Avaliação em camundongo da eficácia do antiveneno administrado no local da inoculação intramuscular do veneno de Crotalus durissus terrificus

Evaluation in mice, of the antivenom efficacy injected at the same place of the intramuscular inoculation of the Crotalus durissus terrificus venom

Resumos

A eficácia do antiveneno crotálico por via intramuscular (im) no local da inoculação, também im, do veneno de Crotalus durissus terrificus foi avaliada em camundongos. Em três experimentos inocularam-se duas DLSO do veneno por via im e administrou-se o antiveneno de três formas: metade da DE50 por via intraperitoneal (ip) e metade por via im, no mesmo local, imediatamente após (1º) e 30' após (2º) a inoculação do veneno; quatro quintos de DE50 por via ip e um quinto por via im, no mesmo local e 30' após a inoculação do veneno (3º). O antiveneno ofereceu, por via ip, maior proteção aos camundongos (menor taxa de óbito em 48 horas) do que quando foi administrado, em parte, por via im, no local da inoculação do veneno (p<0,05). Infere-se, portanto, que esta via não deve ser rotineiramente utilizada em seres humanos picados por serpente.

Crotalus durissus terrificus; Veneno; Antiveneno; DL50; DE50


The efficacy of the Crotalus durissus terrificus antivenom administration by intramuscular (im) injection at the same place of the im inoculation, of the C. d. terrificus venom was evaluated in mice. In three experiments two DL50 of the venom were inoculated and the antivenom was administered in three differents ways: half of the ED50 by intraperitoneal (ip) administration and half by injection, at the same place, immediatelly after the venom inoculation and thirty minutes after the im venom inoculation; four fifth of ED50 by ip administration and one fifth by injection, at the same place and thirty minutes after the venom inoculation. The antivenom that was administred by intraperitoneal route provided a higher protection to mice (a lower death rate in a 48 hours period) than when it was administred in parts, by intramuscular injection, at the same place of the venom inoculation (p<0,05). Therefore, it is concluded that this should not be used in human beings bitten by snakes.


ARTIGOS ORIGINAIS

Avaliação em camundongo da eficácia do antiveneno administrado no local da inoculação intramuscular do veneno de Crotalus durissus terrificus

Evaluation in mice, of the antivenom efficacy injected at the same place of the intramuscular inoculation of the Crotalus durissus terrificus venom

Lindioneza Adriano RibeiroI; Carla Lilian Agostini UtescherII; Silvia Lucia Paro VieiraII; Sara FensterseiferII; Helena MukunoII; Miguel Tanús JorgeI

IHospital Vital Brazil do Instituto Butantan, São Paulo

IISeção de Controle de Qualidade do Instituto Butantan

Endereço para correspondência

RESUMO

A eficácia do antiveneno crotálico por via intramuscular (im) no local da inoculação, também im, do veneno de Crotalus durissus terrificus foi avaliada em camundongos. Em três experimentos inocularam-se duas DLSO do veneno por via im e administrou-se o antiveneno de três formas: metade da DE50 por via intraperitoneal (ip) e metade por via im, no mesmo local, imediatamente após (1º) e 30' após (2º) a inoculação do veneno; quatro quintos de DE50 por via ip e um quinto por via im, no mesmo local e 30' após a inoculação do veneno (3º). O antiveneno ofereceu, por via ip, maior proteção aos camundongos (menor taxa de óbito em 48 horas) do que quando foi administrado, em parte, por via im, no local da inoculação do veneno (p<0,05). Infere-se, portanto, que esta via não deve ser rotineiramente utilizada em seres humanos picados por serpente.

Unitermos: Crotalus durissus terrificus; Veneno; Antiveneno; DL50, DE50

SUMMARY

The efficacy of the Crotalus durissus terrificus antivenom administration by intramuscular (im) injection at the same place of the im inoculation, of the C. d. terrificus venom was evaluated in mice. In three experiments two DL50 of the venom were inoculated and the antivenom was administered in three differents ways: half of the ED50 by intraperitoneal (ip) administration and half by injection, at the same place, immediatelly after the venom inoculation and thirty minutes after the im venom inoculation; four fifth of ED50 by ip administration and one fifth by injection, at the same place and thirty minutes after the venom inoculation.

The antivenom that was administred by intraperitoneal route provided a higher protection to mice (a lower death rate in a 48 hours period) than when it was administred in parts, by intramuscular injection, at the same place of the venom inoculation (p<0,05). Therefore, it is concluded that this should not be used in human beings bitten by snakes.

Texto completo disponível apenas em PDF.

Full text available only in PDF format.

Recebido para publicação em 14/5/1992

Aceito para publicação em 18/11/1992

Dados parcialmente apresentados no VI Congresso Brasileiro de Toxicologia - São Paulo - SP, Brasil, 1989. Trabalho realizado na Seção de Controle de Qualidade do Instituto Butantan.

  • 1
    BRAZIL, V. - A defesa contra o ophidismo. São Paulo, Pocai & Weiss, 1911.
  • 2
    FONSECA, F. - Animais peçonhentos. São Paulo, Empresa Gráfica da Revista dos Tribunais, 1949.
  • 3
    JORGE, M.T. & RIBEIRO, L.A. - Acidentes por animais peçonhentos. In: AMATO NETO, V. & BALDY, J.L.S., ed. Doenças transmissíveis. 3 ed. São Paulo, Sarvier, 1989. p. 133-141.
  • 4
    JORGE, M.T. & RIBEIRO, L.A. - Acidentes por peçonhentos e outros animais. In: FELIPPE JUNIOR, J., ed. Pronto Socorro. 2 ed. Rio de Janeiro, Guanabara Koogan, 1990. p.846-852.
  • 5
    JORGE, M.T. & RIBEIRO, L.A. - Acidentes por serpentes peçonhentas do Brasil. Rev. Ass. méd. bras., 36: 66, 1990.
  • 6
    JORGE, M.T. & RIBEIRO, L.A. - Epidemiologia e quadro clínico do acidente por Crotalus durissus. Rev. Inst. Med. trop. S. Paulo, 34: 347-354, 1992.
  • 7
    MINISTÉRIO DA SAÚDE, CENTRO DE DOCUMENTAÇÃO DO MINISTÉRIO DA SAÚDE - Manual de diagnóstico e tratamento de acidentes ofídicos. 1987.
  • 8
    RESENDE, C.C.; ARAUJO, F.A.A. & SALLENAVE, R.N.U.R. - Análise epidemiológica dos acidentes ofídicos. Brasília, Ministério da Saúde. Secretaria Nacional de Ações Básicas de Saúde, 1989.
  • 9
    RIBEIRO, L.A.; PIRES DE CAMPOS, V.A.F.; ALBUQUERQUE, M.J. & TAKAOKA, N.Y. - Epidemiological and clinical aspects of accidents due to poisonous snakes in the State of São Paulo, Brazil, from 1986 to 1988. Toxicon, 28: 621, 1990.
  • 10
    ROSENFELD, G. - Acidentes por animais peçonhentos; serpentes aranhas e escorpiões. In: VERONESI, R., ed. Doenças infecciosas e parasitárias. 8 ed. Rio de Janeiro, Guanabara Koogan, 1991. p.951-962.
  • 11
    SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE, INSTITUTO BUTANTAN. HOSPITAL VITAL BRAZIL - Manual para o atendimento dos acidentes humanos por animais peçonhentos. São Paulo, 1982.
  • 12
    UTESCHER, C.L.A.; VIEIRA, S.L.P.; RIBEIRO, L.A. & JORGE M.T. - Determinação da dose efetiva 50% (DE50) do antiveneno de Crotalus durissus terrificus produzido no Instituto Butantan. Rev. Soc. bras. Toxicol., 2 (supl.): trab. 2.45, 1989.
  • 13
    UTESCHER, C.L.A.; VIEIRA, S.L.P.; FENSTERSEIFER, S.; RIBEIRO, L.A. & JORGE M.T. - Comparação da eficácia da administração do antiveneno de Crotalus durissus terrificus por via intraperitoneal e intravenosa. In: CONGRESSO DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE MEDICINA TROPICAL, 24, Natal, 1990. Programa e resumos. 1990. p.96-97.
  • 14
    VIEIRA, S.L.P.; UTESCHER, C.L.A.; RIBEIRO, L.A. & JORGE, M.T. - Determinação da dose letal 50% (DL50) do veneno padrão de Crotalus durissus terrificus inoculado por via intramuscular. Rev. Soc. bras. Toxicol., 2 (supl): trab. 2.46, 1989.
  • 15
    WEINSTEIN, L. - Tetanus. In: FEIGIN, R.D. & CHERRY, J.D. Textbook of Pediatric Infectious Diseases. 2.ed. Philadelphia, Saunders, 1987.
  • 16
    WORLD HEALTH ORGANIZATION - Progress in the characterization of venoms and standardization of antivenoms. Geneva, 1981. (Who Offset Publication No. 58).

  • Endereço para correspondência:
    Dra. Lindioneza Adriano Ribeiro
    Hospital Vital Brazil, Instituto Butantan
    Av. Vital Brazil, 1500
    Caixa Postal 65
    CEP 05504 São Paulo, SP, Brasil

Datas de Publicação

  • Publicação nesta coleção
    11 Set 2006
  • Data do Fascículo
    Fev 1993

Histórico

  • Aceito
    18 Nov 1992
  • Recebido
    14 Maio 1992
Instituto de Medicina Tropical de São Paulo Av. Dr. Enéas de Carvalho Aguiar, 470, 05403-000 - São Paulo - SP - Brazil, Tel. +55 11 3061-7005 - São Paulo - SP - Brazil
E-mail: revimtsp@usp.br