Efeitos da suplementação de vitamina C sobre a fase aguda da doença de Chagas em camundongos experimentalmente infectados pela cepa QM1 de Trypanosoma cruzi

As alterações teciduais que ocorrem na doença de Chagas estão relacionadas ao grau de estresse oxidativo e à capacidade antioxidante do tecido afetado. Estudos realizados com suplementação de vitamina C revelaram redução no dano oxidativo causado no hospedeiro pela doença de Chagas, porém outros estudos citam o uso de peroxiredoxinas dependentes de ascorbato pelo T. cruzi para se proteger da ação imune. Com base nessas proposições, trinta camundongos "Swiss" foram infectados com a cepa QM1 de T. cruzi e tratados com duas diferentes doses de vitamina C para estudar a evolução da parasitemia, alterações histopatológicas e dosagem de biomarcadores de peroxidação lipídica durante a fase aguda da doença de Chagas. Os resultados mostraram que a parasitemia foi maior nos animais que receberam uma superdosagem de vitamina C. Não houve diferenças significativas quanto aos biomarcadores de peroxidação lipídica e houve maior processo inflamatório no miocárdio dos animais tratados com dosagem recomendada. O maior crescimento parasitário ao fim da fase aguda sugere benefício de altas doses de vitamina C aos tripomastigotas. A suplementação não exerceu influência sobre a produção de radicais livres e o número de ninhos de amastigotas na fase aguda da doença de Chagas.


Instituto de Medicina Tropical de São Paulo Av. Dr. Enéas de Carvalho Aguiar, 470, 05403-000 - São Paulo - SP - Brazil, Tel. +55 11 3061-7005 - São Paulo - SP - Brazil
E-mail: revimtsp@usp.br