Falha da azitromicina e do antimonial no tratamento da leishmaniose cutânea em Manaus, AM, Brasil

Com o objetivo de avaliar a eficácia da azitromicina no tratamento da leishmaniose cutânea, foi realizado ensaio comparativo, em Manaus. Foram recrutados 49 pacientes de ambos os sexos, com idades entre 14 e 70 anos que apresentassem úlceras cutâneas com menos de três meses de evolução e que tivessem exame direto positivo para amastigotas de leishmânia. Estes pacientes foram alocados em dois grupos assim: Grupo I (26) recebeu uma dose diária de 500 mg de azitromicina pela via oral durante 20 dias e o Grupo II, recebeu uma dose diária de 20 mg/kg de antimoniato de meglumina por via intramuscular, durante 20 dias. Do grupo da azitromicina, três (12,5%) de 24 pacientes curaram 60, 90 e 120 dias, respectivamente, enquanto, em 21 (87,5%) de 24 houve falha terapêutica. No grupo do antimonial, oito (42,5%) de 19 pacientes curaram como segue: três no dia 30, um no dia 60, um no dia 90 e três no dia 120. Contudo, em 11 (57,9%) de 19 casos, houve falha terapêutica. A azitromicina foi menos eficaz do que o antimonial, embora, a análise da taxa de resposta por intenção de tratamento não mostrou diferença significativa, entre eles. A azitromicina foi melhor tolerada; porém, mostrou-se pouco eficaz no tratamento da leishmaniose cutânea, em Manaus.

Azithromycin; Antimony; Leishmaniasis; Leishmania spp.


Instituto de Medicina Tropical de São Paulo Av. Dr. Enéas de Carvalho Aguiar, 470, 05403-000 - São Paulo - SP - Brazil, Tel. +55 11 3061-7005 - São Paulo - SP - Brazil
E-mail: revimtsp@usp.br