Soro-conversão e avaliação das alterações renais em cães infectados por Leishmania (Infantum) chagasi

Georgia Brenda Barros Alves Lucilene dos Santos Silva Joilson Ferreira Batista Ângela Piauilino Campos Maria das Graças Prianti Francisco Assis Lima Costa Sobre os autores

Este estudo investigou o período em que o cão torna-se positivo para leishmaniose visceral (VL) em área endêmica e as alterações renais no período recente pós-infecção. Cães negativos para VL foram avaliados clinicamente a cada três meses por testes sorológicos, parasitológicos e bioquímicos até a soro-conversão e seis meses após. Foram colhidos tecido renal de seis cães, submetidos a processamento de rotina e corados com HE, PAS e Masson e as lesões foram classificadas com base nos critérios da OMS. Dos 40 cães nagativos para VL, 25 (62,5%) apresentaram sorologia positiva durante o estudo. Desses, 15 (60%) tornaram-se positiva nos primeiros três meses, cinco (20%) tornaram-se positivas dentro de seis meses e cinco (20%) tornaram-se positivas dentro de nove meses. Os cães apresentavam títulos de anticorpos entre 1:40 e 1:80, e 72% mostraram sinais clínicos. Antígeno de Leishmania estava presente no rim. Foram encontrados níveis mais elevados de proteína total e globulina, e menores níveis de albumina em cães infectados quando comparados aos controles. Além disso, os cães infectados apresentaram níveis de uréia e creatinina maior do que os cães controles. Glomerulonefrite foi observada em cinco cães. Os resultados sugerem que em Teresina a soro-conversão para VL ocorre rapidamente e os cães apresentam proteínas séricas anormais e alterações na estrutura e função dos rins em um período recente pós-infecção.


Instituto de Medicina Tropical de São Paulo Av. Dr. Enéas de Carvalho Aguiar, 470, 05403-000 - São Paulo - SP - Brazil, Tel. +55 11 3061-7005 - São Paulo - SP - Brazil
E-mail: revimtsp@usp.br