Oograma em camundongos infectados com Schistosoma mansoni e tratados com dexametasona

Camundongos infectados com cerca de 90 cercárias da cepa LE de Schistosoma mansoni foram tratados durante 5 dias consecutivos com dexametasona (50mg/ Kg, subcutaneamente) a partir do 42º dia de infecção. Grupos de cinco camundongos foram sacrificados diariamente após o primeiro dia do início do tratamento até o primeiro dia após o término. A perfusão do sistema porta foi feita e fragmentos do intestino foram processados para a realização de oogramas qualitativos e quantitativos. O tratamento leva a um maior número de ovos nos tecidos dos camundongos tratados, se comparado com os grupos não tratados. Nenhuma mudança foi observada na cinética de oviposição, e ovos viáveis em todos os estádios evolutivos foram observados nos tecidos de camundongos tratados e controles. Estes dados reforçam a hipótese de um bloqueio parcial na saída de ovos dos tecidos do intestino para o lúmem intestinal em camundongos imunossuprimidos.


Instituto de Medicina Tropical de São Paulo Av. Dr. Enéas de Carvalho Aguiar, 470, 05403-000 - São Paulo - SP - Brazil, Tel. +55 11 3061-7005 - São Paulo - SP - Brazil
E-mail: revimtsp@usp.br