Accessibility / Report Error

A EQUIPE DE ENFERMAGEM

INTRODUÇÃO

É fora de dúvida que as enfermeiras, no mundo inteiro, recomendam que seja continuamente analisada a faixa de atribuições de cada ocupação de enfermagem. (1(1) Oficina Internacional del trabajo - Empleo y condiciones de trabajo del personel de enfermeria, Genebra, 1960, p. 183.)

No Relatório da Comissão de Peritos em Ensino de Enfermagem, da OMS, que se reuniu em Genebra, em 1953, com a participação da Dra. Glete de Ancântra, está contido o seguinte: "no país em que a evolução da enfermagem se encontra nos primeiros estágios, a formação básica profissional da enfermeira incluirá preparo para ensino e supervisão. Ao desenvolver-se mais, a assistência de enfermagem e a relação enfermeira/paciente receberão maior ênfase na formação da enfermeira".

Em suma, continuamente devemos analisar e corrigir as faixas de funções de todas as ocupações de enfermagem. A enfermeira está se tornando cada vez mais um profissional que atende o cliente.

A EQUIPE DE ENFERMAGEM

Para utilizar-se o pessoal de enfermagem com o máximo de economia e eficiência tem sido demonstrado (2(2) LAMBERTSEN, Eleanor C. - Equipe de Enfermagem - Resultados de um estudo da Divisão de Ensino de Enfermagem, Teachers Colleg, Columbia University, trad. de Aguiar, H. D. Feirarini, C.D.T. e Outros, Rio de Janeiro, Serviço Especial de Saúde Pública, 1958, 104 p.) que o cuidado centralizado no paciente dado por equipe de enfermagem é a melhor perspectiva.

Por equipe entende-se um grupo social, unido por um objetivo comum, em que cada um deve saber o papel a executar, deve estar familiarizado com as regras do funcionamento da equipe e, voluntariamente, aceitar a direção do líder.

REQUISITOS LEGAIS E CARACTERÍSTICAS ESSENCIAIS DOS PARTICIPANTES DA EQUIPE DE ENFERMAGEM

Exemplo de membros da equipe de enfermagem para um hospital brasileiro: enfermeira chefe da unidade, enfermeira líder da equipe, técnicos de enfermagem, auxiliares de enfermagem e atendentes.

REQUISITOS LEGAIS

Os exercentes de enfermagem - enfermeira, técnico de enfermagem e auxiliar de enfermagem - devem estar decidamente inscritos no órgão fiscalizador competente, de acordo com as leis em vigor. Os atendentes de enfermagem, que não são registrados, prestam também seu concurso útil à equipe.

EXEMPLO DO FUNCIONAMENTO DE EQUIPES DE ENFERMAGEM

Para esclarecimento de como age uma enfermeira especialista, no hospital, o seguinte relato mostra pontos que as enfermeiras têm por meta e esperam atingir. Uma enfermeira norte-americana, Catarine Killourie(3(3) KILLOURIE, C. W., Relationship of the head nurse to team nursing. In Hospital Management, Fevereiro 1967, p. 47 a 50.), bem sucedida em seu trabalho no Centro Médico da Universidade da Califórnia, relata as seguintes condições. São 50 os pacientes das áreas de cirurgia geral e plástica, obstetrícia com complicações e ginecologia. Com a Iª assistente (ainda tem uma 2ª para sua substituição, à tarde), divide, no horário da manhã, ao meio, o total dos 50 pacientes para a responsabilidade de coordenar o diagnóstico das necessidades de enfermagem e o plano individual de cuidado de enfermagem. Todas as enfermeiras, técnicos de enfermagem e estudantes da área dão sugestões.

No horário da manhã (7,30 às 16 horas) há pelo menos oito enfermeiras outras para 50 pacientes, e esse número é acrescido dos referidos técnicos e estudantes, que se encarregam dos cuidados pessoais ao paciente. Quinzenalmente, os médicos respectivos dos pacientes a serem vistos comparecem às sessões de estudo de enfermagem, explanando seus diagnósticos, tratamento e prognósticos. Totaliza trinta o número de médicos nessa clínica, que é aberta. Continua a descrição da enfermeira, discriminando em seis sub-áreas seu desempenho profissional a saber:

- determina necessidades de pacientes;

- coordena o cuidado dos pacientes, inclusive prestando sua parte nesse cuidado;

- ministra a educação em serviço ao nível da clínica;

- avalia;

- desempenha a gerência da Unidade de Enfermagem relacionada:

a) com a limpeza, suprimentos e estoques, equipamentos e sua verificação e obtenção da roupa necessária;

b) com a comunicação com a divisão de nutrição.

No dia-a-dia, grande parte de seu tempo é dado para recolher informes e dar relatos aos médicos, além de seu intercâmbio com dirigidos e com a família do paciente, fora o tempo referido para os planos de cuidado de enfermagem.

Terminamos aqui a informação obtida da autora norte-americana. Nós enfermeiras neste país, não nos sentimos solicitadas, como especialistas, na medida em que já somos capazes de contribuir. As causas? Aqui citamos uma: no passado a formação inadequada de um número grande de enfermeiras. Outra causa: é grande a proporção de atendentes (* (*) A proporção de atendentes no grupo dos que dão assistência de enfermagem, na Fundação Hospitalar do Distrito Federal, aprovado, para 1974, é de 47,1% de acordo com dados fornecidos pela Coordenação de Enfermagem. Para o país como um todo, estudo por amostragem da Associação Brasileira de Enfermagem indicou haver 70% em 1958 (Relatório do levantamento de Recursos e Necessidades de enfermagem no Brasil). ABEn. 1959 - Mimeogr . ) em nosso pessoal de enfermagem. Q atendente, entre todos os que dão assistência de enfermagem, tem aparecido na proporção incidental de 70% a 47%. É fácil fazer-se a suposição de que os médicos, muitas vezes, achem que não vale a pena contar com o concurso típico de profissionais de nível superior em seu trabalho como enfermeiras, no hospital. Quando elas são capazes, o médico se interrelaciona muito bem, buscando uma boa contribuição da enfermagem. O que nos ocorre é que talvez houvesse meios de institucionalizar-se melhor essa contribuição. É sabido que as próprias enfermeiras realizam menos do que o fariam, se houvesse melhores condições. Em resumo, a reflexão atual de grande número de nossas colegas é que terá que haver enfermeira assistindo cada doente, com a perspectiva da equipe. Isto é, uma enfermeira seria responsável, a princípio por 10 a 20 ou mais pacientes internados, auxiliada por técnicos e auxiliares de enfermagem.

CARACTERÍSTICAS ESSENCIAIS DOS PARTICIPANTES DE EQUIPE

Para constituir equipe, a enfermeira - chefe e as líderes, em decisão conjunta, designam os participantes, em cada período de trabalho, - manhã e tarde.

A líder da equipe, na qualidade de especialista clínica, também dá cuidados diretos aos pacientes.

As características essenciais das enfermeiras devem ser: conhecimento, destreza, capacidade e atitude profissional, inclusive compreensão humana. Quanto à sua função, convém recorrer ao que está descrito em cinco itens à p. 26 da obra citada, de Lambertsen.

Sumarizando, uma enfermeira (que poderá ser a enfermeira-chefe da unidade ou a líder) é responsável pela formulação escrita do plano, que deve ser por ela assinado. Distinguira todos os aspectos dos cuidados a serem prestados, e os delegará devidamente. Dirigirá a execução, e em seguida avaliará e registrará os resultados dos cuidados de enfermagem.

Além de agir como especialista, é importante que a líder transmita aos membros da equipe, em seu devido tempo, informações pertinentes ao que se espera de cada um, à maneira de aperfeiçoamento da habilitação que todos já possuem. Em nosso país, por se encontrar ainda em desenvolvimento, é de grande oportunidade a enfermeira atuar nesse ensino contínuo. Para todos os membros; da equipe, a competência e habilidade no desempenho técnica de suas atribuições é essencial.

Por último, não o último em importância, as qualidade éticas - e humanas de todos são talvez a chave para o sucesso do trabalhos boa vontade de cada um é o fundamento, uma vez que tudo mais pode ser melhorado e aprendido. O pensamento único, a harmonia e motivação do grupo são essenciais.

Adotar a perspectiva de equipe não será difícil, - o - importante é exercitar. A prática irá produzindo nossa perícia ou tarimba para passarmos, no Brasil, adotar em todos os bons hospitais o trabalho de equipe.

  • (*)
    A proporção de atendentes no grupo dos que dão assistência de enfermagem, na Fundação Hospitalar do Distrito Federal, aprovado, para 1974, é de 47,1% de acordo com dados fornecidos pela Coordenação de Enfermagem. Para o país como um todo, estudo por amostragem da Associação Brasileira de Enfermagem indicou haver 70% em 1958 (Relatório do levantamento de Recursos e Necessidades de enfermagem no Brasil). ABEn. 1959 - Mimeogr .

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

  • (1)
    Oficina Internacional del trabajo - Empleo y condiciones de trabajo del personel de enfermeria, Genebra, 1960, p. 183.
  • (2)
    LAMBERTSEN, Eleanor C. - Equipe de Enfermagem - Resultados de um estudo da Divisão de Ensino de Enfermagem, Teachers Colleg, Columbia University, trad. de Aguiar, H. D. Feirarini, C.D.T. e Outros, Rio de Janeiro, Serviço Especial de Saúde Pública, 1958, 104 p.
  • (3)
    KILLOURIE, C. W., Relationship of the head nurse to team nursing. In Hospital Management, Fevereiro 1967, p. 47 a 50.

Datas de Publicação

  • Publicação nesta coleção
    Jan-Mar 1974
Associação Brasileira de Enfermagem SGA Norte Quadra 603 Conj. "B" - Av. L2 Norte 70830-102 Brasília, DF, Brasil, Tel.: (55 61) 3226-0653, Fax: (55 61) 3225-4473 - Brasília - DF - Brazil
E-mail: reben@abennacional.org.br