Associação entre parvovírus B19 e artropatias em Belém, Pará, norte do Brasil

Um total de 220 indivíduos portadores de artropatias foi selecionado em Belém, Pará, entre janeiro de 1994 e dezembro de 2000 e, posteriormente, examinado com o propósito de se detectarem anticorpos IgM e IgG para o parvovírus B19, utilizando-se a técnica imunoenzimática (ELISA). Um subgrupo (n = 132) de indivíduos com amostras de soro apresentando altos níveis de anticorpos (IgM+/IgG+ e IgM-/IgG+) foi usado para detecção de DNA do B19 através da reação em cadeia da polimerase (PCR) e do "nested" PCR. Infecção recente/ativa (detecção de IgM e/ou IgG mais a presença de DNA viral) foi diagnosticada em 47,7% dos 132 indivíduos apresentando comprometimento das articulações. O sexo feminino foi mais afetado (59,7%) que o masculino (35,4%), com diferença estatisticamente significativa (P = 0,0006). Os grupos etários mais atingidos foram os de 11-20 anos (84,6%), no sexo feminino, e 21-30 anos (42,1%), no masculino. A análise da distribuição temporal mostrou um padrão cíclico, com períodos de maior e menor atividade viral que variam de 3 a 5 anos. Diferença estatisticamente significativa (P = 0,01) foi observada quando comparadas as freqüências de positividade mais alta (39,0%) e mais baixa (11,0%) para os anos de 1995 e 2000, respectivamente. As articulações mais atingidas foram, em ordem de freqüência, as interfalangianas de mãos e pés, com 50,0% e 48,0% para o sexo feminino e masculino, respectivamente. Em menor proporção outras articulações tais como as do joelho, tornozelo, pulso e ombro foram afetadas. Quanto à duração das manifestações articulares, 54,0% evoluíram por 1-5 dias, e 46,0% ao longo de 6-10 dias, considerando o subgrupo (n = 63) de indivíduos com infecção recente/ativa para o B19 em ambos os sexos. Em nosso estudo, o comprometimento das articulações apresentou caráter simétrico. Os resultados encontrados demonstraram o freqüente acometimento articular associado às infecções recentes/ativas por parvovírus B19, ressaltando a necessidade do diagnóstico laboratorial dessa virose, principalmente entre gestantes.


Instituto de Medicina Tropical de São Paulo Av. Dr. Enéas de Carvalho Aguiar, 470, 05403-000 - São Paulo - SP - Brazil, Tel. +55 11 3061-7005 - São Paulo - SP - Brazil
E-mail: revimtsp@usp.br