Cinética de degradação de frações nutricionais de euforbiáceas

Kinects of degradation in nutritional fractions of euphorbiaceous

Resumos

Objetivou-se determinar a composição e a degradabilidade in situ da matéria seca, proteína bruta e fibra em detergente neutro dos fenos da mamona Paraguaçu (Ricinus communis), da mamona Nordestina (Ricinus communis), do pinhão manso (Jatropha curcas) e da maniçoba (Manihot pseudoglaziovii). Utilizaram-se três ovinos sem raça definida fistulados no rúmen. Em cada animal foram incubados 12 sacos nos períodos de 6; 12; 24; 48 e 96 horas, sendo três por feno de euforbiácea. O teor proteico variou entre 10,3% para o feno de pinhão manso e 19,6% para o feno da maniçoba. O valor de fibra em detergente neutro foi semelhante entre os fenos do pinhão manso e da maniçoba, enquanto os fenos das mamonas, apresentaram valores inferiores às anteriores e semelhantes entre si. O feno da mamona Paraguaçu obteve maior e mais rápida degradação da matéria seca, com valor de 85,5%, estagnado em 44 horas. Os fenos da maniçoba e do pinhão manso apresentaram degradação da proteína bruta semelhantes com valores final de 92,5% em 40 e 46 horas, respectivamente. O feno do pinhão manso obteve degradação da fibra em detergente neutro de 68,0% e foi superior aos fenos das outras euforbiáceas, porém, apresentou taxa de degradação mais lenta, estabilizada em 86 horas. Os fenos das mamonas foram superiores aos fenos das demais euforbiáceas em relação à composição bromatológica, aos coeficientes de degradação ruminal e a degradação potencial e efetiva dos nutrientes.

biodiesel; feedstuffs; haying; rumen fermentation


In order to determine the composition and the in situ degradability of the dry matter, crude protein and neutral detergent fiber of hays of castor cv. Paraguaçu (Ricinus communis), castor cv. Nordestina (Ricinus communis), jatropha (Jatropha curcas) and maniçoba (Manihot pseudoglaziovii). Three rumen canulated undefined breed sheep were used. In each animal were incubated 12 bags for 6; 12; 24; 48 and 96 hour, being three bags by hay of euphorbiaceae. The content of protein ranged between 10.3% for the hay of jatropha and 19.6% for the hay of maniçoba. The neutral detergent fiber value was similar between the hay of jatropha and the hay of maniçoba, while the hays of castors presented lower concentrations between themselves. The castor Paraguaçu hay presented superior and faster dry matter degradation, with value of 85.5% stagnated at 44 hour. The hay of maniçoba and the hay of jatropha showed similar degradability of crude protein with final valor of 92.5% degraded at 40 and 46 hour, respectively. The jatropha hay presented neutral detergent fiber degradation of 68.0% and was superior to other euphorbiaceous hay, but, showed slower degradation rate, stagnated at 86 hour. The hays of castors were superior to the other hays of euphorbiaceous for chemical composition, the coefficients of ruminal degradation and the potential and effective degradation of nutrients.

biodiesel; feedstuffs; haying; rumen fermentation


  • CARVALHO, G.G.P.; PIRES, A.J.V.; VELOSO, C.M.; DETMANN, E.; SILVA, F.F.; SILVA, R.R. Degradabilidade ruminal do feno de alguns alimentos volumosos para ruminantes. Arquivo Brasileiro de Medicina Veterinária e Zootecnia, v.58, n.4, p.575-580, 2006a.
  • CARVALHO, G.G.P.; PIRES, A.J.V.; VELOSO, C.M.; SILVA, S.S.; SILVA, R.R. Degradabilidade ruminal do feno de forrageiras tropicais. Revista Brasileira de Agrociência, v.12, n.1, p.81-85, 2006b.
  • FRANÇA, A.A.; GUIM, A.; BATISTA, A.M.V.; PIMENTEL, R.M.M.; FERREIRA, G.D.G.; MARTINS, I.D.S.L. Anatomia e cinética de degradação do feno de Manihot glaziovii Acta Scientiarum Animal Sciences, v.32, n.2, p.131-138, 2010.
  • FREITAS, S.M.; FREDO, C.E. Biodiesel à base de óleo de mamona: algumas considerações. Informações Econômicas, v.35, n.1, p.37-42, 2005.
  • GOMES, J.A.F.; LEITE, E.R.; CAVALCANTE, A.C.R.; CÂNDIDO, M.J.D.; LEMPP, B.; BOMFIM, M.A.D.; ROGÉRIO, M.C.P. Resíduo agroindustrial da carnaúba como fonte de volumoso para a terminação de ovinos. Pesquisa Agropecuária Brasileira, v.44, n.1, p.58-67, 2009.
  • LOUSADA JÚNIOR, J.E.; NEIVA, J.N.M.; RODRIGUEZ, N.M.; PIMENTEL, J.C.M.; LÔBO, R.N.B. Consumo e digestibilidade de subprodutos do processamento de frutas em ovinos. Revista Brasileira de Zootecnia, v.34, n.2, p.659-669, 2005.
  • MORAIS, D.A.E.F.; VASCONCELOS, A.M. Alternativas para incrementar a oferta de nutrientes no semi-árido brasileiro. Revista Verde de Agroecologia e Desenvolvimento Sustentável, v.2, n.1, p.1-24, 2007.
  • NATIONAL RESEARCH COUNCIL - NRC. Nutrient requirements of small ruminants Washinton: National Academy of Sciences, 2007. 362 p.
  • ØRSKOV, E.R.; McDONALD, I. The estimation of protein degradability in the rumen from incubation measurements weighted according to rate of passage. Journal of Agricultural Science, v.92, n.2, p.499-503, 1979.
  • PIRES, A.J.V.; REIS, R.A.; CARVALHO, G.G.P.; SIQUEIRA, G.R.; BERNARDES, T.F.; RUGGIERI, A.C.; ALMEIDA, E.O.; ROTH, M.T.P. Degradabilidade ruminal da matéria seca, da fração fibrosa e da proteína bruta de forrageiras. Pesquisa Agropecuária Brasileira, v.41, n.4, p.643-648, 2006.
  • SILVA, D.J.; QUEIROZ, A.C. Análise de alimentos: métodos químicos e biológicos 2.ed. Viçosa, MG: Universidade Federal de Viçosa, 2002. 165 p.
  • SILVA, L.D.F.; RAMOS, B.M.O.; RIBEIRO, E.L.A.; MIZUBUTI, I.Y.; ROCHA, M.A.; MORAES, F.L.Z. Degradabilidade ruminal in situ da matéria seca e proteína bruta de duas variedades de grão de soja com diferentes teores de inibidor de tripsina, em bovinos. Revista Brasileira de Zootecnia, v.31, n.3, p.1251-1257, 2002.
  • SAS INSTITUTE. Statistical analyses system user's guide Version 9.1. Cary, 2003.
  • TOMICH, T.R.; GONÇALVES, L.C.; MAURÍCIO, R.M.; PEREIRA, L.G.R.; RODRIGUES, J.A.S. Composição bromatológica e cinética de fermentação ruminal de híbridos de sorgo com capim-sudão. Arquivo Brasileiro de Medicina Veterinária e Zootecnia, v.55, n.6, p.747-755, 2003.

Datas de Publicação

  • Publicação nesta coleção
    29 Set 2014
  • Data do Fascículo
    Jun 2012

Histórico

  • Recebido
    25 Maio 2011
  • Aceito
    10 Fev 2012
UFBA - Universidade Federal da Bahia Avenida Adhemar de Barros nº 500 - Ondina , CEP 41170-110 Salvador-BA Brasil, Tel. 55 71 32836725, Fax. 55 71 32836718 - Salvador - BA - Brazil
E-mail: rbspa@ufba.br