Revista Brasileira de Terapia Intensiva, Volume: 22, Issue: 2, Published: 2010
  • Change the Qualis criteria! Editorial

  • Orotracheal intubation: physicians knowledge assessment and clinical practices in intensive care units Artigos Originais

    Yamanaka, Caroline Setsuko; Góis, Aécio Flávio Teixeira de; Vieira, Paulo César Bastos; Alves, Jane Cristina Dias; Oliveira, Luciana Matias de; Blanes, Leila; Lourenço, Eliton Paulo Leite; Assunção, Murillo; Machado, Flavia Ribeiro

    Abstract in Portuguese:

    OBJETIVOS: Avaliar o conhecimento médico sobre as técnicas de intubação e identificar as práticas mais realizadas. MÉTODOS: Estudo prospectivo, envolvendo três diferentes unidades de terapia intensiva de um hospital universitário: da anestesiologia (ANEST), da pneumologia (PNEUMO) e do pronto socorro (PS). Todos os médicos que trabalham nessas unidades e que concordaram em participar do estudo, responderam um questionário contendo dados demográficos e questões sobre intubação orotraqueal. RESULTADOS: Foram obtidos 85 questionários (90,42% dos médicos). ANEST teve maior média de idade (p = 0,001), com 43,5% sendo intensivistas. Foi referido uso da associação hipnótico e opióide (97,6%) e pré oxigenação (91,8%), mas apenas 44,6% referiram utilização de coxim suboccipital, sem diferença entre as UTIs. Na ANEST, referiu-se maior uso de bloqueador neuromuscular (p < 0,000) e maior cuidado com estômago cheio (p = 0,002). O conhecimento sobre sequência rápida foi restrito (nota média - 2,20 ± 0,89, com p = 0,6 entre as unidades de terapia intensiva. A manobra de Sellick era conhecida por (97,6%), mas 72% usaram-na inapropriadamente. CONCLUSÕES: O conhecimento médico sobre intubação orotraqueal em terapia intensiva não é satisfatório, mesmo entre profissionais qualificados para tal procedimento. É necessário avaliar se há concordância entre as respostas dos questionários e as práticas clínicas efetivamente adotadas.

    Abstract in English:

    OBJECTIVES: To assess the physician’s knowledge on intubation techniques and to identify the common practices. METHODS: This was a prospective study, involving three different intensive care units within a University hospital: Anesthesiology (ANEST), Pulmonology (PULMO) and Emergency Department (ED). All physicians working in these units and consenting to participate in the study completed a questionnaire with their demographic data and questions on orotracheal intubation. RESULTS: 85 completed questionnaires were retrieved (90.42% of the physicians). ANEST had the higher mean age (p=0.001), being 43.5% of them intensivists. The use of hypnotic and opioid association was reported by 97.6%, and pre-oxygenation by 91.8%, but only 44.6% reported sub-occipital pad use, with no difference between the ICUs. On ANEST an increased neuromuscular blockade use was reported (p<0.000) as well as increased caution with full stomach (p=0.002). The rapid sequence knowledge was restricted (mean 2.20 ± 0.89), p=0.06 between the different units. The Sellick maneuver was known by 97.6%, but 72% used it inappropriately. CONCLUSIONS: Physicians knowledge on orotracheal intubation in the intensive care unit is unsatisfactory, even among qualified professionals. It is necessary to check if the responses to the questionnaire and actual clinical practices agree.
  • Appropriate medical professionals communication reduces intensive care unit mortality Artigos Originais

    Teixeira, Cassiano; Teixeira, Terezinha Marlene Lopes; Brodt, Sérgio Fernando Monteiro; Oliveira, Roselaine Pinheiro; Dexheimer Neto, Felippe Leopoldo; Roehrig, Cíntia; Oliveira, Eubrando Silvestre

    Abstract in Portuguese:

    OBJETIVOS: A falha de comunicação entre os profissionais de saúde em centros de tratamento intensivo pode estar relacionada ao aumento de mortalidade dos pacientes criticamente doentes. Este estudo teve como objetivo avaliar se falhas de comunicação entre os médicos assistentes e os médicos rotineiros do centro de tratamento intensivo teriam impacto na morbidade e mortalidade dos pacientes críticos. MÉTODOS: Estudo de coorte incluindo pacientes não consecutivos admitidos no centro de tratamento intensivo durante 18 meses. Os pacientes foram divididos em 3 grupos conforme o hábito de comunicação de seus médicos assistentes com os médicos rotineiros: CD - comunicação diária da conduta (>75% dos dias); CE - comunicação eventual (25 a 75% dos dias); RC - rara comunicação (<25% dos dias). Foram coletados dados demográficos, escores de gravidade, motivo de internação no centro de tratamento intensivo, tempo de internação no centro de tratamento intensivo e intervenções realizadas nos pacientes. Foram analisadas as conseqüências da falha na comunicação entre os profissionais médicos (atraso na realização de procedimentos, na realização de exames diagnósticos, no início de antibioticoterapia, no desmame do suporte ventilatório e no uso de vasopressores) e inadequações de prescrição médica (ausência de cabeceira elevada, ausência de profilaxia medicamentosa para úlcera de estresse e para trombose venosa profunda) relacionando-as com o desfecho dos pacientes. RESULTADOS: Foram incluídos 792 pacientes no estudo, sendo agrupados da seguinte maneira: CD (n =529), CE (n =187) e RC (n =76). A mortalidade foi maior nos pacientes pertencentes ao grupo RC (26,3%) comparada aos demais (CD =13,6% e CE =17,1%; p <0,05). A análise multivariada demonstrou que o atraso no início de antibióticos [RR 1,83 (IC95%: 1,36 - 2,25)], o atraso no início do desmame ventilatório [RR 1,63 (IC95%: 1,25 - 2,04)] e a não prescrição de profilaxia para trombose venosa profunda [RR 1,98 (IC95%: 1,43 - 3,12)] contribuíram de forma independente para o aumento de mortalidade dos pacientes. CONCLUSÃO: A falta de comunicação entre médicos assistentes e rotineiros do centro de tratamento intensivo pode aumentar a mortalidade dos pacientes, principalmente devido ao atraso no início de antibióticos e no desmame da ventilação mecânica e a não prescrição de profilaxia para trombose venosa profunda.

    Abstract in English:

    OBJECTIVES: Communication issues between healthcare professionals in intensive care units may be related to critically ill patients’ increased mortality. This study aimed to evaluate if communication issues involving assistant physicians and routine intensive care unit physicians would impact critically ill patients’ morbidity and mortality. METHODS: This was a cohort study that included non-consecutive patients admitted to the intensive care unit for 18 months. The patients were categorized in 3 groups according to their assistant doctors’ versus routine doctors communication uses: DC - daily communication during the stay (>75% of the days); EC - eventual communication (25 to 75% of the days); RC - rare communication (< 25% of the days). Demographic data, severity scores, reason for admission to the intensive care unit and interventions were recorded. The consequences of the medical professionals communication failures (delayed procedures, diagnostic tests, antibiotics, ventilatory weaning, vasopressors) and medical prescriptions inadequacies (no bed head elevation, no stress ulceration and deep venous thrombosis drug prophylaxis), and their relationship with the patients outcomes were analyzed. RESULTS: 792 patients were included, and categorized as follows: DC (n=529); EC (n=187) and RC (n=76). The mortality was increased in the RC patients group (26.3%) versus the remainder groups (DC = 13.6% and EC = 17.1%; p<0.05). A multivariate analysis showed that delayed antibiotics [RR 1.83 (CI95%: 1.36 -2.25)], delayed ventilatory weaning [RR 1.63 (CI95%: 1.25-2.04)] and no deep venous thrombosis prophylaxis [RR 1.98 (CI95%: 1.43 - 3.12)] contributed independently for the increased mortality. CONCLUSION: The failure in the assistant and routine intensive care doctors communication may increase the patients’ mortality, particularly due to delayed antibiotics and ventilation weaning, and lack of deep venous thrombosis prophylaxis prescription.
  • Prolonged gastrointestinal dysfunction in critically ill patients Artigos Originais

    Lobo, Suzana Margareth; Miranda, Amanda Lucia Diaz

    Abstract in Portuguese:

    OBJETIVOS: Em pacientes gravemente enfermos, enquanto as disfunções de outros órgãos ou sistemas são rapidamente progressivas, os sinais de disfunção do trato gastrointestinal são frequentemente sutís e pouco valorizados. Contudo, a região esplâncnica tem muito provavelmente um papel importante no desenvolvimento e ou manutenção da resposta inflamatória e disfunção de múltiplos órgãos e sistemas. O objetivo deste estudo foi avaliar a prevalência e os fatores preditivos de disfunção prolongada do trato gastrointestinal. MÉTODOS: Estudo de coorte, retrospectivo e observacional. Foi realizado na unidade de terapia intensiva clínico - cirúrgica de 24 leitos de um hospital universitário. Foram incluídos todos os pacientes entre agosto de 2003 e janeiro de 2004 e que tiveram tempo de permanência na unidade de terapia intensiva superior a 4 dias. A função do trato gastrointestinal foi avaliada diariamente de acordo com uma classificação que considera o exame físico (presença ou ausência de ruídos hidro-aéreos ou distensão) e o nível e tipo de suporte nutricional ofertado. RESULTADOS: Foram incluidos 128 pacientes. A média de idade foi até 56 ± 19 anos, 81 pacientes (63,3%) eram do sexo masculino e 91 pacientes (77,3%) cirúrgicos. Disfunção do trato gastrointestinal prolongada ocorreu em 35 % dos pacientes, com uma prevalência 3,3 vezes maior em pacientes cirúrgicos (27%) do que em pacientes clínicos (8%). Em 38 pacientes (29,7%) foi realizada endoscopia digestiva alta. Lesões erosivas e/ou hemorrágicas foram observadas em ¾ do total das endoscopias digestivas altas. A frequência de disfunção do trato gastrointestinal foi significativamente mais alta em pacientes com edema moderado a grave (51%) do que em pacientes sem edema (22,5%) (p<0,05). Na análise de regressão logística, uma concentração sérica de lactato na admissão acima de 5.2 mEq/L (RR 6,69 IC 95% 1,15-38,7, p= 0.034) e um índice de oxigenação inferior a 200 (RR 12,4 IC 95% 2,18-70,8, p=0.005) foram preditivos de disfunção do trato gastrointestinal. CONCLUSÕES: Disfunção do trato gastrointestinal prolongada foi altamente prevalente nesta população heterogênea de pacientes de terapia intensiva. Níveis séricos elevados de lactato e índice de oxigenação inferior a 200 na admissão foram preditivos de evolução com disfunção do trato gastrointestinal.

    Abstract in English:

    OBJECTIVE: We aimed to investigate the prevalence and independent predictors of prolonged gastrointestinal dysfunction in critically ill patients admitted to the intensive care unit. METHODS: Retrospective and observational cohort study performed in a mixed 24 beds intensive care unit in a tertiary center. Patients admitted in the intensive care unit between August 2003 and January 2004, who had a length of stay in the intensive care unit greater than 4 days were enrolled. Gastrointestinal function was evaluated daily according to a classification that considered physical examination (bowel sounds or distension) and the nutritional support progress. RESULTS: Were included 128 patients. The mean age was 56 ± 19 years, 63.3% were male and 77.3% were surgical patients. Prolonged gastrointestinal dysfunction occurred in 35% of patients, with prevalence 3.3 times higher in surgical patients (27%) than in medical patients (8%). Endoscopies were performed in 38 patients (29.7%), and in three quarters of them erosive lesions and or bleeding were observed. Gastrointestinal dysfunction was more frequent in patients presenting moderate or severe edema (51%) than in patients without edema (22.5%) (p<0.05). In the logistic regression analysis, a serum lactate level higher than 5.2 mEq/L (RR 6.69 95%CI 15-38.7, P = 0.034) and the presence of a low oxygenation index (RR 12.4 95%CI 2.18-70.8, p = 0.005) were predictive of gastrointestinal dysfunction. CONCLUSION: Prolonged gastrointestinal dysfunction was highly prevalent in this heterogeneous population of critically ill patients. Admission high serum lactate levels and a low oxygenation index were predictive of prolonged gastrointestinal dysfunction.
  • Perceptions about end of life treatment in Argentina, Brazil and Uruguay intensive care units Artigos Originais

    Moritz, Rachel Duarte; Deicas, Alberto; Rossini, Juan Pablo; Silva, Nilton Brandão da; Lago, Patrícia Miranda do; Machado, Fernando Osni

    Abstract in Portuguese:

    OBJETIVO: Avaliar as condutas tomadas nas Unidades de Terapia Intensiva (UTI) com os pacientes críticos terminais. MÉTODOS: Os membros do grupo de estudo do final da vida das sociedades Argentina, Brasileira e Uruguaia de Terapia Intensiva elaboraram um questionário no qual constavam avaliações demográficas sobre os participantes, sobre as instituições em que os mesmos trabalhavam e decisões sobre limite de esforço terapêutico (LET). Neste estudo de corte transversal os membros da equipe multiprofissional das sociedades responderam o questionário durante eventos científicos e, via on line. As variáveis foram analisadas através do teste qui-quadrado sendo considerado significativa p<0,05. RESULTADOS: Participaram do estudo 420 profissionais. No Brasil as UTI tinham mais leitos, foi mais rara a permissão irrestrita de visitas, os profissionais eram mais jovens, trabalhavam a menos tempo na UTI e houve maior participação de não médicos. Três visitas/dia foi o número mais frequente nos três países. Os fatores que mais influíram nas decisões de LET foram prognóstico da doença, co-morbidades e futilidade terapêutica. Nos três países mais de 90% dos participantes já havia decidido por LET. Reanimação cardiorrespiratória, administração de drogas vaso-ativas, métodos dialíticos e nutrição parenteral foram as terapias mais suspensas/recusadas nos três países. Houve diferença significativa quanto à suspensão da ventilação mecânica, mais frequente na Argentina, seguida do Uruguai. Analgesia e sedação foram as terapias menos suspensas nos três países. Definições legais e éticas foram apontadas como as principais barreiras para a tomada de decisão. CONCLUSÃO: Decisões de LET são frequentemente utilizados entre os profissionais que atuam nas UTI dos três países. Existe uma tendência da ação de LET mais pró-ativa na Argentina, e uma maior equidade na distribuição das decisões no Uruguai. Essa diferença parece estar relacionada às diferenças de idade, tempo de experiência, tipo de profissional e gênero dos participantes.

    Abstract in English:

    ABSTRACT OBJECTIVE: To evaluate end-of-life procedures in intensive care units. METHODS: A questionnaire was prepared by the End-of-Life Study Group of the Argentinean, Brazilian and Uruguayan Intensive Care societies, collecting data on the participants’ demographics, institutions and limit therapeutic effort (LTE) decision making process. During this cross sectional study, the societies’ multidisciplinary teams members completed the questionnaire either during scientific meetings or online. The variables were analyzed with the Chi-square test, with a p<0.05 significance level. RESULTS: 420 professionals completed the questionnaire. The Brazilian units had more beds, unrestricted visit was less frequent, their professionals were younger and worked more recently in intensive care units, and more non-medical professionals completed the questionnaire. Three visits daily was the more usual number of visits for the three countries. The most influencing LTE factors were prognosis, co-morbidities, and therapeutic futility. In the three countries, more than 90% of the completers had already made LTE decisions. Cardiopulmonary resuscitation, vasoactive drugs administration, dialysis and parenteral nutrition were the most suspended/refused therapies in the three countries. Suspension of mechanic ventilation was more frequent in Argentina, followed by Uruguay. Sedation and analgesia were the less suspended therapies in the three countries. Legal definement and ethical issues were mentioned as the main barriers for the LTE decision making process. CONCLUSION: LTE decisions are frequent among the professionals working in the three countries’ intensive care units. We found a more proactive LTE decision making trend In Argentina, and more equity for decisions distribution in Uruguay. This difference appears to be related to the participants’ different ages, experiences, professional types and genders.
  • Impact of obesity on critical care treatment in adult patients Artigos Originais

    Moock, Marcelo; Mataloun, Sergio Elia; Pandolfi, Marcela; Coelho, Juliana; Novo, Neil; Compri, Patrícia C.

    Abstract in Portuguese:

    OBJETIVOS: Verificar o prognóstico de pacientes obesos e eutróficos internados em Unidade de Terapia Intensiva (UTI) de adultos. DESENHO: Estudo retrospectivo e observacional MÉTODOS: Todos os pacientes admitidos na UTI durante 52 meses foram incluídos. Foram selecionados pacientes com IMC ≥30 Kg/M² para compor o grupo obeso e outros com IMC < 30 Kg/M², com características clínicas e demográficas semelhantes, que formaram o grupo eutrófico. Foram comparadas a mortalidade e a morbidade entre os grupos. O teste de Mann- Whitney foi usado para as variáveis numéricas e o teste do qui quadrado para as categóricas. RESULTADOS: Duzentos e dezenove pacientes foram incluídos. O grupo obeso (n=73) foi comparado com o grupo eutrófico (n=146). A maioria dos pacientes do grupo de obesos apresentou IMC na faixa de 30 a 35 Kg/M², enquanto que os obesos mórbidos (IMC> 40 Kg/M²) totalizaram apenas 10 pacientes. Não se observou diferença na taxa de mortalidade real, na mortalidade prevista pelo APACHE II, na mediana do tempo de ventilação mecânica e na freqüência da realização de traqueostomia. As diferenças observadas foram na mediana do tempo de internação na unidade de terapia intensiva (7,0 versus 5,0 dias respectivamente; p<0,05), na mediana do escore do APACHE II (16,0 versus 12,0 respectivamente; p<0,05). A mortalidade observada foi sempre maior que a predita, segundo o APACHE II, nos dois grupos, porém o maior descolamento foi registrado nos pacientes com IMC > 40Kg/M². CONCLUSÕES: Neste estudo a obesidade não aumentou a taxa de mortalidade, mas aumentou o tempo médio de permanência na UTI. Os atuais indicadores prognósticos ao não incluírem o IMC poderiam subestimar o risco de morrer e interferir em outros indicadores de qualidade do desempenho assistencial. Como ainda não há um consenso sobre a interferência da obesidade na mortalidade, a inclusão do índice de massa corpórea nos indicadores permanece controversa. Novos estudos, com maior número de obesos, poderão apontar qual o ponto de corte a partir do qual o índice de massa corpórea determinaria o incremento da taxa de mortalidade.

    Abstract in English:

    STUDY OBJECTIVE: Obese patients seem to have worse outcomes and more complications during intensive care unit (ICU) stay. This study describes the clinical course, complications and prognostic factors of obese patients admitted to an intensive care unit compared to a control group of nonobese patients. DESIGN: Retrospective observational study. SETTING: A 10-bed adult intensive care unit in a university-affiliated hospital. METHODS: All patients admitted to the intensive care unit over 52 months (April 01/2005 to November 30/2008) were included. Obese patients were defined as those with a body mass index (BMI) ≥ 30 Kg/M2. Demographic and intensive care unit related data were also collected. An clinical and demographical matching group of eutrophic patients selected from the data base as comparator for mortality and morbidity outcomes. The Mann-Whitney test was used for numeric data comparisons and the Chi Square test for categorical data comparisons. RESULTS: Two hundred nineteen patients were included. The obese group (n=73) was compared to the eutrophic group (n= 146). Most of this group BMI ranged between 30 - 35 Kg/M2. Only ten patients had body mass index ≥40 Kg/M2. Significant differences between the obese and eutrophic groups were observed in median APACHE II score (16 versus 12, respectively; p<0.05) and median intensive care unit length of stay (7 versus 5 days respectively; p<0,05). No significant differences were seen regarding risk of death, mortality rate, mechanical ventilation needs, days free of mechanical ventilation and tracheostomy rates. The observed mortality was higher than the APACHE II-predicted for both groups, but the larger differences were seen for morbid obese patients (BMI ≥40 Kg/M2). CONCLUSIONS: Obesity did not increase the mortality rate, but improved intensive care unit length of stay. The current prognostic scoring systems do not include BMI, possibly underestimating the risk of death, and other quality of care indexes in obese patients. New studies could be useful to clarify how body mass index impacts the mortality rate.
  • Risk factors for death among critically ill elderly patients Artigos Originais

    Alves, Gisele Collyer; Silva Júnior, Geraldo Bezerra da; Lima, Rafael Siqueira Athayde; Sobral, Juliana Barbosa; Mota, Rosa Maria Salani; Abreu, Krasnalhia Lívia Soares de; Rocha, Natália Albuquerque; Nogueira, Charlys Barbosa; Daher, Elizabeth De Francesco

    Abstract in Portuguese:

    OBJETIVO: A população idosa está aumentando em todo o mundo, assim como a necessidade de cuidados intensivos para os idosos. Existem poucos estudos que investiguem os fatores de risco para óbito em pacientes idosos gravemente enfermos. Este estudo teve o objetivo de investigar os fatores associados ao óbito em uma população de pacientes idosos gravemente enfermos admitidos a uma unidade de terapia intensiva no Brasil. MÉTODOS: Estudo retrospectivo de coorte que incluiu todos os pacientes idosos (idade ≥ 60 anos) admitidos a uma unidade de terapia intensiva em Fortaleza, Brasil, de janeiro a dezembro de 2007. Foi realizada uma comparação entre os sobreviventes e os não sobreviventes, e os fatores de risco para óbito foram investigados por meio de análise univariada e multivariada. RESULTADOS: Foi incluído um total de 84 pacientes, com uma média de idade de 73 ± 7,6 anos, sendo 59% do gênero feminino. A mortalidade foi de 62,8%. A principal causa de morte foi disfunção de múltiplos órgãos (42,3%), seguido por choque séptico (36,5%) e choque cardiogênico (9,7%). As complicações durante a permanência na unidade de terapia intensiva associadas com óbito foram insuficiência respiratória (OR = 61; p<0.001), lesão renal aguda (OR =23, p<0,001), sepse (OR = 12; p<0,001), acidose metabólica (OR = 17; p<0,001), anemia (OR = 8,6; p<0,005), distúrbios da coagulação (OR = 5,9; p<0,001) e fibrilação atrial (OR = 4,8; P<0,041). Os fatores de risco independentes para óbito foram idade (OR = 1,15; p<0,005), coma (OR = 7,51; p<0,003), hipotensão (OR = 21,75; p=0,003), insuficiência respiratória (OR = 9,93; p<0,0001), e lesão renal aguda (OR = 16,28; p<0,014). CONCLUSÕES: A mortalidade é elevada em pacientes idosos gravemente enfermos. Os fatores associados ao óbito foram idade, coma, hipotensão, insuficiência respiratória e lesão renal aguda.

    Abstract in English:

    BACKGROUND: The elderly population is increasing all over the world. The need of intensive care by the elderly is also increasing. There is a lack of studies investigating the risk factors for death among critically ill elderly patients. This study aims to investigate the factors associated with death in a population of critically ill elderly patients admitted to an intensive care unit in Brazil. METHODS: This is a retrospective cohort study including all elderly patients (>60 years) admitted to an intensive care unit in Fortaleza, Brazil, from January to December 2007. A comparison between survivors and nonsurvivors was done and the risk factors for death were investigated through univariate and multivariate analysis. RESULTS: A total of 84 patients were included, with an average age of 73 ± 7.6 years; 59% were female. Mortality was 62.8%. The main cause of death was multiple organ dysfunction (42.3%), followed by septic shock (36.5%) and cardiogenic shock (9.7%). Complications during intensive care unit ICU stay associated with death were respiratory failure (OR=61, p<0.001), acute kidney injury (OR=23, p<0.001), sepsis (OR=12, p<0.001), metabolic acidosis (OR=17, p<0.001), anemia (OR=8.6, p<0.005), coagulation disturbance (OR=5.9, p<0.001) and atrial fibrillation (OR=4.8, p<0.041). Independent risk factors for death were age (OR=1.15, p<0.005), coma (OR=7.51, p<0.003), hypotension (OR=21.75, p=0.003), respiratory failure (OR=9.93, p<0.0001) and acute kidney injury (OR=16.28, p<0.014). CONCLUSION: Mortality is high among critically ill elderly patients. Factors associated with death were age, coma, hypotension, respiratory failure and acute kidney injury.
  • Patterns of antibacterials use in intensive care units Artigos Originais

    Santos, Edilson Floriano dos; Lauria-Pires, Liana

    Abstract in Portuguese:

    OBJETIVO: conhecer e comparar os padrões de consumo de antibacterianos em unidades de terapia intensiva com base no sistema Anatomical Therapeutic Chemical/Defined Daily Dose (ATC/DDD). MÉTODOS: estudo de coorte, prospectivo, realizado em três unidades de terapia intensiva médico-cirúrgicas, duas localizadas em dois hospitais públicos e uma em hospital privado. Amostras aleatórias simples, independentes, dos pacientes internados nas unidades de terapia intensiva no período de 10/2004 a 09/2005 foram utilizadas. O consumo de antibacterianos foi avaliado com o sistema ATC/DDD. A quantidade utilizada de antibacteriano nas unidades de terapia intensiva, em gramas, foi transformada em dose diária definida (DDD). O número de DDD foi dividido pelo número de pacientes-dia e multiplicado por mil, compondo a densidade média de consumo por mil pacientes-dia (DDD1000). RESULTADOS: Hum mil setecentos e vinte e oito (1.728) pacientes-dia e 2.918,6 DDD foram analisados nas três unidades de terapia intensiva, correspondendo a densidade média de consumo de 1.689,0 DDD1000. A mediana do número de DDD referente à utilização de antibacterianos nas unidades de terapia intensiva dos hospitais públicos foi significativamente maior (p=0,002) do que na unidade de terapia intensiva do hospital privado. Ao contrário, a densidade de consumo de antibacterianos na unidade de terapia intensiva do hospital privado (2.191,7DDD1000) foi significativamente maior (p<0,001) do que nas unidades de terapia intensiva dos hospitais públicos (1.499,5DDD1000). Os grupos de antibacterianos mais utilizados nas três unidades de terapia intensiva foram cefalosporinas de 3ª geração, penicilinas/inibidores de betalactamases, carbapenêmicos e fluorquinolonas. CONCLUSÃO: os padrões de consumo de antibacterianos nas três unidades de terapia intensiva analisadas não foram uniformes. A unidade de terapia intensiva do hospital privado utilizou quantidade significativamente maior, em termos de densidade de consumo, do que as unidades de terapia intensiva dos hospitais públicos. Apesar disso, os grupos de antibacterianos mais utilizados nas três unidades de terapia intensiva foram semelhantes.

    Abstract in English:

    OBJECTIVE: To know and compare the patterns of antimicrobials use in intensive care units (ICUs) based on the Anatomical Therapeutic Chemical/Defined Daily Dose (ATC/DDD) system. METHODS: a prospective cohort study was conducted in three medical-surgical intensive care units, two of them in public hospitals and one in a private hospital. Simple random, independent samples of patients admitted from 10/2004 to 09/2005 to the selected intensive care units were used. The antibiotics use was assessed using the ATC/DDD system. The amount of antibacterials used in each intensive care unit, in grams, was transformed in daily defined dose (DDD). The number of DDDs was divided by the number of patient-days, multiplied by one thousand, to obtain the average density of consumption (DC) per thousand patient-days (DDD1000). RESULTS: 1,728 patients-days and 2,918.6 DDDs were examined in the three intensive care units, corresponding to an average density of consumption of 1,689.0 DDD1000. The median number of DDDs of antibiotics use in the public hospitals’ intensive care units was significantly higher (p=0.002) versus the private hospital’s intensive care unit. The consumption of antibiotics in the private hospital’s intensive care unit (DC=2,191.7 DDD1000) was significantly higher (p<0.001) versus the intensive care units of public hospitals (1,499.5 DDD1000). The most used antibiotics groups in the three intensive care units were 3rd generation cephalosporins, penicillins/betalactamases inhibitors, carbapenems and fluorquinolones. CONCLUSION: The pattern of antibiotics use in the three examined intensive care units was not uniform. The private hospital’s intensive care unit used a significantly larger amount versus the public hospitals’ intensive care units. Nevertheless, the most used antibiotics groups were similar in the three intensive care units.
  • Cardiorespiratory arrest diagnosis and treatment: theoretical knowledge evaluation in a general hospital's physicians Artigos Originais

    Duarte, Renata Nascimento; Fonseca, Allex Jardim da

    Abstract in Portuguese:

    INTRODUÇÃO: As principais causas de parada cardiorrespiratória são endêmicas e exigem do médico constante aperfeiçoamento no que se refere à reanimação cardiorrespiratória, tornando o treinamento e a educação continuada essenciais ao atendimento qualificado de parada cardiorrespiratória. OBJETIVO: O objetivo deste estudo foi avaliar o conhecimento teórico de médicos sobre diagnóstico e tratamento da parada cardiorrespiratória. MÉTODOS: Trata-se de pesquisa de corte transversal e descritiva em hospital geral terciário de Roraima. A população foi composta por médicos que atuam em unidades de pronto atendimento. Para coleta de dados foi utilizado questionário com perguntas sobre o tema e busca ativa dos profissionais em seus locais de trabalho. RESULTADOS: Responderam ao questionário 44 profissionais. A média de acertos foi de 50%. Cometeram "erros fatais" 88,5% dos profissionais. Cursos de treinamento nunca foram realizados por 54,5% dos médicos. Não houve correlação entre número de acertos e realização de cursos de treinamento. Houve correlação inversamente proporcional entre desempenho e idade, mas não houve diferença estatisticamente significativa entre desempenho e tempo de graduação. CONCLUSÃO: o conhecimento teórico dos médicos mostrou-se preocupante. Os dados apontam para a importância do treinamento de profissionais em suporte avançado de vida para garantir um padrão de qualidade no atendimento à parada cardiorrespiratória neste hospital geral.

    Abstract in English:

    BACKGROUND: The main causes of cardiopulmonary arrest are endemic, and require constant medical improvement on cardiopulmonary resuscitation techniques. Training and continued education are essential to skilled management of cardiopulmonary resuscitation. OBJECTIVE: This study aimed to evaluate the physicians' theoretical knowledge on diagnosis and treatment of cardiopulmonary arrest. METHODS: This was a cross-sectional descriptive research conducted in a general hospital in Roraima, Brazil. The study population consisted of physicians who worked in the emergency department and intensive care units. The data were collected using a questionnaire addressing the subject. RESULTS: Forty four physicians answered the questionnaire. The mean score was 50% right answers. Most (88.5%) respondents committed "fatal errors". Half of the sample was never trained in advanced life support skills. No correlation was found between the number of right answers and attendance to advanced life support training courses. An inverse correlation was found between performance and age, but no statistically significant correlation was seen regarding performance and time from medical graduation. CONCLUSION: The physicians' theoretical knowledge on this field is worrisome. The results point to the importance of professional advanced life support training in order to assure quality standards for cardiac arrest management in this general hospital.
  • Spontaneous breathing trial evaluation in preterm newborns extubation Artigos Originais

    Andrade, Lívia Barboza; Melo, Thaís Myrian Aragão; Morais, Danielle Ferreira do Nascimento; Lima, Marcela Raquel Oliveira; Albuquerque, Emídio Cavalcanti; Martimiano, Paula Honório de Melo

    Abstract in Portuguese:

    OBJETIVO: O teste de respiração espontânea (TRE) antes da extubação fornece informações sobre a capacidade de respirar espontaneamente. O objetivo desse estudo foi verificar se o TRE é preditor de sucesso da extubação. MÉTODOS: Estudo de perfil observacional, longitudinal e prospectivo. Após eleitos para extubação, 60 recém nascidos pré-termo foram divididos em dois grupos: TRE (n= 30), pressão positiva contínua de vias aéreas durante 30 minutos, e controle (n=30), extubados sem o teste. Foram avaliados antes, aos 10, 20 e 30 minutos do grupo TRE, a freqüência respiratória e cardíaca, saturação de pulso de oxigênio e boletim de Silverman e Andersen. Peso, idade gestacional, Apgar, pressão média de vias aéreas, fração inspirada de oxigênio (FiO2) e tempo de cânula orotraqueal foram analisadas intra-grupos e quanto ao sucesso e falha na extubação. O Qui-quadrado para associações das variáveis categóricas e Mann-Whitney para distribuição não-normal. O sucesso na extubação foi 48 horas sem necessidade de reintubação. RESULTADOS: Não houve diferença significante nas variáveis analisadas, exceto pressão média de vias aéreas. As variáveis analisadas durante o TRE (freqüência respiratória e cardíaca, saturação de oxigênio e boletim de Silverman e Andersen) não demonstraram alterações significantes. Comparado sucesso e falha na extubação houve diferença significativa para FiO2 e peso atual no controle, indicando que a FiO2 maior e o peso menor indicam falha na extubação. Houve associação significante entre realização do TRE e sucesso na extubação. CONCLUSÃO: Houve associação significante do TRE e o sucesso na extubação, indicando que, no grupo que realizou o teste observou-se maior sucesso na extubação comparado ao controle.

    Abstract in English:

    OBJECTIVE: Neonates mechanic ventilation weaning has become a major clinical challenge, and constitutes a large portion of neonatal intensive care units workload. The spontaneous breathing trial (SBT), performed immediately before extubation, can provide useful information on the patient's spontaneous breathing ability. This study aimed to assess the SBT effectiveness for extubation success prediction in mechanically ventilated preterm infants. METHODS: After Ethics Committee approval, an observational, longitudinal, prospective study was conducted. A sample of 60 preterm infants compliant with the weaning criteria was categorized in two groups: 'SBT' group (n=30), with the patients who underwent 30 minutes spontaneous breathing trial (SBT) with continuous positive pressure airway (CPAP), and the control group (n=30) where the extubation was performed without spontaneous breathing trial. The heart rate (HR), respiratory rate (RR), pulse oxymetry oxygen saturation (SpO2) and the Silverman-Andersen score were recorded before and 10, 20 and 30 minutes after the spontaneous breathing trial. Were also assessed for both groups, and versus extubation success or failure, the weight, gestational age, Apgar score, mean airway pressure, inspired oxygen concentration, and tracheal tube time. The Chi-square test was used for categorical variables and the Mann-Whitney test for non-normal distribution. Extubation success was defined as a 48 hours period with no reintubation requirement. RESULTS: No significant differences were identified between the groups for the analyzed variables, except for the mean airway pressure. A significant association was shown between spontaneous breathing trial and successful extubation. CONCLUSION: The significant association between SBT and extubation success may contribute for prediction of successful weaning in preterm infants.
  • Acute kidney injury in children: incidence and prognostic factors in critical ill patients Artigos Originais

    Freire, Kenia Machado Souza; Bresolin, Nilzete Liberato; Farah, Ana Camila Flores; Carvalho, Francisca Lígia Cirilo; Góes, José Eduardo Coutinho

    Abstract in Portuguese:

    OBJETIVOS: Lesão renal aguda caracteriza-se pela redução súbita e, em geral, reversível da função renal com perda da capacidade de manutenção da homeostase do organismo. Em pediatria, as principais causas de lesão renal aguda são sepse, uso de drogas nefrotóxicas e isquemia renal nos pacientes criticamente enfermos. Nesses pacientes, a incidência de lesão renal aguda varia de 20 a 30%, resultando em aumento da taxa de morbi-mortalidade de 40 a 90%. Este estudo tem como objetivo avaliar a incidência de lesão renal aguda nos pacientes internados em unidade de terapia intensiva, classificar a gravidade da lesão renal aguda de acordo com o Pediatric Risk, Injury, Failure, Loss, End-Stage (pRIFLE), analisar a relação entre lesão renal aguda e a gravidade através do Pediatric Index of Mortality (PIM) e estudar os fatores prognósticos associados. MÉTODOS: Realizou-se um estudo prospectivo entre julho de 2008 a janeiro de 2009 dos pacientes internados na unidade de terapia intensiva pediátrica do Hospital Infantil Joana de Gusmão - Florianópolis (SC) - Brasil. Todos os pacientes foram analisados diariamente através do débito urinário e creatinina sérica e classificados de acordo com pRIFLE. RESULTADOS: No período de acompanhamento foram internadas 235 crianças. A incidência de lesão renal aguda foi de 30,6%, sendo que o pRIFLE máximo durante a internação foi de 12,1% para R, 12,1% para I e 6,4% para F. A taxa de mortalidade foi de 12,3%. Os pacientes que evoluíram com lesão renal aguda apresentaram risco dez vezes maior de óbito em relação aos não expostos. CONCLUSÃO: Lesão renal aguda é uma entidade comum nos pacientes críticos. O diagnóstico precoce a e instituição imediata de medidas terapêuticas adequadas a cada situação clínica podem alterar o curso e a gravidade do envolvimento renal reduzindo a morbi-mortalidade do paciente.

    Abstract in English:

    OBJECTIVES: Acute kidney injury is characterized by sudden and generally revertible renal function impairment involving inability to maintain homeostasis. In pediatrics, the main causes of acute kidney injury are sepsis, use of nephrotoxic drugs and renal ischemia in critically ill patients. The incidence of acute kidney injury in these patients ranges from 20 to 30%, resulting in increased morbid-mortality, a 40 to 90% rate. This study aimed to evaluate the incidence of acute kidney injury in intensive care unit patients, to categorize the severity of the acute kidney injury according to the Pediatric Risk, Injury, Failure, Loss, End-Stage (pRIFLE), examine the relationship between the acute kidney injury and severity using the Pediatric Index of Mortality (PIM) and to analyze outcome predictors. METHODS: A prospective study of the patients admitted to the intensive care unit of Hospital Infantil Joana de Gusmão - Florianópolis / SC - Brazil was conducted between July 2008 and January 2009. Were evaluated daily the urine output and serum creatinine, and the patients were categorized according to the pRIFLE criteria. RESULTS: During the follow-up period, 235 children were admitted. The incidence of acute kidney injury was 30.6%, and the maximal pRIFLE score during hospitalization was 12.1% for R, 12.1% for I and 6.4% for F. The mortality rate was 12.3%. The patients who developed acute kidney injury had a ten times bigger risk of death versus the not exposed patients. CONCLUSIONS: Acute kidney injury is frequent in critically ill patients. Early diagnosis and prompt and appropriate therapy for each clinical aspect may change this condition's course and severity, and reduce the patients' morbidity and mortality.
  • Applicability of the prevention protocol of pressure ulcers in intensive care unit Artigos Originais

    Silva, Emanuelly Wedja do Nascimento Lima e; Araújo, Raquell Alves de; Oliveira, Elizandra Cássia de; Falcão, Viviane Tannuri Ferreira Lima

    Abstract in Portuguese:

    OBJETIVO: O não desenvolvimento da úlcera de pressão de pacientes graves em terapia intensiva é um grande desafio para a enfermagem. Portanto, é relevante a prevenção para que se garanta um cuidado de boa qualidade. O objetivo da pesquisa foi avaliar a aplicabilidade da escala de Braden em pacientes de terapia intensiva. MÉTODOS: Estudo prospectivo baseado na avaliação de todos os pacientes internados na unidade de terapia intensiva adulto, no período 14 de Julho a 10 de Agosto de 2009. A coleta de dados foi realizada através da aplicação da escala de Braden por três juízes, identificando os riscos para o desenvolvimento da úlcera de pressão. Para a análise dos dados foi utilizado o Software estatístico SAS Na avaliação do grau de coincidência entre os juízes utilizou-se valor kappa (IC=95%). RESULTADOS: Quanto aos fatores de risco relacionados: 36,4% apresentavam leve limitação à percepção sensorial, 50,9% pele ocasionalmente úmida; 97,3% restritos ao leito; 39,1% muito limitados à mobilidade, 45% nutrição provavelmente inadequada, 61,8% apresentaram problema quanto à fricção e cisalhamento. Quanto à concordância entre os juízes (38,1% a 100,0%) foram registradas em nutrição e atividade física; a hipótese do Kappa populacional nulo foi rejeitada; análise entre pares de examinadores de coincidência (41,7% a 100,0%) foi registrada no item umidade e atividade física, os valores de Kappa variaram de 0,13 a 1. CONCLUSÕES: Observou-se elevado risco para ulcera de pressão em pacientes de terapia intensiva. Esse instrumento parece ser adequado para auxiliar na implementação de medidas de prevenção.

    Abstract in English:

    OBJECTIVE: The avoidance of pressure ulcers development in critically ill patients is a major nursing challenge. Prevention is thus relevant for assurance of high quality care. This study aimed to evaluate the applicability of the Braden scale in intensive care unit patients. METHODS: This was a prospective study based which evaluated all adult patients staying in the intensive care unit from July 14 to August 10, 2009. The data were collected using the Braden's scale by three examiners who identified the pressure ulcer development risk. The data were analyzed using the SAS Statistical Software. For determination of the examiners' rates degree of coincidence, the Kappa value was used (95%CI). RESULTS: Regarding the related risk factors: 36.4% had mild sensory perception impairment; 50.9% had occasionally moist skin; 97.3% bedfast; 39.1% had very limited mobility; 45% probably had inappropriate nutrition; 61.8% had friction and shear problems. An agreement between the examiners was identified for nutrition and physical activity (38.1% to 100.0%); the Kappa population zero hypothesis was rejected; a paired examiners agreement (41.7% to 100.0%) was identified for the items humidity and physical activity, and the Kappa values ranged from 0.13 to 1. CONCLUSIONS: These intensive care patients were identified to have increased risk of developing pressure ulcers. This tool was considered appropriate to support the implementation of preventive measures.
  • Applicability of bag squeezing and zeep maneuvers in mechanically ventilated patients Artigos Originais

    Lobo, Denise Moreira Lima; Cavalcante, Liv Albuquerque; Mont'Alverne, Daniela Gardano Bucharles

    Abstract in Portuguese:

    OBJETIVOS: Avaliar a aplicabilidade das manobras de bag squeezing e zeep em pacientes sob ventilação mecânica invasiva. MÉTODOS: Foram estudados vinte pacientes sob ventilação mecânica invasiva e hemodinamicamente estáveis. Os pacientes foram randomizados e alocados em uma das duas sequências de tratamento (bag squeezing ou manobra zeep). A ordem de aplicação da sequência foi invertida após quatro horas. Foram avaliadas frequência cardíaca, frequência respiratória, saturação periférica de oxigênio e pressão arterial, antes, durante e após a execução de cada técnica. A secreção aspirada foi coletada e mensurada. Os dados foram avaliados utilizando análise estatística pareada para comparação entre os dois grupos e ANOVA para comparar os resultados obtidos em cada grupo nas avaliações. RESULTADOS: Houve um aumento significativo na frequência cardíaca, de 92,6 ± 18,3 bpm para 99,8 ± 18,5 bpm e uma redução significativa na saturação periférica de oxigênio, de 96,9 ± 3,0% para 94,5 ± 4,3% durante a aplicação da técnica bag squeezing, embora os valores tenham se mantido dentro da normalidade. Não houve alterações durante a manobra zeep. Quando comparadas as duas técnicas foi encontrado diferença na saturação periférica de oxigênio durante a aplicação das mesmas. Não houve diferença na quantidade de secreção removida. CONCLUSÃO: Os resultados sugerem que ambas as técnicas são viáveis no tocante a sua aplicação, pois causam poucas alterações hemodinâmicas, e ambas as técnicas são eficazes na remoção de secreção brônquica.

    Abstract in English:

    OBJECTIVES: To evaluate the applicability of the bag squeezing and zeep maneuvers in mechanically ventilated patients. METHODS: Twenty stable mechanically ventilated patients were studied. All patients were randomly allocated to either bag squeezing techinique followed by zeep maneuver, or the reversed sequence. Each group crossed to the other sequence four hours later. Heart rate, respiratory rate, peripheral oxygen saturation and blood pressure were measured before, during and after each technique use. The suctioned secretions were collected and measured. The data were analyzed by pairwise statistical analysis for inter-group comparisons, and ANOVA for each group results analysis. RESULTS: The heart rate was significantly increased, from 92.6 ± 18.3 bpm to 99.8 ± 18.5 bpm and the peripheral oxygen saturation significantly decreased from 96.9 ± 3.0% to 94.5 ± 4.3% during the bag squeezing maneuver, although the values remained within the normal range. No significant changes were seen for the zeep maneuver. Peripheral oxygen saturation during the maneuvers was found to change when the techniques were compared. No differences were found for the suctionedsecretions amounts. CONCLUSION: The results suggest that both techniques are feasible as they cause few hemodynamic changes, and both are effective for bronchial secretions removal.
  • Cuff pressure control in intensive care unit: training effects Artigos Originais

    Penitenti, Renata de Martin; Vilches, Jonattan Ivan Gallegos; Oliveira, Julia Sampel Castro de; Mizohata, Marina Gaiani Giuliano; Correa, Daniel Imay; Alonso, Tiago Rittes Mena Barreto; Mathiazzi, Isabela Chiarin; Testa, Renato Scarsi

    Abstract in Portuguese:

    OBJETIVOS: A pressão do cuff é transmitida de forma direta na parede da traquéia e isto pode ocasionar lesões. O objetivo deste trabalho foi verificar a eficácia de um treinamento com a equipe de enfermagem no controle da pressão do cuff. MÉTODOS: Foi realizado um levantamento retrospectivo das mensurações da pressão de cuff de janeiro de 2007 a junho de 2008, verificando-se o percentual de inadequação. Posteriormente, foi elaborado um programa de treinamento da equipe de enfermagem durante o mês de Junho 2008 em todos os três turnos de trabalho. Após o encerramento dessa fase de treinamento, o percentual de adequação na pressão de cuff foi verificado prospectivamente durante os meses de Julho a Dezembro. Foi comparado o percentual de inadequação da pressão do cuff entre os turnos de trabalho (matutino, vespertino e noturno) e entre os períodos pré-treinamento e pós-treinamento pelo teste qualitativo de qui-quadrado, considerando-se como significativa diferença acima de 5% (p<0,05). RESULTADOS: No período pré-treinamento as medidas inadequadas das pressões do cuff (acima de 30cmH2O) nos períodos matutino, vespertino e noturno foram respectivamente 9,2; 11,9 e 13,7%. Após o treinamento foi verificada inadequação de 7,6; 4,1 e 5,2%, nos mesmos períodos, observando-se diminuição significativa no tocante aos períodos vespertino e noturno pré e pós (p<0,001). CONCLUSÃO: O treinamento realizado com a equipe de enfermagem demonstrou-se efetivo na conscientização dos malefícios da pressão do cuff inadequada, acarretando na utilização de níveis de pressão mais seguros nos pacientes.

    Abstract in English:

    OBJECTIVES: Direct cuff pressure to the tracheal wall can cause damage. This paper aimed to verify the effectiveness of nursing team training on cuff pressure control. METHODS: A retrospective survey was initially made on the records of cuff pressure measurements from January 2007 to June 2008 and the inadequacy percent was verified. Next, a nursing team training program was provided involving all nursing shift teams during June 2008, and after the training the appropriate cuff pressures proportion was prospectively recorded between June and December 2008. The proportion of inappropriate cuff pressure was compared between the work shifts (morning, afternoon and evening-night) and between pre- and post-training, using the qualitative Chi-square test. The 5% limit (p<0.05) was considered for significant differences. RESULTS: For the pre-training period, inappropriate cuff pressure measures (over 30cmH2O) during morning, afternoon and evening-night shifts were 9.2%, 11.9% and 13.7%, respectively. For the post-training phase, 7.6%, 4.1% and 5.2% inappropriate cuff-pressures were identified for the morning, afternoon and evening-night shifts, respectively, with a significant reduction for the afternoon and evening-night shifts, respectively (p<0.001). CONCLUSION: Nursing team training was effective for inadequate cuff pressure harms awareness improvement, and resulted in safer pressure levels.
  • Mild therapeutic hypothermia after cardiac arrest: mechanism of action and protocol development Artigos de Revisão

    Rech, Tatiana Helena; Vieira, Sílvia Regina Rios

    Abstract in Portuguese:

    A parada cardiorrespiratória é um evento de alta mortalidade. A isquemia cerebral difusa relacionada ao hipofluxo cerebral frequentemente leva à injúria neurológica grave e ao desenvolvimento de estado vegetativo persistente. A hipotermia terapêutica representa um importante avanço no tratamento da encefalopatia anóxica pós-parada cardíaca. Seus efeitos neuroprotetores têm sido amplamente demonstrados em várias situações de isquemia neuronal. Apesar de ser um procedimento associado com redução de mortalidade nesses pacientes, a hipotermia ainda é um tratamento subutilizado no manejo da síndrome pós-ressuscitação. Nosso objetivo é revisar aspectos referentes aos mecanismos de ação da hipotermia e seus efeitos em pacientes críticos reanimados pós- parada cardiorrespiratória e propor um protocolo assistencial simples, que possa ser implantado em qualquer unidade de terapia intensiva.

    Abstract in English:

    Cardiac arrest is a high mortality event and the associated brain ischemia frequently causes severe neurological damage and persistent vegetative state. Therapeutic hypothermia is an important tool for the treatment of post-anoxic coma after cardiopulmonary resuscitation. It has been shown to reduce mortality and to improve neurological outcomes after cardiac arrest. Nevertheless, hypothermia is underused in critical care units. This manuscript aims to review the hypothermia mechanism of action in cardiac arrest survivors and to propose a simple protocol, feasible to be implemented in any critical care unit.
  • Mechanisms underlying uremic encephalopathy Artigos de Revisão

    Scaini, Giselli; Ferreira, Gabriela Kozuchovski; Streck, Emilio Luiz

    Abstract in Portuguese:

    Em pacientes com insuficiência renal, a encefalopatia é um problema comum que pode ser provocado pela uremia, deficiência de tiamina, diálise, rejeição de transplante, hipertensão, desequilíbrios hidroeletrolíticos e toxicidades medicamentosas. Em geral a encefalopatia se apresenta como um complexo de sintomas que progride de uma leve obnubilação sensitiva até delírio e coma. Esta revisão discute questões importantes com relação aos mecanismos de base da fisiopatologia da encefalopatia urêmica. A fisiopatologia da encefalopatia urêmica é até hoje incerta, mas postula-se o envolvimento de diversos fatores; trata-se de um processo complexo e provavelmente multifatorial. Distúrbios hormonais, estresse oxidativo, acúmulo de metabólitos, desequilíbrio entre os neurotransmissores excitatórios e inibitórios, e distúrbio do metabolismo intermediário foram identificados como fatores contribuintes. A despeito do progresso continuado na terapêutica, a maior parte das complicações neurológicas da uremia, como a encefalopatia urêmica, não respondem plenamente à diálise e muitas delas são desencadeadas ou agravadas pela diálise ou transplante renal. Por outro lado, estudos prévios demonstraram que a terapia antioxidante pode ser utilizada como terapia coadjuvante para o tratamento destas complicações neurológicas.

    Abstract in English:

    In patients with renal failure, encephalopathy is a common problem that may be caused by uremia, thiamine deficiency, dialysis, transplant rejection, hypertension, fluid and electrolyte disturbances or drug toxicity. In general, encephalopathy presents with a symptom complex progressing from mild sensorial clouding to delirium and coma. This review discusses important issues regarding the mechanisms underlying the pathophysiology of uremic encephalopathy. The pathophysiology of uremic encephalopathy up to now is uncertain, but several factors have been postulated to be involved; it is a complex and probably multifactorial process. Hormonal disturbances, oxidative stress, accumulation of metabolites, imbalance in excitatory and inhibitory neurotransmitters, and disturbance of the intermediary metabolism have been identified as contributing factors. Despite continuous therapeutic progress, most neurological complications of uremia, like uremic encephalopathy, fail to fully respond to dialysis and many are elicited or aggravated by dialysis or renal transplantation. On the other hand, previous studies showed that antioxidant therapy could be used as an adjuvant therapy for the treatment of these neurological complications.
Associação de Medicina Intensiva Brasileira - AMIB Rua Arminda, 93 - Vila Olímpia, CEP 04545-100 - São Paulo - SP - Brasil, Tel.: (11) 5089-2642 - São Paulo - SP - Brazil
E-mail: rbti.artigos@amib.com.br