Cultivares e épocas de semeadura de milheto para produção de forragem

Cultivars and sowing dates of pearl millet for forage production

Resumos

Com o objetivo de avaliar a produção e a composição química da forragem de milheto (Pennisetum glaucum (L.) R. Br.), plantado durante os períodos de transição chuva/seca e seca/chuva, sem irrigação, foi conduzido um experimento na EPAMIG de Leopoldina-MG, durante o período de fevereiro a dezembro de 2006. Os tratamentos foram arranjados num esquema fatorial 3x5, com as cultivares de milheto Comum, BN2 e BRS1501, plantadas nos meses de fevereiro, março, abril, agosto e setembro. Não houve diferença entre as cultivares na produção de massa de forragem seca, com média de 4.010kg/ha. Houve diferenças entre as cultivares, somente, quanto aos teores de proteína bruta (PB) e digestibilidade in vitro da matéria seca (DIVMS). Os teores de PB, fibra em detergente neutro e digestibilidade in vitro da matéria seca variaram de 14,04 a 17,95%, 48,78 a 57,27% e 61,37 a 72,68%, respectivamente, de acordo com as cultivares e épocas de plantio. As diferenças entre as épocas de plantio foram significativas com a produção de massa de forragem seca de 3.941; 2.525; 4.316; 3.258 e 6.010kg/ha para o plantio em fevereiro, março, abril, agosto e setembro, respectivamente. Como a composição química das cultivares variou aleatoriamente com as épocas de plantio, qualquer uma das cultivares pode ser utilizada. A semeadura em setembro proporciona as melhores respostas em produção sem comprometer a composição química.

chemical composition; Pennisetum glaucum; temporary pasture


Aiming to evaluate the forage production and chemical composition of pearl millet (Pennisetum glaucum (L.) R. Br.) during rain/drought and drought/rain period transitions, without irrigation, this experiment was carried out at EPAMIG of Leopoldina-MG. Treatments were arranged as a 3x5 factorial: pearl millet cultivars: Comum, BN2 and BRS1501 and sowing dates (February, March, April, August and September). There was no differences among cultivars in dry forage mass production, with average of 4,010 kg/ha. There was difference among cultivars in crude protein (CP) and the in vitro dry matter digestibility (IVDMD). The CP values ranged from 14.04 to 17.95%, while the neutral detergent fiber variation was from 48.78 to 57.27% and the IVDMD was from 61.37 to 72.68%, according to the cultivars and sow time. There were differences among sow dates, with dry matter production of 3,941; 2,525; 4,316; 3,258 and 6,010kg/ha in the sowing dates of February, March, April, August and September, respectively. Anycultivar may be choosed, because the variations that were found in the chemical composition among cultivars according to sowing dates were variables. The production was better for sowing in September without changes in chemical composition of forage.

chemical composition; Pennisetum glaucum; temporary pasture


  • ANTUNES, F.Z. Caracterização climática do Estado de Minas Gerais. Informe Agropecuário, v.12, n.138, p.9-13, 1986.
  • COIMBRA, R.A.; NAKAGAWA, J. Época de semeadura e regimes de corte na produção de fitomassa e grãos de milheto forrageiro. Revista Brasileira de Milho e Sorgo, v.5, n.1, p.89-100, 2006.
  • COSTA, A.C.T.; GERALDO, J.; PEREIRA, M.B.; PIMENTEL, C. Unidades térmicas e produtividade em genótipos de milheto semeados em duas épocas. Pesquisa Agropecuária Brasileira, v.40, n.12, p.1171-1177, 2005
  • COSTA, V.G.; ROCHA, M.G.; PÖTTER, L.; ROSO, D.; ROSA, A.T.N.; REIS, J. Comportamento de pastejo e ingestão de forragem por novilhas de corte em pastagens de milheto e papua. Revista Brasileira de Zootecnia, v.40, n.2, p.251-259, 2011.
  • EMBRAPA. Sistema de classificação brasileiro de classificação de solos 2.ed. Rio de Janeiro: EMBRAPA/Centro Nacional de Pesquisa de Solos, 2006. 306p.
  • FARINELLI, R.; LEMOS, L.B.; PENARIOL, F.G.; NASCIMENTO, E.S. Desempenho da cultura do milheto em função de épocas de semeadura e do manejo de corte da parte aérea. Revista Brasileira de Milho e Sorgo, v.3, n.3, p.391-401, 2004.
  • GUIMARÃES JÚNIOR, R.; GONÇALVES, L.C.; RODRIGUES, J.A.S. Utilização do milheto para produção de silagem Planaltina, DF: Embrapa Cerrados, 2009. 30p.(Documentos, 259).
  • KOLLET, J.L.; DIOGO, J.M.S.; LEITE, G.G. Rendimento forrageiro e composição bromatológica de variedades de milheto (Pennisetum glaucum (L.) R. BR.). Revista Brasileira de Zootecnia, v.35, n.4, p.1308-1315, 2006.
  • NEGREIROS NETO, J.V.; SANTOS, A.C.; LEITE, R.L.L.; CRUZ, R.S. Análise de diferentes doses de nitrogênio e espaçamento em milheto no norte do Tocantins. Revista Biotemas, v.23, n.4, p.19-23, 2010.
  • PEDROSO, C.E.S.; MONKS, P.L.; FERREIRA, O.G.L.; LIMA, L.S.; TAVARES, O.M. Características morfogênicas de milheto sob lotação rotacionada com diferentes períodos de descanso. Revista Brasileira de Zootecnia, v.38, n.12, p.2311-2319, 2009.
  • PIRES, F.R.; ASSIS, R.L.; SILVA, G.P.; BRAZ, A.J.B.P.; SANTOS, S.C.; VIEIRA NETO, S.A.; SOUSA, J.P.G. Desempenho agronômico de variedades de milheto em razão da fenologia em pré-safra. Bioscience Journal, v.23, n.3, p.41-49, 2007.
  • PRIESNITZ, R.; COSTA, A.C.T.; JANDREY, P.E.; FRÉZ, J.R.S.; DUARTE JÚNIOR, J.B.; OLIVEIRA, P.S.R. Espaçamento entre linhas na produtividade de biomassa e de grãos em genótipos de milheto pérola. Semina: Ciências Agrárias, v.32, n.2, p.485-494, 2011.
  • RESTLE, J.; ROSO, C.; AITA, V.; NÖRNBERG, J.L.; BRONDANI, I.L.; CERDÓTES, L.; CARRILHO, C.O. Produção animal em pastagem com gramíneas de estação quente. Revista Brasileira de Zootecnia, v.31, n.3, p.1491-1500, 2002 (suplemento).
  • SKERMAN, P.J.; RIVEROS, F. Tropical grasses. Rome: FAO, 1990. 823p.
  • SILVA, D.J.; QUEIROZ, C. Análise de alimentos: métodos químicos e biológicos Viçosa, MG: Universidade Federal de Viçosa, 2002. 235p.
  • SPEHAR, C.R.; TRECENTI, R. Desempenho agronômico de espécies tradicionais e inovadoras da agricultura em semeadura de sucessão e entressafra no cerrado do planalto central brasileiro. Bioscience Journal, v.27, n.1, p.102-111, 2011.
  • UEMURA, Y.; URBEN FILHO, G.; NETTO, D.A.M. Pearl millet as a cover crop for no-till soybean production in Brazil. In: International Sorghum and Millets Newsletter, n.38, p. 141-143, 1997.
  • UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA - UFV. Sistema para análise estatística e genética- SAEG Versão 8.0. Viçosa, MG: Fundação Arthur Bernardes, 2001. 150p.
  • VAN SOEST, P.J. Nutritional ecology of the ruminant 2nd ed. New York: Cornell University, 1994. 476p.

Datas de Publicação

  • Publicação nesta coleção
    29 Set 2014
  • Data do Fascículo
    Jun 2012

Histórico

  • Recebido
    30 Set 2011
  • Aceito
    19 Abr 2012
UFBA - Universidade Federal da Bahia Avenida Adhemar de Barros nº 500 - Ondina , CEP 41170-110 Salvador-BA Brasil, Tel. 55 71 32836725, Fax. 55 71 32836718 - Salvador - BA - Brazil
E-mail: rbspa@ufba.br