Accessibility / Report Error

Florística e caracterização dos campos rupestres sobre canga na Serra da Calçada, Minas Gerais, Brasil1 1 Parte da Monografia de Bacharelado em Ciências Biológicas do primeiro autor, pela Universidade Federal de Minas Gerais

Floristics and characterization of the ferrugineous rocky grasslands at Serra da Calçada, Minas Gerais state, Brazil

RESUMO

Os campos rupestres sobre canga são um ambiente peculiar e freqüente na região do Quadrilátrero Ferrífero, Minas Gerais. Sua vegetação, associada a afloramentos hematíticos, apresenta uma série de adaptações morfológicas e fiosiológicas, assim como alto grau de endemismo. Foi realizado um leventamento florístico, restrito às fanerógamas, e uma caracterização descritiva dos campos rupestres sobre canga na Serra da Calçada. Para tal, realizaram-se campanhas de campo mensais, entre junho de 2001 e agosto de 2002, e foram analisados exemplares depositados no herbário BHCB. O levantamento contou com 358 espécies distribuídas em 70 famílias, sendo as famílias mais ricas Poaceae (43 spp.), Asteraceae (42 spp.), Fabaceae e Myrtaceae (21 spp. cada), Melastomataceae e Orchidaceae (18 spp. cada). A maioria das espécies (210 spp.) ocorre em canga nodular, 153 em canga couraçada, 93 em capões de mata e 47 em áreas antropizadas. O alto grau de ameaça a que este ambiente está submetido e a presença expressiva de espécies ameaçadas de extinção implicam na necessidade urgente de preservação de áreas que compreendem campos rupestres sobre canga.

Palavras chave:
flora; campos rupestres; canga; campos ferruginosos; Quadrilátero Ferrífero

ABSTRACT

Ferrugineous rocky grasslands are a peculiar environment frequently found at the "Quadrilátero Ferrifero" region, Minas Gerais State. The vegetation, associated to hematitic outcrops, presents physiological and morphological adaptations, as well as high levels of endemism. A floristic survey, restricted to phanerogames, and a descriptive characterization of the ferrugineous rocky grasslands of Serra da Calçada are presented. Studies of specimens collected from July 2001 and August 2002 were complemented by exame of collections deposited at BHCB Herbarium. A total of 358 species distributed in 70 families were registred. The richest families were Poaceae (43 spp.), Asteraceae (42 spp.), Fabaceae and Myrtaceae (21 spp. each), Melastomataceae and Orchidaceae (18 spp. each). Most of the species (210 spp.) occur on grassy fields (or "canga nodular"), while 153 occur on rocky fields (or "canga couraçada"), 93 on forest islands and 47 on anthropized areas. Ferrugineus grasslands is under threatened due to mining exploration and urban development, therefore urgent conservation measures are essential to protect threatened plant species.

Key words:
flora; rocky grasslands; "canga"; ferrugineous grasslands; Quadrilátero Ferrífero

Texto completo disponível apenas em PDF.

  • 1
    Parte da Monografia de Bacharelado em Ciências Biológicas do primeiro autor, pela Universidade Federal de Minas Gerais

AGRADECIMENTOS

Os autores expressam seus agradecimentos aos pesquisadores J. R. Stehmann e A. Barros pelas importantes coletas e a todos os especialistas que contribuíram na identificação de espécies: M. Sobral (Myrtaceae), J. Nakajima (Asteraceae), A. M. Teles (Asteraceae), J. R. Stehmann (Solanaceae), L. M. Versieux (Bromeliaceae), R. Goldenberg (Miconia e Leandra), R. Mello-Silva (Velloziaceae), F. R. Salimena (Verbenaceae) e R. C. Mota (Orchidaceae). O primeiro autor agradece F. S. F. Leite pela ajuda nas campanhas de campo e aos revisores ad hoc pelas sugestões no texto final.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

  • APG. 2003. An update of the Angiosperm Phylogeny Group classification for the orders & families of flowering plants: APG II. Botanical Journal of the Linnean Society 141: 399-436.
  • Araújo, A. O.; Souza, V. C. & Chautems, A. 2005. Gesneriaceae da Cadeia do Espinhaço de Minas Gerais, Brasil. Acta Botanica Brasilica 28(1): 109-135.
  • Barneby, R. C. 1991. Sensitivae censitae: a description of the genus Mimosa Linneaus (Mimosaceae) in the New World. The New York Bootanical Gardens, New York, 835p.
  • Brandão, M. 1992. Caracterização geomorfológica, climática, florística e faunística da Serra do Curral em Belo Horizonte, MG. Daphne 2: 13-38.
  • ______ & Gavilanes, M. L. 1990. Mais uma contribuição para o conhecimento da Cadeia do Espinhaço em Minas Gerais, Serra da Piedade - II. Daphne 1: 26-43.
  • ______; Gavilanes, M. L.; Laca-Buendia, J. P.; Macedo, J. F. & Cunha, L. H. S. 1991. Contribuição para o conhecimento da Cadeia do Espinhaço em Minas Gerais (Serra de Itabirito) - III. Daphne 1: 39-41.
  • Brasil. 1978. Balanço mineral brasileiro: bens minerais selecionados. Ministério das Minas e Energia, 212p.
  • Drummond, G. M.; Martins, C. S.; Machado, A. B. M; Sebaio, F. A. & Antonini, Y. 2005. Biodiversidade em Minas Gerais: um atlas para sua conservação. 2a ed. Fundação Biodiversitas, Belo Horizonte, 222p.
  • Giulietti, A. M.; Harley, R. M.; Queiroz, L. P.; Wanderley, M. G. L. & Pirani, J. R. 2000. Caracterização e endemismos nos campos rupestres da Cadeia do Espinhaço. In: Cavalcanti, T. B. & Walter, B. M. T. (org.). Tópicos atuais em botânica. 1a ed. SBB/CENARGEN, Brasília. Pp. 311-318.
  • ______; Menezes, N. L.; Pirani, J.R.; Meguro, M. & Wanderley, M. G. L. 1987. Flora da Serra do Cipó, Minas Gerais: Caracterização e Lista das Espécies. Boletim de Botânica da Universidade de São Paulo, 9: 1-151.
  • ______; Pirani, J. R. & Harley, R. M. 1997. Espinhaço Range region. In: Davis, S. D.; Heywood, V. H.; MacBryde, O. H.; Villa-Lobos, J. & Hamilton, A. C. (eds.). Centers of plant diversity: a guide & strategy for their conservation. Cambrige. Pp. 397-404.
  • Grandi, T. S. M.; Siqueira, J. S. & Paula, J. A. 1988. Levantamento florístico da flora fanerogâmica dos campos rupestres da Serra da Piedade, Caeté, Minas Gerais. Pesquisas - Botânica 39: 89-74.
  • Harley, R. M. 1995. Flora of the Pico das Almas, Chapada Diamantina-Bahia, Brasil. Stannard, B. L. E. (ed.). The trustees of the Royal Botanic Gardens, Kew, 853p.
  • ______ & Mayo, S. J. 1980. Florula of Mucugê, Chapada Diamantina, Brazil. Royal Botanical Gardens, Kew, 227p.
  • Hoehne, F. C. 1958. Novidades da família das Gesneriaceae do Brasil. Sellowia 9: 37-79.
  • Larcher, W. 1995. Physiological Plant ecology. Springer Verlag, Berlin, 506p.
  • Magalhães, G. M. 1966. Sobre os cerrados de Minas Gerais. Anais da Academia Brasileira de Ciências 38(supl.): 59-70.
  • Meguro, M.; Pirani, J. R.; Giulietti, A. M. & Mello-Silva, R. 1994. Phytophysiognomy & composition of the vegetation of Serra do Ambrósio, Minas Gerais, Brazil. Revista Brasileira de Botânica 17: 149-166.
  • Mendonça, M. P. & Lins, L. V. 2000. Lista Vermelha das Espécies Ameaçadas de Extinção da Flora de Minas Gerais. Biodiversitas & Fundação Zoo-Botânica de Belo Horizonte. Belo Horizonte, 157p.
  • Mendonça, R. C.; Felfili, J. M.; Walter, B. M. T.; Silva Júnior, M. C.; Rezende, A. V.; Filgueiras, T. S. & Nogueira, P.E. 1998. Flora Vascular do Cerrado. In: Sano, S. M. & Almeida, S. P. Cerrado ambiente e flora., EMBRAPA-CPAC, Planaltina. Pp. 289-556.
  • Meyer, S. T.; Silva, A. F.; Júnior, P. M. & Meira-Neto, J. A. A. 2004. Composição florística da vegetação arbórea de um trecho de floresta de galeria do Parque Estadual do Rola-Moça na Região Metropolitana de Belo Horizonte, MG, Brasil. Acta Botânica Brasílica 18(4): 701-709.
  • Morelato, P. C. & Rosa, N. A. 1991. Caracterização de alguns tipos de vegetação na região amazônica, Serra dos Carajás, Pará, Brasil. Revista Brasileira de Botânica 14: 1-14.
  • Nakajima, J. N. & Semir, J. 2001. Asteraceae do Parque Nacional da Serra da Canastra, Minas Gerais, Brasil. Revista Brasileira de Botânica 24(4): 471-478.
  • Pirani, J. R.; Giulietti, A, M.; Mello-Silva, R. & Meguro, M. 1994. Checklist & Patterns of Geographic Distribution of the Vegetation of Serra do Ambrósio, Minas Gerais, Brazil. Revista Brasileira de Botânica 17: 133-147.
  • ______; Mello-Silva, R & Giulietti, A. M. 2003. Flora de Grão-Mogol, Minas Gerais. Boletim de Botânica da Universidade de São Paulo 21(1): 1-27.
  • Porto, M. L. & Silva, M. F. F. 1989. Tipos de vegetação metalófila em áreas da Serra de Carajás e de Minas Gerais. Acta Botanica Brasilica 3: 13-21.
  • Rizzini, C. T. 1979. Tratado de fitogeografia do Brasil. Aspectos sociológicos e florísticos. HUCITEC/EDUSP, São Paulo, 374p.
  • Rodela, L. G. 1998. Cerrados de altitude e campos rupestres do Parque Estadual do Ibitipoca, sudeste de Minas Gerais: distribuição e florística por subfisionomia da vegetação. Revista do Departamento de Geografia 12: 163-189.
  • Romero, R & Martins, A. B. 2001. Melastomataceae do Parque Nacional da Serra da Canastra, Minas Gerais, Brasil. Revista Brasileira de Botânica 25(1): 19-24.
  • Secco, R. S & Mesquita, A. I. 1983. Notas sobre a vegetação de canga na Serra Norte - I. Boletim do Museu Paraense Emílio Goeldi, série Botânica 59: 1-13.
  • Silva, M. F. F. 1991. Análise florística da vegetação que cresce sobre canga hematítica em Carajás - Pará (Brasil). Boletim do Museu paraense Emílio Goeldi, série Botânica 7: 79-105.
  • ______.1992. Distribuição de matais pesados na vegetação metalófila de Carajás. Acta Botanica Brasilica 6: 107-122.
  • Spósito, T. C. & Stehmann, J. R. 2006. Heterogeneidade florística e estrutural deremanescentes florestais da Área de Proteção Ambiental ao Sul da Região Metropolitana de Belo Horizonte (APA Sul-RMBH), Minas Gerais, Brasil. Acta Botanica Brasilica (20)2: 347-362.
  • Stannard, B. L. 1995. Flora of the Pico das Almas: Chapada Diamantina - Bahia, Brazil. Royal Botanical Gardens, Kew, 853p.
  • Taylor, N. P & Zappi, D. C. 2004. Cacti of Eastern Brazil. Royal Botanical Gardens, Kew, 499p.
  • Teixeira, W. A & Lemos-Filho, J. P. 1998. Metais pesados em folhas de espécies lenhosas colonizadoras de uma área de mineração de ferro em Itabirito, Minas Gerais. Árvore 22: 381-388.
  • Teixeira W. A & Lemos-Filho, J. P. 2002. Fatores edáficos e a colonização de espécies lenhosas em uma cava de mineração de ferro em Itabirito, Minas Gerais. Árvore 26: 25-33.
  • Versieux, L. M. 2005. Bromeliáceas de Minas Gerais: catálogo, distribuição geográfica e conservação. Dissertação de Mestrado. Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 234p.
  • Viana, P. L. 2002. Levantamento das plantas vasculares em uma área de formações campestre na Serra da Moeda, MG. Monografia de Bacharelado. Universidade Federal de Minas Gerais. Belo Horizonte, 23p.
  • Vincent, R. C. 2004. Florística, fitossociologia e relações entre a vegetação e o solo em área de campos ferruginosos no Quadrilátero Ferrífero, Minas Gerias. Tese de doutorado. Universidade de São Paulo, São Paulo, 145p.
  • ______; Jacobi, C. M. & Antonini, Y. 2002. Diversidade na adversidade. Ciência Hoje 31(185): 64-67.
  • Zappi, D. C.; Lucas, E.; Stannard, B. L.; Lughadha, E. N.; Pirani, J. R.; Queiroz, L. P.; Atkins, S.; Hind, D. J. N.; Giulietti, A. M.; Harley; R. M.; Carvalho, A. M. 2003. Lista das plantas vasculares de Catolés, Chapada Diamantina, Bahia. Boletim de Botânica da Universidade de São Paulo 21(2): 345-398.

Datas de Publicação

  • Publicação nesta coleção
    Jan-Mar 2007

Histórico

  • Recebido
    Jun 2006
  • Aceito
    Nov 2006
Instituto de Pesquisas Jardim Botânico do Rio de Janeiro Rua Pacheco Leão, 915 - Jardim Botânico, 22460-030 Rio de Janeiro, RJ, Brasil, Tel.: (55 21)3204-2148, Fax: (55 21) 3204-2071 - Rio de Janeiro - RJ - Brazil
E-mail: rodriguesia@jbrj.gov.br