MAPEAMENTO META-NARRATIVO DA PRODUÇÃO ACADÊMICA BRASILEIRA SOBRE FALSIFICAÇÃO

Wagner Vicente Diniz Ramon Silva Leite Marcelo de Rezende Pinto Sobre os autores

RESUMO

O mercado de produtos falsificados tem um alcance global, apresenta crescimento significativo e desperta o interesse de diversas áreas do conhecimento. Atentos a essas questões, pesquisadores brasileiros da área de Administração têm envidado esforços para compreender melhor esse complexo fenômeno, reconhecendo que tal mercado se mostra expressivo e possibilita um amplo campo de estudo. Nesse sentido, o presente trabalho teve o objetivo de analisar, por meio de um mapeamento meta-narrativo, a produção brasileira sobre o tema falsificação. A abordagem de mapeamento meta-narrativo se baseia na revisão sistemática dos métodos e teorias, destacando suas particularidades, sendo o primeiro passo para a formação de um framework teórico. Para tanto, foi conduzido um estudo descritivo, onde foram analisados 23 artigos, 13 dissertações e uma tese. Os resultados obtidos sugerem que a falsificação é um campo de estudo fecundo, abordado por distintas áreas da administração e por pesquisadores de diferentes instituições de ensino, mas que ainda demonstra significativo potencial a ser explorado. Identificou-se que as teorias de base, no que se relaciona a falsificação, apresentam inúmeras referências que podem ser utilizadas por futuras pesquisas sobre o tema. Acredita-se que, para desenvolvimento do conhecimento sobre falsificação no Brasil, os estudos deverão buscar a interlocução com outras áreas do conhecimento, tais como estratégia, cultura organizacional, direito, sociologia e engenharia. Observou-se ainda a ausência de trabalhos que abordem a falsificação sob a perspectiva da produção e comercialização, o que seria um gap de pesquisa a ser abordado em trabalhos futuros. Por fim, acredita-se que o estudo em tela poderá servir de guia para futuras pesquisas sobre o tema.

Palavras chaves:
Mapeamento meta-narrativo; Falsificação; Pirataria; Publicações brasileiras

ABSTRACT

The market of counterfeit goods has a global reach, offers significant growth and attracts the interest of several areas of knowledge. Aware of these issues, Brazilian researchers in the Administration area have been endeavoring to gain a better understanding of this complex phenomenon, recognizing that such market is expressive and allows a broad field of study. In this sense, the present study aimed to analyze, through a meta-narrative mapping, the Brazilian production on the subject of falsification. The approach of meta-narrative mapping is based on the systematic review of methods and theories, emphasizing its peculiarities, being the first step towards the formation of a theoretical framework. For this purpose, a descriptive study was conducted, where 23 articles, 13 dissertations, and one thesis were analyzed. The results obtained suggest that counterfeiting is a fertile field of study, approached by different areas of management and by researchers from different educational institutions, but it still demonstrates significant potential to be explored. It was identified that the basic theories, in which relate to counterfeit, feature numerous references that can be used for further research on the subject. It is believed that, for knowledge development about counterfeiting in Brazil, studies should seek dialogue with other areas of knowledge, such as strategy, organizational culture, law, sociology, and engineering. It was also observed the absence of works dealing with the falsification from the perspective of production and commercialization, which would be a gap of research to be approached in future works. Finally, it is believed that this study could serve as a guide for future research on the topic.

Key words:
Mapping meta-narrative; Counterfeiting; Piracy; Brazilian publication

RESUMEN

El mercado de productos falsificados tiene un alcance global, presenta un crecimiento significativo y despierta el interés de muchas áreas del conocimiento. Conscientes de estos problemas, los investigadores brasileños de área de Gestión han hecho esfuerzos para comprender mejor este fenómeno complejo, reconociendo que tal mercado está mostrando significativa y proporciona un amplio campo de estudio. En este sentido, este estudio tuvo como objetivo analizar, a través de un mapeo meta-narrativa, la producción brasileña en la tema de falsificación. El enfoque de mapeo de meta-narrativa se basa en la revisión sistemática de los métodos y teorías, destacando sus peculiaridades, el primer paso en la formación de un marco teórico. Por lo tanto, se llevó a cabo un estudio descriptivo, que analizó 23 artículos, 13 disertaciones y una tesis. Los resultados sugieren que la falsificación es un campo fértil de estudio, abordado por diferentes áreas de la administración e investigadores de diferentes instituciones educativas, pero también muestra un importante potencial para ser explorado. Se identificó que las teorías básicas, en lo que respecta a la falsificación, tienen numerosas referencias que pueden ser utilizados para futuras investigaciones sobre el tema. Se cree que, para el desarrollo de conocimientos sobre falsificación en el Brasil, los estudios deben buscar el diálogo con otras áreas del conocimiento, como la estrategia, la cultura organizacional, derecho, sociología e ingeniería. También se observó la ausencia de trabajos que aborden la falsa desde la perspectiva de la producción y la comercialización, lo que sería un espacio de investigación que se abordarán en futuros trabajos. Por último, se cree que el estudio puede servir como guía para futuras investigaciones sobre el tema.

Palabras clave:
Mapeo meta-narrativo; Falsificación; Piratería; Publicaciones brasileñas

INTRODUÇÃO

A prática da falsificação não é um fenômeno da economia contemporânea e pode ser observada em diversos momentos da história e em diferentes regiões. No entanto, foi com o aumento da utilização de marcas para identificar a origem e atestar autenticidade aos produtos que a prática da contrafação obteve maior estímulo (CHAUDHRY et al., 2009CHAUDHRY, Peggy E.; ZIMMERMAN, Alan; PETERS, Jonathan R.; CORDELL, Victor V. Preserving intellectual property rights: Managerial insight into the escalating counterfeit market quandary. Business Horizons, Amsterdam, v. 52, n. 1, p. 57-66, 2009.).

Segundo Macesich (1961)MACESICH, G. Counterfeit Detectors and Pre-1860 Monetary Statistics. The Journal of Southern History, Hanover, v. 27, n. 2, p. 229-232, 1961., os primeiros estudos sobre contrafação abordaram a falsificação de moedas nos Estados Unidos, ainda no século XIX. Já o mercado de produtos falsificados, bem como o seu consumo, é objeto de estudos acadêmicos desde a década de 1970. Conforme Staake et al. (2009)STAAKE, T.; THIESSE, F.; FLEISCH, E. The emergence of counterfeit trade: a literature review. European Journal of Marketing, Bingley, v. 43, n. 3/4, p. 320-349, 2009., o tema é abordado por estudos de diferentes linhas de pesquisa da Administração, tais como Marketing, Logística e Gestão Estratégica.

Conforme destacam Green e Smith (2002)GREEN, R. T.; SMITH, T. Countering brand counterfeiters. Journal of international Marketing, Chicago, v. 10, n. 4, p. 89-106, 2002., falsificações propendem a fortalecer especialmente em países em desenvolvimento, onde o ambiente institucional tende a ser menos consolidado. Nesse sentido, o Brasil se apresenta como um importante player no mercado de falsificação, tanto em termos de consumo como em termos de produção (SILK, 1986SILK, M. A. Legal Efforts of the United States and the Republic of China of Taiwan at Controlling the Transnational Flow of Commercial Counterfeit Goods. Maryland Journal of International Law and Trade, Maryland, v. 10, p. 210-229, 1986.; STUMPF; CHAUDHRY; PERRETTA, 2013; STUMPF; CHAUDHRY, 2010STUMPF, S. A.; CHAUDHRY, P. Country matters: Executives weigh in on the causes and counter measures of counterfeit trade. Business Horizons, Amsterdam, v. 53, n. 3, p. 305-314, 2010.). A reboque dessas considerações, entende-se que o mercado de artigos falsificados no Brasil possibilita um amplo campo de estudos, no sentido de compreender questões relacionadas à produção, comercialização e consumo desse tipo de produto.

No intuito de compreender melhor esse fenômeno, sob as lentes dos estudos já desenvolvidos no Brasil na área de Administração, o objetivo do presente artigo foi analisar, por meio de um mapeamento meta-narrativo, a produção brasileira sobre contrafação. O estudo pretendeu ainda analisar: a) as características gerais da publicação; b) a natureza da coleta de dados e os métodos de análise empregados; c) as teorias de base e principais referências dos estudos; d) as sugestões dos autores para futuras pesquisas; e) as limitações dos estudos analisados, e; f) os avanços para o entendimento do fenômeno.

A abordagem de mapeamento meta-narrativo se baseia na revisão sistemática dos métodos e teorias, destacando suas particularidades, sendo o primeiro passo para a formação de um framework teórico (PETTICREW; ROBERTS, 2006PETTICREW, M.; ROBERTS, H. Systematic reviews in the social sciences: A practical guide. Hoboken: John Wiley & Sons, 2006.). Estudos que buscam sintetizar o conhecimento científico já foram realizados por pesquisadores brasileiros, por exemplo: Bertero, Caldas e Wood Jr. (1999)BERTERO, C. O.; CALDAS, M. P.; WOOD JR, T. Produção científica em administração de empresas: provocações, insinuações e contribuições para um debate local. Revista de Administração Contemporânea, São Paulo, v. 3, n. 1, p. 147-178, 1999., Davel e Alcadipani (2003)DAVEL, Eduardo; ALCADIPANI, Rafael. Estudos críticos em administração: aprodução científica brasileira nos anos 1990. Revista de Administração de Empresas, São Paulo, v. 43, n. 4, p. 72-85, 2003., Pinto e Lara (2007)PINTO, M. R.; LARA, J. E. A pesquisa na área do comportamento do consumidor: uma análise da produção acadêmica brasileira entre 1997 e 2006. In: ENCONTRO NACIONAL DA ASSOCIAÇÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA EM ADMINISTRAÇÃO, 31., Brasília, 2007. Anais... Brasília: ANPAD, 2007. e Sampaio e Perin (2006)SAMPAIO, C. H.; PERIN, M. G; Pesquisa científica da área de marketing: uma revisão histórica. Revista de Administração Contemporânea, São Paulo, v. 10, n. 2, p. 179-202, 2006.. Este fato manifesta a preocupação constante dos acadêmicos brasileiros da área de Administração, no sentido de reavaliar a sua postura e procedimentos em relação à sua própria pesquisa acadêmica, bem como revisitar a produção acadêmica nacional em Administração (SAMPAIO; PERIN, 2006SAMPAIO, C. H.; PERIN, M. G; Pesquisa científica da área de marketing: uma revisão histórica. Revista de Administração Contemporânea, São Paulo, v. 10, n. 2, p. 179-202, 2006.).

Além disso, estudos de mapeamento meta-narrativo podem ser capazes de identificar e alavancar determinado campo científico, pois a revisão sistemática inerente a esse método de investigação contribui na identificação de gaps de pesquisa. Nesse sentido, espera-se que o presente trabalho, que se baseia no mapeamento meta-narrativo das produções científicas brasileiras sobre falsificação, possa servir como um guia a ser utilizado por pesquisadores, profissionais e demais envolvidos com a questão da falsificação.

Para o mapeamento, foram pesquisados artigos indexados no Scientific Periodicals Electronic Library (Spell), Scientific Electronic Library Online (SciELO) e nos encontros da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Administração (ANPAD). Em relação às Teses e Dissertações (T&D), foram pesquisados todos os programas de Pós-Graduação filiados à ANPAD.

O trabalho foi estruturado em cinco tópicos, iniciando por esta introdução. O segundo aborda o mercado de falsificação, demonstrando, por meio de dados recentes, a expressividade de tal segmento no Brasil e no mundo. O terceiro tópico apresenta a metodologia de pesquisa utilizada. O quarto dispõe os resultados da pesquisa e o último apresenta as discussões e considerações finais.

1 O MERCADO DE FALSIFICAÇÃO

As dimensões e estruturas do comércio de produtos falsificados avançaram nos últimos anos por meio da internet; estima-se que, em 2015, a superação de 1 trilhão de dólares comercializados no mundo em produtos falsificados (BASCAP, 2011BASCAP - Business Action to Stop Counterfeiting and Piracy. Estimating the global economic and social impacts of counterfeiting and piracy: A report commissioned by business action to stop counterfeiting and piracy (BASCAP). Fev. 2011. Disponível em: <https://cdn.iccwbo.org/content/uploads/sites/3/2016/11/ICC-BASCAP-Global-Impacts-Full-Report-2011.pdf>.
https://cdn.iccwbo.org/content/uploads/s...
; RADON, 2012RADON, A. Counterfeit luxury goods online: an investigation of consumer perceptions. International Journal of Marketing Studies, [s.l.], v. 4, n. 2, p. 74, 2012.; TSAI; CHIOU, 2012TSAI, M. F.; CHIOU, J. R. Counterfeiting, enforcement and social welfare. Journal of Economics, New York, v. 107, n. 1, p. 1-21, 2012.). No entanto, a contrafação não é um problema estritamente do século XXI. Trata-se de um problema histórico, pois a falsificação de produtos de luxo data do ano 27 antes da nossa era, onde o vinho produzido em Gaul era falsificado e vendido em Roma (como vinho romano) a um valor maior (WILCOX; KIM; SEN, 2009WILCOX, K.; KIM, H. M.; SEN, S. Why do consumers buy counterfeit luxury brands? Journal of Marketing Research, Chicaco, v. 46, n. 2, p. 247-259, 2009.). Há também registros que no século XVII, o padre espanhol Domingo Navarette documentou a habilidade com que os chineses produziam cópias (CHAUDHRY, 2006CHAUDHRY, P. E. Changing levels of intellectual property rights protection for global firms: A synopsis of recent US and EU trade enforcement strategies. Business Horizons, Amsterdam, v. 49, n. 6, p. 463-472, 2006.; ECONOMIST, 2015ECONOMIST, T. Imitating property is theft. Acesso em 17 de junho, 2015. Disponível em: <http://www.economist.com/node/1780818>.
http://www.economist.com/node/1780818...
).

Com o desenvolvimento da internet, aliado à capacidade histórica de produzir cópias e a fatores culturais favoráveis, a China é hoje o principal player do mercado global de falsificação (ANWAR MIR, 2013ANWAR MIR, I. Examination of attitudinal and intentional drivers of non-deceptive counterfeiting in a South Asian context. Journal of Business Economics and Management, Abingdon, v. 14, n. 3, p. 601-615, 2013.). Além disso, naquele país a infração à propriedade intelectual não é entendida como moralmente errada ou criminosa (CHAUDHRYet al., 2009).

Além da China, outro player importante do mercado global de falsificação são os Estados Unidos, não só como produtor, mas como consumidor (ANWAR MIR, 2013ANWAR MIR, I. Examination of attitudinal and intentional drivers of non-deceptive counterfeiting in a South Asian context. Journal of Business Economics and Management, Abingdon, v. 14, n. 3, p. 601-615, 2013.). Taiwan, Hong Kong, Singapura, Filipinas, Coreia do Sul, Itália, Tailândia, Índia, Japão, Indonésia, Brasil, Colômbia, México e Nigéria também são players relevantes no mercado de produtos falsificados (SILK, 1986SILK, M. A. Legal Efforts of the United States and the Republic of China of Taiwan at Controlling the Transnational Flow of Commercial Counterfeit Goods. Maryland Journal of International Law and Trade, Maryland, v. 10, p. 210-229, 1986.; STUMPF; CHAUDHRY, 2010STUMPF, S. A.; CHAUDHRY, P. Country matters: Executives weigh in on the causes and counter measures of counterfeit trade. Business Horizons, Amsterdam, v. 53, n. 3, p. 305-314, 2010.; STUMPF; CHAUDHRY; PERRETTA, 2013).

Conforme pode ser observado na Tabela 1, o comércio mundial de produtos falsificados avançou cerca de 390%, tendo em vista o período de 2008 à 2015.

Tabela 1
Estimativa do valor total do mercado de produtos pirateados

Quando se observa a produção e consumo doméstico de produtos falsificados, leva-se em consideração o consumo interno das vinte maiores economias do mundo, e os efeitos globais com proteção, gastos dessas economias com fiscalização, repressão, investigações etc., objetivando a redução do mercado de produtos falsificados. No entanto, os números acerca desse mercado provêm de estimativas conservadoras (BASCAP, 2011BASCAP - Business Action to Stop Counterfeiting and Piracy. Estimating the global economic and social impacts of counterfeiting and piracy: A report commissioned by business action to stop counterfeiting and piracy (BASCAP). Fev. 2011. Disponível em: <https://cdn.iccwbo.org/content/uploads/sites/3/2016/11/ICC-BASCAP-Global-Impacts-Full-Report-2011.pdf>.
https://cdn.iccwbo.org/content/uploads/s...
).

As atividades relacionadas à pirataria e falsificação fizeram com que o Governo Federal brasileiro deixasse de arrecadar R$ 30 bilhões de reais em 2013, sendo R$ 8 bilhões de reais somente em tributação sob óculos (FNCP, 2015FNCP - Fórum Nacional Contra a Pirataria e a Ilegalidade. Entrevista com o advogado André Almeida, Membro titular do Conselho Nacional de Combate à Pirataria. 24 de março, 2015. Disponível em: <http://www.forumcontrapirataria.org/web/forum/entrevista/31>.
http://www.forumcontrapirataria.org/web/...
). Na Inglaterra, o mercado ilegal de produtos falsificados resultou na perda de 10 bilhões de libras em 2003 (BIAN; VELOUTSOU, 2007BIAN, X.; VELOUTSOU, C. Consumer's attitudes regarding non-deceptive counterfeit brands in the UK and China. Journal of Brand Management, New York, v. 14, n. 3, p. 211-222, 2007.). Já para o governo estadunidense, estima-se de 200 a 250 bilhões de dólares em perdas em 2015 (BASCAP, 2011BASCAP - Business Action to Stop Counterfeiting and Piracy. Estimating the global economic and social impacts of counterfeiting and piracy: A report commissioned by business action to stop counterfeiting and piracy (BASCAP). Fev. 2011. Disponível em: <https://cdn.iccwbo.org/content/uploads/sites/3/2016/11/ICC-BASCAP-Global-Impacts-Full-Report-2011.pdf>.
https://cdn.iccwbo.org/content/uploads/s...
).

Pesquisadores de diferentes nacionalidades, reconhecendo a relevância de tal setor para os estudos ligados à Administração, desenvolveram trabalhos no sentido de mapear as pesquisas sobre tal temática. Eisend e Schuchert-Güler (2006)EISEND, M.; SCHUCHERT-GÜLER, P. Explaining counterfeit purchases: A review and preview. Academy of Marketing Science Review, New York, v. 2006, p. 1, 2006. revisaram uma série de estudos sobre os determinantes da intenção dos consumidores em comprar produtos falsificados, no intuito de fornecer uma visão mais ampla sobre o tema e identificar possíveis lacunas. De forma similar, Lee e Yoo (2009)LEE, S. H.; YOO, B. A review of the determinants of counterfeiting and piracy and the proposition for future research. The Korean Journal of Policy Studies, Seoul, v. 24, n.1, p. 1-38, 2009. buscaram, por meio de uma revisão da literatura sobre o mercado de falsificação, propor tópicos específicos a serem investigados em futuras pesquisas. Já Staake, Thiesse e Fleisch (2009)STAAKE, T.; THIESSE, F.; FLEISCH, E. The emergence of counterfeit trade: a literature review. European Journal of Marketing, Bingley, v. 43, n. 3/4, p. 320-349, 2009. pretenderam esclarecer os princípios econômicos do comércio de produtos contrafeitos, assim como das cadeias de abastecimento ilícitas subjacentes. Para isso, foi realizada uma extensa revisão da literatura, que incluiu contribuições de diferentes vertentes de pesquisa em gestão. Tais estudos demonstram que o tema é amplo e que merece maior atenção por parte de pesquisadores da Administração e de outras áreas correlatas. No entanto, para a realidade brasileira, não há estudos que mapearam as publicações nacionais. Além disso, os três estudos elencados anteriormente não analisaram boa parte da publicação brasileira, devido à barreira do idioma. Dessa forma, constata-se que o presente trabalho vem preencher uma lacuna de estudos, no intuito de fornecer um panorama das publicações nacionais da área de Administração sobre o fenômeno da falsificação.

2 DESENHO DA PESQUISA

A presente pesquisa utilizou da abordagem descritiva, com base em mapeamento meta-narrativo. Tratando-se de uma nova abordagem, o mapeamento meta-narrativo pode ser utilizado para buscar novas evidências e técnicas de pesquisa, envolvendo conceitos chaves, teorias, elementos e achados. Sua utilização se dá com o objetivo de abordar criticamente os estudos sobre determinada temática (PETTICREW; ROBERTS, 2006PETTICREW, M.; ROBERTS, H. Systematic reviews in the social sciences: A practical guide. Hoboken: John Wiley & Sons, 2006.).

A busca por artigos, Dissertações e Teses iniciou pela consulta em bancos de dados com as palavras chaves: falsificado, falsificação, pirata, pirataria e contrafação, que são termos comumente utilizados para caracterização do fenômeno. O período de busca se deu em duas fases distintas, sendo a primeira entre os meses de agosto e outubro de 2014 e a segunda entre janeiro e julho de 2015. Objetivou-se, com isso, obter um maior número de trabalhos, tendo em vista a possibilidade de novas indexações de artigos, Dissertações e Teses.

As produções analisadas foram categorizadas entre Teses, Dissertações e Artigos, sendo; A para artigos, D para dissertações e T para teses.

No tocante aos artigos, optou-se por realizar a pesquisa em artigos indexados na Scientific Periodicals Electronic Library (Spell), Scientific Electronic Library Online (SciElO) e no Encontro Nacional da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Administração (ENANPAD) e foram organizados no Quadro 1.

Quadro 1
Lista dos artigos considerados na pesquisa

Os critérios para seleção de artigos foram, para inclusão: (1) serem artigos científicos; (2) terem sido publicados em português; (3) ter o texto completo disponível para acesso e (4) o resumo ter uma ou mais palavras chaves utilizadas na busca. Com base nesses critérios foram encontrados 30 artigos.

Como critérios para exclusão foram considerados: (1) artigos que não abordavam diretamente a pirataria; (2) artigos que não fossem publicados em eventos da ANPAD ou em revistas científicas listadas no Qualis da área da Administração, Ciências Contábeis e Turismo, e (3) artigos não científicos. Após a aplicação dos critérios de exclusão, foram selecionados 23 artigos, sendo que esses compuseram o corpus da pesquisa.

Em relação aos artigos publicados em eventos, alguns não foram considerados, pois não dispunham do conteúdo de forma integral. Quanto às Dissertações e Teses, foram considerados todos os programas de Pós-Graduação em Administração filiados à Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Administração (ANPAD), sendo que do total de 99 programas, em 85 foi possível a pesquisa online, mas 14 programas não dispunham de banco de Teses e Dissertações no período da pesquisa, o que impossibilitou a pesquisa nestes.

Os critérios para inclusão de dissertações foram: (1) dissertações e tese em português, (2) texto completo disponível para acesso e (3) o resumo ter uma ou mais das palavras chaves utilizadas na busca. Dessa forma, foram encontrados inicialmente 24 dissertações e 5 teses.

Como critérios para exclusão foram considerados: (1) dissertações e teses que não abordavam diretamente a pirataria e (2) dissertações e teses não defendidas em Programas de Pós-Graduação em Administração. Após a aplicação dos critérios de exclusão, foram selecionadas 13 dissertações e uma tese, listadas nos Quadros 2 e 3 a seguir.

Quadro 2
Lista de códigos das dissertações e tese
Quadro 3
Periódicos e eventos que publicaram sobre falsificação

Dessa forma, foram selecionados ao todo 37 trabalhos, sendo 23 artigos, 13 Dissertações e uma Tese, que constituíram o corpus final da pesquisa.

Para a análise dos dados, foram considerados, a priori, os aspectos gerais sobre as publicações, quais sejam: (1) fonte da publicação (Instituição de Ensino Superior (IES), periódico ou evento em que o trabalho foi publicado), (2) objeto de estudo e (3) recorte da pesquisa. Já a metodologia dos trabalhos foi analisada levando em consideração: (4) natureza de pesquisa, (5) forma de coleta de dados e (6) tipo de análise de dados. No que se relaciona à teoria, foi considerado (7) as teorias de base e as principais referências utilizadas. E, por fim, para ampliação da temática, enquanto área de estudo, foram considerados (8) as limitações nos estudos, (9) as recomendações de futuras pesquisas e (10) as contribuições e avanços. Verificou-se, por fim, (11) quais trabalhos serviram de referência para os demais, assim como (12) os pesquisadores nacionais com maior número de trabalhos relacionados ao tema.

3 RESULTADOS

Optou-se pela análise separada de Teses e Dissertações, por considerar que a estrutura das mesmas é diferentes da dos artigos. A análise dos resultados inicia-se pelo mapeamento dos artigos, para posteriormente analisar as dissertações e tese.

3.1 Artigos: mapeamento meta-narrativo

O Quadro 3 especifica o evento ou periódico da área de Administração em que os artigos analisados foram publicados.

Como se observa, foram nove periódicos que publicaram artigos sobre a temática nos últimos 15 anos. Constata-se, no entanto, que os Encontros promovidos pela ANPAD foram os espaços mais recorrentes para publicação de trabalhos relacionados ao tema. Percebe-se também que há predominância de estudos sobre falsificação na área de marketing, mas foram encontrados também estudos sobre contrafação publicados em eventos da área de Estratégia, Comunicação e Estudos Organizacionais. Observa-se, nesse caso, a possível interlocução com diferentes áreas, demonstrando que o fenômeno é multifacetado, permitindo diferentes perspectivas.

No que se relaciona ao objeto de estudo, pode-se observar diversas abordagens, como apresentado no Quadro 4.

Quadro 4
Objeto de estudo

Observa-se que há predominância de estudos que abordam a falsificação sob o ponto de vista da repressão e combate. Nota-se, porém, que a pirataria digital (software, indústria fonográfica e pirataria de domínio na internet) também é debatida de forma significativa pelos pesquisadores nacionais.

No que se relaciona ao recorte da pesquisa, buscando verificar se o estudo aborda a demanda ou a oferta de itens falsificados, pode-se observar no Quadro 5 que os estudos apresentam, em sua maioria, o recorte pelo lado da demanda (consumo), não tendo observado nenhum estudo que teve como foco analisar a produção ou a comercialização de produtos falsificados.

Quadro 5
Recorte de pesquisa

A possibilidade de pesquisas que adotem o recorte pelo lado da oferta poderia trazer descobertas sobre a produção dos itens falsificados. Duas publicações analisadas adotaram como recorte o papel e práticas do Governo em relação ao mercado de falsificado.

Em relação à análise da metodologia dos artigos, buscou-se inicialmente identificar as abordagens em que se basearam as pesquisas. É importante destacar que o artigo A6 é um trabalho teórico, que não contemplou a aplicação de pesquisa empírica. Dessa forma, não foi avaliado sob a perspectiva da natureza da pesquisa. O Quadro 6 mostra que as pesquisas de natureza quantitativa foram as mais adotadas e que três produções se basearam em pesquisa qualitativa e quantitativa.

Quadro 6
Natureza da pesquisa

Apesar do número de estudos qualitativos ser menor em relação aos estudos quantitativos, observa-se o uso predominante da metodologia estudo de caso. Foi observado também que as amostras das pesquisas foram constituídas, em sua maioria, por estudantes selecionados de forma não probabilística.

Os métodos de coleta de dados empregados pelas pesquisas estão dispostos no Quadro 8.

Quadro 8
Teorias de base e referências dos artigos

Como é possível observar no Quadro 7, os métodos de coleta de dados mais utilizados foram entrevista em profundidade e levantamento. Cabe destacar que os estudos de natureza qualitativa adotaram, em sua maioria, entrevista semiestruturada e grupos de foco como métodos de coleta de dados. Nota-se que a pesquisa de natureza qualitativa permitiu, dentre os artigos analisados, maior heterogeneidade de métodos de coleta de dados.

Quadro 7
Métodos de coleta de dados

Em relação às teorias de base e principais referências utilizadas pelos artigos nacionais analisados, pode-se observar significativa heterogeneidade nas referências e conceitos de base, o que pode ser observado no Quadro 8.

No Quadro 8, tem-se acesso às principais teorias e referências utilizadas nos artigos nacionais. Constata-se que a abordagem dos trabalhos não se resumiu a autores que tratam da falsificação, mas também contemplou teorias ligadas a outras temáticas. É importante destacar que a síntese das teorias de base utilizadas pelos artigos nacionais não objetivou inserir todas as referências citadas nos estudos analisados. Foram utilizadas aquelas consideradas relevantes para a abordagem da teoria.

Como o presente estudo busca facilitar novas pesquisas sobre a temática da falsificação, o Quadro 8 apresenta as principais referências citadas pelos autores de artigos nacionais, para referenciar a falsificação e demais temas relacionados. Observa-se uma ampla gama de autores, principalmente estrangeiros. Além disso, é possível constatar os diversos temas relacionados ao fenômeno da falsificação.

Como mais uma contribuição do mapeamento meta-narrativo, o presente estudo buscou sintetizar as recomendações e limitações dos estudos analisados. O Quadro 9 tem o objetivo de orientar futuros estudos no sentido de explorar as limitações dos estudos já publicados, levando em consideração as recomendações dadas por estes. Destaca-se que os limites e recomendações foram retirados de forma direta dos artigos analisados. Não foram utilizadas, na codificação do Quadro 9, interpretações dos limites e recomendações. Assim, em alguns casos, não foi observado limites ou recomendações para futuros estudos, o que não implica que não os tenham.

Quadro 9
Limitações e recomendações para pesquisas

Destaca-se que muitos trabalhos não mencionaram as limitações dos mesmos. Isso não implica que os autores tenham desconsiderado as limitações dos estudos, apenas não foram identificadas na análise sistemática. Em resumo, as limitações se dão pela amostra pesquisada, teorias de base utilizadas e objeto estudado. As recomendações para futuras pesquisas se voltam para a adoção de amostras probabilísticas, uso de outros métodos de análise de dados, melhor heterogeneidade da amostra e acompanhamento e monitoramento do objeto de estudo.

Por fim, baseando-se na estrutura sugerida por Petticrew e Roberts (2006)PETTICREW, M.; ROBERTS, H. Systematic reviews in the social sciences: A practical guide. Hoboken: John Wiley & Sons, 2006., revisou-se as principais contribuições dos artigos, que podem ser observadas no Quadro 10. Destaca-se que as contribuições do estudo foram retiradas dos artigos analisados. Buscou-se reduzir a interferência subjetiva dos autores do presente artigo, atendo-se ao máximo às ideias dos pesquisadores originais.

Quadro 10
Contribuições do estudo

A identificação das contribuições dos estudos, por meio de fragmentos textuais dispostos no Quadro 10, não teve o objetivo de sistematizar todas as contribuições empíricas e teóricas, mas sintetizar algumas e buscar avançar no entendimento do fenômeno, observando a individualidade de cada produção. Observa-se que, apesar das relevantes contribuições dispostas no Quadro 10, elas se limitam ao entendimento sob a perspectiva da demanda por produtos falsificados.

3.2 Dissertações e tese: mapeamento meta-narrativo

As dissertações foram analisadas iniciando pelos aspectos gerais das publicações. Em relação às teses, foi encontrada somente uma na área de Administração. Ressalta-se que há outras teses defendidas no Brasil1 1 Exemplos: Direto: IOKOI, P. A apreensão no procedimento dos crimes contra a propriedade imaterial. Universidade de São Paulo, 2013. Antropologia Social: PINHEIRO-MACHADO, R. Made in China: produção e circulação de mercadorias no circuito China-Paraguai-Brasil. Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 2009. Sociologia: LADEIRA, A. G. O Bom Gosto Pelas Margens: motivações sociais no consumo de produtos piratas. Universidade Federal de Minas Gerais, 2013. , abordando a mesma temática, mas foram defendidas em programas distintos ao da área de Administração.

O Quadro 11 apresenta as dissertações e tese defendidas de acordo com o Programa de Pós-Graduação em Administração (PPGA). Com isso, objeta-se identificar os programas que promovem pesquisas para entendimento do fenômeno.

Quadro 11
Instituição de Ensino

Os PPGAs com maior número de dissertações analisadas são a Fundação Getúlio Vargas de São Paulo e do Rio de Janeiro. Em termos proporcionais, os PPGAs de universidades públicas dispunham de cinco dissertações no momento da pesquisa, enquanto as instituições privadas somavam oito dissertações e uma tese.

Os objetos de estudos das dissertações e tese consideraram temas distintos dos artigos. Observa-se, no Quadro 12, que três dissertações analisadas investigaram o consumo de falsificados sem caracterizar um item específico.

Quadro 12
Objeto de estudo

Foi observado um maior número de trabalhados relacionados à indústria fonográfica. No entanto, ao contrário do que se observou nos artigos, as dissertações não exploraram o mercado digital como objeto de estudo.

Assim como se observou nos artigos analisados, as dissertações e tese também apresentaram maior quantidade de estudos que abordavam a demanda de produtos falsificados, como pode-se observar no Quadro 13.

Quadro 13
Recorte da pesquisa

Nesse sentido, acredita-se que trabalhos que abordem a oferta de produtos falsificados poderiam agregar relevantes contribuições ao campo de estudo. Investigar a produção, ou seja, a oferta de itens falsificados, poderia ampliar a compreensão do fenômeno sob uma outra perspectiva.

A análise dos aspectos metodológicos das dissertações e tese iniciou pela natureza de pesquisa. Diferentemente dos artigos, as dissertações e tese apresentaram certa equidade entre pesquisas de natureza qualitativa e quantitativa, como se observa no Quadro 14.

Quadro 14
Natureza da pesquisa

Duas dissertações se basearam em pesquisas de natureza qualitativa e quantitativa para entendimento do fenômeno. É importante destacar que a metodologia não se limita à natureza de pesquisa. Assim, os Quadros 16 e 17 buscam aprofundar a análise metodológica dos estudos analisados.

Quadro 16
Método para análise de dados
Quadro 17
Dissertações: teorias de base e referências

O Quadro 15 demonstra que, em relação ao método de coleta da pesquisa, o mais utilizado foi o levantamento, empregado por todas as dissertações de natureza quantitativa. As dissertações de natureza qualitativa utilizaram tanto a entrevista em profundidade como a entrevista semiestruturada, por meio de roteiro de entrevista.

Quadro 15
Coleta de dados

Como se observa no Quadro 16, todas as dissertações de natureza qualitativa analisadas utilizaram a análise de conteúdo, enquanto a tese utilizou da analise do discurso.

Já nas dissertações de natureza quantitativa, foi observada a utilização de diversos métodos para a análise dos dados. É importante destacar que na dissertação D4 não se observou qual método para a análise de dados quantitativos foi empregado. Assim como os artigos, as dissertações de natureza qualitativa utilizaram mais de um instrumento para a obtenção dos dados.

Os conceitos e teorias de base utilizados nas dissertações foram abrangentes e, como esperado, apresentaram maior profundidade do que os artigos, o que pode ser explicado pelo limite de páginas exigido pelos eventos e periódicos.

As dissertações conseguiram, em alguns casos, evoluir a discussão teórica de forma mais aprofundada, para sustentação dos objetivos de pesquisa. O Quadro 17 elenca os principais autores utilizados como referências para os conceitos e teorias empregados nas dissertações e tese.

A apresentação das teorias de base e principais referências não teve o objetivo de coletar todos os conceitos e referências utilizados pelos pesquisadores. Foram elencados os principais autores utilizados para a sustentação teórica das dissertações e tese. Nesse sentido, percebe-se um amplo espectro de autores e correntes teóricas utilizadas nos estudos.

Os limites que podem ser explorados por novas pesquisas, bem como as recomendações das dissertações e tese foram organizados no Quadro 18. Observa-se que as principais limitações dos estudos se dão na escolha metodológica, principalmente relacionada à amostra de pesquisa.

Quadro 18
Dissertações: limites e recomendações para pesquisas

Os avanços advindos das dissertações e tese analisadas são diversos e em sua maioria as hipóteses de pesquisa foram confirmadas nos estudos descritivos. Já estudos exploratórios conseguiram responder aos objetivos propostos. O Quadro 19 dispõe dos principais resultados alcançados pelos pesquisadores.

Quadro 19
Contribuições do estudo

Destaca-se que o Quadro 19 não busca elencar todas as contribuições dadas pelas dissertações e tese analisadas, mas apresenta em síntese aquilo que se observa nos estudos. Considera-se que o tema falsificação no Brasil é recente e as transformações do mercado ilegal se dão na mesma velocidade da transformação do mercado legal.

Com o objetivo de identificar a quantidade de citações que ocorreram entre artigos, dissertações e tese, realizou-se, por meio do Gráfico 20, uma estruturação na tentativa de elencar as pesquisas que foram citadas em maior frequência.

Gráfico 20
Frequência de citação dos artigos

Como observado no 1 ocorreu mais que o dobro de citações entre artigos do que em dissertações e tese. Foi observado também que aproximadamente metade dos artigos publicados citaram outros artigos. Pôde-se observar que há maior presença de citações de artigos em teses e dissertação. Constata-se, por meio do Gráfico 21, que houve pouca citação entre as dissertações e tese, o que indica que tais trabalhos tendem a ser negligenciados pelos estudos da área.

Gráfico 21
Frequência de citação das dissertações e tese

O que se observa é que a tese foi citada por metade dos outros trabalhos stricto sensu. Além disso, as T&D foram utilizadas em maior frequência do que artigos na elaboração das pesquisas. Vale ressaltar que os trabalhos do corpus de pesquisa que não foram citados por outros artigos, dissertações e tese foram excluídos da análise.

Nesse sentido, foi realizado o levantamento dos pesquisadores com maior número de publicações. Por meio do Quadro 21, observa-se que seis pesquisadores contribuíram com um terço de todas as publicações analisadas pelo presente estudo.

Quadro 21
Pesquisadores com maior número de publicações

Observa-se que os dois pesquisadores que mais publicaram sobre falsificação responderam, cada um, por 16% de todas as publicações analisadas. O Quadro 21 relacionou todos os pesquisadores do corpus da pesquisa que publicaram mais de uma pesquisa sobre o tema.

CONCLUSÕES E CONSIDERAÇÕES FINAIS

Apesar do corpus de pesquisa ser recente no Brasil, observa-se significativos avanços para entendimento do fenômeno. De uma forma geral, observou-se uma predominância de estudos sobre falsificação na área de marketing, embora o tema tenha sido abordado por outras áreas de conhecimento. Em termos de setores da economia, a indústria fonográfica e a de software foram as mais pesquisadas. Para a fundamentação teórica, os estudos não se limitam à área de falsificação e normalmente contemplam teorias ligadas à outras temáticas, sendo mais recorrentes aquelas ligadas à área de marketing. Foi observado que há uma maior citação de artigos do que de dissertações e teses pelos estudos analisados. Nesse sentido, os professores Arnaldo Luiz Ryngelblum e Suzane Strehlau foram os autores mais profícuos dos trabalhos analisados, com 6 publicações cada, sendo que Strehlau foi a autora da tese analisada, enquanto Ryngelblum participou apenas de artigos. Não por acaso, tais autores foram os mais citados pelos trabalhos analisados.

Em relação aos objetivos do estudo, pode-se perceber que as características gerais das publicações são heterogêneas, o que também se observa nos métodos de coleta e análise dos dados. Os conceitos e teorias que embasaram os trabalhos apresentaram diversas referências que podem ser utilizadas por futuros pesquisadores sobre o tema. As sugestões para futuras pesquisas e as limitações do estudo se dão, de forma resumida, nos aspectos metodológicos dos trabalhos.

Além dos objetivos da pesquisa, pode-se observar que, no momento da busca por teses e dissertações, muitos programas de pós-graduação em Administração não dispunham do texto integral das dissertações e teses. Futuros estudos bibliométricos, meta-etnográficos, meta-narrativos ou meta-analíticos, no Brasil, que considerarem dissertações e teses como corpus de pesquisa, poderão passar pelo mesmo problema. Nesse sentido, sugere-se que as instituições disponibilizem em seus bancos de dados as teses e dissertações desenvolvidas por seus programas stricto sensu, permitindo acessar o material com maior facilidade.

Para futuros estudos que tratam da falsificação, poderia ser utilizada abordagem qualitativa com metodologia etnográfica ou observação participante, podendo proporcionar descobertas para o entendimento do fenômeno. Sugere-se também que novos estudos, de natureza quantitativa, adotem amostras probabilísticas, para que seus resultados possam ser extrapolados.

Como os trabalhos demonstraram, a falsificação é um amplo campo de estudo ainda a ser explorado. Acredita-se que futuros trabalhos poderão lançar luz em abordagens, objetos de estudos e teorias ainda pouco abordados neste campo de estudo. Nesse sentido, sugere-se a interlocução com outras áreas do conhecimento, o que poderia proporcionar novas perspectivas sobre o fenômeno.

O mercado de produtos falsificados se mostra dinâmico e complexo. Assim, como sugestão para futuros estudos, parece pertinente abordar outros segmentos da economia, como bebidas, medicamentos, alimentos, vestuário, calçados, peças automotivas, cigarros, etc. Outra sugestão seria abordar o consumo de produtos falsificados em que a marca não é fator de distinção, ou o efeito trickle-down aplicado ao consumo de produtos de massa.

Com base nos trabalhos analisados, constatou-se um gap de pesquisa sobre falsificação da área de Administração no Brasil, que seria a análise da produção e/ou comercialização de tais produtos. Estudos que abordem a falsificação sob o lado da oferta poderiam trazer contribuições até agora não observadas na produção científica analisada, principalmente quando se considera que o país se destaca não só como consumidor, mas também como produtor de tais produtos (SILK, 1986SILK, M. A. Legal Efforts of the United States and the Republic of China of Taiwan at Controlling the Transnational Flow of Commercial Counterfeit Goods. Maryland Journal of International Law and Trade, Maryland, v. 10, p. 210-229, 1986.; STUMPF; CHAUDHRY; PERRETTA, 2013; STUMPF; CHAUDHRY, 2010STUMPF, S. A.; CHAUDHRY, P. Country matters: Executives weigh in on the causes and counter measures of counterfeit trade. Business Horizons, Amsterdam, v. 53, n. 3, p. 305-314, 2010.).

Como limitações do presente estudo, deve-se reconhecer que o mapeamento meta-narrativo, apesar de buscar se ater ao material analisado e reduzir os aspectos subjetivos do pesquisador, envolve interpretação de informações para a categorização da publicação. Nesse sentido, há de se considerar que o processo de categorização pode abarcar erros de interpretação do item categorizado. Além disso, o corpus analisado ficou restrito a estudos da área de Administração, o que pode ser visto como outra limitação.

Para futuros mapeamentos meta-narrativos, sugere-se a replicação do método em novos estudos sobre falsificação no Brasil extrapolando à área de conhecimento da Administração e o aperfeiçoamento do método proposto.

  • 1
    Exemplos: Direto: IOKOI, P. A apreensão no procedimento dos crimes contra a propriedade imaterial. Universidade de São Paulo, 2013. Antropologia Social: PINHEIRO-MACHADO, R. Made in China: produção e circulação de mercadorias no circuito China-Paraguai-Brasil. Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 2009. Sociologia: LADEIRA, A. G. O Bom Gosto Pelas Margens: motivações sociais no consumo de produtos piratas. Universidade Federal de Minas Gerais, 2013.

REFERÊNCIAS

  • ANWAR MIR, I. Examination of attitudinal and intentional drivers of non-deceptive counterfeiting in a South Asian context. Journal of Business Economics and Management, Abingdon, v. 14, n. 3, p. 601-615, 2013.
  • BASCAP - Business Action to Stop Counterfeiting and Piracy. Estimating the global economic and social impacts of counterfeiting and piracy: A report commissioned by business action to stop counterfeiting and piracy (BASCAP). Fev. 2011. Disponível em: <https://cdn.iccwbo.org/content/uploads/sites/3/2016/11/ICC-BASCAP-Global-Impacts-Full-Report-2011.pdf>.
    » https://cdn.iccwbo.org/content/uploads/sites/3/2016/11/ICC-BASCAP-Global-Impacts-Full-Report-2011.pdf
  • BERTERO, C. O.; CALDAS, M. P.; WOOD JR, T. Produção científica em administração de empresas: provocações, insinuações e contribuições para um debate local. Revista de Administração Contemporânea, São Paulo, v. 3, n. 1, p. 147-178, 1999.
  • BIAN, X.; VELOUTSOU, C. Consumer's attitudes regarding non-deceptive counterfeit brands in the UK and China. Journal of Brand Management, New York, v. 14, n. 3, p. 211-222, 2007.
  • CHAKRABORTY, G. et al. Use of negative cues to reduce demand for counterfeit products. Advances in Consumer Research, Duluth, v. 24, 1997.
  • CHAUDHRY, P. E. Changing levels of intellectual property rights protection for global firms: A synopsis of recent US and EU trade enforcement strategies. Business Horizons, Amsterdam, v. 49, n. 6, p. 463-472, 2006.
  • CHAUDHRY, Peggy E.; ZIMMERMAN, Alan; PETERS, Jonathan R.; CORDELL, Victor V. Preserving intellectual property rights: Managerial insight into the escalating counterfeit market quandary. Business Horizons, Amsterdam, v. 52, n. 1, p. 57-66, 2009.
  • DAVEL, Eduardo; ALCADIPANI, Rafael. Estudos críticos em administração: aprodução científica brasileira nos anos 1990. Revista de Administração de Empresas, São Paulo, v. 43, n. 4, p. 72-85, 2003.
  • ECONOMIST, T. Imitating property is theft. Acesso em 17 de junho, 2015. Disponível em: <http://www.economist.com/node/1780818>.
    » http://www.economist.com/node/1780818
  • EISEND, M.; SCHUCHERT-GÜLER, P. Explaining counterfeit purchases: A review and preview. Academy of Marketing Science Review, New York, v. 2006, p. 1, 2006.
  • FNCP - Fórum Nacional Contra a Pirataria e a Ilegalidade. Entrevista com o advogado André Almeida, Membro titular do Conselho Nacional de Combate à Pirataria. 24 de março, 2015. Disponível em: <http://www.forumcontrapirataria.org/web/forum/entrevista/31>.
    » http://www.forumcontrapirataria.org/web/forum/entrevista/31
  • FROMAN, M. B. G. National Trade Estimate Report on Foreign Trade Barriers. Special Report Washington DC, 2015. Disponível em: <https://ustr.gov/sites/default/files/2015%20NTE%20Combined.pdf>.
    » https://ustr.gov/sites/default/files/2015%20NTE%20Combined.pdf
  • GREEN, R. T.; SMITH, T. Countering brand counterfeiters. Journal of international Marketing, Chicago, v. 10, n. 4, p. 89-106, 2002.
  • LEE, S. H.; YOO, B. A review of the determinants of counterfeiting and piracy and the proposition for future research. The Korean Journal of Policy Studies, Seoul, v. 24, n.1, p. 1-38, 2009.
  • MACESICH, G. Counterfeit Detectors and Pre-1860 Monetary Statistics. The Journal of Southern History, Hanover, v. 27, n. 2, p. 229-232, 1961.
  • MARTINS, J. P. C. O mercado de musica digital brasileiro: um estudo sobre o comportamento brasileiro. 2012. Dissertação (Mestrado) - Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Programa de Pós-Graduação em Administração, Porto Alegre, 2012.
  • MATOS, C. A.; ITUASSU, C. T. Comportamento do consumidor de produtos piratas: os fatores influenciadores das atitudes e das intenções de compra. In: ENCONTRO NACIONAL DA ANPAD, 29., Brasília, 2005. Anais… Brasília: ANPAD, 2005.
  • PETTICREW, M.; ROBERTS, H. Systematic reviews in the social sciences: A practical guide. Hoboken: John Wiley & Sons, 2006.
  • PHAU, I.; TEAH, M. Devil wears (counterfeit) Prada: a study of antecedents and outcomes of attitudes towards counterfeits of luxury brands. Journal of Consumer Marketing, Bingley, v. 26, n. 1, p. 15-27, 2009.
  • PINTO, M. R.; LARA, J. E. A pesquisa na área do comportamento do consumidor: uma análise da produção acadêmica brasileira entre 1997 e 2006. In: ENCONTRO NACIONAL DA ASSOCIAÇÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA EM ADMINISTRAÇÃO, 31., Brasília, 2007. Anais... Brasília: ANPAD, 2007.
  • RADON, A. Counterfeit luxury goods online: an investigation of consumer perceptions. International Journal of Marketing Studies, [s.l.], v. 4, n. 2, p. 74, 2012.
  • RYNGELBLUM, A. L. Tratamento da pirataria pelas empresas e pelas teorias de estratégia. In: ENCONTRO DE ESTUDOS EM ESTRATÉGIA DA ANPAD, 2., Rio de Janeiro, 2005. Anais... Rio de Janeiro: ANPAD, 2005.
  • RYNGELBLUM, A. L.; GIGLIO, E. M. As Políticas Públicas no Combate à Pirataria: Reflexões sobre a Prática da Gestão Pública. In: ENCONTRO NACIONAL DE ESTUDOS ORGANIZACIONAIS DA ANPAD, Rio de Janeiro, 2008. Rio de Janeiro: ANPAD, 2008.
  • SAMPAIO, C. H.; PERIN, M. G; Pesquisa científica da área de marketing: uma revisão histórica. Revista de Administração Contemporânea, São Paulo, v. 10, n. 2, p. 179-202, 2006.
  • SANTOS JUNIOR, M. F. Os fatores que influenciam o download gratuito de música na internet. 2009. Dissertação (Mestrado) - Fundação Getúlio Vargas. Escola Brasileira de Administração Pública e de Empresas, Rio de Janeiro, 2009.
  • SAUERBRONN, J. F.; BARROS, D. F.; STREHLAU, S.; COSTA, A. S. M. Pirataria e Download como comportamento desviante desviante e as técnicas de neutralizaçãousadas pelos consumidores. Gestão e Sociedade, Belo Horizonte, v. 4, n. 8, p. 513-538, 2011.
  • SILK, M. A. Legal Efforts of the United States and the Republic of China of Taiwan at Controlling the Transnational Flow of Commercial Counterfeit Goods. Maryland Journal of International Law and Trade, Maryland, v. 10, p. 210-229, 1986.
  • STAAKE, T.; THIESSE, F.; FLEISCH, E. The emergence of counterfeit trade: a literature review. European Journal of Marketing, Bingley, v. 43, n. 3/4, p. 320-349, 2009.
  • STUMPF, S. A.; CHAUDHRY, P. Country matters: Executives weigh in on the causes and counter measures of counterfeit trade. Business Horizons, Amsterdam, v. 53, n. 3, p. 305-314, 2010.
  • STUMPF, S. A.; CHAUDHRY, P. E.; PERRETTA, L. Fake: can business stanch the flow of counterfeit products? Journal of Business Strategy, Bingley, v. 32, n. 2, p. 4-12, 2011.
  • TSAI, M. F.; CHIOU, J. R. Counterfeiting, enforcement and social welfare. Journal of Economics, New York, v. 107, n. 1, p. 1-21, 2012.
  • WILCOX, K.; KIM, H. M.; SEN, S. Why do consumers buy counterfeit luxury brands? Journal of Marketing Research, Chicaco, v. 46, n. 2, p. 247-259, 2009.

Datas de Publicação

  • Publicação nesta coleção
    Ago 2017

Histórico

  • Recebido
    11 Dez 2015
  • Aceito
    19 Jun 2017
Escola de Administração da UFRGS Escola de Administração da UFRGS, Rua Washington Luis, 855 - 2° Andar, 90010-460 Porto Alegre/RS - Brasil, Fone: (55 51) 3308-3823, Fax: (55 51) 3308 3991 - Porto Alegre - RS - Brazil
E-mail: read@ea.ufrgs.br