Possibilidades do WHOQOL-bref para a promoção da saúde na estratégia saúde da família

Posibilidad del WHOQOL-bref para la promoción de salud en la estrategia salud de la familia

Anna Maria Chiesa Lislaine Aparecida Fracolli Elma Lourdes Pavone Campos Zoboli Sayuri Tanaka Maeda Danielle Freitas Alvim de Castro Débora Gomes Barros Regina Célia Ermel Katherine Chang Sobre os autores

Resumos

A ampliação das ações de promoção da saúde na Estratégia Saúde da Família pode contribuir para a construção da integralidade, mas, ainda persistem lacunas de tecnologias para instrumentalizar os profissionais a analisarem os potenciais de saúde da população. O objetivo deste estudo é sintetizar as contribuições do WHOQOL-bref para instrumentalizar ações de promoção da saúde na Estratégia Saúde da Família. Foi realizada uma metassíntese qualitativa a partir de pesquisas realizadas pelo grupo Modelos tecnoassistenciais e a promoção da saúde com o uso do WHOQOL-bref e sua interface com a promoção da saúde. As sínteses das cinco pesquisas mostraram que existem relações conceituais entre os domínios do WHOQOL-bref e a promoção da saúde, legitimando este como um instrumento para a promoção da saúde. A utilização do WHOQOL-bref pode facilitar o vinculo e o cuidado longitudinal na Estratégia Saúde da Família.

Qualidade de vida; Promoção da saúde; Atenção Primária à Saúde; Programa Saúde da Família


La ampliación de las acciones de promoción de salud en la Estrategia Salud de la Familia puede contribuir en la construcción de la integralidad, pero aún persisten lagunas de tecnologías para instrumentalizar que los profesionales analicen los potenciales de salud de la población. El objetivo de este estudio es sintetizar las contribuciones del WHOQOL-bref para instrumentalizar acciones de promoción sanitaria en la Estrategia Salud de la Familia. Se realizó una metasíntesis cualitativa a partir de investigaciones realizadas por el grupo Modelos tecno-asistenciales y la promoción de salud con el uso del WHOQOL-bref y su relación con la promoción de la salud. Las síntesis de las cinco investigaciones demostraron que existen relaciones conceptuales entre los dominios del WHOQOL-bref y la promoción de la salud, legitimándolo como instrumento para la promoción sanitaria. La utilización del WHOQOL-bref puede facilitar el vínculo y el cuidado longitudinal en la Estrategia Salud de la Familia.

Calidad de vida; Promoción de la salud; Atención Primaria de Salud; Programa de Salud Familiar


By increasing the health promotion actions in the Family Health Strategy it is possible to contribute to implement comprehensive care. Nevertheless, technologies gap still hinder the process of training the professionals to analyze the health potentials of the population. The objective of this study is to synthesize the contributions of the WHOQOL-bref in training professionals regarding the health promotion actions in the Family Health Strategy. A qualitative meta-synthesis was performed based on the research conducted by the group Technological health care models and health promotion using the WHOQOL-bref and its interface with health promotion. The synyhesis of the five studies revealed that there are conceptual relationships between the WHOQOL-bref domains and health promotion, which legitimizes it as a tool for health promotion. Using the WHOQOL-bref can help establish the attachment and continuous care in the Family Health Strategy.

Quality of life; Health promotion; Primary Health Care; Family Health Program


ARTIGO ORIGINAL

Possibilidades do WHOQOL-bref para a promoção da saúde na estratégia saúde da família* * Extraído do Grupo de Pesquisa "Modelos Técno Assistenciais e a Promoção da Saúde", Escola de Enfermagem da Universidade de São Paulo, 2011.

Posibilidad del WHOQOL-bref para la promoción de salud en la estrategia salud de la familia

Anna Maria ChiesaI; Lislaine Aparecida FracolliII; Elma Lourdes Pavone Campos ZoboliIII; Sayuri Tanaka MaedaIV; Danielle Freitas Alvim de CastroV; Débora Gomes BarrosVI; Regina Célia ErmelVII; Katherine ChangVIII

IEnfermeira. Doutora. Professora Associada do Departamento de Enfermagem em Saúde Coletiva da Escola de Enfermagem da Universidade de São Paulo. São Paulo, SP, Brasil. amchiesa@usp.br

IIEnfermeira. Doutora. Professora Associada do Departamento de Enfermagem em Saúde Coletiva da Escola de Enfermagem da Universidade de São Paulo. São Paulo, SP, Brasil. lislaine@usp.br

IIIEnfermeira. Doutora. Professora Associada do Departamento de Enfermagem em Saúde Coletiva da Escola de Enfermagem da Universidade de São Paulo. São Paulo, SP, Brasil. elma@usp.br

IVEnfermeira. Professora Doutora do Departamento de Enfermagem em Saúde Coletiva da Escola de Enfermagem da Universidade de São Paulo. São Paulo, SP, Brasil. sayuri@usp.br

VEnfermeira. Mestre em Ciências. Doutoranda do Departamento de Enfermagem em Saúde Coletiva da Escola de Enfermagem da Universidade de São Paulo. São Paulo, SP, Brasil. danielle.castro@usp.br

VIEnfermeira. Mestre em Ciências pela Escola de Enfermagem da Universidade de São Paulo. São Paulo, SP, Brasil. debygb@yahoo.com.br

VIIEnfermeira. Mestre em Ciências. Doutoranda do Departamento de Enfermagem em Saúde Coletiva da Escola de Enfermagem da Universidade de São Paulo. São Paulo, SP, Brasil. reginaermel@gmail.com

VIIIGraduanda em Enfermagem da Escola de Enfermagem da Universidade de São Paulo. Bolsista de Iniciação Científica do Departamento de Enfermagem em Saúde Coletiva. São Paulo, SP, Brasil. katherine.chang65@gmail.com

Correspondência

RESUMO

A ampliação das ações de promoção da saúde na Estratégia Saúde da Família pode contribuir para a construção da integralidade, mas, ainda persistem lacunas de tecnologias para instrumentalizar os profissionais a analisarem os potenciais de saúde da população. O objetivo deste estudo é sintetizar as contribuições do WHOQOL-bref para instrumentalizar ações de promoção da saúde na Estratégia Saúde da Família. Foi realizada uma metassíntese qualitativa a partir de pesquisas realizadas pelo grupo Modelos tecnoassistenciais e a promoção da saúde com o uso do WHOQOL-bref e sua interface com a promoção da saúde. As sínteses das cinco pesquisas mostraram que existem relações conceituais entre os domínios do WHOQOL-bref e a promoção da saúde, legitimando este como um instrumento para a promoção da saúde. A utilização do WHOQOL-bref pode facilitar o vinculo e o cuidado longitudinal na Estratégia Saúde da Família.

Descritores: Qualidade de vida; Promoção da saúde; Atenção Primária à Saúde; Programa Saúde da Família

RESUMEN

La ampliación de las acciones de promoción de salud en la Estrategia Salud de la Familia puede contribuir en la construcción de la integralidad, pero aún persisten lagunas de tecnologías para instrumentalizar que los profesionales analicen los potenciales de salud de la población. El objetivo de este estudio es sintetizar las contribuciones del WHOQOL-bref para instrumentalizar acciones de promoción sanitaria en la Estrategia Salud de la Familia. Se realizó una metasíntesis cualitativa a partir de investigaciones realizadas por el grupo Modelos tecno-asistenciales y la promoción de salud con el uso del WHOQOL-bref y su relación con la promoción de la salud. Las síntesis de las cinco investigaciones demostraron que existen relaciones conceptuales entre los dominios del WHOQOL-bref y la promoción de la salud, legitimándolo como instrumento para la promoción sanitaria. La utilización del WHOQOL-bref puede facilitar el vínculo y el cuidado longitudinal en la Estrategia Salud de la Familia.

Descriptores: Calidad de vida; Promoción de la salud; Atención Primaria de Salud; Programa de Salud Familiar

INTRODUÇÃO

A implementação do Sistema Único de Saúde (SUS) vem acumulando experiências positivas no País, sobretudo em relação à garantia de acesso universal, com efetiva ampliação da cobertura da assistência à saúde, na rede básica e nos serviços especializados(1). No entanto, persistem inúmeras dificuldades na operacionalização da promoção da saúde.

A Carta de Fortaleza, documento síntese do Encontro de Secretários Municipais de Saúde, destaca a Promoção da Saúde (PS) como alternativa para a reorientação dos serviços de saúde, por meio do fortalecimento de práticas voltadas para a integralidade da atenção, a importância das ações intersetoriais e o conceito de saúde como meio para qualidade de vida (QV)(2).

A Política Nacional de Promoção da Saúde (PNPS) entende que a integralidade é um conceito complexo, pois deve ocorrer tanto na assistência individual, ao contemplar as dimensões física, emocional e espiritual dos usuários, como na organização dos serviços, ao garantir acesso e resolubilidade nos diferentes níveis de complexidade do sistema de saúde(3).

Operacionalizar a PNPS implica ampliar o olhar dos profissionais no sentido do fortalecimento dos potenciais de saúde dos indivíduos e grupos. O que significa não se restringir aos tratamentos das doenças e problemas manifestados e sim, desenvolver projetos terapêuticos que reconheçam a qualidade de vida como meta de saúde a ser alcançada. A PS, como campo de conhecimentos e práticas, define a qualidade de vida como resultante de adequada compreensão das necessidades humanas, materiais e espirituais(4-5).

Uma das dificuldades que a operacionalização da PNPS encontra é a falta de compreensão dos profissionais da área em relação ao conceito de promoção da saúde. Estudos (6-8) têm apontado que os profissionais têm entendimento superficial desse conceito e, muitas vezes, reduzem-no à prevenção de doenças e agravos instalados no corpo físico. É comum que os profissionais dicotomizem ações de promoção e ações curativas. Isso prejudica a incorporação da dimensão da PNPS nas práticas profissionais e nos serviços de saúde.

Um aspecto que pode explicar essa dificuldade dos profissionais de saúde em compreender e aplicar o conceito de promoção da saúde no seu cotidiano refere-se à limitação dos instrumentos e protocolos clínicos atualmente em uso. Sabe-se que tais instrumentos são mais voltados para a identificação de distúrbios físicos (patologias) do que para compreender outras dimensões envolvidas no processo saúde-doença, tais como as dimensões sociais, familiares e subjetivas.

Na perspectiva de buscar um instrumento que captasse as diferentes dimensões envolvidas no processo saúde-doença, o grupo de pesquisa modelos tecnoassistenciais e a promoção da saúde desenvolveu investigações que testassem as potencialidades do instrumento WHOQOL-bref como subsídio à prática na Estratégia Saúde da Família (ESF).

O WHOQOL-bref foi elaborado pela OMS em 1994, para avaliar a qualidade de vida, entendendo esta como um construto que abarca: subjetividade, multidimensionalidade e presença de dimensões positivas e negativas(9). Esse instrumento foi traduzido e validado para o idioma português (acessível em http://www.ufrgs.br/psiq/whoqol1) e pode contribuir para a captação da dimensão da saúde (no seu aspecto positivo), bem como subsidiar uma prática de promoção da saúde (no seu aspecto mais operacional) na Estratégia Saúde da Família(9).

Assim, o objetivo deste artigo é sintetizar as contribuições do WHOQOL-bref para a estruturação de ações de promoção da saúde na Estratégia Saúde da Família a partir da análise dos resultados das pesquisas desenvolvidas nos últimos quatro anos no grupo de pesquisa modelos tecnoassistenciais e a promoção da saúde. Cabe esclarecer que não foi realizada uma ampla revisão de literatura sobre a temática promoção da saúde e qualidade de vida, e sim um mergulho analítico das produções científicas desse grupo de pesquisa em especial.

MÉTODO

Foi realizada uma metassíntese qualitativa a partir dos dados primários e proposições de cinco pesquisas realizadas no interior do grupo de pesquisa com o uso do WHOQOL-bref, que no presente artigo chamaremos de pesquisas 1, 2, 3, 4 e 5. As pesquisas 1(10-11)1 1 A pesquisa 1 foram duas iniciações científicas com os mesmos resultados; devido a isso, no presente artigo optou-se por não separá-las. e 4 foram estudos de iniciação científica; as pesquisas 2(12) e 3(13), dissertações de mestrado; e a pesquisa 5, uma tese de doutorado. As pesquisas 4 e 5 estão em fase de finalização, motivo pelo qual os dados apresentados serão parciais. A opção pela metassíntese qualitativa justifica-se pela possibilidade colocada pelo método de que o pesquisador interprete dados primários a partir das análises dos autores originais. A amostra é composta por estudos qualitativos distintos e selecionados com base em sua relevância para a questão de pesquisa formulada para o referido trabalho(14).

Alguns autores(14) apontam como uma estratégia para a síntese de resultados de estudos qualitativos a integração de resultados de múltiplos caminhos desenvolvidos em um programa de pesquisa por um mesmo investigador, a qual foi adotada no presente artigo. A análise pautou-se na confrontação da estrutura do WHOQOL-bref com a concepção de promoção da saúde proposta por Labonte(15). Para esse autor a saúde pode ser compreendida a partir das seguintes dimensões: Energia vital – relacionada ao grau de vitalidade que o corpo biológico dispõe para realizar o cotidiano; Projeto de vida – representa a dimensão emocional, das aspirações e desejos que influenciam no sentido de viver e nos projetos dos indivíduos ao longo da vida; Vida comunitária – expressa os relacionamentos e interações do indivíduo em seu entorno, desde a constituição familiar e filiação a outras instituições sociais. Apresenta o grau de conectividade dos indivíduos(15).

RESULTADOS E DISCUSSÃO

O conjunto de pesquisas que compuseram a amostra do presente estudo encontra-se descrito no Quadro 1.

Na pesquisa 1, as autoras encontraram que a concepção de qualidade de vida (QV) dos entrevistados relacionou-se à sua condição de saúde (dimensão física), mas também reconheceram a importância da dimensão social e de meio ambiente para a construção da saúde e da QV. Concluem que o investimento em propostas de assistência a saúde que consideram outras dimensões da vida, que não apenas a biológica, pode colaborar para a satisfação positiva dos entrevistados quanto à sua qualidade de vida. Esses achados são partilhados em diversas pesquisas realizadas(10-11,16-17).

A pesquisa 2 concluiu que o uso do WHOQOL-bref seria adequado como um complemento da assistência prénatal, uma vez que permitiria monitorar como as percepções sobre a QV da gestante poderiam se modificar com a evolução da gravidez. A autora sugere que o instrumento poderia ser aplicado no início de cada trimestre gestacional, permitindo ao profissional de saúde ampliar seu olhar sobre a saúde da mulher-gestante e, assim, identificar outras intervenções, para além da saúde física, que deveriam ser efetuadas. Ainda afirma que esse instrumento é de fácil aplicação no momento da consulta clínica e permite ampliar o olhar do profissional para as condições de vida que impactam o processo saúde-doença(12).

A pesquisa 3 revelou elevada associação (83,3%) entre os domínios do WHOQOL-bref e as dimensões da Promoção da Saúde propostas por Labonte(15). Destacaram-se as dimensões Energia Vital e Vida Comunitária. Houve consenso também que nove questões do WHOQOL-bref são capazes de evidenciar a dimensão Vida Comunitária. A dimensão com menor associação foi a relativa ao Projeto de Vida, com apenas 4 questões(13).

As pesquisas 4 e 5 permitiram avaliar a QV dos idosos, com uma patologia definida e sem uma patologia definida, respectivamente. Ambas as pesquisas mostraram que os idosos no geral avaliam como boa sua QV. O domínio pior avaliado é o domínio físico, tanto nos idosos com Diabetes Mellitus como nos que não são portadores especificamente dessa patologia. Um achado interessante é o domínio psicológico como sendo o mais bem avaliado, o que fala da importância de abordagens de saúde voltadas para a dimensão projeto de vida e sentido de vida para garantir uma boa QV. Outro aspecto que chamou a atenção é o fato de na cidade do Porto (Portugal) encontrarmos a utilização de um instrumento de avaliação da QV na prática dos profissionais de saúde que assistem aos idosos na Atenção Básica. Esses achados têm similaridades com uma pesquisa realizada em 2011(18).

As sínteses das pesquisas mostraram que existem relações conceituais entre os domínios do WHOQOL-bref e as dimensões da promoção da saúde; assim, podemos afirmar que a utilização do WHOQOL-bref (e de suas versões para grupos específicos, como o WHOQOL-old) se configura em instrumento potente para ampliar a abordagem clínica ou grupal na ESF, dando a essa ampliação um caráter de promoção da saúde.

CONCLUSÃO

O WHOQOL-bref avalia a Qualidade de Vida a partir dos domínios físico, psicológico, das relações sociais e do meio ambiente, integrando aspectos importantes para uma visão ampliada do processo saúde-doença. A compreensão da saúde como resultado de um processo de produção social que expressa a QV de uma população e de que a melhoria da QV das pessoas e grupos é um dos objetivos centrais dos cuidados de saúde podem ser argumentos importantes para justificar a incorporação do WHOQOL-bref como instrumento, tanto na clínica como na abordagem de grupos na Estratégia Saúde da Família. Sua incorporação pode contribuir para aproximação dessa meta.

A avaliação da QV, segundo o WHOQOL-bref, é um atributo valorativo, daí sua importância nas ações de saúde, pois permite explicitar as divergências na avaliação entre usuários e profissional/equipe de saúde. Em uma abordagem ampliada da clínica, tais divergências abrem espaço para o diálogo compreensivo dos valores, crenças e preferências que levaram às diferentes estimações. O WHOQOL-bref possibilita, também, a interação emancipatória com pessoas e grupos em situação de vulnerabilidade, a partir da problematização das expectativas de qualidade de vida que desejam para si e/ou a que têm direito como cidadãos e seres humanos.

A Estratégia Saude da Familia é um locus privilegiado para a prática do cuidado em saúde, pois pode representar o primeiro contato do usuário com a rede de serviços de assistência à saúde e se configura como o espaço de acompanhamento longitudinal e vínculo, em que a dimensão processual da saúde-doença fica mais evidente. Nessa perspectiva o WHOQOL-bref também pode funcionar como indicador ou sentinela de situações de desgaste, uma vez que a análise de suas dimensões pode apontar o âmbito da vida das pessoas que está mais comprometido.

Recebido: 11/11/2011

Aprovado: 29/11/2011

  • 1. Paim J, Travassos C, Almeida C, Macinko J. O Sistema de Saúde Brasileiro: história, avanços e desafios. Lancet (Série Brasil) [Internet]. 2011 [citado 2011 out. 17]:21-31. Disponível: http://download.thelancet.com/flatcontentassets/pdfs/brazil/brazilpor1.pdf
  • 2. Teixeira CF, Paim JS, Vilasboas AL. SUS: modelos assistenciais e vigilância da saúde. Inf Epidemiol SUS.1998;7(2):7-28.
  • 3. Brasil. Ministério da Saúde; Secretaria de Vigilância em Saúde; Secretaria de Atenção à Saúde. Política Nacional de Promoção da Saúde [Internet]. Brasília; 2006 [citado 2011 out. 17]. Disponível em: http://portal.saude.gov.br/portal/arquivos/pdf/pactovolume7.pdf
  • 4. Buss PM. Promoção da saúde e qualidade de vida. Ciênc Saúde Coletiva. 2000;5(1):163-78.
  • 5. Minayo MCS, Hartz ZMA, Buss PM. Qualidade de vida e saúde: um debate necessário. Ciênc Saúde Coletiva. 2000;5(1):7-18.
  • 6. Ávila LK. A promoção da saúde na organização das ações de enfermagem em saúde da criança no município de São Paulo [tese doutorado]. São Paulo: Escola de Enfermagem, Universidade de São Paulo; 2009.
  • 7. Chiesa AM. A promoção da saúde como eixo estruturante do trabalho de enfermagem no Programa Saúde da Família. Nursing (São Paulo). 2003;6(64):40-6.
  • 8. Falcón GCS, Erdmann, AL, Backes DS. Meanings of care in health promotion. Rev Latino Am Enferm. 2008;16(3):419-24.
  • 9. Fleck MPA et al. Aplicação da versão em português do instrumento abreviado de avaliação qualidade de vida "WHOQOL-Bref". Rev Saúde Pública. 2000;34(2):178-83.
  • 10. Castro DFA. Qualidade de vida e saúde: em foco o PSF [relatório de iniciação científica na Internet]. São Paulo: Escola de Enfermagem, Universidade de São Paulo; 2008 [citado 2011 ago. 16]. Disponível em: http://www.ee.usp.br/pesquisa/grupromo/producao_outra.asp?id_cod_grupopq=1
  • 11. Barros DG. Qualidade de vida e equidade: em foco o PSF [relatório de iniciação científica]. São Paulo: Escola de Enfermagem, Universidade de São Paulo; 2008.
  • 12. Castro DFA. Qualidade de vida de gestantes assistidas pela estratégia saúde da família [dissertação]. São Paulo: Escola de Enfermagem, Universidade de São Paulo; 2010. Disponível em: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/7/7141/tde-13012011-150422/pt-br.php
  • 13. Barros DG. Potencialidades do "WHOQOL-BREF" para a identificação das esferas de promoção da saúde: opinião de especialistas [dissertação]. São Paulo: Escola de Enfermagem, Universidade de São Paulo; 2011. Disponível em: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/7/7141/tde-17082011-093800/pt-br.php
  • 14. Sandelowski M, Docherty S, Emden C. Focus on qualitative methods: qualitative metasynthesis: issues and techniques. Res Nurs Health. 1997;20(4):365-71.
  • 15. Labonte R. Health promotion and empowerment: practice frameworks. Toronto: Center for Health Promotion/University of Toronto; 1996.
  • 16. Amendola F, Oliveira MAC, Alvarenga MRM. Influence of social support on the quality of life of family caregivers while caring for people with dependence. Rev Esc Enferm USP [Internet]. 2011 [cited 2011 Oct 17];45(4):884-9. Available from: http://www.scielo.br/pdf/reeusp/v45n4/en_v45n4a13.pdf
  • 17. Novato TS, Grossi SAA. Factors associated to the quality of life of adolescents with type 1 diabetes mellitus. Rev Esc Enferm USP [Internet]. 2011 [cited 2011 Oct 17];45(3):770-6. Available from: http://www.scielo.br/pdf/reeusp/v45n3/en_v45n3a32.pdf
  • 18. Souza LM, Lautert L, Hilleshein EF. Quality of life and voluntary work among the elderly. Rev Esc Enferm USP [Internet]. 2011 [cited 2011 Oct 17];45(3):665-71. Available from: http://www.scielo.br/pdf/reeusp/v45n3/en_v45n3a17.pdf

  • Correspondência:
    Anna Maria Chiesa
    Escola de Enfermagem da USP
    Av. Dr. Enéas de Carvalho Aguiar, 419 – Cerqueira Cesar
    CEP 05403-000 – São Paulo, SP, Brasil
  • *
    Extraído do Grupo de Pesquisa "Modelos Técno Assistenciais e a Promoção da Saúde", Escola de Enfermagem da Universidade de São Paulo, 2011.
  • 1
    A pesquisa 1 foram duas iniciações científicas com os mesmos resultados; devido a isso, no presente artigo optou-se por não separá-las.

Datas de Publicação

  • Publicação nesta coleção
    04 Maio 2012
  • Data do Fascículo
    Dez 2011

Histórico

  • Recebido
    11 Nov 2011
  • Aceito
    29 Nov 2011
Universidade de São Paulo, Escola de Enfermagem Av. Dr. Enéas de Carvalho Aguiar, 419 , 05403-000 São Paulo - SP/ Brasil, Tel./Fax: (55 11) 3061-7553, - São Paulo - SP - Brazil
E-mail: reeusp@usp.br