A REF celebra uma década e meia

Luzinete Simões Minella Cristina Scheibe Wolff

EDITORIAL

A REF celebra uma década e meia

O presente número comemora os 15 anos da Revista Estudos Feministas, e, por isso mesmo, além das seções habituais, incluímos uma seção especial que resulta da reunião dos artigos apresentados durante o "Colóquio Estudos Feministas e Políticas Sociais: a Contribuição da Revista Estudos Feministas – 15 Anos", realizado nos dias 8 e 9 de novembro de 2007 na Universidade Federal de Santa Catarina. Esses artigos discutem vários aspectos da trajetória da Revista desde a sua criação, em 1992, até o presente momento, destacando os significados do seu papel no âmbito do debate teórico e político atual.

Ao celebrar os 10 anos da REF no editorial do volume 10, número 1 de 2002, ressaltamos a importância de alguns dos acontecimentos políticos ocorridos em 1992 que tiveram um forte impacto mundial. Dentre tais acontecimentos, destacamos o intenso clima de mobilização civil tanto no plano nacional quanto no internacional que resultou no impeachment do presidente Collor, na dissolução da União das Repúblicas Socialistas Soviéticas (URSS), na eleição de Bill Clinton para a presidência dos Estados Unidos e no fim do regime de apartheid na África do Sul.

Paralelamente, lembramos hoje que o movimento feminista dava sinais de uma vitalidade surpreendente no país, como mostram alguns exemplos de ações e eventos desencadeados na época: a Fundação Carlos Chagas havia divulgado o resultado do IV Concurso de Pesquisa sobre Mulher, selecionando 27 projetos; o Geledés – Instituto da Mulher Negra, juntamente com o Comulher (organização de mulheres que atuavam na área da comunicação), lançaram o vídeo Todos os dias são seus, sobre os perigos da AIDS. Esse vídeo foi um dos premiados pela Associação Brasileira de Vídeo Popular em 1991.

Também era lançado o documento Gênero e Universidade com os resultados do I Encontro de Núcleos Universitários sobre Relações Sociais de Gênero, realizado nos dias 25 e 26 de março de 1991, na Universidade de São Paulo. A partir dos debates ocorridos nesse encontro, que reuniu cerca de vinte núcleos, foram elaborados três projetos: Rede de Documentação sobre Mulher e Gênero, Curso Itinerante sobre Relações de Gênero e Rede de Pesquisadoras Feministas.

Enquanto isso, no exterior, entre outros acontecimentos importantes, em novembro de 1992 ocorreu na Sorbonne (Paris) o colóquio "Femmes et Histoire", organizado por Georges Duby e Michelle Perrot e pelas diretoras da publicação L'Histoire des Femmes en Occident. Tanto o evento quanto a publicação contribuíram significativamente para uma crítica científica às visões tradicionais acerca da situação das mulheres no decorrer da história.

Em meio a essa conjuntura inovadora em muitos aspectos, não por acaso, o famoso número zero da Revista abordava vários temas candentes, e o primeiro dossiê discutia as relações entre mulheres e meio ambiente, sintonizando-se com as bandeiras da ECO-92.

No mesmo editorial, lembramos que os 10 anos da Revista ocorriam "em meio a uma conjuntura internacional estremecida pelos impactos de pelo menos três acontecimentos: os atentados terroristas de 11 de setembro às torres gêmeas em Nova York e ao Pentágono; a (in)conseqüente e polêmica reação do governo norte-americano, conhecida como 'guerra contra o terrorismo'; e o recrudescimento da dimensão étnica e religiosa de alguns conflitos mundiais, particularmente entre árabes e judeus".1 1 COSTA, Claudia de Lima; MINELLA, Luzinete Simões. "Editorial – Revista Estudos Feministas: 1992-2002, a primeira década". Revista Estudos Feministas, v. 10, n. 1, 2002. p. 6.

Assinalamos ainda que, no plano nacional, os principais gestores do país continuavam estimulando as privatizações, evidenciavam dificuldades de respostas diante de uma série de reivindicações populares e restringiam os investimentos na área social, enquanto a sociedade civil se mobilizava em torno da eleição presidencial, com um crescente contingente de mulheres se envolvendo direta ou indiretamente nos processos eleitorais. A década, dizíamos, assistia à expansão das organizações e das publicações feministas, bem como dos núcleos de pesquisa na área.

Muitos exemplos de eventos ligados a essa expansão poderiam ser mencionados. Ressaltamos aqui apenas alguns deles: a realização da Conferência Nacional das Mulheres Brasileiras (CNMB), em junho de 2007, em Brasília; e o I Encontro Brasileiro de Publicações Feministas e o Encontro Internacional Fazendo Gênero 5: Feminismo como Política, realizados, respectivamente, em agosto e outubro, em Florianópolis, Santa Catarina. No mesmo mês, realizava-se a IV Conferência Internacional da Rede de Perspectivas Feministas para a Bioética em Brasília, enquanto em dezembro, em San José, Costa Rica, ocorria o 9º Encontro Feminista da América Latina e Caribe.

Respondendo direta ou indiretamente às vibrações dessa expansão, o número 1 de 2002 discutia as relações entre feminismo e modernismo; feminismos e marxismos; neozapatismo e resistência cibernética; as teorias em disputa; as relações entre gênero, identidade, imigração e crítica cultural, e o Dossiê reunia um conjunto de textos sobre a III Conferência Mundial contra o Racismo, Discriminação Racial, Xenofobia e Intolerância Correlatas, realizada em 2001, em Durban, África do Sul.

Em 2007, a Revista completou seus 15 anos em meio às complexas redefinições da geopolítica internacional em função dos desdobramentos de antigos conflitos e do surgimento paralelo de novas áreas de tensão, que desestabilizam fronteiras, expandem a violência e a exclusão e atingem duramente o meio ambiente. Nesse movimentado contexto, no qual são reinventadas as relações entre o local e o global, celebram-se os 40 anos do maio de 1968 e os 40 anos da morte de Che Guevara, e as diferentes tendências dos movimentos feministas redefinem permanentemente sua agenda política, desenhando suas clivagens de modo peculiar: ora transversalizando suas pautas, ora divergindo; ora dialogando com o Estado, ora dele se afastando; negociando com outros movimentos ou reforçando suas pautas específicas, etc.

De um modo ou de outro, a vitalidade desse processo pode ser testemunhada através de exemplos de eventos que ocorreram em 2007: no mês de agosto aconteceram o Simpósio de Arqueologia de Gênero na Cidade do México, e em Quito, Equador, o Fórum das Redes, Articulações e Campanhas do Movimento de Mulheres e Feministas da América Latina e Caribe. No Brasil, no mesmo mês, três eventos chamaram especial atenção: em Minas Gerais, a I Assembléia das Guerreiras Mulheres Indígenas do Leste e Nordeste; em Salvador, Bahia, o encontro "Brasil e Colômbia: Anti-Racismo e Políticas LGBT"; e, em Brasília, a II Conferência Nacional de Políticas para as Mulheres.

Setembro também foi um mês pródigo em realizações. O Núcleo de Identidades de Gênero e Subjetividades da Universidade Federal de Santa Catarina (NIGS/UFSC), juntamente com a Rede Parceria Civil, Conjugalidade e Homoparentalidade no Brasil, realizaram o Seminário "Homofobia, Identidades e Cidadania LGBTTT". Enquanto isso, na Universidade de Berna, Suíça, acontecia o Colóquio Internacional Gender – Genre – Geschlecht: Travelling Concepts, e em Buenos Aires ocorria a V Jornadas de Estudios de la Mujer y Gênero promovidas pela área de Estudios de la Mujer y de Gênero (AEMyG). No mês de outubro, realizava-se em Córdoba, Espanha, o XXII Encuentro Nacional de Mujeres.

Debatendo várias das questões que integraram, de um modo ou de outro, a pauta desses eventos, o número atual traz na primeira seção um conjunto de artigos que contribuem para continuar a desestabilização dos paradigmas científicos desencadeada pelas teorias e pelos movimentos feministas.

Magali Mendes de Menezes apresenta um artigo em que analisa três importantes obras do filósofo Emmanuel Lévinas, procurando compreender como o feminino aparece em suas reflexões e que significação assume diante do sujeito, da subjetividade e do pensamento sobre a ética.

O artigo seguinte, por sua vez, realiza um exame de três obras pictóricas de Frida Kahlo. Fabiano Seixas Fernandes pormove, a partir da análise dessas telas, uma discussão sobre a territorialização da memória através da noção de mapa íntimo e mostra também a problematização da relação nacional/estrangeiro no trabalho de Frida Kahlo.

"Quem pode resistir a Lara Croft? Você?" Com esta pergunta, Cláudio Lúcio Mendes discute como o jogo eletrônico Tomb Raider constrói processos de subjetivação em relação a gênero e sexualidade e mostra como as marcas (de gênero e sexualidade), culturalmente construídas, são empregadas nas elaborações da personagem central do jogo, Lara Croft, através de um jogo de subjetivação.

Em "Corpo e gênero: uma análise da revista TRIP Para Mulher", Auxiliadôra Aparecida de Matos e Maria de Fátima Lopes nos remetem às crenças, às representações e aos significados do que é ser homem ou mulher em nossa sociedade, a partir de uma perspectiva feminista dessa revista com um nome tão sugestivamente direcionado à influência do corpo sobre o comportamento feminino – TPM.

Para marcar o aniversário da REF, em seguida constam os artigos da seção especial sobre os seus 15 anos. Conforme mostram as organizadoras Luzinete Simões Minella e Sônia Weidner Maluf na apresentação, os textos incluídos enfocam a história da Revista, destacando vários aspectos sobre o seu papel no campo feminista e de estudos de gênero no decorrer de sua publicação.

Na seção Ponto de Vista, temos um ensaio e uma entrevista. No polêmico ensaio "¿Violencia invisible o del éxtasis al dolor?", a autora cubana Lourdes Fernández Rius discute a relação entre a valorização dos papéis masculinos e femininos na sociedade patriarcal e as fantasias de amor nas relações conjugais que freqüentemente implicam submissão feminina e violência masculina. A entrevista, realizada por Carmen Rial, com Azadeh Kian-Thiébaut, aborda a luta feminista no Irã, que, como país muçulmano, tem sido palco de grandes polêmicas em relação aos direitos das mulheres. A entrevistada, que é iraniana, dirige atualmente o Centre d'Enseignment, de Documentación et des Recherches pour les Études Féministes (CEDREF) da Universidade Paris VII.

Temos ainda neste número os artigos temáticos reunidos sob o título "A contribuição do feminismo às pesquisas sociológicas contemporâneas", organizados por Eleonora Menicucci de Oliveira. Tais artigos apresentam várias perspectivas sobre as interações entre os feminismos e a pesquisa em ciências sociais no Brasil, a partir do ponto de vista de autoras representativas do campo dos estudos feministas no país.

As resenhas são várias e envolvem temas como a conjugalidade, a história das mulheres, do corpo e das descobertas sobre as diferenças genéticas entre homens e mulheres e os ecos feministas na filosofia portuguesa, mais uma vez refletindo a vastidão dos estudos feministas e de gênero e a profusão de publicações atuais nesse campo.

Para encerrar este número, publicamos uma homenagem a Heloneida Studart, ex-deputada, escritora e jornalista, autora do livro Mulher, objeto de cama e mesa, que chegou a ter vendidos quase 300 mil exemplares em suas 53 edições. A homenagem inclui uma pequena entrevista feita com ela por Roselane Neckel e um texto biográfico escrito por Cecília Cunha. Queremos que esse espírito de guerreira tão bem encarnado por Heloneida em sua vida de lutas, de solidariedade e de escrita provocativa continue pairando sobre as mulheres e sobre a Revista Estudos Feministas durante muito, muito tempo.

Luzinete Simões Minella e Cristina Scheibe Wolff

  • 1
    COSTA, Claudia de Lima; MINELLA, Luzinete Simões. "Editorial – Revista Estudos Feministas: 1992-2002, a primeira década".
    Revista Estudos Feministas, v. 10, n. 1, 2002. p. 6.

Datas de Publicação

  • Publicação nesta coleção
    28 Jul 2008
  • Data do Fascículo
    Abr 2008
Centro de Filosofia e Ciências Humanas e Centro de Comunicação e Expressão da Universidade Federal de Santa Catarina Campus Universitário - Trindade, 88040-970 Florianópolis SC - Brasil, Tel. (55 48) 3331-8211, Fax: (55 48) 3331-9751 - Florianópolis - SC - Brazil
E-mail: ref@cfh.ufsc.br