Experimental infection with Schistosoma mansoni of Biomphalaria straminea from different parts of the Northeast of Brazil

Infecção experimental com cepas de Schistosoma mansoni, em amostras de Biomphalaria straminea de algumas localidades do Nordeste do Brasil

Abstracts

In the western part of the State of Bahia Biomphalaria straminea and B. glabrata both occur, but in the majority of cases they do not share the same habitat. In the State of Ceará, however, B. straminea is the sole snail host of Schistosoma mansoni. In this survey, no naturally infected B. straminea was found among snails collected from Bahia and Ceará, evidently because of the very low infection rates. The susceptibility of laboratory-reared specimens to infection with a Puerto Rican strain of S. mansoni was then tested experimentally. In general, the snails showed very low susceptibility. The infection rates were 1.1% among snails from Redenção (Ceará); 2.3% in those from Pentecoste (Ceará); 2.9% in snails from São Desidério (Bahia), while they were very high among an albino strain (NIH) of B. glabrata used as control. Another group of B. straminea from São Desidério was exposed to a Bahian strain of S. mansoni and the infection rate was still very low (3.6%) Apparently, the very low susceptibility of B. straminea, despite high snail density, is correlated with moderate infection rates with S. mansoni among humans, as shown by the results of stool examinations conducted by SUCAM in the municipalities of Redenção and Pentecoste, in Ceará.

Schistosoma mansoni: Experimental infection; Snails Biomphalaria straminea; Northeast of Brazil


Na região oeste do Estado da Bahia habitam caramujos das espécies Biomphalaria glabrata e B. straminea os quais, em geral, não coexistem no mesmo habitat. No Estado do Ceará os únicos Hospedeiros intermediários de Schistosoma mansoni são da espécie B. straminea. Neste levantamento não foram detectados B. siraminea naturalmente infectados, nem no Ceará e Bahia. Espécimes de B. straminea, tendo B. glabrata como controle, foram utilizados experimentalmente a fim de se determinar sua suscetibilidade frente a amostras portorriquenhas de S. mansoni. Os referidos B. straminea mostraram baixa suscetibilidade apresentando as seguintes taxas de infecção: 1,1% dentre os caramujos de Redenção-Ceará; 2,3% naqueles provenientes de Pentecoste-Ceará e 2,9% dentre os espécimes colectados em S. Desidério na Bahia. O lote controle, B. glabrata amostra NIH, apresentou elevadas taxas de infecção frente àquela amostra de S. mansoni. Além desta cepa portorriquenha utilizou-se também uma cepa bahiana de S. mansoni cujo teste experimental com B. straminea de São Desidério também demonstrou baixas taxas de infecção, numa média de 3,6%. Aparentemente, a baixa suscetibilidade de B. straminea ao S. mansoni, a despeito da elevada densidade destes caramujos, está em correlação com a prevalência de esquistosomose nas muito elevada no Ceará como mostram os resultados de levantamentos coproscópicos realizados pela SUCAM.

Schistosoma mansoni: Experimental infection; Snails Biomphalaria straminea; Northeast of Brazil


ORIGINAL ARTICLES

Experimental infection with Schistosoma mansoni of Biomphalaria straminea from different parts of the Northeast of Brazil

Infecção experimental com cepas de Schistosoma mansoni, em amostras de Biomphalaria straminea de algumas localidades do Nordeste do Brasil

E. A. Malek; M. Z. Rouquayrol

Department of Tropical Medicine, Tulane Medical Center, New Orleans, Louisiana, U.S.A., and Centro de Ciências da Saúde. Universidade de Fortaleza, Fortaleza, Brazil

SUMMARY

In the western part of the State of Bahia Biomphalaria straminea and B. glabrata both occur, but in the majority of cases they do not share the same habitat. In the State of Ceará, however, B. straminea is the sole snail host of Schistosoma mansoni. In this survey, no naturally infected B. straminea was found among snails collected from Bahia and Ceará, evidently because of the very low infection rates. The susceptibility of laboratory-reared specimens to infection with a Puerto Rican strain of S. mansoni was then tested experimentally. In general, the snails showed very low susceptibility. The infection rates were 1.1% among snails from Redenção (Ceará); 2.3% in those from Pentecoste (Ceará); 2.9% in snails from São Desidério (Bahia), while they were very high among an albino strain (NIH) of B. glabrata used as control. Another group of B. straminea from São Desidério was exposed to a Bahian strain of S. mansoni and the infection rate was still very low (3.6%) Apparently, the very low susceptibility of B. straminea, despite high snail density, is correlated with moderate infection rates with S. mansoni among humans, as shown by the results of stool examinations conducted by SUCAM in the municipalities of Redenção and Pentecoste, in Ceará.

Key words:Schistosoma mansoni: Experimental infection — Snails Biomphalaria straminea — Northeast of Brazil

RESUMO

Na região oeste do Estado da Bahia habitam caramujos das espécies Biomphalaria glabrata e B. straminea os quais, em geral, não coexistem no mesmo habitat. No Estado do Ceará os únicos Hospedeiros intermediários de Schistosoma mansoni são da espécie B. straminea. Neste levantamento não foram detectados B. siraminea naturalmente infectados, nem no Ceará e Bahia. Espécimes de B. straminea, tendo B. glabrata como controle, foram utilizados experimentalmente a fim de se determinar sua suscetibilidade frente a amostras portorriquenhas de S. mansoni. Os referidos B. straminea mostraram baixa suscetibilidade apresentando as seguintes taxas de infecção: 1,1% dentre os caramujos de Redenção-Ceará; 2,3% naqueles provenientes de Pentecoste-Ceará e 2,9% dentre os espécimes colectados em S. Desidério na Bahia. O lote controle, B. glabrata amostra NIH, apresentou elevadas taxas de infecção frente àquela amostra de S. mansoni. Além desta cepa portorriquenha utilizou-se também uma cepa bahiana de S. mansoni cujo teste experimental com B. straminea de São Desidério também demonstrou baixas taxas de infecção, numa média de 3,6%. Aparentemente, a baixa suscetibilidade de B. straminea ao S. mansoni, a despeito da elevada densidade destes caramujos, está em correlação com a prevalência de esquistosomose nas muito elevada no Ceará como mostram os resultados de levantamentos coproscópicos realizados pela SUCAM.

Texto completo disponível apenas em PDF.

Full text available only in PDF format.

Recebido para publicação em 23/7/1985.

  • 1. ALENCAR, J. E. A schistosomose no Ceará. Ceará Méd., 20: 12-20, 1940.
  • 2. ALENCAR, J. E.; ROUQUAYROL, M. Z.; FIGUEIREDO, J. S. & BEZERRA, O. F. A esquistossomose no Ceará, análise do problema atual e sugestões para o combate. Rev. bras. Malar., 30: 99-121, 1978.
  • 3. BARBOSA, F. S. & COELHO, M. C. Qualidades de vector dos hospedeiros de Schistosoma mansoni no nordeste do Brasil. I. Susceptibilidade de A., glabratus e T. centimetralis à infestação por S. mansoni. Publ. Av. Inst. Aggeu Magalhães, 3: 55-62, 1954.
  • 4. BARBOSA, F. S. & COELHO, M. C. Alguns aspectos epidemiológicos relacionados com a transmissão da esquistossomose em Pernambuco, Brasil. Publ. Av. Inst. Aggeu Magalhães, 5: 31-47, 1956.
  • 5. BARBOSA, F. S.; DOBBIN, J. E. & VIEIRA, A. E. Inquérito preliminar sobre infestação de planorbídeos em alguns municípios de Pernambuco. Publ. Av. Inst. Aggeu Magalhães, 1: 99-124, 1952.
  • 6. BARBOSA, F. S. & FIGUEIREDO, T. Susceptibility of the snail intermediate hosts of schistosomiasis from northeastern Brazil to the infection with Schistosoma mansoni. Rev. Inst. Med. trop. S. Paulo, 12: 198-206, 1970.
  • 7. BARBOSA, W.; AZEVEDO, C D.; SILVA, S. A. H. & CUNHA, A. Estado atual da esquistossomose mansônica em Goiás. Rev. Soc. bras. Med. trop., 1: 188-195, 1967.
  • 8. BEZERRA, O. F. Contribuição ao conhecimento dos planorbídeos do Estado do Ceará. Rev. bras. Malar., 7: 351-355, 1955.
  • 9. COELHO, M. C. Suscetibilidade de Australorbis tenagophilus a infecção por Schistosoma mansoni. Rev. Inst. Med. trop. S. Paulo, 4: 289-295, 1962.
  • 10. COELHO, M. C. & BARBOSA, F. S. Qualidades de vetor dos hospedeiros de Schistosoma mansoni no nordeste do Brasil. III. Duração da infestação e eliminação de cercarias em Tropicorbis centimetralis. Publ. Av. Inst. Aggeu Magalhães, 5: 21-29, 1956.
  • 11. COUTINHO, B.; GOUVEA, L. & LUCENA, D. Investigações em torno da epidemiologia da esquistossomose mansônica em Pontesinha e Victoria, Estado de Pernambuco, Brasil. In: MAGALHÃES, A. et al. Estudos sobre a esquistossomose em- Pernambuco, Brasil. Mem. Inst. Osw. Cruz, 35: 207-230, 1940.
  • 12. FREITAS, J. R.; JUNQUEIRA, D. V. & GERKEN, S. E. Habitats primitivos de hospedeiros do Schistosoma mansoni da região de Lagoa Santa, Minas Gerais. Ciênc. e Cult., 24 (suppl.): 377, 1972.
  • 13. GERKEN, S. E.; ARAUJO, M. de P. T. & FREITAS, J. R. Susceptibilidade da Biomphalaria straminea da região de Lagoa Santa (MG) ao Schistosoma mansoni. Rev. Inst. Med. trop. S. Paulo, 17: 338-343, 1975.
  • 14. LUCENA, D. T. Planorbídeos transmissores da esquistossomose no Nordeste do Brasil. J. bras. Med., 8: 269-276, 1964.
  • 15. MALEK, E. A. Natural and experimental infection of some bulinid snails in the Sudan with Schistosoma haematobium. In: INTERNATIONAL CONGRESSES ON TROPICAL MEDICINE AND MALARIA, 6., Lisbon, 1653. Proceedings. Porto, Imprensa Portuguesa, 1959, V. 2, p. 43-52.
  • 16. MALEK, E. A. Bilharziasis control in pump schemes near Khartoum, Sudan and an evaluation of the efficacy of chemical and mechanical barriers. Bull. Wld. Hlth. Org., 27: 41-58, 1962.
  • 17. MICHELSON. E. H. & DUBOIS, L. Competitive interaction between two snail hosts of Schistoosma mansoni: laboratory studies on Biomphalaria glabrata and B. straminea. Rev. Inst. Med. trop. S. Paulo, 21: 246-253, 1979.
  • 18. PARAENSE, W. L. Moluscos planorbídeos da Amazonia. Atas do Simpósio sobre a Biota Amazônica, 3 (Limnologia): 187-194, 1967.
  • 19. PARAENSE, W. L. Planorbídeos hospedeiros intermediários do Schistosoma mansoni. In: CUNHA, A. S. da, org. Esquistossomose mansoni São Paulo, Sarvier; EDUSP, 1970. Cap. 2, p. 13-30.
  • 20. PARAENSE, W. L. Distribuição geográfica dos vetores da xistosomose no Nordeste do Brasil. In: CONFERÊNCIA NACIONAL DE SAÚDE, 6., Brasília, 1977. Anais. Rio do Janeiro, Seção de Artes Gráficas da FSESP, 1978. p. 311-315.
  • 21. ROUQUAYROL, M. S. & CANTÍDIO, W. M. Focos esquistossomóticos potenciais. I. Esquistossomose e outras enteroparasitoses no vale do Curu-Ceará. Rev. Fac. Med. Univ. Ceará, 4: 53-73, 1964.
  • 22. SOUZA, C. P.; RODRIGUES, M. de S. & ARAUJO, N. Suscetibilidade de Biomphalaria straminea (Dunker, 1848) de Belo Horizonte (MG) a infecção por cepas de Schistosoma mansoni. Rev. Inst. Med. trop. S. Paulo, 23: 188-193, 1981.
  • 23. SOUZA, C. P.; RODRIGUES. M. de S.; AZEVEDO, M. de L. L. & ARAUJO, N. Suscetibilidade de populações de Biomphalaria straminea (Dunker, 1848) de Minas Gerais, a infecção por Schistosoma mansoni. Rev. Inst. Med. trop. S. Paulo, 23: 212-216, 1981.

Publication Dates

  • Publication in this collection
    16 Oct 2012
  • Date of issue
    June 1986
Instituto de Medicina Tropical de São Paulo Av. Dr. Enéas de Carvalho Aguiar, 470, 05403-000 - São Paulo - SP - Brazil, Tel. +55 11 3061-7005 - São Paulo - SP - Brazil
E-mail: revimtsp@usp.br