Perfil farmacoterapêutico dos usuários e gasto com medicamentos de alto custo em São Leopoldo, Rio Grande do Sul, Brasil, 2014* * Manuscrito redigido com base em dissertação acadêmica intitulada ‘Perfil dos usuários de medicamentos do Componente Especializado da Assistência Farmacêutica no município de São Leopoldo, RS’, defendida por Mariani Sopelsa junto ao Programa de Pós-Graduação em Saúde Coletiva, Universidade do Vale do Rio dos Sinos (UNISINOS), São Leopoldo-RS, em 2015.

Perfil farmacoterapéutico de los usuarios y gasto en medicamentos de alto costo en São Leopoldo, Rio Grande do Sul, Brasil, 2014

Mariani Sopelsa Fabiane Raquel Motter Nêmora Tregnago Barcellos Heloísa Marquardt Leite Vera Maria Vieira Paniz Sobre os autores

Resumo

OBJETIVO:

descrever o perfil farmacoterapêutico dos usuários do Componente Especializado da Assistência Farmacêutica (CEAF) e mensurar os gastos com os medicamentos mais prevalentes e os mais onerosos.

MÉTODOS:

estudo descritivo, realizado no município de São Leopoldo-RS, Brasil; utilizaram-se dados secundários sobre solicitações de medicamentos deferidas em 2014 via processo administrativo; para avaliar os custos, foram consultadas as guias de remessa da Secretaria de Estado da Saúde/RS.

RESULTADOS:

foram incluídos 1.528 usuários, sobretudo mulheres (56,7%), e idade média de 52 anos (desvio-padrão=17,9); os diagnósticos mais frequentes foram asma alérgica (17,1%), doença renal crônica (11,5%) e artrite reumatoide (8,4%); o medicamento mais prevalente foi o fumarato de formoterol+budesonida (18,3%); o maior gasto total mensal entre os medicamentos mais prevalentes foi com alfaepoetina (R$37.922,34), e entre os mais onerosos, com infliximab (R$72.503,28).

CONCLUSÃO:

os dados apontam para a importância do CEAF no tratamento de alto custo de morbidades com elevada prevalência.

Palavras-chave:
Uso de Medicamentos; Custos de Medicamentos; Doença Crônica; Assistência Farmacêutica; Epidemiologia Descritiva

Resumen

OBJETIVO:

describir el perfil farmacoterapéutico de usuarios del Programa de Asistencia Farmacéutica Especializada (CEAF), y medir los costos de los medicamentos más comunes y más costosos.

MÉTODOS:

estudio descriptivo realizado en São Leopoldo/RS, con datos secundarios sobre solicitudes de drogas diferidas en 2014 a través de procesos administrativos; para evaluar el costo, utilizamos las entregas de Secretaría Estatal de Salud/RS.

RESULTADOS:

se incluyeron 1.528 usuarios, la mayoría mujeres (56,7%), edad media 52 años (desviación estándar=17,9); los diagnósticos más frecuentes fueron asma alérgica (17,1%), enfermedad renal crónica (11,5%) y artritis reumatoide (8,4%); la droga más frecuente fue budesónida+formoterol fumarato (18,3%); el mayor gasto total mensual de los fármacos más prevalentes fue con alfaepoetina (R$37.922,34) y entre los más caros, con infliximab (R$72.503,28).

CONCLUSIÓN:

los datos señalan la importancia de este componente en el tratamiento de alto costo de morbilidad con altas prevalencias.

Palabras-clave:
Utilización de Medicamentos; Costos de los Medicamentos; Enfermedad Crónica; Servicios Farmacéuticos; Epidemiología descriptiva

Abstract

OBJECTIVE:

to describe the pharmacotherapeutic profile of users of the Specialized Program for Pharmaceutical Assistance, and to measure the expenditure on the most prevalent and the most expensive medications.

METHODS:

descriptive study conducted in São Leopoldo-RS, Brazil, with secondary data regarding information about requests accepted in 2014, through administrative proceedings; delivery notes of the State Health Department/RS were used to assess the costs.

RESULTS:

1,528 users were included in the study, mostly women (56.7%), and the average age was 52 years (standard deviation=17.9); the most frequent diagnoses were allergic asthma (17.1%), chronic kidney disease (11.5%) and rheumatoid arthritis (8.4%); the most prevalent drug was budesonide+formoterol fumarate (18.3%); among the most prevalent drugs, the highest total monthly expense was with epoetin alfa (BRL37,922.34) and among the most expensive drugs, infliximab (BRL72,503.28).

CONCLUSION:

the data show the importance of the Specialized Program for Pharmaceutical Assistance in the high-cost treatment of highly prevalent.

Keywords:
Drug Utilization; Drug Costs; Chronic Disease; Pharmaceutical Services; Epidemiology, Descriptive

Introdução

No Brasil, a Política Nacional de Saúde (PNS) dispõe sobre as condições para a promoção, proteção e recuperação da saúde, bem como sobre a organização e o funcionamento dos serviços, com base nos princípios da universalidade, equidade e integralidade da atenção à saúde no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS). Como parte essencial da PNS, foi aprovada em 1998 a Política Nacional de Medicamentos, tendo como propósito garantir a segurança, eficácia e qualidade dos medicamentos, a promoção de seu uso racional e o acesso da população àqueles considerados essenciais. Entre as principais diretrizes dessa política, estão a adoção da Relação Nacional de Medicamentos Essenciais (Rename) e a reorientação da Assistência Farmacêutica (AF).11. Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Políticas de Saúde. Departamento de Atenção Básica. Política nacional de medicamentos [Internet]. Brasília: Ministério da Saúde; 2000 [citado 2017 jun19]. 40 p. Disponível em: Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/politica_medicamentos.pdf
http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoe...

A Rename vigente contempla o conjunto de medicamentos disponibilizados pelo SUS por meio dos componentes de financiamento da AF. O conceito ampliado da essencialidade visa à garantia da integralidade do tratamento medicamentoso. Já a reorientação da AF objetiva implementar atividades de promoção do acesso aos medicamentos essenciais, fundamentando-se na descentralização da gestão, na promoção do uso racional e na otimização e eficácia do sistema de distribuição no setor público.11. Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Políticas de Saúde. Departamento de Atenção Básica. Política nacional de medicamentos [Internet]. Brasília: Ministério da Saúde; 2000 [citado 2017 jun19]. 40 p. Disponível em: Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/politica_medicamentos.pdf
http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoe...

Ainda em consonância com as políticas de saúde, em 2004 foi aprovada a Política Nacional de Assistência Farmacêutica, entendida como política pública norteadora para a formulação de políticas setoriais, tendo o medicamento como insumo essencial e visando ao acesso e a seu uso racional, bem como à descentralização das ações.22. Brasil. Ministério da Saúde. Conselho Nacional de Saúde. Resolução nº 338, de 06 de maio de 2004. Aprova a política nacional de assistência farmacêutica. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília (DF), 2004 maio 07; Seção 1. Atualmente, a forma de financiamento da AF é dividida em: Componente Básico da Assistência Farmacêutica (CBAF), contemplando medicamentos no âmbito da atenção básica; Componente Estratégico da Assistência Farmacêutica (CESAF), destinado ao financiamento de medicamentos para doenças transmissíveis e/ou de alto impacto para a saúde, como aids e tuberculose, entre outras; e Componente Especializado da Assistência Farmacêutica (CEAF),33. Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos. Departamento de Assistência Farmacêutica e Insumos Estratégicos. Da excepcionalidade às linhas de cuidado: o componente especializado da assistência farmacêutica [Internet]. Brasília (DF): Ministério da Saúde, 2010 [citado 2017 jun 19]. 262 p. Disponível em: Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/excepcionalidade_linhas_cuidado_ceaf.pdf
http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoe...
objeto deste estudo.

O CEAF é uma importante estratégia que visa garantir o acesso a medicamentos no âmbito do SUS para o tratamento de doenças, tanto raras quanto de alta prevalência, desde que com indicação de uso de medicamentos com elevado custo unitário ou que, pela cronicidade do tratamento, tornam-se excessivamente caros. O grande desafio da política de acesso a medicamentos em relação a este Componente, que tem o número de usuários ampliado a cada ano, é o alto impacto financeiro.33. Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos. Departamento de Assistência Farmacêutica e Insumos Estratégicos. Da excepcionalidade às linhas de cuidado: o componente especializado da assistência farmacêutica [Internet]. Brasília (DF): Ministério da Saúde, 2010 [citado 2017 jun 19]. 262 p. Disponível em: Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/excepcionalidade_linhas_cuidado_ceaf.pdf
http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoe...

4. Brasil. Ministério da Saúde. Portaria GM/MS nº 2.577, de 27 de outubro de 2006. Aprova o componente de medicamentos de dispensação excepcional. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília (DF), 2006 out 30; Seção I.
-55. Brasil. Ministério da Saúde. Portaria GM/MS nº 1.554, de 30 de julho de 2013. Dispõe sobre as regras de financiamento e execução do componente especializado da assistência farmacêutica no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS). Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília (DF), 2013 jul 31; Seção I. Em 2003, foram gastos com medicamentos do CEAF aproximadamente R$516 milhões; em 2014, esses gastos já somavam 4,9 bilhões, representando um crescimento de 9,5 vezes.66. Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos. Departamento de Assistência Farmacêutica e Insumos Estratégicos. Componente especializado da assistência farmacêutica: inovação para a garantia do acesso a medicamentos no SUS [Internet]. Brasília (DF): Ministério da Saúde ; 2014 [citado 2017 jun 19]. 164 p. Disponível em: Disponível em: http://portalarquivos.saude.gov.br/images/pdf/2015/janeiro/06/Livro-2-completo-para-site-com-ISBN.pdf
http://portalarquivos.saude.gov.br/image...

Porém, muitos desses gastos poderiam ser evitados com um acompanhamento integral dos indivíduos, já na atenção básica à saúde.77. Sesso R, Lopes AA, Thomé FS, Bevilacqua JL, Romão Junior JE, Lugon J. Relatório do censo brasileiro de diálise crônica 2008. J Bras Nefrol. 2008 out-dez; 30(4):233-8.,88. Silva GD, Acúrcio FA, Cherchiglia ML, Guerra Júnior AA, Andrade EIG. Medicamentos excepcionais para doença renal crônica: gastos e perfil de utilização em Minas Gerais, Brasil. Cad Saúde Pública. 2011 fev;27(2):357-68. Desse modo, identificar, entre as doenças contempladas pelo CEAF, quais são as mais frequentes entre os usuários pode, além de auxiliar no direcionamento de ações com ênfase na atenção farmacêutica e no acompanhamento farmacoterapêutico, subsidiar ações que visem modificar o quadro histórico dessas doenças. Estudos sobre o tema podem contribuir para uma programação mais efetiva da AF, fornecendo elementos aos tomadores de decisão no que tange ao planejamento das ações e à oferta de medicamentos de alto custo.

O objetivo deste estudo foi descrever o perfil farmacoterapêutico dos usuários de medicamentos do CEAF no município de São Leopoldo, estado do Rio Grande do Sul (RS), Brasil, e mensurar os gastos com os medicamentos mais prevalentes e os de maior impacto financeiro.

Métodos

Estudo descritivo, realizado no município de São Leopoldo-RS, com dados secundários do sistema de Administração de Medicamentos (AME®) disponibilizados pela Secretaria de Estado da Saúde do Rio Grande do Sul (SES/RS).

São Leopoldo-RS, município localizado na região Sul do Brasil, em 2010, contava com população de 214.087 habitantes, densidade demográfica de 2.083,82 habitantes/km22. Brasil. Ministério da Saúde. Conselho Nacional de Saúde. Resolução nº 338, de 06 de maio de 2004. Aprova a política nacional de assistência farmacêutica. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília (DF), 2004 maio 07; Seção 1. e índice de desenvolvimento humano (IDH) de 0,739.99. Fundação Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. [Internet]. Censo Demográfico 2010 [Internet]. - 2010 [citado 2017 mar 30]. Disponível em: Disponível em: http://censo2010.ibge.gov.br/ .
http://censo2010.ibge.gov.br/...
Ao tempo da pesquisa, o município possuía 19 unidades básicas de saúde (UBS), sendo nove com Estratégia Saúde da Família (ESF), e uma Farmácia Municipal Central dispensadora de medicamentos do CEAF.

Foram incluídos dados de todos os usuários de medicamentos do CEAF com solicitação deferida via processo administrativo no período de janeiro a dezembro de 2014. Considerando-se que os usuários retiram os medicamentos mensalmente, utilizaram-se as informações referentes à última retirada no período do estudo.

As variáveis do estudo foram definidas a partir das informações disponibilizadas pelo sistema AME®:

  1. - sexo (masculino; feminino);

  2. - idade (construída a partir da data de nascimento e categorizada em faixas etárias, em anos: 0-19; 20-39; 40-59; 60 ou mais);

  3. - região de residência (bairro, identificado a partir do endereço e classificado segundo a presença de UBS com ou sem ESF);

  4. - morbidades (disponibilizadas conforme a Classificação Estatística Internacional de Doenças e Problemas Relacionados à Saúde - Décima Revisão [CID-10],1010. Centro Brasileiro de Classificação de Doenças. Classificação estatística internacional de doenças e problemas relacionados à saúde (CID-10) [Internet]. - 2015 [citado 2015 abr 6]. Disponível em: Disponível em: http://www.datasus.gov.br/cid10/V2008/cid10.htm .
    http://www.datasus.gov.br/cid10/V2008/ci...
    posteriormente agrupadas em capítulos); e

  5. - medicamentos (classificados segundo o princípio ativo, dosagem e forma farmacêutica)

Para a análise, utilizou-se o programa estatístico Stata 11.0 (Stata Corp., College Station, Estados Unidos da América). As morbidades, segundo a CID-10 e seus capítulos, foram estratificadas por sexo, idade e região de residência, com ou sem ESF. As prevalências foram apresentadas com seus respectivos intervalos de confiança de 95% (IC95%) e analisadas pelo teste do qui-quadrado, para heterogeneidade de proporções e de tendência linear, adotando-se um nível de significância estatística de 5%.

Os custos dos medicamentos foram obtidos por meio das guias de remessa da SES/RS atualizadas para o ano de 2015, até o mês de abril. Esses custos foram determinados tanto para os medicamentos de uso mais prevalente quanto para os mais onerosos. Para determinar os medicamentos mais onerosos, foram selecionados na literatura aqueles com maior impacto financeiro, considerando-se o custo do tratamento farmacológico mensal por indivíduo.1111. Brandão CMR, Guerra Júnior AA, Cherchiglia ML, Andrade EIG, Almeida AM, Dias da Silva G, et al. Gastos do Ministério da Saúde do Brasil com medicamentos de alto custo: uma análise centrada no paciente. Value Health. 2011 Jul-Aug; 14(5)Suppl:S71-7. Para cada medicamento, determinaram-se os gastos mensais de cada usuário, logo somados, e o resultado dessa soma dividido pelo número de usuários, obtendo-se a média de gasto mensal individual. O gasto total mensal foi obtido somando-se os gastos mensais dos usuários para cada medicamento.

O projeto desta pesquisa foi aprovado pela Comissão de Ética em Pesquisa da Universidade do Vale do Rio dos Sinos (UNISINOS): Resolução no 143, de 14 de outubro de 2014. Obteve-se permissão da Secretaria de Estado da Saúde do Rio Grande do Sul para a utilização dos dados, respeitando-se as questões éticas de sigilo quanto ao nome dos usuários e o comprometimento na divulgação dos resultados.

Resultados

Foram incluídos 1.528 usuários de medicamentos do CEAF, a maioria mulheres (56,7%), idade média de 52 anos (desvio-padrão=17,9) e quase metade (44,1%) dos usuários residentes em bairro com UBS/ESF.

Os diagnósticos mais prevalentes estão agrupados no capítulo das doenças do aparelho respiratório (18,7%), seguido do sistema osteomuscular e do tecido conjuntivo (17,3%). Houve maior prevalência de doenças do sistema osteomuscular e do tecido conjuntivo, e de doenças do sangue e dos órgãos hematopoiéticos, nas mulheres, comparadas aos homens. Nestes, transtornos mentais e comportamentais foram mais prevalentes (Tabela 1).

Tabela 1
- Distribuição dos usuários de medicamentos do Componente Especializado da Assistência Farmacêutica (CEAF) (N=1.528), total e estratificada por sexo, segundo os capítulos da CID-10,a no município de São Leopoldo-RS, 2014

Doenças do aparelho respiratório e do aparelho geniturinário foram mais prevalentes entre os idosos, enquanto doenças do sistema osteomuscular e do tecido conjuntivo e algumas doenças infecciosas e parasitárias prevaleceram na faixa etária de 40 a 59 anos. Doenças do aparelho digestivo e transtornos mentais foram mais prevalentes entre 20 e 39 anos, e doenças endócrinas, nutricionais e metabólicas, doenças do sangue e dos órgãos hematopoiéticos e doenças do sistema nervoso foram mais frequentes naqueles com 0 a 19 anos de idade (Tabela 2).

Tabela 2
- Distribuição dos usuários de medicamentos do Componente Especializado da Assistência Farmacêutica (CEAF) (N=1.528), estratificada por idade (em anos), segundo os capítulos da CID-10,a no município de São Leopoldo-RS, 2014

Doenças do aparelho geniturinário foram mais prevalentes em bairros com ESF do que em bairros sem a presença dessas equipes (14,7% versus 10,5%). Nos bairros sem ESF, foram observadas maiores prevalências de transtornos mentais e comportamentais em comparação com bairros com ESF (8,4% vs. 4,3%); também coube essa observação sobre as doenças do sistema nervoso, embora com associação limítrofe (10,5% vs. 7,7%) (dados não apresentados em tabela).

Das 146 morbidades relatadas, 15 (10,3%) representaram os diagnósticos mais frequentes. Entre os usuários, 95,0% possuíam uma morbidade e 4,5% duas. Os diagnósticos mais prevalentes foram asma predominantemente alérgica (17,1%), doença renal em estádio final (11,5%), rim transplantado (7,6%) e hepatite viral crônica C (6,0%). As mulheres apresentaram maiores proporções - quando comparadas aos homens - de outras artrites reumatoides soropositivas, artrite reumatoide soronegativa, hiperprolactinemia e lúpus eritematoso. Doença renal em estádio final, hepatite viral C e esquizofrenia paranoide predominaram nos homens (Tabela 3).

Tabela 3
- Distribuição dos usuários de medicamentos do Componente Especializado da Assistência Farmacêutica (CEAF) (N=1.528), total e estratificada por sexo, segundo os diagnósticos da CID-10,a no município de São Leopoldo-RS, 2014

Asma predominantemente alérgica e doença renal em estádio final foram mais prevalecentes nos idosos. O diagnóstico de rim transplantado e a esquizofrenia paranóide prevaleceram na faixa etária de 20 a 39 anos, enquanto a hepatite viral crônica C, entre indivíduos de 40 a 59 anos (Tabela 4).

Tabela 4
- Distribuição dos usuários de medicamentos do Componente Especializado da Assistência Farmacêutica (CEAF) (N=1.528), estratificada por idade, segundo os diagnósticos da CID-10,a no município de São Leopoldo-RS, 2014

Observou-se maior prevalência de doença renal em estádio final nos bairros com ESF, quando comparados com bairros sem essa estratégia (13,4% vs. 9,9%). Maiores prevalências de doença de Alzheimer de início tardio e de esquizofrenia paranóide foram verificadas nos bairros sem essas equipes, em comparação aos bairros com ESF (2,5% vs. 0,7% e 5,8% vs 3,4%, respectivamente) (dados não apresentados em tabela).

No total, foram retirados 2.431 medicamentos pelos 1.528 usuários, distribuídos em 96 princípios ativos diferentes, em 147 apresentações. O medicamento mais prevalente foi fumarato de formoterol+budesonida (18,3%), seguido por alfaepoetina (11,5%), sacarato de hidróxido férrico (8,5%), azatioprina (6,6%), tacrolimo (6,0%), ribavirina (5,8%), calcitriol (5,6%), micofenolato de sódio (5,2%), leflunomida (4,8%) e metotrexato (3,9%) (Tabela 5).

Tabela 5
- Gasto com medicamentos entre os usuários do Componente Especializado da Assistência Farmacêutica, considerando-se os dez mais prevalentes e os dez mais onerosos, no município de São Leopoldo-RS, 2014

Observou-se que entre os dez medicamentos mais prevalentes, quatro apresentaram maior gasto médio mensal individual: micofenolato de sódio, tacrolimo, alfaepoetina e calcitriol. Entre os medicamentos mais prevalentes, o de maior gasto total mensal foi a alfaepoetina; e o gasto total mensal gerado pelo conjunto dos dez medicamentos mais prevalentes alcançou o valor de R$144.693,63 (Tabela 5).

Em relação aos medicamentos mais onerosos, os quatro medicamentos com o maior gasto médio mensal individual foram infliximab, imunoglobulina humana e acetato de octreotida LAR. O medicamento de maior custo foi o infliximab, e os dez medicamentos mais onerosos totalizaram uma despesa mensal para o sistema público de saúde de R$189.863,21 (Tabela 5).

Discussão

Este estudo revelou que em 2014, os usuários do CEAF apresentaram maiores prevalências de diagnósticos agrupados nos capítulos das doenças do aparelho respiratório, doenças do sistema osteomuscular e do tecido conjuntivo, e doenças do aparelho geniturinário, das quais se destacam a asma predominantemente alérgica, a artrite reumatóide e a doença renal em estádio final, respectivamente. O medicamento mais prevalente foi o fumarato de formoterol+budesonida, que, apesar da ampla frequência de uso, não representou o maior gasto do sistema. O maior gasto total mensal entre os medicamentos mais prevalentes foi com a alfaepoetina. Já entre os medicamentos mais onerosos, destacou-se o infliximab, com o maior gasto total mensal, representando quase o dobro do gasto total mensal com a alfaepoetina.

A elevada prevalência de mulheres usuárias de medicamentos do CEAF está de acordo com a literatura, que aponta proporções ainda maiores - variando de 63,5%, em coorte histórica de base nacional (2000-2004), a 72%, no estado do Paraná (2010).1212. Acurcio FA, Brandão CMR, Guerra Júnior AA, Cherchiglia ML, Andrade IG, Almeida AM, et al. Perfil demográfico e epidemiológico dos usuários de medicamentos de alto custo no Sistema Único de Saúde. Rev Bras Estud Popul. 2009 dez;26(2):263-82.,1313. Wiens A, Grochocki MC, Pontarolli DRS, Venson R, Correr CJ, Pontarolo R. Perfil dos usuários de anticitocinas disponibilizadas pelo Sistema Único de Saúde no estado do Paraná para o tratamento da artrite reumatoide. Rev Bras Reumatol. 2012 mar-abr;52(2):208-13. As mulheres relatam, consideravelmente, mais morbidades que os homens e portanto, são as maiores usuárias dos serviços de saúde, sendo esperado um perfil semelhante para este Componente.1414. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Pesquisa nacional por amostra de domicílios [Internet]. - 2008 [citado 2017 jun 19]. Disponível em: Disponível em: http://www.ibge.gov.br/home/estatistica/populacao/trabalhoerendimento/pnad2008/default.shtm
http://www.ibge.gov.br/home/estatistica/...

Com relação à faixa etária, o resultado corrobora achados de pesquisas nacionais com população semelhante.1111. Brandão CMR, Guerra Júnior AA, Cherchiglia ML, Andrade EIG, Almeida AM, Dias da Silva G, et al. Gastos do Ministério da Saúde do Brasil com medicamentos de alto custo: uma análise centrada no paciente. Value Health. 2011 Jul-Aug; 14(5)Suppl:S71-7.,1212. Acurcio FA, Brandão CMR, Guerra Júnior AA, Cherchiglia ML, Andrade IG, Almeida AM, et al. Perfil demográfico e epidemiológico dos usuários de medicamentos de alto custo no Sistema Único de Saúde. Rev Bras Estud Popul. 2009 dez;26(2):263-82. A Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD) de 2008 revela que idades mais avançadas estão relacionadas com o aumento da prevalência de doenças crônicas e, portanto, associadas à maior utilização de serviços de saúde e de medicamentos.1414. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Pesquisa nacional por amostra de domicílios [Internet]. - 2008 [citado 2017 jun 19]. Disponível em: Disponível em: http://www.ibge.gov.br/home/estatistica/populacao/trabalhoerendimento/pnad2008/default.shtm
http://www.ibge.gov.br/home/estatistica/...

Com relação aos capítulos da CID-10, especificamente do capítulo das doenças do aparelho respiratório, a mais frequente foi a asma alérgica. Tal achado não foi evidenciado no estudo de abrangência nacional citado (2000-2004).1212. Acurcio FA, Brandão CMR, Guerra Júnior AA, Cherchiglia ML, Andrade IG, Almeida AM, et al. Perfil demográfico e epidemiológico dos usuários de medicamentos de alto custo no Sistema Único de Saúde. Rev Bras Estud Popul. 2009 dez;26(2):263-82. Entretanto, no presente estudo, é coerente pensar que a elevada prevalência dessas doenças esteja associada às características climáticas da região Sul, que conta com quatro estações bem definidas e um clima úmido, extremamente frio, no inverno. Alguns estudos realizados com crianças apontam as mudanças climáticas como o principal desencadeador de crises asmáticas.1515. Pastorino AC, Accioly AP, Lanzellotti R, Camargo MCD, Jacob CMA, Grumach AS. Asma - aspectos clínico-epidemiológicos de 237 pacientes de um ambulatório pediátrico especializado. J Pediatr. 1998 jan-fev;74(1):49-58.,1616. Moraes LSL, Barros MD, Takano OA, Assami NMC. Fatores de risco, aspectos clínicos e laboratoriais da asma em crianças. J Pediatr. 2001 nov-dez;77(6):447-54. A asma não apresentou diferença em relação ao sexo e faixa etária, de acordo com outro estudo.1717. Morais-Almeida M, Pité H, Pereira AM, Nunes C, Fonseca J. Asma e rinite no idoso: estudo epidemiológico nacional. Rev Port Imunoalergologia. 2014 mar; 22(1):33-42.

As morbidades mais frequentes do capítulo das doenças do sistema ostomuscular estão de acordo com o estudo nacional;1212. Acurcio FA, Brandão CMR, Guerra Júnior AA, Cherchiglia ML, Andrade IG, Almeida AM, et al. Perfil demográfico e epidemiológico dos usuários de medicamentos de alto custo no Sistema Único de Saúde. Rev Bras Estud Popul. 2009 dez;26(2):263-82. porém, não se verificou essa confirmação quanto à mais prevalente. Neste trabalho, o capítulo está representado pela artrite reumatoíde, e no estudo nacional citado, pela osteoporose. Esta diferença pode ser explicada em virtude da osteoporose não possuir tratamento farmacológico disponibilizado pelo CBAF, naquele momento. A artrite reumatoide acometeu mais as mulheres e os adultos acima dos 40 anos, de acordo com pesquisas recentes realizadas nas regiões Sul (2010) e Sudeste (2002-2005) do país.1313. Wiens A, Grochocki MC, Pontarolli DRS, Venson R, Correr CJ, Pontarolo R. Perfil dos usuários de anticitocinas disponibilizadas pelo Sistema Único de Saúde no estado do Paraná para o tratamento da artrite reumatoide. Rev Bras Reumatol. 2012 mar-abr;52(2):208-13.,1818. Louzada-Junior P, Souza BDB, Toledo RA, Ciconelli RM. Análise descritiva das características demográficas e clínicas de pacientes com artrite reumatóide no estado de São Paulo, Brasil. Rev Bras Reumatol. 2007 mar-abr;47(2):84-90. Ainda sem causa conhecida, sua incidência no Brasil é subestimada: segundo pesquisa realizada em 2009, tão somente metade dos brasileiros com a morbidade são diagnosticados, e destes, apenas 50% são tratados.1919. Ferraz MB, Soarez PC, Riera R, Ciconelli RM. Conduta no diagnóstico e tratamento dos pacientes com artrite reumatóide no Brasil - respostas dos médicos a um questionário de avaliação. Acta Reum Port. 2009 jan-mar;34(1):44-51. Na maioria desses casos, o tratamento medicamentoso é iniciado com os fármacos metotrexato, leflunomida ou azatioprina, sendo o primeiro considerado o fármaco de escolha inicial,1313. Wiens A, Grochocki MC, Pontarolli DRS, Venson R, Correr CJ, Pontarolo R. Perfil dos usuários de anticitocinas disponibilizadas pelo Sistema Único de Saúde no estado do Paraná para o tratamento da artrite reumatoide. Rev Bras Reumatol. 2012 mar-abr;52(2):208-13.,1818. Louzada-Junior P, Souza BDB, Toledo RA, Ciconelli RM. Análise descritiva das características demográficas e clínicas de pacientes com artrite reumatóide no estado de São Paulo, Brasil. Rev Bras Reumatol. 2007 mar-abr;47(2):84-90. e todos se encontram entre os medicamentos mais prevalentes segundo o presente estudo. Além destes, o avanço na terapia medicamentosa conta também com alguns agentes biológicos, como o infliximabe e o rituximabe,2020. Blumenauer BTBB, Judd M, Wells GA, Burls A, Cranney A, Hochberg MC, et al. Infliximab for the treatment of rheumatoid arthritis. Cochrane Database Syst Rev. 2002 Jul;(3):CD003785.,2121. Emery P, Fleischmann R, Filipowicz-Sosnowska A, Schechtman J, Szczepanski L, Kavanaugh A, et al. The efficacy and safety of rituximab in patients with active rheumatoid arthritis despite methotrexate treatment: results of a phase IIB randomized, double-blind, placebo-controlled, dose-ranging trial. Arthritis Rheum. 2006 May;54(5):1390-400. ambos destacados por este estudo entre os medicamentos mais onerosos.

As doenças do aparelho geniturinário, que englobam especialmente a doença renal em estádio final, estão de acordo com estudo de abrangência nacional.1212. Acurcio FA, Brandão CMR, Guerra Júnior AA, Cherchiglia ML, Andrade IG, Almeida AM, et al. Perfil demográfico e epidemiológico dos usuários de medicamentos de alto custo no Sistema Único de Saúde. Rev Bras Estud Popul. 2009 dez;26(2):263-82. Corroborando o resultado desta pesquisa, a doença renal acomete mais os homens e pessoas em idade mais avançada.77. Sesso R, Lopes AA, Thomé FS, Bevilacqua JL, Romão Junior JE, Lugon J. Relatório do censo brasileiro de diálise crônica 2008. J Bras Nefrol. 2008 out-dez; 30(4):233-8.,88. Silva GD, Acúrcio FA, Cherchiglia ML, Guerra Júnior AA, Andrade EIG. Medicamentos excepcionais para doença renal crônica: gastos e perfil de utilização em Minas Gerais, Brasil. Cad Saúde Pública. 2011 fev;27(2):357-68.,1212. Acurcio FA, Brandão CMR, Guerra Júnior AA, Cherchiglia ML, Andrade IG, Almeida AM, et al. Perfil demográfico e epidemiológico dos usuários de medicamentos de alto custo no Sistema Único de Saúde. Rev Bras Estud Popul. 2009 dez;26(2):263-82. Os principais fatores de risco para doença renal são hipertensão e diabetes, que apresentam prevalência crescente, contribuindo para o aumento da incidência dessa morbidade que afeta os rins.77. Sesso R, Lopes AA, Thomé FS, Bevilacqua JL, Romão Junior JE, Lugon J. Relatório do censo brasileiro de diálise crônica 2008. J Bras Nefrol. 2008 out-dez; 30(4):233-8.,88. Silva GD, Acúrcio FA, Cherchiglia ML, Guerra Júnior AA, Andrade EIG. Medicamentos excepcionais para doença renal crônica: gastos e perfil de utilização em Minas Gerais, Brasil. Cad Saúde Pública. 2011 fev;27(2):357-68. A doença renal poderia ser evitada em muitos casos, considerando que para seus principais fatores de risco, hipertensão e diabetes, há medicamentos disponíveis gratuitamente, tanto na atenção básica como nas farmácias credenciadas no Programa Farmácia Popular. Desta forma, é coerente pensar que, se os portadores dos fatores de risco fossem efetivamente acompanhados, poder-se-ia evitar a progressão da doença e o agravamento do estado de saúde, além do sofrimento, e certamente, gastos com medicamentos de alto custo.

A doença renal é apontada entre as que representam os maiores gastos com medicamentos de alto custo, de acordo com estudo nacional sobre gastos totais do Ministério da Saúde no período 2000-2007.2222. Carias CM, Vieira FS, Giordano CV, Zucchi P. Medicamentos de dispensação excepcional: histórico e gastos do Ministério da Saúde do Brasil. Rev Saúde Pública. 2011 abr;45(2):233-40. No presente trabalho, entre os dez medicamentos mais prevalentes, foram identificados três utilizados para doença renal: alfaepoetina, sacarato de hidróxido férrico e calcitriol, destacando-se o primeiro por gerar o maior gasto total mensal.

A prevalência do diagnóstico de rim transplantado, neste estudo, é mais elevada do que a resultante da pesquisa nacional realizada entre 2000 e 2004.1212. Acurcio FA, Brandão CMR, Guerra Júnior AA, Cherchiglia ML, Andrade IG, Almeida AM, et al. Perfil demográfico e epidemiológico dos usuários de medicamentos de alto custo no Sistema Único de Saúde. Rev Bras Estud Popul. 2009 dez;26(2):263-82. Outra pesquisa de alcance nacional, sobre o histórico de gastos do Ministério da Saúde entre os anos 2000 e 2007,2222. Carias CM, Vieira FS, Giordano CV, Zucchi P. Medicamentos de dispensação excepcional: histórico e gastos do Ministério da Saúde do Brasil. Rev Saúde Pública. 2011 abr;45(2):233-40. revelou que os medicamentos destinados a pacientes transplantados estavam entre os de maior impacto financeiro. Na presente pesquisa, entre os dez medicamentos mais prevalentes, encontram-se azatioprina, tacrolimo e micofenolato de sódio, utilizados pelos pacientes transplantados - inclusive renais -, sendo que os dois últimos implicam o maior gasto médio mensal por usuário. Face à ausência de estudos mais recentes, as comparações foram feitas com dados das últimas pesquisas nacionais. E esses dados apontam na mesma direção.

A relação entre a maior prevalência de algumas morbidades e a presença de UBS/ESF é complexa, considerando-se que a implementação da Estratégia Saúde da Família pode ser vista como recente.2323. Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Saúde mental no SUS: os centros de atenção psicossocial [Internet]. Brasília (DF): Ministério da Saúde ; 2004 [citado 2017 jun 19]. 86 p. Disponível em: Disponível em: http://www.ccs.saude.gov.br/saude_mental/pdf/sm_sus.pdf
http://www.ccs.saude.gov.br/saude_mental...
A maior prevalência de usuários em uso de medicamentos do CEAF para problemas renais crônicos, em bairros com ESF, pode indicar maior acesso desses usuários aos serviços de saúde para diagnóstico e encaminhamento efetivo aos demais níveis de atenção, que demandam o uso desses medicamentos. No longo prazo, seria esperada uma realidade distinta, decorrente de um cuidado integral prestado a esses usuários pelas equipes de ESF, de forma a prevenir problemas crônicos de saúde mediante tratamento farmacológico efetivo,2424. Santana ML, Carmagnani MI. Programa saúde da família no Brasil: um enfoque sobre seus pressupostos básicos, operacionalização e vantagens. Saúde Soc. 2001 jul;10(1):33-53. reduzindo a necessidade de uso de medicamentos do CEAF. Esta hipótese é corroborada por estudo realizado com portadores de fatores de risco para doença renal, como hipertensos, diabéticos, ou ambos, que demonstrou o seguinte achado: antes da implantação das equipes de ESF, 26,5% não tinham acesso a nenhum serviço de saúde.2525. Paiva DCP, Bersusa AAS, Escuder MML. Avaliação da assistência ao paciente com diabetes e/ou hipertensão pelo Programa Saúde da Família do Município de Francisco Morato, São Paulo, Brasil. Cad Saúde Pública. 2006 fev;22(2):377-85.

Nos bairros sem a disponibilidade dessas equipes, os resultados podem estar sendo agravados pela falta de acompanhamento adequado dos indivíduos. Sabe-se que entre as ações da Política Nacional de Saúde Mental, os Centros de Atenção Psicossocial (CAPS) assumem papel estratégico na articulação e fortalecimento das redes de atenção a esses usuários, trabalhando em conjunto com as equipes de ESF no desenvolvimento de projetos terapêuticos, visando à inserção e autonomia do usuário na vida comunitária.2323. Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Saúde mental no SUS: os centros de atenção psicossocial [Internet]. Brasília (DF): Ministério da Saúde ; 2004 [citado 2017 jun 19]. 86 p. Disponível em: Disponível em: http://www.ccs.saude.gov.br/saude_mental/pdf/sm_sus.pdf
http://www.ccs.saude.gov.br/saude_mental...
Entretanto, no município de São Leopoldo-RS, são poucos os CAPS, e os existentes situam-se na área central, dificultando seu acesso. É plausível pensar que na ausência desse cuidado, a medicalização dos portadores de transtornos mentais e comportamentais possa representar a única escolha terapêutica disponível. Além disso, é possível que a diminuta quantidade de CAPS ativos aumente os custos com essas medicações, visto que um acompanhamento multiprofissional pode contribuir para a redução dos medicamentos utilizados, à medida que o tratamento avança.

Apesar da disponibilidade de estudos a avaliar o custo de medicamentos do CEAF, sua comparabilidade deve ser realizada com cautela quanto aos custos considerados, pois as metodologias, o horizonte temporal e as morbidades pesquisadas diferem.

Na avaliação dos custos farmacoterapêuticos estimados neste estudo, é possível notar que os gastos totais mensais com os medicamentos mais prevalentes e com os medicamentos mais onerosos não foram distantes, uma vez que os medicamentos mais caros foram utilizados por um menor número de usuários, representando apenas 2,5% do total de despesas pelo CEAF.

O medicamento fumarato de formoterol+budesonida, utilizado no tratamento da asma, apesar de ser o mais prevalente, representa um pequeno impacto no gasto total mensal, considerando-se que o custo médio mensal por usuário é relativamente baixo quando comparado aos dos demais medicamentos. Em relação aos imunossupressores, tacrolimo e micofenolato de sódio, o primeiro é uma das inovações terapêuticas imunossupressoras,2626. Guerra Junior AA, Acúrcio FA, Andrade EIG, Cherchiglia ML, Cesar CC, Queiroz OV, et al. Ciclosporina versus tacrolimus no transplante renal no Brasil: uma comparação de custos. Cad Saúde Pública. 2010 jan;26(1):163-74. enquanto o segundo resulta do aprimoramento de um imunossupressor, desenvolvido na tentativa de reduzir os sintomas indesejados provocados pelo medicamento no trato gastrintestinal,2727. Abbud-Filho M, Baptista MASF, Carvalho DBM, Figueiro JMG, Garcia VD, Gonçalves LFS, et al. Conversão para micofenolato de sódio em pacientes receptores de transplante renal em manutenção: análise multicêntrica retrospectiva. J Bras Transpl. 2007 out-dez;10(4):817-21. justificando seus custos elevados.

Ainda entre os medicamentos mais utilizados, aquele com maior gasto total mensal foi a alfaepoetina, indicada no tratamento da anemia associada a diversas morbidades, principalmente doença renal. A elevada prevalência da doença renal, a ampla utilização e o alto custo justificam os valores investidos na aquisição desse fármaco. Uma pesquisa realizada no estado de Santa Catarina (1999-2004) identificou a alfaepoetina como o medicamento mais solicitado.2828. Blatt CR, Farías MR. Diagnóstico do Programa de Medicamentos Excepcionais do Estado de Santa Catarina - Brasil. Lat Am J Pharm. 2007;26(5):776-83. Quanto ao custo elevado, esforços têm sido feitos desde 2006 para que a alfaepoetina seja produzida no Brasil, visto que entre 2000 e 2004, foi o medicamento que gerou maiores gastos ao SUS para o tratamento dos doentes renais.88. Silva GD, Acúrcio FA, Cherchiglia ML, Guerra Júnior AA, Andrade EIG. Medicamentos excepcionais para doença renal crônica: gastos e perfil de utilização em Minas Gerais, Brasil. Cad Saúde Pública. 2011 fev;27(2):357-68.

Em relação ao medicamento mais oneroso, infliximab, observou-se resultado semelhante em pesquisa nacional (2000-2004),1111. Brandão CMR, Guerra Júnior AA, Cherchiglia ML, Andrade EIG, Almeida AM, Dias da Silva G, et al. Gastos do Ministério da Saúde do Brasil com medicamentos de alto custo: uma análise centrada no paciente. Value Health. 2011 Jul-Aug; 14(5)Suppl:S71-7. segundo a qual esse medicamento demandou o segundo maior gasto; na comparação dessa pesquisa com estudo de avaliação econômica realizado no Paraná em 2008, é possível notar que os custos individuais vêm aumentando ao longo dos anos, ainda que metodologia distinta tenha sido utilizada para o cálculo do gasto.2929. Venson R, Wiens A, Correr CJ, Otuki MF, Grochocki MC, Pontarolli DRS, et al. Avaliação econômica das anticitocinas adalimumabe, etanercepte e infliximabe no tratamento da artrite reumatoide no Estado do Paraná. Physis. 2011;21(2):359-76.

Os agentes biológicos, como o infliximab, vêm revolucionando o tratamento da artrite reumatoide, especialmente nos casos refratários às terapias clássicas. A utilização desses fármacos gera grande impacto na melhoria da qualidade de vida do usuário, pela redução dos sintomas da doença, porém com significativo aumento dos custos para o sistema de saúde. Em contrapartida, há uma compensação desses custos: a redução da incapacidade e morbidade associadas à doença, com impacto favorável para toda a sociedade.2929. Venson R, Wiens A, Correr CJ, Otuki MF, Grochocki MC, Pontarolli DRS, et al. Avaliação econômica das anticitocinas adalimumabe, etanercepte e infliximabe no tratamento da artrite reumatoide no Estado do Paraná. Physis. 2011;21(2):359-76.,3030. Monteiro RDC, Zanini AC. Análise de custo do tratamento medicamentoso da artrite reumatóide. Rev Bras Cienc Farm. 2008 jan-mar;44(1):25-33.

Mesmo tendo decorrido mais de uma década da realização do estudo nacional (2004)1111. Brandão CMR, Guerra Júnior AA, Cherchiglia ML, Andrade EIG, Almeida AM, Dias da Silva G, et al. Gastos do Ministério da Saúde do Brasil com medicamentos de alto custo: uma análise centrada no paciente. Value Health. 2011 Jul-Aug; 14(5)Suppl:S71-7. que identificou os dez medicamentos mais onerosos quanto ao gasto médio mensal individual, o presente trabalho destacou oito entre os fármacos do referido estudo, demonstrando que as tendências de gastos individuais mais elevados seguem na mesma direção. O mesmo ocorre com relação aos fármacos betainterferon e octreotida, citados com maior custo individual do componente em outro estudo desenvolvido no Sul do Brasil.2929. Venson R, Wiens A, Correr CJ, Otuki MF, Grochocki MC, Pontarolli DRS, et al. Avaliação econômica das anticitocinas adalimumabe, etanercepte e infliximabe no tratamento da artrite reumatoide no Estado do Paraná. Physis. 2011;21(2):359-76.

É importante ressaltar algumas limitações deste estudo. Considerou-se somente o custo de cada medicamento, não o custo do esquema terapêutico ou os demais custos que podem advir da escolha terapêutica. Ademais, a amostra estudada é composta por usuários de medicamentos do CEAF com solicitação deferida via processo administrativo no ano de 2014, permitindo a generalização dos resultados para a população local. No entanto, é razoável pensar que resultados semelhantes possam-se identificar em outros cenários nacionais.

Em conclusão, o perfil desses usuários apontou ampla abrangência de morbidades. Doenças como asma e artrite reumatoide, normalmente, não são preveníveis, ou seja, à medida que o indivíduo as desenvolve, cabe às políticas de saúde proverem seu acompanhamento clínico e tratamento medicamentoso. De forma que se destaca a importância do CEAF na promoção do acesso a medicamentos de alto custo, para indivíduos que, na maioria das vezes, não teriam condições financeiras de os adquirir. Na doença renal, a prevenção é possível, muitos desses pacientes poderiam ser tratados e conscientizados no nível primário de atenção à saúde enquanto apresentassem os primeiros fatores de risco, como hipertensão e diabetes, cujos tratamentos farmacológicos, uma vez bem encaminhados pela atenção básica, são comprovadamente efetivos e a um custo muito menor.

Nesse contexto, tratando-se de medicamentos de alto valor agregado, a organização da Assistência Farmacêutica deve ser vista como um dos elementos fundamentais, enfocando desde a programação de medicamentos até seu uso racional, subsidiando uma alocação eficiente dos recursos empregados. Medicamentos que apresentam elevado custo total em virtude do alto consumo, como a alfaepoetina, devem ser objeto de estratégias específicas de programação e aquisição ao menor custo possível, evitando o desperdício dos recursos públicos.1111. Brandão CMR, Guerra Júnior AA, Cherchiglia ML, Andrade EIG, Almeida AM, Dias da Silva G, et al. Gastos do Ministério da Saúde do Brasil com medicamentos de alto custo: uma análise centrada no paciente. Value Health. 2011 Jul-Aug; 14(5)Suppl:S71-7. Os resultados deste estudo podem subsidiar posteriores avaliações de tratamentos farmacológicos e o direcionamento de ações em saúde, voltadas à prevenção e ao manejo dos futuros potenciais usuários do Componente Especializado da Assistência Farmacêutica - CEAF.

Referências

  • 1
    Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Políticas de Saúde. Departamento de Atenção Básica. Política nacional de medicamentos [Internet]. Brasília: Ministério da Saúde; 2000 [citado 2017 jun19]. 40 p. Disponível em: Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/politica_medicamentos.pdf
    » http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/politica_medicamentos.pdf
  • 2
    Brasil. Ministério da Saúde. Conselho Nacional de Saúde. Resolução nº 338, de 06 de maio de 2004. Aprova a política nacional de assistência farmacêutica. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília (DF), 2004 maio 07; Seção 1.
  • 3
    Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos. Departamento de Assistência Farmacêutica e Insumos Estratégicos. Da excepcionalidade às linhas de cuidado: o componente especializado da assistência farmacêutica [Internet]. Brasília (DF): Ministério da Saúde, 2010 [citado 2017 jun 19]. 262 p. Disponível em: Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/excepcionalidade_linhas_cuidado_ceaf.pdf
    » http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/excepcionalidade_linhas_cuidado_ceaf.pdf
  • 4
    Brasil. Ministério da Saúde. Portaria GM/MS nº 2.577, de 27 de outubro de 2006. Aprova o componente de medicamentos de dispensação excepcional. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília (DF), 2006 out 30; Seção I.
  • 5
    Brasil. Ministério da Saúde. Portaria GM/MS nº 1.554, de 30 de julho de 2013. Dispõe sobre as regras de financiamento e execução do componente especializado da assistência farmacêutica no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS). Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília (DF), 2013 jul 31; Seção I.
  • 6
    Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos. Departamento de Assistência Farmacêutica e Insumos Estratégicos. Componente especializado da assistência farmacêutica: inovação para a garantia do acesso a medicamentos no SUS [Internet]. Brasília (DF): Ministério da Saúde ; 2014 [citado 2017 jun 19]. 164 p. Disponível em: Disponível em: http://portalarquivos.saude.gov.br/images/pdf/2015/janeiro/06/Livro-2-completo-para-site-com-ISBN.pdf
    » http://portalarquivos.saude.gov.br/images/pdf/2015/janeiro/06/Livro-2-completo-para-site-com-ISBN.pdf
  • 7
    Sesso R, Lopes AA, Thomé FS, Bevilacqua JL, Romão Junior JE, Lugon J. Relatório do censo brasileiro de diálise crônica 2008. J Bras Nefrol. 2008 out-dez; 30(4):233-8.
  • 8
    Silva GD, Acúrcio FA, Cherchiglia ML, Guerra Júnior AA, Andrade EIG. Medicamentos excepcionais para doença renal crônica: gastos e perfil de utilização em Minas Gerais, Brasil. Cad Saúde Pública. 2011 fev;27(2):357-68.
  • 9
    Fundação Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. [Internet]. Censo Demográfico 2010 [Internet]. - 2010 [citado 2017 mar 30]. Disponível em: Disponível em: http://censo2010.ibge.gov.br/
    » http://censo2010.ibge.gov.br/
  • 10
    Centro Brasileiro de Classificação de Doenças. Classificação estatística internacional de doenças e problemas relacionados à saúde (CID-10) [Internet]. - 2015 [citado 2015 abr 6]. Disponível em: Disponível em: http://www.datasus.gov.br/cid10/V2008/cid10.htm
    » http://www.datasus.gov.br/cid10/V2008/cid10.htm
  • 11
    Brandão CMR, Guerra Júnior AA, Cherchiglia ML, Andrade EIG, Almeida AM, Dias da Silva G, et al. Gastos do Ministério da Saúde do Brasil com medicamentos de alto custo: uma análise centrada no paciente. Value Health. 2011 Jul-Aug; 14(5)Suppl:S71-7.
  • 12
    Acurcio FA, Brandão CMR, Guerra Júnior AA, Cherchiglia ML, Andrade IG, Almeida AM, et al. Perfil demográfico e epidemiológico dos usuários de medicamentos de alto custo no Sistema Único de Saúde. Rev Bras Estud Popul. 2009 dez;26(2):263-82.
  • 13
    Wiens A, Grochocki MC, Pontarolli DRS, Venson R, Correr CJ, Pontarolo R. Perfil dos usuários de anticitocinas disponibilizadas pelo Sistema Único de Saúde no estado do Paraná para o tratamento da artrite reumatoide. Rev Bras Reumatol. 2012 mar-abr;52(2):208-13.
  • 14
    Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Pesquisa nacional por amostra de domicílios [Internet]. - 2008 [citado 2017 jun 19]. Disponível em: Disponível em: http://www.ibge.gov.br/home/estatistica/populacao/trabalhoerendimento/pnad2008/default.shtm
    » http://www.ibge.gov.br/home/estatistica/populacao/trabalhoerendimento/pnad2008/default.shtm
  • 15
    Pastorino AC, Accioly AP, Lanzellotti R, Camargo MCD, Jacob CMA, Grumach AS. Asma - aspectos clínico-epidemiológicos de 237 pacientes de um ambulatório pediátrico especializado. J Pediatr. 1998 jan-fev;74(1):49-58.
  • 16
    Moraes LSL, Barros MD, Takano OA, Assami NMC. Fatores de risco, aspectos clínicos e laboratoriais da asma em crianças. J Pediatr. 2001 nov-dez;77(6):447-54.
  • 17
    Morais-Almeida M, Pité H, Pereira AM, Nunes C, Fonseca J. Asma e rinite no idoso: estudo epidemiológico nacional. Rev Port Imunoalergologia. 2014 mar; 22(1):33-42.
  • 18
    Louzada-Junior P, Souza BDB, Toledo RA, Ciconelli RM. Análise descritiva das características demográficas e clínicas de pacientes com artrite reumatóide no estado de São Paulo, Brasil. Rev Bras Reumatol. 2007 mar-abr;47(2):84-90.
  • 19
    Ferraz MB, Soarez PC, Riera R, Ciconelli RM. Conduta no diagnóstico e tratamento dos pacientes com artrite reumatóide no Brasil - respostas dos médicos a um questionário de avaliação. Acta Reum Port. 2009 jan-mar;34(1):44-51.
  • 20
    Blumenauer BTBB, Judd M, Wells GA, Burls A, Cranney A, Hochberg MC, et al. Infliximab for the treatment of rheumatoid arthritis. Cochrane Database Syst Rev. 2002 Jul;(3):CD003785.
  • 21
    Emery P, Fleischmann R, Filipowicz-Sosnowska A, Schechtman J, Szczepanski L, Kavanaugh A, et al. The efficacy and safety of rituximab in patients with active rheumatoid arthritis despite methotrexate treatment: results of a phase IIB randomized, double-blind, placebo-controlled, dose-ranging trial. Arthritis Rheum. 2006 May;54(5):1390-400.
  • 22
    Carias CM, Vieira FS, Giordano CV, Zucchi P. Medicamentos de dispensação excepcional: histórico e gastos do Ministério da Saúde do Brasil. Rev Saúde Pública. 2011 abr;45(2):233-40.
  • 23
    Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Saúde mental no SUS: os centros de atenção psicossocial [Internet]. Brasília (DF): Ministério da Saúde ; 2004 [citado 2017 jun 19]. 86 p. Disponível em: Disponível em: http://www.ccs.saude.gov.br/saude_mental/pdf/sm_sus.pdf
    » http://www.ccs.saude.gov.br/saude_mental/pdf/sm_sus.pdf
  • 24
    Santana ML, Carmagnani MI. Programa saúde da família no Brasil: um enfoque sobre seus pressupostos básicos, operacionalização e vantagens. Saúde Soc. 2001 jul;10(1):33-53.
  • 25
    Paiva DCP, Bersusa AAS, Escuder MML. Avaliação da assistência ao paciente com diabetes e/ou hipertensão pelo Programa Saúde da Família do Município de Francisco Morato, São Paulo, Brasil. Cad Saúde Pública. 2006 fev;22(2):377-85.
  • 26
    Guerra Junior AA, Acúrcio FA, Andrade EIG, Cherchiglia ML, Cesar CC, Queiroz OV, et al. Ciclosporina versus tacrolimus no transplante renal no Brasil: uma comparação de custos. Cad Saúde Pública. 2010 jan;26(1):163-74.
  • 27
    Abbud-Filho M, Baptista MASF, Carvalho DBM, Figueiro JMG, Garcia VD, Gonçalves LFS, et al. Conversão para micofenolato de sódio em pacientes receptores de transplante renal em manutenção: análise multicêntrica retrospectiva. J Bras Transpl. 2007 out-dez;10(4):817-21.
  • 28
    Blatt CR, Farías MR. Diagnóstico do Programa de Medicamentos Excepcionais do Estado de Santa Catarina - Brasil. Lat Am J Pharm. 2007;26(5):776-83.
  • 29
    Venson R, Wiens A, Correr CJ, Otuki MF, Grochocki MC, Pontarolli DRS, et al. Avaliação econômica das anticitocinas adalimumabe, etanercepte e infliximabe no tratamento da artrite reumatoide no Estado do Paraná. Physis. 2011;21(2):359-76.
  • 30
    Monteiro RDC, Zanini AC. Análise de custo do tratamento medicamentoso da artrite reumatóide. Rev Bras Cienc Farm. 2008 jan-mar;44(1):25-33.

Contribuição dos autores

  • *
    Manuscrito redigido com base em dissertação acadêmica intitulada ‘Perfil dos usuários de medicamentos do Componente Especializado da Assistência Farmacêutica no município de São Leopoldo, RS’, defendida por Mariani Sopelsa junto ao Programa de Pós-Graduação em Saúde Coletiva, Universidade do Vale do Rio dos Sinos (UNISINOS), São Leopoldo-RS, em 2015.

Datas de Publicação

  • Publicação nesta coleção
    Oct-Dec 2017

Histórico

  • Recebido
    28 Nov 2016
  • Aceito
    05 Jun 2017
Secretaria de Vigilância em Saúde - Ministério da Saúde do Brasil SRTVN Quadra 701, Via W S Norte, Lote D, Edifícil P0700, CEP: 70719-040, +55 61 3315-3464, Fax: +55 61 3315-3464 - Brasília - DF - Brazil
E-mail: revista.svs@saude.gov.br