Suscetibilidade de "híbridos" de Biomphalaria tenagophila à cepa LE (BH) do Schistosoma mansoni

Susceptibility of Biomphalaria tenagophila "hybrids" to the strain LE (BH) of Schistosoma mansoni

José Rabelo de Freitas Maria Beatriz Boschi Mairy Barbosa Loureiro dos Santos Sobre os autores

"Híbridos" de Biomphalaria tenagophila provenientes dos cruzamentos de linhagens albinas de Belo Horizonte (BH) ou de Joinvile (SC), com melânicos de Cabo Frio (CF), do Taim (Ta) ou de Curitiba (PR), submetidos à infecção pela cepa do Schistosoma mansoni de Belo Horizonte (=LE), apresentaram os seguintes resultados: em F1, os "híbridos" TaSC, PRSC e CFTa exibiram taxas de 4,5%, 12,5% e 11,2% de suscetibilidade; em F2, todos os "híbridos" foram negativos e em F3, um exemplar albino, filho de (CFBH) ². TaBH se infectou com a LE. Dentre os controles, a B. glabrata apresentou taxas de 66,7 a 93,6% de suscetibilidade à LE e a B. tenagophila de Joinvile exibiu taxas de infecção de 17,1 e 33,3% pela cepa SJ; e os "híbridos" BHTa e BHCF, taxas de 6,0 a 53,8% também pela cepa SJ. Houve grande influência da linhagem materna nas taxas de suscetibilidade. Devido ao fato de descendentes do cruzamento de linhagens refratárias a LE (CF, Ta e BH), terem se infectado, é recomendado o uso de "híbridos" para a detecção de gens de suscetibilidade em tais linhagens. São ainda discutidas, a necessidade do uso de maior número de miracídios nos testes de infecção e a falta de relação entre a freqüência de contatos parasitas-hospedeiros e as taxas de infectividade. Considerando que estas dependem de características genéticas preexistentes na população, a cepa LE seria uma variedade genética (ou raça) distinta da cepa SJ, dotada de pouca aptidão em infectar as diversas populações de B. tenagophila, exceto a de Joinvile (SC).


Instituto de Medicina Tropical de São Paulo Av. Dr. Enéas de Carvalho Aguiar, 470, 05403-000 - São Paulo - SP - Brazil, Tel. +55 11 3061-7005 - São Paulo - SP - Brazil
E-mail: revimtsp@usp.br
Accessibility / Report Error