Eficácia da auriculoterapia chinesa para o estresse em equipe de enfermagem: ensaio clínico randomizado

Leonice Fumiko Sato Kurebayashi Maria Júlia Paes da Silva Sobre os autores

Resumos

OBJECTIVE:

this randomized single blind clinical study aimed to evaluate the efficacy of auriculotherapy with and without a protocol for reducing stress levels among nursing staff.

METHOD:

a total of 175 nursing professionals with medium and high scores according to Vasconcelos' Stress Symptoms List were divided into 3 groups: Control (58), Group with protocol (58), Group with no protocol (59). They were assessed at the baseline, after 12 sessions, and at the follow-up (30 days).

RESULTS:

in the analysis of variance, statistically significant differences between the Control and Intervention groups were found in the two evaluations (p<0.05) with greater size of effect indices (Cohen) for the No protocol group. The Yang Liver 1 and 2, Kidney, Brain Stem and Shen Men were the points most used.

CONCLUSION:

individualized auriculotherapy, with no protocol, could expand the scope of the technique for stress reduction compared with auriculotherapy with a protocol. NCT: 01420835

Nursing, Team; Auriculotherapy; Burnout Professional; Clinical Protocols


OBJETIVO:

estudo clínico randomizado, simples cego, objetivou avaliar a eficácia da auriculoterapia, com e sem protocolo, para a redução dos níveis de estresse de equipe de enfermagem.

MÉTODO:

cento e setenta e cinco profissionais de enfermagem com escores médio e alto pela Lista de Sintomas de Stress de Vasconcelos foram divididos em 3 grupos: controle (58), grupo com protocolo (58), grupo sem protocolo (59). Foram avaliados no baseline, após 12 sessões e follow-up (30 dias).

RESULTADOS:

na análise de variância constataram-se diferenças estatísticas significativas entre os grupos controle e intervenção nas duas avaliações (p<0,05), com índices de tamanho de efeito (Cohen) superiores para o grupo sem protocolo. Os pontos Yang do Fígado 1 e 2, Rim, Tronco Cerebral e Shenmen foram os mais utilizados.

CONCLUSÃO:

a auriculoterapia sem protocolo, individualizada, conseguiu ampliar o alcance da técnica para a redução de estresse quando comparada à auriculoterapia protocolar. NCT: 01420835

Equipe de Enfermagem; Auriculoterapia; Esgotamento Profissional; Protocolos Clínicos


OBJETIVO:

se trata de un estudio clínico aleatorio simple ciego que tuvo por objetivo evaluar la eficacia de la auriculoterapia con y sin protocolo para reducción de los niveles de estrés de un equipo de enfermería.

MÉTODO:

ciento setenta y cinco profesionales de enfermería con puntajes medios y altos evaluados por la Lista de Síntomas de Stress de Vasconcelos, fueron divididos en 3 grupos: Grupo Control (58), Grupo con protocolo (58) y Grupo sin protocolo (59). Fueron evaluados en el baseline, después de 12 sesiones y follow-up (30 días).

RESULTADOS:

en el análisis de varianza se constataron diferencias estadísticas significativas entre los Grupos Control e Intervención en las dos evaluaciones (p<0,05) con índices de tamaño de efecto (Cohen) superiores para el Grupo sin protocolo. Los puntos Yang del Hígado 1 y 2, Riñón, Tronco Cerebral y Shen Men fueron los más utilizados.

CONCLUSIÓN:

la auriculoterapia sin protocolo, individualizada, consiguió ampliar el alcance de la técnica para la reducción del estrés cuando comparada a la auriculoterapia protocolar. NCT: 01420835

Equipe de Enfermería; Auriculoterapia; Agotamineto Profesional; Protocolos Clínicos


Introdução

Na área da saúde, estudos têm sido realizados sobre o estresse na equipe de enfermagem, buscando identificar as principais fontes geradoras de estresse na atuação do enfermeiro nas diferentes áreas de instituição hospitalar, avaliando-se se a atividade profissional desenvolvida nos setores influencia os níveis de estresse e ansiedade. No âmbito nacional, existe consenso de que essa profissão é estressante e as pesquisas se concentram, em sua maioria, no profissional enfermeiro( 11. Gatti MFZ, Leão ER, Silva MJP, Puggina ACG. Comparison between anxiety and stress levels displayed by and perceived by the nursing collective. Enferm Global.2004;5:1-12. [acesso 8 fev 2011]. Disponível em: http://revistas.um.es/eglobal/article/view/540
http://revistas.um.es/eglobal/article/vi...
).

No contexto hospitalar, a equipe de enfermagem constitui a maior força de trabalho e as atividades realizadas pelos seus profissionais são marcadas por diversos fatores condicionantes negativos, entre eles a divisão fragmentada de tarefas, rígida estrutura hierárquica para o cumprimento de rotinas, normas e regulamentos, dimensionamento qualitativo e quantitativo insuficiente de pessoal, que tem repercutido em elevado índice de absenteísmo e afastamento por doenças( 22. Silva JLL, Melo ECP. Estresse e implicações para o trabalhador de Enfermagem. Informe-se em Promoção da Saúde. 2006;2(2):16-8. ). De fato, a equipe de enfermagem tem sido exposta a ambientes de trabalho pouco saudáveis, submetidos, muitas vezes, a condições de trabalho precárias, com baixa qualidade de vida( 33. Fugulin FMT, Gaidzinski RR, Kurcgant P. Expected and unexpected absences of the nursing team at the inpatient units of a university hospital at the University of São Paulo-Brazil. Rev Esc Enferm USP. 2003;37(4):109-17. ).

Nessa perspectiva, indaga-se sobre a importância do desenvolvimento de estratégias de enfrentamento, a partir da participação do profissional no processo de trabalho, favorecendo a motivação e proporcionando melhor qualidade de vida( 44. Coelho NM Neto, Garbaccio JL. O estresse ocupacional no serviço de Enfermagem hospitalar: reconhecimento e minimização. Interseção. 2008;1(2):71-81. ). Enfatiza-se, também, a relevância da prevenção da saúde, de medidas que auxiliem o enfrentamento dos múltiplos desafios que são, muitas vezes, externos à vontade do trabalhador, mas que interferem demasiadamente em suas condições psíquicas e fisiológicas. Para a obtenção de uma condição energética mais equilibrada e estável, requisito esse necessário para a não manifestação de doenças, a auriculoterapia pode ser uma prática não convencional de grande aceitabilidade, segurança e eficácia, pelo reconhecimento de seus efeitos positivos em distúrbios físicos, psíquicos e mentais( 55. Kurebayashi LFS, Gnatta JR, Borges TP, Belisse G, Coca, S, Minami A, et al. The applicability of auriculotherapy with needles or seeds to reduce stress in nursing professionals. Rev Esc Enferm USP. 2012;46(1):89-95. ).

Alguns estudos foram realizados para avaliar a eficácia da auriculoterapia para redução de estresse e ansiedade na última década( 66. Wang SM, Peloquim C, Kain ZN. The Use of Auricular Acupuncture to Reduce Preoperative Anxiety. Anesthesia & Analgesia.2001;93:1178-80.

7. Kober A, Scheck T, Schubert B, Strasser H, Gustorff B, Bertalanffy P, et al Auricular acupressure as a treatment for anxiety in prehospital transport settings. Am Soc Anesthesiol. 2003;98(6):1328-32.

8. Karst M, Winterhalter M, Münte S, Francki B, Hondronikos A, Eckardt A, et al. Auricular acupuncture for dental anxiety: a randomized controlled trial. Anesth Analg. 2007;104(2):295-300.

9. Giaponesi ANL, Leão ER. A auriculoterapia como intervenção para redução do estresse da equipe de Enfermagem em terapia intensiva. Nursing. (São Paulo) 2009;12(139):575-9.
- 1010. Do Prado JM, Kurebayashi LFS, Silva MJP. Efficacy of auriculotherapy for the reduction of stress in nursing studentes: a randomized clinical trial. Rev. Latino-Am. Enfermagem. 2012;20(4):727-35. ), mas o ensaio preliminar que deu base à presente pesquisa foi o intitulado "Aplicabilidade da auriculoterapia com agulhas ou sementes para diminuição de estresse em profissionais de enfermagem", realizado em 2010, com equipe de Enfermagem no Hospital Universitário de São Paulo. No presente ensaio, um dos grupos de intervenção tomou por base os pontos previamente testados e o outro grupo de intervenção caracterizou-se pela escolha dos pontos de forma individualizada, à semelhança da prática clínica usual em medicina chinesa( 1111. MacPherson H, Altaman DG, Hammerschlag R, Li YP, Wu TX, White A, et al. Revised Standards for Reporting Interventions in Clinical Trials of Acupuncture (STRICTA): Extending the CONSORT Statement. Aust J Acupunct Chin Med 2010;5(2):8-22. ). Tal delineamento de pesquisa emergiu de um questionamento sobre a difícil adequação da abordagem científica ocidental de pesquisa na análise de resultados de uma racionalidade médica distinta da ocidental, proveniente da cultura oriental chinesa. Sabe-se que o protocolo constitui um passo importante na realização da pesquisa científica e é fundamental na análise da eficácia de uma dada técnica, medicamento ou procedimento. Mas, a transferência da concepção ocidental de pesquisa nem sempre parece ser consonante com os princípios que fundamentam as terapias alternativas e complementares( 1212. Richardson J. The use of randomized control trials in complementary therapies: exploring the issues. J Adv Nurs. 2000;32(2):398-406. ). Já em 1997, uma importante reflexão sobre a "ocidentalização" da Medicina Tradicional Chinesa (MTC) foi introduzida, a partir de uma tendência para reduzir a arte da acupuntura a receitas rígidas. Os trabalhos de pesquisa podem comprovar, em parte, a eficácia dos pontos, mas, em sua opinião, não representam a verdadeira acupuntura, por negligenciarem a perspectiva holística dessa prática( 1313. Nguyen CR. Nada de cume, sem raiz: acupuntura do ano 2000. Rev Paul Acupuntura.1997;3(2):55-6. ). Diante dessas prévias colocações, o presente estudo buscou avaliar se os resultados alcançados com a auriculoterapia individualizada conseguiriam ampliar o alcance da técnica, uma vez que os resultados protocolares prévios foram positivos para a redução do estresse da equipe de enfermagem do Hospital Universitário (HU).

Quanto aos aspectos ético-legais, relativos ao exercício da acupuntura pelo enfermeiro, cabe ressaltar que essa prática obteve respaldo legal a partir da Resolução nº197/97 pelo Conselho Federal de Enfermagem (Cofen) para a prática da acupuntura e auriculoterapia e, atualmente, a Resolução 326/2008 substituiu outras resoluções anteriormente expedidas (nº283/2002 e nº287/2003), regulamentando a atividade, dispondo sobre o registro da especialidade, dando sustentação e legitimidade ao exercício da acupuntura pelo enfermeiro( 1414. Conselho Federal de Enfermagem (COFEN) (BR). Resolução COFEN 328/2008. Regulamenta no Sistema COFEN/Conselhos Regionais a atividade de acupuntura e dispões sobre o registro da especialidade [Internet]. Brasília; 2008. [acesso 29 jan 2011]. Disponível em: http://site.portalcofen.gov.br/node/5414
http://site.portalcofen.gov.br/node/5414...
).

Objetivos

Avaliar a eficácia da auriculoterapia protocolar e sem protocolo na redução dos níveis de estresse dos profissionais de enfermagem, verificar as respostas do tratamento, segundo a presença ou a ausência prévia de morbidade e diferentes níveis de estresse, avaliar o tamanho de efeito dos tratamentos a partir do Índice d de Cohen.

Método

Trata-se de um Ensaio Clínico Controlado Randomizado, simples cego, com 3 grupos: grupo controle (sem intervenção), grupo com protocolo e grupo sem protocolo. Foi aprovado pelo Comitê de Ética em Pesquisa (CEP) da Universidade de São Paulo, sob Protocolo nº1042/2011 e pelo CEP de um hospital particular. O estudo também atendeu à Resolução 196/1996, do Conselho Nacional de Saúde, ao envolver seres humanos na pesquisa, tendo sido entregue o Termo de Consentimento Livre e Esclarecido (TCLE) aos sujeitos da pesquisa. O ensaio obteve o número de registro no Clinical Trials (NCT01420835).

Para definir a amostra dos sujeitos participantes, foi utilizada a Lista de Sintomas de Stress (LSS) de Vasconcelos( 1515. Ferreira EAG, Vasconcellos EG, Marques AP. Assessment of pain and stress in fibromyalgia patients. Rev Bras Reumatol. 2002;42:104-10. ). O instrumento foi aplicado a todos aqueles que manifestaram interesse em participar da pesquisa (484), entretanto, apenas os indivíduos que atingiram as pontuações entre 37 a 119 pontos foram convidados a participar; 213 pessoas foram sorteadas em programa de computador com números gerados no site www.randomizer.org, para três grupos; 175 profissionais conseguiram finalizar a pesquisa. Foram 58 sujeitos para o grupo controle, 58 para o grupo auriculoterapia com protocolo e 59 para o grupo auriculoterapia sem protocolo. Feito o cálculo amostral, tomando-se por base o estudo prévio de estresse, pode-se afirmar que a amostra teve um poder de teste de 80% para um nível de significância de 5%, ou nível de confiança de 95%.

Os critérios de inclusão foram: participação voluntária no estudo com disponibilidade de horário para submissão às sessões, obtenção dos escores mínimos do LSS para médio e alto nível de estresse. Os critérios de exclusão foram: litíase renal com indicação cirúrgica (o ponto Rim pode estimular a expulsão de pedras), realizar outra terapêutica energética, fazer uso de ansiolíticos e antidepressivos e gravidez. Feitas as devidas exclusões, foi obtida amostra de 213 profissionais de enfermagem, conforme diagrama de flutuação de participação dos sujeitos. Após o início da pesquisa, 38 pessoas foram excluídas pelos motivos que estão ilustrados na Figura 1.

Figura 1
Diagrama de flutuação dos sujeitos da pesquisa. São Paulo, SP, Brasil, 2012

Os instrumentos de Coleta de Dados foram: a Lista de Sintomas de Stress (LSS) de Vasconcelos e um questionário com dados sociodemográficos e de presença ou não de comorbidades prévias. A coleta de dados foi feita no período entre janeiro e julho de 2012, no hospital, e as sessões foram realizadas por um grupo composto por seis enfermeiros acupunturistas e uma psicóloga acupunturista, formados pela mesma escola, experientes e com a mesma técnica de auriculoterapia chinesa. O instrumento LSS foi aplicado antes do início (baseline), após 12 sessões e 30 dias após o término (follow-up). O grupo controle não recebeu nenhum tipo de intervenção e os sujeitos foram convidados a apenas responder os questionários. Os dois grupos de intervenção receberam 12 sessões (duas vezes por semana), com duração de 5 a 10 minutos para cada sessão. O grupo protocolo se utilizou dos pontos Shenmen, Tronco Cerebral, Rim, Yang do Fígado 1 e 2 (Figura 2). Os pontos Shenmen e Tronco Cerebral têm propriedades calmantes, o ponto Rim tem função energética e os pontos Yang do Fígado 1 e 2 têm a função de conter a subida de Yang do fígado( 1616. Landgren K. Explanatory models for acupuncture. Ear Acupuncture: a practical guide. New York: Elsevier; 2008. p. 37-53. ).

Figura 2
Pontos auriculares do grupo protocolo. São Paulo, SP, Brasil, 2012

O grupo sem protocolo também recebeu o mesmo número de sessões e de pontos (5), porém, os pontos eram escolhidos na dependência dos sintomas relatados a cada atendimento, segundo os diagnósticos de Medicina Tradicional Chinesa encontrados. Para a colocação das agulhas semipermanentes, após a devida localização dos pontos reativos, foi feita a higienização com algodão e álcool etílico 70% do pavilhão auricular e aplicação de agulhas afixadas com esparadrapo hiporalergênico.

Resultados

A idade média do agrupamento de 175 pessoas foi de 33,98 anos, Desvio-Padrão (dp) de 7,85, com idade mínima de 21 anos e máxima de 58 anos. A média de estresse no baseline foi de 61,48 (20,53), correspondente ao alto nível de estresse. O alpha de Cronbach para a LSS1 (baseline) foi de 0,918; a LSS2 foi de 0,947 e a LSS3, 0,955. A seguir estão descritas as médias e desvio-padrão dos níveis de estresse, segundo os três diferentes grupos (Tabela 1).

Tabela 1
Descritiva das médias e desvios-padrão dos níveis de estresse, segundo 3 grupos. São Paulo, SP, Brasil, 2012

Na ANOVA de Medidas Repetidas encontrou-se que houve diferenças estatísticas significativas na segunda avaliação após 12 sessões (LSS2) (F=21,92/p=0,000) e no follow-up de 30 dias (F=7,59/0=0,001). No post hoc de Tukey observou-se que, na segunda avaliação (LSS2), as diferenças foram entre os grupos controle e os grupos de intervenção (p=0,000). E na terceira avaliação (LSS3), as diferenças foram entre grupo controle e protocolo (p=0,004) e entre grupo controle e sem protocolo (p=0,002) (Figura 3).

Figura 3
Evolução dos níveis de estresse, segundo os 3 grupos. São Paulo, SP, Brasil, 2012

Ao avaliar o tamanho do efeito, a partir do Índice d de Cohen, foi possível observar que o grupo sem protocolo conseguiu o melhor resultado com d de 1,15 (efeito muito grande), com grande redução dos níveis de estresse (36%) para o LSS2. O grupo protocolo conseguiu atingir um índice de 0,79 (grande efeito) no LSS2, com média redução dos níveis de estresse (27%). Ambos os grupos conseguiram manter os resultados positivos no follow-up (Tabela 2).

Tabela 2
Tamanhos de efeito e percentual de mudança do tratamento nos 3 tempos, segundo os 3 grupos. São Paulo, SP, Brasil, 2012

Foi também realizada uma análise por subgrupos de níveis de estresse e presença ou ausência de morbidades prévias, para avaliar em que condições a auriculoterapia individualizada sem protocolo responderia melhor.

Na análise por níveis de estresse, dos 175 sujeitos, 76 profissionais apresentaram estresse acima de 60 pontos pelo LSS, correspondente a estresse de nível alto e para análise da evolução do tratamento de auriculoterapia foram divididos em 3 grupos: controle (22), protocolo (25) e sem protocolo (29). Encontrou-se diferença estatística no teste ANOVA para o LSS2 (p=0,000) e LSS3 (p=0,036). No LSS2, no post hoc de Tukey, encontrou-se que as diferenças foram entre os grupos controle/protocolo (p=0,004) e controle/sem protocolo (p=0,000). E no LSS3, o post hoc demonstrou que as diferenças foram somente entre o grupo controle/sem protocolo (p=0,033). Percentualmente, houve redução de níveis de estresse no LSS2 de 44% para o grupo sem protocolo e de 37% para o protocolo. No LSS3 houve manutenção da redução dos níveis de estresse no follow-up de 37% para o grupo sem protocolo e de 29% para o protocolo. O Índice de Cohen demonstrou que o grupo sem protocolo obteve o mais forte efeito, com d de 1,95, para o LSS2, equivalente a "enorme efeito" e no follow-up, o índice de 2,59, também correspondente à mesma classificação. Quanto ao grupo protocolo houve redução de 37%, com índice de 1,36 no LSS2.

Na análise dos sujeitos com morbidades prévias autorreferidas (52), o grupo sem protocolo (21) obteve melhores resultados do que o do protocolo (17) no LSS2. Para esse agrupamento foi encontrada diferença estatística significativa no LSS2 (F=3,24/p=0,048), segundo ANOVA de medidas repetidas. No Tukey, constatou-se que tal diferença foi entre os grupos controle e sem protocolo (p=0,045). Percentualmente, o grupo sem protocolo conseguiu grande redução de estresse (37%), equivalente ao Índice d de Cohen de 1,21 (efeito muito grande).

Os pontos mais utilizados no grupo sem protocolo findaram por serem os mesmos pontos (Rim, Tronco Cerebral, Shenmen, Yang do Fígado 1 e 2) com acréscimo de pontos para dor local (cervical, lombar), pontos para equilibrar meridianos (Estômago, Baço, Fígado, Pulmão) e pontos com ação sistêmica geral, como Endócrino e Ápice.

Discussão

A pesquisa preliminar que motivou a realização do presente estudo foi realizada em um Hospital Universitário (HU) e 75 profissionais de enfermagem foram randomizados em três grupos (controle sem intervenção, grupo agulha e grupo semente). Foi utilizado o protocolo de 3 pontos auriculares (Rim, Tronco Cerebral e Shenmen) e constatou-se que houve diferença estatística significativa na análise intergrupos entre o controle e o grupo agulha. O grupo semente não conseguiu a mesma eficácia. Foram encontrados escores de estresse no baseline de 54,36 para o grupo controle, 66,82 para o grupo agulha e 63,27 para o grupo semente( 55. Kurebayashi LFS, Gnatta JR, Borges TP, Belisse G, Coca, S, Minami A, et al. The applicability of auriculotherapy with needles or seeds to reduce stress in nursing professionals. Rev Esc Enferm USP. 2012;46(1):89-95. ). Os níveis de estresse observados no atual estudo foram similares a esses. No baseline, os escores de estresse foram de 57,76 para o grupo controle, 62,26 para o grupo protocolo e 64,83 para o grupo sem protocolo.

No estudo do HU, em 44 sujeitos (58,7%) com níveis médios de estresse, não foi encontrada diferença estatística significativa no pós-tratamento de auriculoterapia, seja com agulha ou semente. Porém, 31 sujeitos (41,3%) com estresse alto obtiveram diferença estatística após 8 sessões de auriculoterapia para o grupo agulha, atingindo 21% de redução e Índice d de 1,13 (efeito muito grande), com manutenção dos resultados no follow-up de 15 dias( 55. Kurebayashi LFS, Gnatta JR, Borges TP, Belisse G, Coca, S, Minami A, et al. The applicability of auriculotherapy with needles or seeds to reduce stress in nursing professionals. Rev Esc Enferm USP. 2012;46(1):89-95. ). Para se comparar o tamanho de efeito entre os dois estudos, foram utilizados somente os dados dos sujeitos com níveis altos de estresse. Os percentuais de redução de estresse no presente estudo foram superiores para o grupo sem protocolo (44%) com manutenção da redução no follow-up de 37%. O tamanho de efeito para o grupo sem protocolo foi de 1,95 (enorme efeito), tendo sido ainda superior no follow-up, com d de 2,59.

Uma vez que houve maior prevalência de pessoas com morbidades no grupo sem protocolo, questionou-se, entre outras coisas, se apenas seis semanas de tratamento teriam sido suficientes para determinar diferenças entre os resultados dos dois grupos de intervenção. Para que se possa compreender a complexidade do assunto, foi feito um levantamento de pesquisas em auriculoterapia para tratamento de condições psicológicas como ansiedade e estresse nos últimos anos e foram encontradas algumas referências.

Estudos de auriculoterapia foram realizados para avaliação de redução de ansiedade pré-operatória com apenas uma única sessão. Foi testado o ponto relaxamento comparado ao grupo Shenmen e a um grupo Sham( 66. Wang SM, Peloquim C, Kain ZN. The Use of Auricular Acupuncture to Reduce Preoperative Anxiety. Anesthesia & Analgesia.2001;93:1178-80. ). Outro estudo avaliou o mesmo ponto de relaxamento em acupressura, em uma única sessão, para diminuição de ansiedade e estresse em pacientes com problemas gastrintestinais no transporte pré-hospitalar( 77. Kober A, Scheck T, Schubert B, Strasser H, Gustorff B, Bertalanffy P, et al Auricular acupressure as a treatment for anxiety in prehospital transport settings. Am Soc Anesthesiol. 2003;98(6):1328-32. ). A acupuntura auricular também foi utilizada para controlar a ansiedade aguda em extração dentária. Foi feita uma única sessão, comparando-se a auriculoterapia com a medicação intranasal midazolam, a acupuntura placebo e um grupo controle sem tratamento( 88. Karst M, Winterhalter M, Münte S, Francki B, Hondronikos A, Eckardt A, et al. Auricular acupuncture for dental anxiety: a randomized controlled trial. Anesth Analg. 2007;104(2):295-300. ).

Para estresse foram encontrados alguns ensaios, cujo número de sessões variou de sete a oito, uma vez por semana. Um ensaio clínico foi realizado para diminuição de níveis de ansiedade e estresse em estudantes universitários e foram utilizados dois pontos auriculares (Shenmen e Tronco Cerebral), uma vez por semana, por sete semanas, com sementes de mostarda( 1717. Nakai LS, Lyra CS, Marques AP. Eficácia da auriculoterapia na diminuição dos níveis de estresse e ansiedade de adultos saudáveis. [acesso 28 set 2013]. Disponível em: https://uspdigital.usp.br/siicusp/cdOnlineTrabalhoVisualizarResumo?numeroInscricaoTrabalho=1763&numeroEdicao=16
https://uspdigital.usp.br/siicusp/cdOnli...
). Outro estudo demonstrou a eficácia da auriculoterapia em oito sessões com os mesmos pontos do protocolo anterior (Shenmen e Tronco Cerebral) com agulha semipermanente em 41 sujeitos pertencentes à equipe de Enfermagem do Centro de Terapia Intensiva de um hospital particular, em São Paulo( 99. Giaponesi ANL, Leão ER. A auriculoterapia como intervenção para redução do estresse da equipe de Enfermagem em terapia intensiva. Nursing. (São Paulo) 2009;12(139):575-9. ). Um ensaio clínico randomizado, simples cego, foi realizado com 71 estudantes de Enfermagem para avaliar a eficácia dos pontos auriculares (Tronco Cerebral e Shenmen) para redução de estresse e ansiedade. Foram utilizadas oito sessões, uma vez por semana com agulha semipermanente( 1010. Do Prado JM, Kurebayashi LFS, Silva MJP. Efficacy of auriculotherapy for the reduction of stress in nursing studentes: a randomized clinical trial. Rev. Latino-Am. Enfermagem. 2012;20(4):727-35. ).

Conforme os estudos apresentados, o tempo pode variar na conformidade da proposta do ensaio clínico e no presente estudo foram propostas 12 sessões de auriculoterapia, em seis semanas. Não é possível afirmar, porém, se a melhora percentual superior do grupo sem protocolo poderia alcançar uma diferença estatística com o grupo protocolo, se o tempo de tratamento tivesse sido maior.

Na análise por subgrupos, observou-se que o grupo protocolo não conseguiu reduzir os níveis de estresse de pessoas com morbidades prévias autorreferidas e somente o grupo sem protocolo o conseguiu. O grupo protocolo não podia cobrir outra condição que não fosse o estresse e algumas desarmonias associadas aos pontos do protocolo, sendo bastante eficaz especialmente em pessoas saudáveis. Quanto ao follow-up de 30 dias, na análise do efeito residual positivo da auriculoterapia, o perfil de sujeitos que melhor conseguiu a manutenção dessa melhoria foi para aqueles sujeitos que não apresentaram morbidades crônicas. Os que apresentaram morbidades não conseguiram sustentar a melhoria obtida no pós-tratamento.

Quanto a isso, não existe consenso na literatura sobre quantas sessões seriam necessárias para se obter o melhor resultado de terapias como acupuntura e auriculoterapia em doenças crônicas( 1818. Lao L, Ezzo J, Berman BM, Hammerschlag R. Avaliação da eficácia Clínica da Acupuntura: considerações para o desenho de futuras pesquisas em acupuntura. In: Stux G, Berman B, Pomeranz B. Basics of Acupuncture. 5ed. Berlin: Springer; 2005. p. 207-32. ). A auriculoterapia pode ser uma técnica coadjuvante para o tratamento de enfermidades crônicas e para tratamentos considerados mais longos, como de quatro a seis semanas( 1919. Diaz Ontivero CM. Papel de la Auriculoterapia en el manejo de las enfermedades crónicas no transmisibles en la comunidad. Cuba; 2006 [acesso 20 ago 2013]. Disponível em: http://www.monografias.com/trabajos41/auriculoterapia/auriculoterapia.shtml.
http://www.monografias.com/trabajos41/au...
). Nesse sentido, sugere-se que estudos longitudinais sejam realizados no futuro, com tempo maior para o tratamento e para o follow-up, para que os efeitos residuais mais duradouros da auriculoterapia individualizada possam ser cuidadosamente avaliados, especialmente em sujeitos estressados que apresentem alguma morbidade prévia associada.

Outras terapêuticas têm sido utilizadas para o controle de estresse, tais como a terapia cognitivo-comportamental, programas de meditação, orientações para mudança de estilo de vida como cessação de fumo, cuidados com a nutrição, exercícios físicos e controle de pressão arterial. O enfrentamento do estresse pode envolver uma variedade de técnicas e procedimentos cujo objetivo seria o de ajudar os trabalhadores a lidarem melhor com os seus sintomas. Seriam aconselháveis orientações sobre relaxamento como biofeedback, relaxamento progressivo dos músculos e treinamento de habilidades cognitivo-comportamentais( 2020. Hurrell JJ Jr, Sauter SL. Stress Ocupacional: causas, consequências, prevenção e intervenção. In: Rossi AM, Perrewé PL, Meurs JA. Stress e Qualidade de Vida no Trabalho. São Paulo: Atlas; 2011. p. 213-30. ).

As práticas meditativas para redução de estresse têm sido muito pesquisadas e foi realizada uma metanálise sobre os ensaios clínicos que cobriram amplo espectro de sujeitos com morbidades (câncer, cardiopatia, depressão, ansiedade etc.) e estresse. A intervenção proposta foi um programa coletivo de meditação que buscou aliviar o sofrimento associado a desordens físicas, psicossomáticas e psiquiátricas. A técnica conseguiu um tamanho de efeito para redução de sintomas físicos de d=0,42 em 566 sujeitos, em nove diferentes estudos (p<0,0001). Também encontrou um tamanho de efeito de d=0,50 para 18 estudos com 894 sujeitos (p<0,0001) para os sintomas psicológicos( 2121. Grossman P, Niemann L, Schimdt S, Walach H. Mindfulness-based stress reduction and health benefits: a Meta-analysis. J Psychosom Res. [Internet]. 2004 [acesso 17 fev 2013].;57:35-43. Disponível em: http://www.openground.com.au/articles/MBSR_MA_JPR_2004.pdf
http://www.openground.com.au/articles/MB...
).

Outro estudo foi realizado para avaliar a eficácia e a aceitabilidade da acupuntura para tratar o Transtorno de Estresse Pós-traumático. Os sujeitos foram divididos em três grupos randomizados (acupuntura, terapia cognitivo-comportamental e controle/lista de espera). Ambos os grupos de intervenção conseguiram diferença estatística entre o pré e o pós-atendimento, com a acupuntura alcançando um tamanho de efeito de d=1,29, similar ao grupo da terapia cognitivo-comportamental (d=1,42). A redução dos sintomas se manteve no follow-up de 3 meses para ambas as intervenções( 2222. Hollifield M, Sinclair-Lian N, WarnerT, Hammerschlag R. Acupuncture for Posttraumatic Stress Disorder: a Randomized Controlled Pilot Trial. J Nerv Ment Dis.2007;195(6):504-13. ).

O resultado obtido pela auriculoterapia foi similar ou até superior para diminuição de níveis de estresse em termos de tamanho de efeito e percentual de melhoria, comparativamente a outras técnicas. Proporcionou àqueles que consentiram em participar do ensaio a oportunidade de conhecer um pouco dos benefícios da técnica para minimização de sintomas de estresse e melhoria de bem-estar. Intervenções como a auriculoterapia, que têm o potencial de ser facilmente aprendida por enfermeiros e profissionais da saúde, são propostas de interesse para a redução de custos e busca por alternativas efetivas de promoção de saúde. Mais estudos que visem a avaliação econômica de custo/efetividade e custo/benefício são fundamentais para que a auriculoterapia possa ser mais difundida, reconhecida e incluída nos diversos setores de atenção à saúde, uma vez que já existe legislação que regulamenta o uso da acupuntura multiprofissional pelo Sistema Único de Saúde (SUS)( 2323. Ministério da Saúde (BR). Portaria n. 971/2006. Aprova a Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares (PNPIC) no Sistema Único de Saúde. Diário Oficial da União, Brasília, 4 maio 2006. Seção 1, p. 20-5. ).

Conclusões

As respostas encontradas neste estudo demonstraram que a auriculoterapia com protocolo e sem protocolo foram eficazes para a diminuição dos níveis de estresse, segundo a Lista de Sintomas de Stress de Vasconcelos. Os melhores resultados foram encontrados no grupo sem protocolo comparativamente àquele com protocolo, quanto ao tamanho de efeito e aos percentuais de mudança, demonstrando que a auriculoterapia individualizada amplia o alcance da técnica, especialmente entre aqueles que apresentaram estresse mais elevado e morbidades prévias. O protocolo de pontos auriculares, proposto para redução de níveis de estresse, foi eficaz e os pontos Rim, Shenmen, Tronco Cerebral, em tonificação, e Yang do Fígado 1 e 2, em sedação, foram suficientes para produzir resultados positivos em 12 sessões.

Referências bibliográficas

  • 1
    Gatti MFZ, Leão ER, Silva MJP, Puggina ACG. Comparison between anxiety and stress levels displayed by and perceived by the nursing collective. Enferm Global.2004;5:1-12. [acesso 8 fev 2011]. Disponível em: http://revistas.um.es/eglobal/article/view/540
    » http://revistas.um.es/eglobal/article/view/540
  • 2
    Silva JLL, Melo ECP. Estresse e implicações para o trabalhador de Enfermagem. Informe-se em Promoção da Saúde. 2006;2(2):16-8.
  • 3
    Fugulin FMT, Gaidzinski RR, Kurcgant P. Expected and unexpected absences of the nursing team at the inpatient units of a university hospital at the University of São Paulo-Brazil. Rev Esc Enferm USP. 2003;37(4):109-17.
  • 4
    Coelho NM Neto, Garbaccio JL. O estresse ocupacional no serviço de Enfermagem hospitalar: reconhecimento e minimização. Interseção. 2008;1(2):71-81.
  • 5
    Kurebayashi LFS, Gnatta JR, Borges TP, Belisse G, Coca, S, Minami A, et al. The applicability of auriculotherapy with needles or seeds to reduce stress in nursing professionals. Rev Esc Enferm USP. 2012;46(1):89-95.
  • 6
    Wang SM, Peloquim C, Kain ZN. The Use of Auricular Acupuncture to Reduce Preoperative Anxiety. Anesthesia & Analgesia.2001;93:1178-80.
  • 7
    Kober A, Scheck T, Schubert B, Strasser H, Gustorff B, Bertalanffy P, et al Auricular acupressure as a treatment for anxiety in prehospital transport settings. Am Soc Anesthesiol. 2003;98(6):1328-32.
  • 8
    Karst M, Winterhalter M, Münte S, Francki B, Hondronikos A, Eckardt A, et al. Auricular acupuncture for dental anxiety: a randomized controlled trial. Anesth Analg. 2007;104(2):295-300.
  • 9
    Giaponesi ANL, Leão ER. A auriculoterapia como intervenção para redução do estresse da equipe de Enfermagem em terapia intensiva. Nursing. (São Paulo) 2009;12(139):575-9.
  • 10
    Do Prado JM, Kurebayashi LFS, Silva MJP. Efficacy of auriculotherapy for the reduction of stress in nursing studentes: a randomized clinical trial. Rev. Latino-Am. Enfermagem. 2012;20(4):727-35.
  • 11
    MacPherson H, Altaman DG, Hammerschlag R, Li YP, Wu TX, White A, et al. Revised Standards for Reporting Interventions in Clinical Trials of Acupuncture (STRICTA): Extending the CONSORT Statement. Aust J Acupunct Chin Med 2010;5(2):8-22.
  • 12
    Richardson J. The use of randomized control trials in complementary therapies: exploring the issues. J Adv Nurs. 2000;32(2):398-406.
  • 13
    Nguyen CR. Nada de cume, sem raiz: acupuntura do ano 2000. Rev Paul Acupuntura.1997;3(2):55-6.
  • 14
    Conselho Federal de Enfermagem (COFEN) (BR). Resolução COFEN 328/2008. Regulamenta no Sistema COFEN/Conselhos Regionais a atividade de acupuntura e dispões sobre o registro da especialidade [Internet]. Brasília; 2008. [acesso 29 jan 2011]. Disponível em: http://site.portalcofen.gov.br/node/5414
    » http://site.portalcofen.gov.br/node/5414
  • 15
    Ferreira EAG, Vasconcellos EG, Marques AP. Assessment of pain and stress in fibromyalgia patients. Rev Bras Reumatol. 2002;42:104-10.
  • 16
    Landgren K. Explanatory models for acupuncture. Ear Acupuncture: a practical guide. New York: Elsevier; 2008. p. 37-53.
  • 17
    Nakai LS, Lyra CS, Marques AP. Eficácia da auriculoterapia na diminuição dos níveis de estresse e ansiedade de adultos saudáveis. [acesso 28 set 2013]. Disponível em: https://uspdigital.usp.br/siicusp/cdOnlineTrabalhoVisualizarResumo?numeroInscricaoTrabalho=1763&numeroEdicao=16
    » https://uspdigital.usp.br/siicusp/cdOnlineTrabalhoVisualizarResumo?numeroInscricaoTrabalho=1763&numeroEdicao=16
  • 18
    Lao L, Ezzo J, Berman BM, Hammerschlag R. Avaliação da eficácia Clínica da Acupuntura: considerações para o desenho de futuras pesquisas em acupuntura. In: Stux G, Berman B, Pomeranz B. Basics of Acupuncture. 5ed. Berlin: Springer; 2005. p. 207-32.
  • 19
    Diaz Ontivero CM. Papel de la Auriculoterapia en el manejo de las enfermedades crónicas no transmisibles en la comunidad. Cuba; 2006 [acesso 20 ago 2013]. Disponível em: http://www.monografias.com/trabajos41/auriculoterapia/auriculoterapia.shtml.
    » http://www.monografias.com/trabajos41/auriculoterapia/auriculoterapia.shtml
  • 20
    Hurrell JJ Jr, Sauter SL. Stress Ocupacional: causas, consequências, prevenção e intervenção. In: Rossi AM, Perrewé PL, Meurs JA. Stress e Qualidade de Vida no Trabalho. São Paulo: Atlas; 2011. p. 213-30.
  • 21
    Grossman P, Niemann L, Schimdt S, Walach H. Mindfulness-based stress reduction and health benefits: a Meta-analysis. J Psychosom Res. [Internet]. 2004 [acesso 17 fev 2013].;57:35-43. Disponível em: http://www.openground.com.au/articles/MBSR_MA_JPR_2004.pdf
    » http://www.openground.com.au/articles/MBSR_MA_JPR_2004.pdf
  • 22
    Hollifield M, Sinclair-Lian N, WarnerT, Hammerschlag R. Acupuncture for Posttraumatic Stress Disorder: a Randomized Controlled Pilot Trial. J Nerv Ment Dis.2007;195(6):504-13.
  • 23
    Ministério da Saúde (BR). Portaria n. 971/2006. Aprova a Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares (PNPIC) no Sistema Único de Saúde. Diário Oficial da União, Brasília, 4 maio 2006. Seção 1, p. 20-5.

Datas de Publicação

  • Publicação nesta coleção
    May-Jun 2014

Histórico

  • Recebido
    15 Abr 2013
  • Aceito
    12 Dez 2013
Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto / Universidade de São Paulo Av. Bandeirantes, 3900, 14040-902 Ribeirão Preto SP Brazil, Tel.: +55 (16) 3315-3451 / 3315-4407 - Ribeirão Preto - SP - Brazil
E-mail: rlae@eerp.usp.br