Conhecimento e experiência de profissionais das Equipes de Saúde da Família no atendimento a pessoas surdas

Vânia de Santana Lima Reis Adriano Maia dos Santos Sobre os autores

RESUMO

Objetivo:

avaliar a comunicação na perspectiva dos profissionais de Equipes de Saúde da Família para atendimento a pessoas surdas.

Métodos:

trata-se estudo transversal que abarcou todas as 39 equipes de Unidades de Saúde da Família da zona urbana e rural. Realizou-se um censo e aplicou-se questionários aos profissionais das Unidades de Saúde da Família (31 médicos, 30 enfermeiros e 27 cirurgiões-dentistas) e quatro farmacêuticos do Núcleo de Apoio à Saúde da Família.

Resultados:

a grande maioria dos profissionais (60,8%) referiu ter ciência da existência da Linguagem Brasileira de Sinais, embora, nenhum dos entrevistados comunicava-se por meio dela. A maioria dos profissionais (68,5%) havia atendido uma pessoa surda em algum momento. Todavia, nenhum dos profissionais fez curso complementar ou obteve alguma formação específica.

Conclusão:

o aspecto relacional é parte fundamental na construção de projetos terapêuticos singulares. Nesta perspectiva, as barreiras de comunicação enfrentadas por pessoas surdas comprometem o desenvolvimento dos laços que são requeridos na assistência à saúde, os quais podem afetar negativamente o diagnóstico precoce, o tratamento oportuno e a adesão ao tratamento requerido.

Descritores:
Deficiência Auditiva; Atenção à Saúde; Surdez; Estratégia Saúde da Família; Barreiras de Comunicação

ABRAMO Associação Brasileira de Motricidade Orofacial Rua Uruguaiana, 516, Cep 13026-001 Campinas SP Brasil, Tel.: +55 19 3254-0342 - São Paulo - SP - Brazil
E-mail: revistacefac@cefac.br