O efeito da infecção por Schistosoma mansoni na morbidade infantil no Estado da Bahia, Brasil: I — Análise do nível ecológico

The effect of Schistosoma Mansoni infection on child morbidity in the state of Bahia, Brazil: I— analysis at the ecological level

Mauriclo L. Barreto Sebastião Loureiro

Resumos

Esta investigação foi levada a efeito em 10 pequenas cidades do Estado da Bahia (Nordeste do Brasil), escolhidas através de um processo amostrai. O objetivo foi estudar as correlações entre as prevalências de hepatomegalia e esplenomegalia, em diferentes áreas, com a prevalência e a intensidade da infecção pelo S. mansoni nas mesmas áreas. Nossas conclusões são: a) a morbidade esquistossomótica (prevalências de hepatomegalia e esplenomegalia) foi diretamente correlacionada com a prevalência e a intensidade da infecção; b) a intensidade da infecção (medida pelo número de ovos nas fezes) mostrou ser um bom indicador do grau de morbidade, explicando a variação da morbidade entre as áreas melhor que a prevalência da infecção; c) a prevalência de esplenomegalia e o tamanho médio do fígado abaixo do rebordo costal na linha me dio-esternal são bom indicadores da prevalência e da intensidade da infecção pelo S. mansoni na comunidade. Nossas conclusões trazem a possibilidade da construção de equações de regressão definitivas entre indicadores de morbidade e indicadores de infecção, de tal forma que o valor de um possa ser usado para predizer o valor do outro.


This investigation was carried out in 10 small towns of the State of Bahia (Northeastern Brazil). The objective was to study the correlations between the prevalences of liver and spleen enlargment in different areas and the prevalence and intensity of Schistosoma mansoni infection in the same areas. Our conclusions are that: a) schistosomiasis mansoni morbidity (prevalences of hepatomegaly and splenomegaly) was directly correlated to the prevalence and intensity of infection; b) the intensity of infection of a community is a good indicator of morbidity and explain the morbidity variation between areas better than the prevalence of infection; c) the prevalence of splenomegaly and the mean size of the liver in the mid-sternal line appear to be good indicators of the S. mansoni prevalence and intensity of infection in a community. Our conclusions raised the possibility of construction of definitive regressions equations between indicators of morbidity and indicators of infection, so that the value of one could be used to predict the other.


The effect of Schistosoma Mansoni infection on child morbidity in the state of Bahia, Brazil. I— analysis at the ecological level (* (* ) Department of Preventive Medicine, Federal University o£ Bahia. Vale do Canela, 40.000 Salvador-Ba., BRASIL This work was partially supported by a research grant from CNPq )

O efeito da infecção por Schistosoma mansoni na morbidade infantil no Estado da Bahia, Brasil. I — Análise do nível ecológico

Maurício L. Barreto; Sebastião Loureiro

SUMMARY

This investigation was carried out in 10 small towns of the State of Bahia (Northeastern Brazil). The objective was to study the correlations between the prevalences of liver and spleen enlargment in different areas and the prevalence and intensity of Schistosoma mansoni infection in the same areas. Our conclusions are that: a) schistosomiasis mansoni morbidity (prevalences of hepatomegaly and splenomegaly) was directly correlated to the prevalence and intensity of infection; b) the intensity of infection of a community is a good indicator of morbidity and explain the morbidity variation between areas better than the prevalence of infection; c) the prevalence of splenomegaly and the mean size of the liver in the mid-sternal line appear to be good indicators of the S. mansoni prevalence and intensity of infection in a community. Our conclusions raised the possibility of construction of definitive regressions equations between indicators of morbidity and indicators of infection, so that the value of one could be used to predict the other.

RESUMO

Esta investigação foi levada a efeito em 10 pequenas cidades do Estado da Bahia (Nordeste do Brasil), escolhidas através de um processo amostrai. O objetivo foi estudar as correlações entre as prevalências de hepatomegalia e esplenomegalia, em diferentes áreas, com a prevalência e a intensidade da infecção pelo S. mansoni nas mesmas áreas. Nossas conclusões são: a) a morbidade esquistossomótica (prevalências de hepatomegalia e esplenomegalia) foi diretamente correlacionada com a prevalência e a intensidade da infecção; b) a intensidade da infecção (medida pelo número de ovos nas fezes) mostrou ser um bom indicador do grau de morbidade, explicando a variação da morbidade entre as áreas melhor que a prevalência da infecção; c) a prevalência de esplenomegalia e o tamanho médio do fígado abaixo do rebordo costal na linha me dio-esternal são bom indicadores da prevalência e da intensidade da infecção pelo S. mansoni na comunidade. Nossas conclusões trazem a possibilidade da construção de equações de regressão definitivas entre indicadores de morbidade e indicadores de infecção, de tal forma que o valor de um possa ser usado para predizer o valor do outro.

Texto completo disponível apenas em PDF.

Full text available only in PDF format.

Recebido para publicação em 7/12/1983.

  • 1. BARBOSA, F. S. Morbidade da Esquistossomose. Rev. Bras. Malariol. Doenças Trop. (Especial issue) 3-159, 1966.
  • 2. BARRETO, M. L. Esquistossomose Mansônica. Distribuição da Doença e Organização Social do Espaço. [MSc. Thesis, Federal University of Bahia, Salvador, 1982]
  • 3
    BRASIL. SEPLAN. FIBGE. ù Tabulações avançadas do Censo Demográfico. IX Recenseamento Geral do Brasil, 1980. Vol. 1, Tomo 2, Rio de Janeiro, 1981.
  • 4. CHEEVER, A. W. A quantitative post morten study of schistosomiasis mansoni in man. Am. J. Trop. Med. Hyg. 17 : 38-64, 1968.
  • 5. COOK, J. A.; BAKER, S. T.; WARREN, K. S. & JORDAN, P. A controlled study of morbidity of schistosomiasis mansoni in St. Lucia children, based on quantitative egg excretion. Am. J. Trop. Med. Hyg. 23: 625-636, 1974.
  • 6. DALTON, P. A socio-ecological approach to the control of Schistosoma mansoni in St. Lucia, Bull. Wld. Hlth. Org. 54: 587-595, 1976.
  • 7. FREITAS, C. A. Situação atual da esquistossomose no Brasil. Rev. Bras. Malariol. Doenças Trop. 24: 3-63, 1972.
  • 8. HUSTING, E. L. Sociologicial patterns and their influence on the transmission of bilharziasis. Centr. Afr. J. Med. 16: 5-10, 1970.
  • 9. JORDAN, P. Schistosomiasis and Disease. In: MILLER, M. J. (ed.). Proceedings of a Symposium on the Future of Schistosomiasis Control. New Orleans, Tulane University, 1972, pp. 17-23.
  • 10. JORDAN, P. & WEBBE, G. Epidemiology. In: JORDAN, P. & WEBBE, G. (eds.). Schistosomiasis. Epidemiology, Treatment and Control. London, Heineman, 1982, pp. 227-292.
  • 11. KATZ, N.; CHAVES, A. & PELLEGRINO, J. A simple device for quantitative determination of S. mansoni eggs in faeces examined by the thick-smear technique. Rev. Inst. Med. trop. São Paulo 14: 397-400, 1972.
  • 12. KLOTZEL, K. Splenomegaly in schistosomiasis mansoni. Am. J. Trop. Med. Hyg. 11: 472-476, 1962.
  • 13. KLOTZEL, K. "Selective" chemotherapy for schistosomiasis mansoni. Trans. R. Soc. Trop. Med. Hyg. 69: 344, 1974.
  • 14. LEHMAN, J. S.; MOTT, K. E.; MORROW, R. H.; MUNIZ, T. M, & BOYER, M. H. The intensity and effects of infection with Schistosoma mansoni in a rural community in Northeast Brazil. Am. J. Trop. Med. Hyg. 25: 285-294, 1976.
  • 15. LIMA, E. C. Expansão da esquistossomose mansônica nos Estados de São Paulo e Paraná, face aos movimentos migratórios. An. Fac. Med. Univ. Fed. Paraná 9/10: 93-112, 1966-1967.
  • 16. LOUREIRO, S. Schistosomiasis mansoni in children an epidemiological study of patterns of water exposure using path analysis. [PhD Thesis, University of Texas, Huston, 1978]
  • 17. MUELLER, J. H.; SCHUESSLER, K. F. & COSTNER, H. L. Statistics Reasoning in Sociology. Boston, Houghton Mifflin, 1970.
  • 18. PAULLINI, E. FREITAS, C A. & AQUIRRE, G. H. Control of schistosomiasis in Brazil. In: MILLER, M. J. (ed.). Proceedings of a Symposium on the Future of Schistosomiasis Control. New Orleans, Tulane University, 1972, pp. 104-110.
  • 19. PELLON, A. B. & TEIXEIRA, I. Distribuição da Esquistossomose Mansônica no Brasil. Rio de Janeiro, Divisão de Organização Sanitária, 1950.
  • 20. PRATA, A. & BINA, J. C. Development of the hepatosplenic form.of schistosomiasis. Gaz. Med. Bahia 68: 49-60, 1968.
  • 21. SIONGOK, T. K. A.; MAHMOUD, A. A. F.; OUMA, J. H.; WARREN, K. S.; MULLER, A. S.: HANDA, A. K. & HOUSER, H. B. Morbidity of schistosomiasis mansoni in relation to intensity of infection: study - of a community in Machakos. Kenya. Am. J. Trop. Med. Hyg. 25 : 273-284, 1976.
  • 22. WARREN, K. S. & MAHMOUD, A. A. F. Targeted mass treatment: a new approach to the control of schistosomiasis. Trans. Ass. Amer. Phys. 89: 195-202, 1976.
  • 23. WORLD HEALTH ORGANIZATION Schistosomiasis control. Tech. Rep. Series, Number 515, Geneva, 1973.

  • (*
    ) Department of Preventive Medicine, Federal University o£ Bahia. Vale do Canela, 40.000 Salvador-Ba., BRASIL This work was partially supported by a research grant from CNPq

Datas de Publicação

  • Publicação nesta coleção
    08 Abr 2013
  • Data do Fascículo
    Ago 1984

Histórico

  • Recebido
    07 Dez 1983
Instituto de Medicina Tropical de São Paulo Av. Dr. Enéas de Carvalho Aguiar, 470, 05403-000 - São Paulo - SP - Brazil, Tel. +55 11 3061-7005 - São Paulo - SP - Brazil
E-mail: revimtsp@usp.br