Lombalgia ocupacional em trabalhadores de enfermagem: massagem versus dor* * Extraído da dissertação "Uso da massagem como intervenção na lombalgia ocupacional em Trabalhadores de enfermagem", Escola de Enfermagem da Universidade de São Paulo, 2013.

Talita Pavarini Borges Leonice Fumiko Sato Kurebayashi Maria Júlia Paes da Silva Sobre os autores

Objetivo: Avaliar a eficácia da massagem para diminuição de lombalgia ocupacional em trabalhadores da equipe de Enfermagem de um Pronto-Socorro. Método: Ensaio clínico randomizado, com utilização do Questionário sociodemográfico/morbidade e Escala Numérica de Dor. Foram randomizados 45 sujeitos aleatoriamente em grupo intervenção (G1-Massagem por acupressão), grupo placebo (G2 – aplicação do Laser Arseneto de Gálio 904nm desligado) e controle (G3-sem intervenção). Resultados: O principal fator desencadeante, como também de piora da lombalgia, foi a manipulação do paciente, ambos com 34,9% de prevalência. O principal tratamento anterior à pesquisa para lombalgia foi o uso de medicações, com 44,2%. Segundo Análise de Variância, somente o G1, conseguiu diferença estatística significativa, com melhor resultado após 12 sessões. A massagem conseguiu um efeito enorme (d=4,59), correspondente a 86% de redução dos níveis de dor. Conclusão: A massagem foi eficaz para diminuir a lombalgia ocupacional desses trabalhadores de Enfermagem.


Massagem; Dor lombar; Terapias complementares; Enfermagem; Saúde do trabalhador


Universidade de São Paulo, Escola de Enfermagem Av. Dr. Enéas de Carvalho Aguiar, 419 , 05403-000 São Paulo - SP/ Brasil, Tel./Fax: (55 11) 3061-7553, - São Paulo - SP - Brazil
E-mail: reeusp@usp.br