Estudo das habilidades auditivas de resolução temporal e figura-fundo em dançarinos

Mariane Richetto da Silva Karin Ziliotto Dias Liliane Desgualdo Pereira Sobre os autores

Resumo:

OBJETIVO:

avaliar a habilidade auditiva de resolução temporal e de identificação de sentenças com mensagem competitiva em dançarinos.

MÉTODOS:

trata-se de um estudo prospectivo em que foram avaliados 40 indivíduos distribuídos em dois grupos: grupo 1 (dançarinos) e grupo 2 (não-dançarinos). Os instrumentos de avaliação do processamento auditivo utilizados foram: teste Gaps-in-noise (GIN) e teste de reconhecimento de sentenças na presença de mensagem competitiva (SSI).

RESULTADOS:

os limiares de gap de ambos os grupos variaram de 3 a 6 ms e não demostraram diferença estatisticamente significante na comparação entre os grupos. Houve diferença estatisticamente significante ao comparar a porcentagem de identificação de gaps entre os dois grupos, sendo que o grupo de dançarinos apresentou média maior que o grupo de não dançarinos.O teste de reconhecimento de frases em escuta monótica (rel -10dB) mostrou resultados que variaram de 50% até 100% para o grupo de dançarinos e de 40% até 100% para o de não - dançarinos. A idade de início da dança (antes ou depois dos sete anos) não influenciou no desempenho dos testes estudados. Não houve correlação entre as variáveis dos achados obtidos nos testes estudados no grupo de dançarinos considerando o tempo de dança.

CONCLUSÃO:

a dança influenciou positivamente a habilidade auditiva de resolução temporal, pois o grupo de dançarinos apresentou desempenho melhor do que o grupo de não-dançarinos. A dança parece não ter influenciado a habilidade auditiva de figura-fundo.

Descritores:
Testes Auditivos; Percepção Auditiva; Plasticidade Neuronal; Dança; Audição; Neuropsicologia

ABRAMO Associação Brasileira de Motricidade Orofacial Rua Uruguaiana, 516, Cep 13026-001 Campinas SP Brasil, Tel.: +55 19 3254-0342 - São Paulo - SP - Brazil
E-mail: revistacefac@cefac.br