Avaliação da eficácia do antiveneno botrópico administrado no local da inoculação intramuscular do veneno de Bothrops jararaca: estudo experimental em camundongos

Assessment of the efficacy of antivenom injection at the site of the intramuscular inoculation of Bothrops jararaca venom in mice

Resumos

Foi determinada, em camundongos de 18 a 20 g, a dose efetiva 50% do antiveneno botrópico, por via intraperitoneal (ip), imediatamente (DE50 Oh) e 30 minutos (DE50 30') após a inoculação de 2 DL50 do veneno de B. jararaca, por via intramuscular (im). A DE50 30' foi três vezes maior do que a DE50 Oh. A eficácia do antiveneno administrado no local da inoculação do veneno foi avaliada inoculando-se duas DL50 do veneno, por via im, e administrando-se a DE50 do antiveneno imediatamente (DE50 Oh) e 30 minutos após (DE50 30'), de duas formas a saber: totalmente por via ip (1ª) e metade por via ip e metade por via im (2ª), no mesmo local da inoculação do veneno. O antiveneno ofereceu, por via ip, maior proteção aos camundongos (menor taxa de óbito em 48 horas) do que quando metade do mesmo foi administrado, por via im, no local da inoculação do veneno. Conclui-se que, neste modelo experimental, quando se inicia o tratamento tardiamente há necessidade de maior dose de antiveneno botrópico e que não há benefício em administrá-lo no local da picada.

Bothrops jararaca; Veneno; Antiveneno; DL50; DE50


The 50% effective intraperitoneal (ip) dose of Bothrops jararaca antivenom (ED50) was assessed in mice immediately (ED50 Oh) and thirty minutes (ED50 30') after the intramuscular (im) injection of two 50% lethal dose (LD50) of Bothrops jararaca venom. The efficacy of the antivenom injected at the venom inoculation site was assessed by the inoculation of two LD50 of the venom by im route, followed immediately (ED50 Oh) and 30 minutes later (ED50 30') by administration of the ED50 of the antivenom either entirely by the ip route or 50 percent ip plus 50 percent im, at the same inoculation site. It was shown that the ED50 30' was 3 times greater, than the ED50 Oh and that the antivenom was more protective to mice (lower death rate in 48 hours) when given entirely ip. It was concluded that, in this experimental model, a higher dose of bothropic antivenom is needed when the treatment is started lately, and that there is no benefit in its administration at the venom inoculation site.

Bothrops jararaca; Veneno; Antiveneno; DL50; DE50


ANIMAL VENOMS

Avaliação da eficácia do antiveneno botrópico administrado no local da inoculação intramuscular do veneno de Bothrops jararaca: estudo experimental em camundongos

Assessment of the efficacy of antivenom injection at the site of the intramuscular inoculation of Bothrops jararaca venom in mice

Carla Lilian Agostini UtescherI; Silvia Lucia Paro VieiraI; Sara FensterseiferI; Liodioneza Adriano RibeiroII; Miguel Tanús JorgeIII

ISeção de Controle de Qualidade do Instituto Butantan, São Paulo

IICentro de Vigilância Epidemiológica (Comissão Permanente de Coordenação para o Controle dos Acidentes por Animais Peçonhentos), São Paulo

IIIDepartamento de Clínica médica do Centro de Ciências Biomédicas da Universidade Federal de Uberlândia, Minas Gerais

Endereço para correspondência

RESUMO

Foi determinada, em camundongos de 18 a 20 g, a dose efetiva 50% do antiveneno botrópico, por via intraperitoneal (ip), imediatamente (DE50 Oh) e 30 minutos (DE50 30') após a inoculação de 2 DL50 do veneno de B. jararaca, por via intramuscular (im). A DE50 30' foi três vezes maior do que a DE50 Oh. A eficácia do antiveneno administrado no local da inoculação do veneno foi avaliada inoculando-se duas DL50 do veneno, por via im, e administrando-se a DE50 do antiveneno imediatamente (DE50 Oh) e 30 minutos após (DE50 30'), de duas formas a saber: totalmente por via ip (1ª) e metade por via ip e metade por via im (2ª), no mesmo local da inoculação do veneno. O antiveneno ofereceu, por via ip, maior proteção aos camundongos (menor taxa de óbito em 48 horas) do que quando metade do mesmo foi administrado, por via im, no local da inoculação do veneno. Conclui-se que, neste modelo experimental, quando se inicia o tratamento tardiamente há necessidade de maior dose de antiveneno botrópico e que não há benefício em administrá-lo no local da picada.

Unitermos:Bothrops jararaca; Veneno; Antiveneno; DL50: DE50.

SUMMARY

The 50% effective intraperitoneal (ip) dose of Bothrops jararaca antivenom (ED50) was assessed in mice immediately (ED50 Oh) and thirty minutes (ED50 30') after the intramuscular (im) injection of two 50% lethal dose (LD50) of Bothrops jararaca venom.

The efficacy of the antivenom injected at the venom inoculation site was assessed by the inoculation of two LD50 of the venom by im route, followed immediately (ED50 Oh) and 30 minutes later (ED50 30') by administration of the ED50 of the antivenom either entirely by the ip route or 50 percent ip plus 50 percent im, at the same inoculation site. It was shown that the ED50 30' was 3 times greater, than the ED50 Oh and that the antivenom was more protective to mice (lower death rate in 48 hours) when given entirely ip. It was concluded that, in this experimental model, a higher dose of bothropic antivenom is needed when the treatment is started lately, and that there is no benefit in its administration at the venom inoculation site.

Texto completo disponível apenas em PDF.

Full text available only in PDF format.

Recebido para publicação em 12/08/1993.

Aceito para publicação em 25/11/1993.

Trabalho realizado na Seção de Controle de Qualidade do Instituto Butantan.

Dados parcialmente apresentados no IVth Pan American Symposium on Animal, Plant and Microbial Toxins and IInd. Symposium of the Brazilian Society on Toxinology. Campinas - SP, Brazil, 1992.

  • 1. AGOSTINI UTESCHER, C.L.; FENSTERSEIFER, S.; VIEIRA, S.L.P.; RIBEIRO, L.A. & JORGE, M.T. - The estimation of the efficacy of Bothrops antivenom administration immediately and thirty minutes after the inoculation of B. jararaca venom. Toxicon, 31: 107, 1993.
  • 2. BRAZIL, V. - A defesa contra o ophidismo. Săo Paulo, Pocai & Weiss, 1911.
  • 3. FONSECA, F. - Animais peçonhentos, Săo Paulo, Empresa Gráfica da Revista dos Tribunais, 1949.
  • 4. HAWGOOD, B.J. - Dr. Vital Brazil and the advent of antivenomous serotherapy. Toxicon, 31: 137-138, 1993.
  • 5. JORGE, M.T. & RIBEIRO, L.A. - Acidentes por animais peçonhentos. In: AMATO NETO, V. & BALDY, J.L.S., ed. - Doenças transmissíveis. 3. ed. Săo Paulo, Sarvier, 1989. p. 133-141.
  • 6. JORGE, M.T. & RIBEIRO, L.A. - Acidentes por serpentes peçonhentas do Brasil. Rev. Ass. méd. bras., 36: 66-77, 1990.
  • 7
    MINISTÉRIO DA SAÚDE, CENTRO DE DOCUMENTAÇÃO DO MINISTÉRIO DA SAÚDE - Manual de diagnóstico e tratamento de acidentes ofídicos. Brasília, 1987.
  • 8. RESENDE, C.C.; ARAUJO, F.A.A. & SALLENAVE, R.N.U.R. - Análise epidemiológica dos acidentes ofídicos. Brasília, Ministério da Saúde; Secretaria Nacional de Açőes Básicas de Saúde, 1989.
  • 9. RIBEIRO, L.A.; AGOSTINI UTESCHER, C.L.; VIEIRA, S.L.P.; MUKUNO, H. & JORGE M.T. - Avaliaçăo em camundongo da eficácia do antiveneno administrado no local da inoculaçăo intramuscular do veneno de Crotalus durissus terríficus. Rev. Inst. Med. trop. S. Paulo, 35: 23-27, 1993.
  • 10. RIBEIRO, L.A. & JORGE, M.T. - Epidemiologia e quadro clínico do acidente por Bothrops jararaca filhote e adulta. Rev. Inst. Med. trop. S. Paulo, 32: 436-442, 1990.
  • 11. RIBEIRO, L.A.; PIRES DE CAMPOS, V.A.F.; ALBUQUERQUE, M.J. & TAKAOKA, N.Y. - Acidente ofídico no Estado de Săo Paulo. Rev. Ass. méd. bras., 39: 4-7, 1993.
  • 12. ROSENFELD, G. - Acidentes por animais peçonhentos; serpentes aranhas e escorpiőes. In: VERONESI, R., ed. - Doenças infecciosas e parasitárias. 8, ed. Rio de Janeiro, Guanabara Koogan, 1991. p. 951-962.
  • 13
    SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE - Manual de vigilância epidemiológica: acidentes por animais peçonhentos, identificação, diagnóstico e tratamento. São Paulo, 1993.
  • 14
    WORLD HEALTH ORGANIZATION - Progress in the characterization of venoms and standardization of antivenoms. Geneva, World Health Organization, 1981. (WHO-Offset publ. n. 55).

  • Endereço para correspondência:
    Miguel Tanús Jorge
    Departamento de Clínica Médica, Universidade Federal de Uberlândia
    Av. Pará 1720, Campus Umuarama
    CEP 38400-902, Uberlândia, MG, Brasil

Datas de Publicação

  • Publicação nesta coleção
    20 Set 2006
  • Data do Fascículo
    Jun 1994

Histórico

  • Aceito
    25 Nov 1993
  • Recebido
    12 Ago 1993
Instituto de Medicina Tropical de São Paulo Av. Dr. Enéas de Carvalho Aguiar, 470, 05403-000 - São Paulo - SP - Brazil, Tel. +55 11 3061-7005 - São Paulo - SP - Brazil
E-mail: revimtsp@usp.br