O “estranho” filho adotivo. Uma leitura clínica do Unheimlich na adoção

Edilene Freire de Queiroz

A preocupação com a questão da origem do filho ocupa um lugar central no imaginário dos pais adotivos. A “revelação” torna-se, então, um significante-chave gerador de estado de ansiedade, quando o natural seria criar condições para a livre circulação da palavra sobre a adoção no seio da família. O estado de estrangeiro na consangüinidade parece fazer cair por terra as garantias de um lugar delegado, outorgado, conquistado.

O fantasma edipiano se reacende de um modo particular, pois não havendo a barreira da consangüinidade, perde-se a garantia de que a interdição do incesto se cumprirá. Realçamos essa condição de estrangeiro na vivência edípica, sobretudo porque tal expressão ganhou destaque nos depoimentos de pais e aparece também em comentários e definições de legisladores estudiosos do assunto.

O estranho remete ao assustador, provocador de medo e horror, mas, ao mesmo tempo, ao conhecido e, há muito, familiar. Um dos sentidos do Unheimlich, “refere-se a tudo que deveria ter permanecido secreto e oculto, mas veio à luz” e o Heimlich: “um lugar livre da influência de fantasmas”. Pode-se dizer, então, que o estranho não significa o novo, o alheio, e sim algo familiar e há muito estabelecido pelo imaginário. Aquilo que deveria ter permanecido oculto se revelou. Na peça Édipo Rei, Sófocles manifesta, com engenhosa maestria, os passos e o drama da revelação, a revelação da dupla filiação de Édipo. Os adotivos parecem viver, em ato e na realidade, aquilo que a maioria vive em sonhos, ou seja, a duplicidade de casal parental presente na fantasia do romance familiar.

Pais adotivos; mito de Édipo; Unheinlich; revelação


Associação Universitária de Pesquisa em Psicopatologia Fundamental Av. Onze de Junho, 1070, conj. 804, 04041-004 São Paulo, SP - Brasil - São Paulo - SP - Brazil
E-mail: secretaria.auppf@gmail.com