A dor aguda: um problema desafiador

João Batista Santos Garcia

EDITORIAL

Neste número da Revista Dor vários artigos abordam a questão da dor aguda, seja discutindo aspectos específicos de sua caracterização, avaliações em populações especiais como crianças em unidades de emergência ou mesmo técnicas de tratamento farmacológicas para a dor pós-operatória. Isto chama atenção para o problema deste tipo de dor no nosso país e a preocupação dos serviços com o seu impacto nos indivíduos. A dor aguda é também considerada uma queixa de difícil controle e comum na medicina familiar, medicina do esporte, e especialmente na clínica médica.

Apesar dos avanços significativos nas pesquisas sobre dor nas últimas décadas, o controle insuficiente da dor aguda ainda é mais a regra do que a exceção. Estudos mostram que 30 a 40% de pacientes que recebem alta em procedimentos ambulatoriais sofrem de dor moderada a intensa durante as primeiras 24 a 48 horas1. A dor diminui com o tempo, mas pode ser forte ao ponto de interferir com o sono e com a realização de tarefas do cotidiano. Ainda, a dor pós-operatória é o fator mais comum para o retardo na alta hospitalar deste pacientes, bem como a maior responsável pelo número de chamadas médicas depois da alta e a razão mais encontrada para as readmissões hospitalares2,3. Fatores como náusea, vômitos, fadiga ou dor são os mais comuns para retardar a permissão de ir para o domicílio e os mais comuns também para a volta ao hospital1,2.

A dor intensa pós-operatória causa extremo desconforto e sofrimento e está associada à alteração do sono, que induz à fadiga. Este quadro pode durar alguns dias e impedir o retorno do paciente as suas atividades laborativas, gerando impacto econômico em sua vida. Há de ser considerado ainda o aspecto negativo da dor pós-operatória e de outros tipos de dor aguda em diversos órgãos e sistemas orgânicos, como o coração e pulmão4.

A dor PO pode persistir de forma mais duradoura e ser considerada como uma síndrome dolorosa crônica pós-cirúrgica, que tem sido reconhecida cada vez mais como um problema significante e que precisa ser diagnosticado e combatido. Esta situação ocorre de forma mais comum em operações do tipo amputações de membros, toracotomias, mastectomias e hérnias inguinais. A incidência de dor crônica pós-cirúrgica em procedimentos ambulatoriais, como herniorrafias, pode alcançar percentuais até acima de 50%5.

A queixa de dor é o motivo mais frequente para consultas em pronto-socorro, o que representa mais de 70% dos atendimentos6. Um grande estudo realizado nos Estados Unidos mostrou que o escore médio da dor de pacientes atendidos em unidades de emergência foi 8 em escala uma escala numérica. Cerca de 41% dos pacientes relataram que sua dor não se alterou ou aumentou após a visita no pronto-socorro, e quase três quartos relataram dor moderada ou intensa no momento da alta6.

Esperamos que os trabalhos dos autores deste número possam contribuir de alguma forma para diminuir esta realidade de subavaliação e de subtratamento da dor aguda.

João Batista Santos Garcia

Editor da Revista Dor

  • 1. Schug SA, Chong C. Pain management after ambulatory surgery. Curr Opin Anaesthesiol. 2009;22(6):738-43.
  • 2. Apfelbaum JL, Chen C, Mehta SS, Gan TJ. Postoperative pain experience: results from a national survey suggest postoperative pain continues to be undermanaged. Anesth Analg. 2003;97(2):534:40.
  • 3. Segerdahl M, Warrén-Stomberg M, Rawal N, Brattwall M, Jakobsson J. Clinical practices and routines for day surgery in Sweden: results from a nation-wide survey. Acta Anaesthesiol Scand. 2008;52(1):117-24.
  • 4. Wu CL, Berenholtz SM, Pronovost PJ, Fleisher LA. Systematic review and analysis of postdischarge symptoms after outpatient surgery. Anesthesiolology. 2002;96(4):994-1003.
  • 5. Perkins FM, Gopal A. Postsurgical chronic pain: a model for investigation the origins of chronic pain. Tech Reg Anesth Pain Manag. 2003;7(2):122-6.
  • 6. Todd KH, Ducharme J, Choiniere M, Crandall CS, Fosnocht DE, Homel P, Tanabe P; PEMI Study Group. Pain in the emergency department: results of the pain and emergency medicine initiative (PEMI) multicenter study. J Pain. 2007;8(6):460-6.

  • A dor aguda: um problema desafiador
    Caros leitores,

Datas de Publicação

  • Publicação nesta coleção
    30 Out 2013
  • Data do Fascículo
    Set 2013
Sociedade Brasileira para o Estudo da Dor Av. Conselheiro Rodrigues Alves, 937 cj 2, 04014-012 São Paulo SP Brasil, Tel.: (55 11) 5904 3959, Fax: (55 11) 5904 2881 - São Paulo - SP - Brazil
E-mail: dor@dor.org.br