). A aplicação de 4 L.ha-1 do fertilizante gerou acréscimo da área foliar de 179,58%, 100,72% e 114,72%, respectivamente, no 1°, 2° e 3° corte em relação à testemunha. De acordo com Dechen & Nachtigall (2007)DECHEN, A.R.; NACHTIGALL, G.R. Elementos requeridos à nutrição de plantas. In: NOVAIS, R.F. et al. Fertilidade do Solo. 1.ed. Viçosa: Sociedade Brasileira de Ciência do Solo, 2007. p.91-132., o fornecimento de nitrogênio é o responsável por promover o crescimento das folhas.

Em relação a produção de massa seca de folhas foram verificados resultados semelhantes aos da área foliar, ou seja, houve acréscimos significativos quando as plantas foram submetidas a aplicação de 4 L.ha-1 do adubo foliar nos três cortes realizados (Tabela 4). O fósforo, presente no adubo foliar, pode ser o responsável também pelo aumento da massa seca de folhas. Segundo Novais & Smith (1999)NOVAIS, R.F.; SMYTH, T.J. Fósforo em solo e planta em condições tropicais. 1.ed. Viçosa: UFV, 1999. 399p. os solos brasileiros proporcionam baixas quantidades de fósforo, assim, quando disponível, esse é um dos elementos com maior resposta pelas plantas. Blank et al. (2006)BLANK, A.F. et al. Efeitos da adubação química e da calagem na nutrição de melissa e hortelã-pimenta. Horticultura Brasileira, v.24, n.2, p.195-198, 2006., após avaliar os efeitos da adubação química e da calagem, constatou que a omissão de fósforo reduziu a massa de matéria seca da hortelã-pimenta (Mentha piperita).

TABELA 4
Produção de massa seca de folhas de plantas de manjericão submetidas à aplicação de quatro doses de adubo foliar em três colheitas. Londrina, UEL, 2014.

Para Mattos (1996)MATTOS, J.K.A. Plantas medicinais: aspectos agronômicos. 1.ed. Brasília: Gutemberg, 1996. 51p., adubos nitrogenados incrementam o volume da colheita de plantas medicinais das quais se retiram as folhas. Medeiros et al. (2007)MEDEIROS, D.C. et al. Produção de mudas de alface com biofertilizantes e substratos. Horticultura Brasileira, v.25, n.3, p.433-436, 2007., ao utilizarem fertilizante organo-mineral comercial em alface, obtiveram maiores valores para massa seca da parte aérea. A aplicação de fertilizante mineral proporcionou maior rendimento de biomassa seca em plantas de Cymbopogon citratus (DC.) Stapf (Silva et al., 2003SILVA, P.A. et al. Efeitos da adubação orgânica e mineral na produção de biomassa e óleo essencial do capim-limão [Cymbopogon citratus (D.C.) Stapf]. Revista Ciência Agronômica, v.34, n.1, p.5-9, 2003.).

A aplicação de 0 L.ha-1 do adubo foliar foi a que proporcionou a menor produção de óleo essencial nos três cortes executados (Tabela 5), o que pode ser explicado pela menor produção de massa seca de folhas. A dose de 4 L.ha-1 proporcionou as maiores produções de óleo essencial. De acordo com Silva et al. (2006)SILVA, F.G. et al. Influence of manure and fertilizer on Baccharis trimera (Less) D.C. growth and essential oil yield. Journal of herbs Spices & Medicinal Plants, v.12, n.1/2, p.1-11, 2006., aumentos no rendimento de óleo essencial podem estar relacionados com o aumento dos níveis de nutrientes disponíveis para as plantas. Singh (2002)SINGH, M. Effect of nitrogen and irrigation regimes on the yields and quality of sweet basil (Ocimum basilicum L.). Journal of Spices and Aromatic Crops, v.11, n.2, p.151-154, 2002., avaliando a resposta de quatro doses de nitrogênio em manjericão, constatou que 200 kg.ha-1 resulta em maior rendimento de óleo essencial. Blank et al. (2005)BLANK, A.F. et al. Influência da adubação orgânica e mineral no cultivo de manjericão cv. Genovese. Revista Ciência Agronômica, v.36, n.2, p.175-180, 2005. verificaram rendimentos de óleo essencial de manjericão significativamente superiores quando as plantas foram adubadas com fertilizante mineral. Costa et al. (2008)COSTA, L.C.B. et al. Tipos e doses de adubação orgânica no crescimento, no rendimento e na composição química do óleo essencial de elixir paregórico. Ciência Rural, v.38, n.8, p.2173-2180, 2008. trabalhando com plantas de Ocimum selloi Benth., observaram que o rendimento de óleo essencial aumentou com a adubação de 8,1 kg m-2 de esterco bovino e com 4 kg m-2 de esterco avícola.

TABELA 5
Rendimento de óleo essencial de folhas de plantas de manjericão submetidas à aplicação de quatro doses de adubo foliar em três colheitas. Londrina, UEL, 2014.

Os picos máximos de altura, área foliar como também da produção de massa seca de folhas e do rendimento de óleo essencial de plantas de manjericão ocorreram no segundo corte (Tabelas 3, 4 e 5). No segundo corte, a aplicação de 4 L ha-1 do adubo foliar testado promoveu acréscimo de 57,4% no volume de óleo essencial do primeiro para o segundo corte, e decréscimo de 9,2% para o terceiro corte (Tabela 5). O manjericão, considerado uma planta perene, quando é submetido a cortes intensos e sucessivos passa a apresentar comportamento anual (Corrêa Júnior et al., 1994CORRÊA JÚNIOR, C. et al. Cultivo de plantas medicinais, condimentares e aromáticas. 2.ed. Jaboticabal: Funep, 1994. 151p.). Assim, quando o objetivo é sempre a máxima produção a renovação da cultura pode ser necessária (May et al., 2008MAY, A. et al. Crescimento de plantas de manjericão e produção de óleo em sistema de produção com cortes sucessivos. Bragantia, v.67, n.2, p.385-389, 2008.).

Nas condições em que foi conduzido o experimento conclui-se que a aplicação de 4 L ha-1 do adubo foliar proporcionou acréscimos significativos à massa seca de folhas e também à produção de óleo essencial das plantas de manjericão até o segundo corte realizado aos 80 DAT; as plantas de manjericão da variedade Alfavaca Basilicão tem produtividade reduzida a partir do 3° corte.

REFERÊNCIAS

  • ALMEIDA, J.C.V. Uso do sistema integrado de diagnose e recomendação (Dris) na avaliação da cana-de-açúcar. 2005. 81p. Tese (Doutorado – Área de Concentração em Fitotecnia) – Universidade Estadual de Londrina, Londrina.
  • BLANK, A.F. et al. Caracterização morfológica e agronômica de acessos de manjericão e alfavaca. Horticultura Brasileira, v.22, n.1, p.113-116, 2004.
  • BLANK, A.F. et al. Influência da adubação orgânica e mineral no cultivo de manjericão cv. Genovese. Revista Ciência Agronômica, v.36, n.2, p.175-180, 2005.
  • BLANK, A.F. et al. Efeitos da adubação química e da calagem na nutrição de melissa e hortelã-pimenta. Horticultura Brasileira, v.24, n.2, p.195-198, 2006.
  • CHAVES, F.C.M. Produção de biomassa, rendimento e composição de óleo essencial de alfavaca-cravo (Ocimum gratissimim L.) em função da adubação orgânica e épocas de corte. 2002. 144p. Tese (Doutorado – Área de Concentração em Horticultura) – Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho”, Botucatu.
  • CORRÊA JÚNIOR, C. et al. Cultivo de plantas medicinais, condimentares e aromáticas. 2.ed. Jaboticabal: Funep, 1994. 151p.
  • CORRÊA JÚNIOR, C; SCHEFFER, M.C. As plantas medicinais, aromáticas e condimentares e a agricultura familiar. Horticultura Brasileira, v.32, n.3, p.376, 2014.
  • COSTA, L.C.B. et al. Tipos e doses de adubação orgânica no crescimento, no rendimento e na composição química do óleo essencial de elixir paregórico. Ciência Rural, v.38, n.8, p.2173-2180, 2008.
  • DECHEN, A.R.; NACHTIGALL, G.R. Elementos requeridos à nutrição de plantas. In: NOVAIS, R.F. et al. Fertilidade do Solo. 1.ed. Viçosa: Sociedade Brasileira de Ciência do Solo, 2007. p.91-132.
  • ERENO, D. Perfume de manjericão. Revista Fapesp, n.120, p.72-75, 2006.
  • FERREIRA, D.F. Sisvar: a computer statistical analysis system. Ciência e Agrotecnologia, v.35, n.6, p.1039-1042, 2011.
  • IAPAR Instituto Agronômico do Paraná. Agrometeorologia. 2013. Disponível em: <http://www.iapar.br/modules/conteudo/conteudo.php?conteudo=2014>. Acesso em: 20 mai. 2013.
    » http://www.iapar.br/modules/conteudo/conteudo.php?conteudo=2014
  • KOKETSU, M.; GONÇALVES, S.L. Óleos essenciais e sua extração por arraste a vapor. Rio de Janeiro: EMBRAPA-CTAA, 1991. 24p.
  • MAIA, S.S.S. et al. Influência da adubação orgânica e mineral no cultivo do bamburral (Hyptis suaveolens (L.) Poit.) (Lamiaceae). Revista Brasileira de Ciências Agrárias, v.3, n.4, p.327-331, 2008.
  • MALAVOLTA, E. Manual de nutrição mineral de plantas. 1.ed. São Paulo: Editora Agronômica Ceres, 2006. 638p.
  • MATTOS, J.K.A. Plantas medicinais: aspectos agronômicos. 1.ed. Brasília: Gutemberg, 1996. 51p.
  • MAY, A. et al. Crescimento de plantas de manjericão e produção de óleo em sistema de produção com cortes sucessivos. Bragantia, v.67, n.2, p.385-389, 2008.
  • MEDEIROS, D.C. et al. Produção de mudas de alface com biofertilizantes e substratos. Horticultura Brasileira, v.25, n.3, p.433-436, 2007.
  • NOVAIS, R.F.; SMYTH, T.J. Fósforo em solo e planta em condições tropicais. 1.ed. Viçosa: UFV, 1999. 399p.
  • PRAVUSCHI, P.R. et al. Manjericão irrigado: alternativa à extração predatória do pau-rosa. Fórum ambiental da Alta Paulista, v.3, p.64-78, 2007.
  • RIBEIRO, P.G.F.; DINIZ, R.C. Plantas aromáticas e medicinais: cultivo e utilização. 1.ed. Londrina: IAPAR, 2008. 218p.
  • SILVA, F.G. et al. Influence of manure and fertilizer on Baccharis trimera (Less) D.C. growth and essential oil yield. Journal of herbs Spices & Medicinal Plants, v.12, n.1/2, p.1-11, 2006.
  • SILVA, P.A. et al. Efeitos da adubação orgânica e mineral na produção de biomassa e óleo essencial do capim-limão [Cymbopogon citratus (D.C.) Stapf]. Revista Ciência Agronômica, v.34, n.1, p.5-9, 2003.
  • SIMÕES, C.M.O.; SPITZER, V. Óleos voláteis. In: SIMÕES, C.M.O. et al. Farmacognosia: da planta ao medicamento. 6.ed. Florianópolis: Ed. da UFSC; Porto Alegre: Ed. da UFRGS, 2007. p.394-412.
  • SIMON, J.E. Basil. West Lafayette: Purdue University, 1995. 6p. (Bulletin).
  • SINGH, M. Effect of nitrogen and irrigation regimes on the yields and quality of sweet basil (Ocimum basilicum L.). Journal of Spices and Aromatic Crops, v.11, n.2, p.151-154, 2002.

Datas de Publicação

  • Publicação nesta coleção
    2015

Histórico

  • Recebido
    25 Jul 2014
  • Aceito
    21 Jan 2015
Sociedade Brasileira de Plantas Medicinais CPQBA - UNICAMP, Divisão de Agrotecnologia - CPQBA, 13148-218 Paulínia- SP-Brasil, Tel. (55 19) 2139-2891, Fax: (55 19) 2139-2852 - Botucatu - SP - Brazil
E-mail: rbpm.sbpm@gmail.com