Aspectos soroepidemiológicos da infecção humana por Strongyloides stercoralis no Chile

Entre os anos de 2001-2003 foram coletadas amostras de sangue de 675 pacientes de dois hospitais psiquiátricos da região central do Chile, 172 de indivíduos sadios (médicos, enfermeiros e paramédicos) destas instituições e 1200 de doadores de sangue de cidades das regiões norte (Arica e Antofagasta), central (Valparaiso e Santiago) e sul (La Union) para determinar a frequência de anticorpos anti Strongyloides stercoralis mediante a reação de enzyme linked immunosorbent assay (ELISA). Foram observadas soropositividade de 12.1% em pacientes de hospitais psiquiátricos e de 0,25% em doadores de sangue (p < 0.05). Todas as amostras dos indivíduos sadios foram não reagentes. Entre os doadores de sangue a soropositividade ocorreu somente nos indivíduos de Arica (1,0%) e La Union (0,5%) sugerindo que a estrongiloidíase poderia estar localizada em determinadas áreas geográficas do país. Conclui-se que no Chile as infecções por S. stercoralis seriam endêmicas, de baixa freqüência e afetando especialmente grupos de risco como os pacientes psiquiátricos.


Instituto de Medicina Tropical de São Paulo Av. Dr. Enéas de Carvalho Aguiar, 470, 05403-000 - São Paulo - SP - Brazil, Tel. +55 11 3061-7005 - São Paulo - SP - Brazil
E-mail: revimtsp@usp.br