Problemas de realismo e teoricismo na pesquisa social e no Serviço Social

Estela Grassi Sobre o autor

Este artigo reflexiona acerca de problemas da pesquisa social no Serviço Social. Discute a postura ingênua que leva a supor que a intervenção profissional é imediata na 'realidade dos problemas'; e a que antepõe uma teoria como portadora do conhecimento verdadeiro 'sobre a realidade', como se esta precedesse a todo conhecimento. Define a pesquisa como a prática social que tem como razão de ser a produção de conhecimentos, ao tempo que se inscreve nos processos político-culturais de produção de problemas sociais, e os alimenta. Por isso, para o Serviço Social, a pesquisa não é equiparável ao diagnóstico social, e sim deveria ser um processo contínuo que acompanhe o desenvolvimento de qualquer projeto social e prática profissional. Isto exige disposição para aprender o ofício (ou seja, domínio teórico, manejo metodológico-técnico e atitude de dúvida) e para prevenir-se dos riscos da naturalização dos problemas, para os quais é requerida a sua intervenção, que podem provir tanto do realismo ingênuo quanto do teoricismo.

realismo; teoricismo; pesquisa; prática social; produção de conhecimento


Programa de Pós-Graduação em Serviço Social e Curso de Graduação em Serviço Social da Universidade Federal de Santa Catarina Universidade Federal de Santa Catarina , Centro Socioeconômico , Curso de Graduação em Serviço Social , Programa de Pós-Graduação em Serviço Social, Campus Universitário Reitor João David Ferreira Lima, 88040-900 - Florianópolis - Santa Catarina - Brasil, Tel. +55 48 3721 6524 - Florianópolis - SC - Brazil
E-mail: revistakatalysis@gmail.com