Ensaio clínico aleatório duplo cego com cloroquina em dose alta para tratamento da malária por Plasmodium falciparum no Brasil

Comparou-se a eficácia parasitológica, níveis de resistência "in vivo" e efeitos colaterais da cloroquina oral nas dosagens de 25 mg/kg e 50 mg/kg no tratamento da malária por Plasmodium falciparum com seguimento de 30 dias. O estudo foi conduzido de agosto de 1989 a abril de 1991 e incluiu 124 pacientes, selecionados aleatoriamente em blocos de 10 pacientes, do ambulatório da Fundação Nacional de Saúde-Goiânia, Brasil. Todos os pacientes eram procedentes da Bacia Amazônica e Brasil - Central, sendo 58 alocados no grupo de 25 mg/kg (C25) e 66 no grupo de 50 mg/kg (C50). Os efeitos colaterais foram mínimos em ambos os grupos. A taxa de cura no C50 foi 89,4% no dia 7 e 71,2% no dia 14 enquanto para o C25 as taxas foram de 44,8% e 24,1%, respectivamente. Setenta e quatro por cento dos pacientes do C25 e 48,4% no C50 apresentaram parasitemia detectável no dia 30. Entretanto, houve uma queda da média geométrica da densidade parasitária (MGDP) em ambos os grupos, especialmente no C50. Resistência tipo III e II foi detectada respectivamente em 24,1% e 13,8% dos pacientes no grupo C25. No grupo de 50 mg/kg não foi detectado nenhum caso de RII registrando-se apenas um caso de RIII. Um grande número de RI tardio foi detectado em ambos os grupos, o que poderia retardar o tempo de portador e contribuir para disseminação de cepas resistentes. Desta forma, o presente estudo conclui que cloroquina, em qualquer das doses testadas, não deve ser utilizada no tratamento da malária por P. falciparum, em nosso meio.


Instituto de Medicina Tropical de São Paulo Av. Dr. Enéas de Carvalho Aguiar, 470, 05403-000 - São Paulo - SP - Brazil, Tel. +55 11 3061-7005 - São Paulo - SP - Brazil
E-mail: revimtsp@usp.br