Xyris riopretensis (Xyridaceae): uma nova espécie para Minas Gerais, Brasil

Xyris riopretensis (Xyridaceae): a new species from Minas Gerais, Brazil

Resumos

Xyris é um gênero com ca. 400 espécies, distribuídas predominantemente na região tropical, podendo chegar em áreas temperadas das Américas e Austrália. A Cadeia do Espinhaço concentra grande riqueza de espécies de Xyris, gênero que figura entre os mais ricos dentre as monocotiledôneas ocorrentes nessa cadeia montanhosa. Este trabalho apresenta uma nova espécie de Xyris em homenagem à sua localidade tipo, o Parque Estadual do Rio Preto, localizado no extremo nordeste do Planalto de Diamantina, na Cadeia do Espinhaço (Minas Gerais). São fornecidas ilustrações dos caracteres diagnósticos, comparação com espécies morfologicamente relacionadas, assim como informações sobre ecologia e fenologia da nova espécie.

campo rupestre; Planalto de Diamantina; Poales, novidade taxonômica; sempre-viva


Xyris is a genus of about 400 species distributed in tropical regions, reaching temperate areas of the Americas and Australia. The Espinhaço Range concentrates a great wealth of Xyris species; the genus is among the richest of monocots occurring in these mountains. This paper presents a new species of Xyris named for its type locality, the State Park of Rio Preto, located in the far northeast of the Diamantina plateau, in the Espinhaço (Minas Gerais). Illustrations of diagnostic characters, a comparison with morphologically related species, as well as information on ecology and phenology of the new species are provided.

campo rupestre; Diamantina plateau; Poales; novelties; evergreen


ARTIGOS ORIGINAIS

Xyris riopretensis (Xyridaceae): uma nova espécie para Minas Gerais, Brasil11 Parte da dissertação de Mestrado da primeira autora.

Xyris riopretensis (Xyridaceae): a new species from Minas Gerais, Brazil

Nara F.O. MotaI,22 Autores para correspondência: bhznara@yahoo.com.br; gracaw@terra.com.br; Maria G.L. WanderleyII,22 Autores para correspondência: bhznara@yahoo.com.br; gracaw@terra.com.br

IUniversidade Federal de Minas Gerais, Inst. Ciências Biológicas, Depto. Botânica, 31270-901, Belo Horizonte, MG, Brasil

IIInstituto de Botânica de São Paulo, Seção de Curadoria do Herbário, 04301-902, São Paulo, SP, Brasil

RESUMO

Xyris é um gênero com ca. 400 espécies, distribuídas predominantemente na região tropical, podendo chegar em áreas temperadas das Américas e Austrália. A Cadeia do Espinhaço concentra grande riqueza de espécies de Xyris, gênero que figura entre os mais ricos dentre as monocotiledôneas ocorrentes nessa cadeia montanhosa. Este trabalho apresenta uma nova espécie de Xyris em homenagem à sua localidade tipo, o Parque Estadual do Rio Preto, localizado no extremo nordeste do Planalto de Diamantina, na Cadeia do Espinhaço (Minas Gerais). São fornecidas ilustrações dos caracteres diagnósticos, comparação com espécies morfologicamente relacionadas, assim como informações sobre ecologia e fenologia da nova espécie.

Palavras-chave: campo rupestre, Planalto de Diamantina, Poales, novidade taxonômica, sempre-viva.

ABSTRACT

Xyris is a genus of about 400 species distributed in tropical regions, reaching temperate areas of the Americas and Australia. The Espinhaço Range concentrates a great wealth of Xyris species; the genus is among the richest of monocots occurring in these mountains. This paper presents a new species of Xyris named for its type locality, the State Park of Rio Preto, located in the far northeast of the Diamantina plateau, in the Espinhaço (Minas Gerais). Illustrations of diagnostic characters, a comparison with morphologically related species, as well as information on ecology and phenology of the new species are provided.

Key words:campo rupestre, Diamantina plateau, Poales, novelties, evergreen.

Introdução

A família Xyridaceae compreende cerca de 430 espécies distribuídas em cinco gêneros. Xyris Gronov. ex L., o mais rico deles, com cerca de 400 espécies, é particularmente diverso nas regiões montanhosas da América do Sul, destacando o Planalto das Guianas (Kral 1988) e os campos rupestres da Cadeia do Espinhaço (Giulietti et al. 1987, 1997; Campbell 2005; Wanderley 2011). Aproximadamente 100 espécies de Xyris ocorrem nessa cadeia montanhosa, sendo 65% delas endêmicas (M.G.L. Wanderley, dados não publicados). A elevada riqueza e o elevado número de espécies endêmicas da flora da Cadeia do Espinhaço já foi destacado por diversos autores (Giulietti et al. 1987; Harley & Mayo 1980; Pirani et al. 1994, 2003; Zappi et al. 2003; Wanderley 2009), e perfaz significativa riqueza e diversidade da flora Neotropical (Rapini et al. 2008).

O gênero Xyris figura entre os mais ricos gêneros de monocotiledôneas em diversos inventários florísticos realizados na Cadeia do Espinhaço (e.g. Giulietti et al. 1987; Harley 1995). É também notável o grande número de espécies descritas para a Cadeia do Espinhaço nos últimos anos (Kral & Wanderley 1988a,b, 1993; Wanderley 1983, 1986, 2009, 2011; Wanderley & Cerati 1987), fato que revela que ainda existe grande demanda para coletas adicionais para consolidação do conhecimento sobre a diversidade de Xyris no Espinhaço.

Parte das Xyridaceae assim como algumas espécies de Cyperaceae, Poaceae e um grande grupo de Eriocaulaceae são conhecidas como "sempre-vivas" (Giulietti et al. 1996). Este nome advém dos escapos e inflorescências dessas plantas que mantêm a aparência de vivos, mesmo depois de coletados e secos. As "sempre-vivas" são empregadas na confecção de arranjos para decoração de interiores, sendo comercializadas no mercado nacional e internacional. No entanto, tal prática, pode comprometer o recrutamento das populações naturais, uma vez que as inflorescências são coletadas jovens (maior valor comercial), antes das formação e dispersão dos frutos. Muitas dessas espécies encontram-se em listas de espécies ameaçadas de extinção devido à prática extrativista (Giulietti et al. 1988, 1996; Menezes & Giulietti 2000), fato agravado pela distribuição geográfica restrita (alto índice de endemismo) e pela constante perda do hábitat (substituição das áreas naturais por pastagens, garimpo, turismo predatório, queimadas e especulação imobiliária) (Mendonça & Lins 2000).

O Parque Estadual do Rio Preto (PERP), localizado no município de São Gonçalo do Rio Preto, nordeste do Planalto de Diamantina, Minas Gerais, Brasil, engloba uma área de cerca de 130 km2, com altitudes variando de 700 a 1826 m. É formado por um mosaico de fitofisionomias, incluindo ambientes savânicos (Cerrado sensu stricto), florestais (matas riparias, floresta estacional semi-decidual e floresta estacional montana) e graminosos (campo rupestre) (IEF 2004). O PERP abriga significativa riqueza de espécies de Xyris (Mota 2009), estando geralmente associadas aos campos rupestres e cursos d'água.

Como parte dos resultados de estudo taxonômico das Xyridaceae do PERP (Mota 2009), uma nova espécie de Xyris é aqui apresentada. São fornecidas ilustrações dos caracteres diagnósticos, comparação com espécies morfologicamente relacionadas assim como informações sobre ecologia e fenologia da nova espécie.

Material e Métodos

A terminologia dos caracteres morfológicos segue Kral (1988). A nova espécie foi avaliada quanto ao seu estado de conservação segundo os critérios IUCN Redlist 3.1 (IUCN 2001).

Resultados e Discussão

Xyris riopretensis N. Mota & Wand. sp. nov. Tipo: BRASIL. MINAS GERAIS: São Gonçalo do Rio Preto, Parque Estadual do Rio Preto, margem do Córrego das Éguas, próximo ao Morro do Alecrim, 18º11'53'' S, 43º21'24'' W, 1200-1300 m, 01.X.2007 fl. e fr., N.F.O. Mota et al. 892 (holótipo BHCB!, isótipos: NY!, R!, SP!, SPF!). Fig. 1-2

 

Species nova, Xyris riopretensis, Xyris spinulosa Kral & L.B.Sm. rhizomate longo, erecto et habitu rheophilo, dense caespitoso similis, sed foliis complanatis, superfície laevi (versus foliis cylindricis, superfície transversali-rugulosis in X. spinosula), spicis 4-floribus et sepalis lateralibus conatis (versus sepalis liberis et spicis 10-15- floribus in X. spinosula) abunde differt.

Erva 19-38 cm alt., cespitosa, perene, base delicada, não bulbosa, paleácea, raro lustrosa. Raízes delgadas, fibrosas. Rizoma vertical, caulescente com entrenós 0,4-0,6 cm compr. Folhas dísticas, flabeladas, retas, lígula 1,0 cm compr. Bainha 2-8 × 0,8-1,5 cm, abruptamente dilatada na base, cartáceas, lisa, castanhas, nervuras proeminentes, margens membranáceas, glabras; transição bainha-lâmina abrupta. Folhas 7-11 × 0,07-0,2 cm, cartáceas, lisas, verdes, achatadas, lineares, agudas, glabras, nervuras proeminentes. Bainha do escapo menor que as folhas, lisa, nervuras proeminentes, glabra; lâmina 0,7-2,0 cm compr. Escapo 0,5-0,6 mm larg., cilíndrico, liso, verde a vináceo, não torcido, 1-2-costelado, glabro. Espiga 4-flora, 7,1-8,3 × 2,4-4,2 mm, elipsoide, castanha, negra na senescência. Brácteas estéreis 4, as basais 1/2 do compr. da espiga, carenadas, lineares, lanceoladas, elípticas a obovadas, as demais 4,8-6,0 × 1,6-2,2 mm, glabras; macula dorsal presente, linear-lanceolada, verde a vermelha, agudas a obtusas, margem membranácea, concolor, inteira a minutamente lacerada. Brácteas florais 4, 6,2-7,5 × 1,3-2,1 mm, lineares a elípticas, levemente carenadas, densamente curto-ciliadas no ápice; tricomas avermelhados; mácula dorsal presente, linear-lanceolada, verde a vermelha; ápice agudo; margem membranácea, concolor, inteira a minutamente lacerada. Sépala anterior cuculada, membranácea, caduca. Sépalas laterais 2, 5-7 × 0,8-1,5 mm, inclusas, conadas 1/3 a 1/2 do compr., inequilaterais, lineares a elípticas, carenadas, quilha densamente curto-ciliada nos 2/3 distais, tricomas vermelhos a castanhos. Pétalas 11-13 mm compr., amarelas, livres; lobos 5-6 × 3-4 mm, arredondados a obovados, margem levemente lacerada. Androceu amarelo; estaminódio bífido, curto pedicelado, penicelado; estames 2-3 mm compr.; anteras 1,5-2 mm compr., sagitada, conectivo inconspícuo. Gineceu amarelo; estilete 6-6,3 mm compr., ramos 2,5-3 mm compr.; estigma levemente dilatado a lobado; ovário 1,7-2,7 mm compr., cilíndrico. Placentação central-livre. Cápsula septífraga 3-3,5 × 0,9-1 mm, marrom, fusóide, funículos longos. Fruto 6-8 semente por frutos, 0,7-0,8 × 0,2-0,3 mm, fusóide a elipsóide, apiculada, marrom, multicostelada.

Material examinado: São Gonçalo do Rio Preto, descida pelo Morro do Alecrim, nas pedras do Córrego das Éguas, 21.III.2007, fr., N.F.O. Mota et al. 728 (BHCB, SP, SPF); Chapada do Couto, 18º11'53'' S, 43º21'38'' W, 1200-1300 m, 13.VII.2007, fl., N.F.O. Mota 853 (BHCB, SP, R); mata de galeria de riachos próximos ao Moinho do Parque, 18º05'15'' S, 43º20'12'' W, 792 m, 2.XI.2007, fl. e fr., N.F.O. Mota et al. 918 (BHCB, SP, SPF, R, NY); vegetação ripária próximo ao camping, 18º07' S, 43º20' W, 17.XI.1999, fl., J. A. Lombardi 3356 (BHCB, BRIT).

Xyris riopretensis assemelha-se a Xyris spinulosa Kral & L.B.Sm., espécie amplamente distribuída na Cadeia do Espinhaço, pelo hábito densamente cespitoso com caule ereto e pelo habitat onde ocorre, sendo típica de margens de riachos na sua área de ocorrência. As duas espécies são observadas em simpatria em alguns afluentes do Rio Preto dentro do PERP. Porém, podem ser facilmente diferenciadas pela forma e superfície das folhas e pelo número de flores por inflorescência. Xyris riopretensis possui folhas complanadas e com superfície lisa, enquanto X. spinulosa possui folhas cilíndricas, densamente tranverso-rugulosas. Ademais, em X. riopretensis as espigas são paucifloras (4-floras), enquanto que em X. spinulosa as espigas são multifloras, com mais de dez flores.

Xyris riopretensis assemelha-se a X. jataiana Kral & Wand. e X. pterygoblephara var. vernicosa Kral & Wand. por apresentarem rizomas com entrenós longos, característica não muito comum dentre as espécies do gênero. Xyris jataiana é uma espécie conhecida até o momento apenas da localidade tipo, no município de Jataí no estado de Goiás (Kral & Wanderley 1988a), enquanto X. pterygoblephara var. vernicosa é amplamente distribuída na Cadeia do Espinhaço, nos estados da Bahia e Minas Gerais (M.G.L. Wanderley, observações de herbários). Ambas possuem espigas multifloras e tratam-se de plantas mais robustas, quando comparadas com X. riopretensis. Esta apresenta escapos com 19-38 cm de comprimento, enquanto X. jatainana e X. pterygoblephara var. vernicosa apresentam escapos com 50-60 cm e 30-80 cm de comprimento, respectivamente. Xyris jataiana também pode ser diferenciada de X. riopretensis pelas numerosas brácteas estéreis, Xyris riopretensis possui apenas quatro. Por fim, X. pterygoblephara var. vernicosa também pode ser diferenciada de X. riopretensis pela ausência da lígula.

Xyris riopretensis é conhecida até o momento apenas para a sub-bacia do Rio Preto, bacia do rio Jequitinhonha, localizada a nordeste do planalto de Diamantina em Minas Gerais. Ocorre em fendas de rochas quartíziticas e bancos de seixos ao longo dos cursos d`água, em geral em simpatria com Otachyrium pterigodium Trin. (Poaceae), que também forma típicas touceiras à beira de riachos na região. Outras espécies que ocorrem nesse ambiente são Drosera graminifolia A. St.-Hil. (Droseraceae), Uticularia spp. (Lentibulariaceae), Augusta longifolia (Spreng.) Rehder (Rubiaceae), Macairea radula (Bonpl.) DC. (Melastomataceae), Burmannia flava Mart. (Burmanniaceae).

A floração de X. riopretensis foi observada entre os meses de julho e novembro, no inverno até o início do verão, quando os cursos d`água estão mais secos. Os frutos foram observados entre os meses de novembro e março, principalmente durante o período chuvoso. Provavelmente trata-se de uma espécie hidrocórica, com dispersão associada as cheias da sub-bacia do Rio Preto. Ademais, trata-se de uma espécie sempre associada ao curso d'água, comportamento que pode ser associado às espécies hidrocóricas. Ocasionalmente foram encontrados frutos nas demais estações.

Xyris riopretensis é observada principalmente dentro da área do PERP. Pequenas touceiras foram observadas em afluentes do Rio Preto, fora da área do parque. Porém, devido a degradação das margens do Rio Preto fora da unidade de conservação, a espécie se torna rara. Apesar dos constantes esforças de coleta no Plantalto de Diamantina, não foi encontrado nenhum exemplar de X. riopretensis em outras sub-bacias desta região. Analisando as principais coleções de Xyridaceae do Brasil, também não foram encontradas amostras de X. riopretensis em outras localidades ao longo da Cadeia do Espinhaço. Segundo os critérios da IUCN, X. riopretensis pode ser classificada como ameaçada, na categoria vulnerável (B1a).

O epíteto específico é uma homenagem à sua localidade tipo, a sub-bacia do Rio Preto. É Também uma homenagem ao Parque Estadual do Rio Preto que de forma exemplar protege o rio que lhe dá nome e grande parte de seus afluentes conservando o precioso hábitat da espécie aqui descrita. Apenas na área do PERP foram coletadas cerca de 50 espécies de Xyridaceae (Mota 2009), sendo uma área de extrema importância para a conservação da família.

Agradecimentos

As autoras agradecem aos funcionários do Parque Estadual do Rio Preto, especialmente a Antonio Augusto Tonhão de Almeida, o suporte nas campanhas de campo. A Pedro L. Viana e Victor T. Giorni, a companhia em campo. A Queila S. Garcia por supervisionar esse projeto. A Eduardo L. Borba, Ana M. Giulietti, Pedro L. Viana e Lisa M. Campbell, os valiosos comentários no manuscrito. A Tarciso S. Filgueiras, o suporte nas diagnoses. À Fundação O Boticário, o suporte financeiro. Ao CNPq, a bolsa concedida à primeira autora.

Artigo recebido em 12/07/2012

Aceito para publicação em 18/12/2012

  • Campbell, L.M. 2005. Contributions towards a Monograph of Xyridaceae: A revised nomenclature of Abolboda Harvard Papers in Botany 10:137-145.
  • Giulietti, A.M.; Menezes, N.L.; Pirani, J.R.; Meguro, M. & Wanderley, M.G.L. 1987. Flora da Serra do Cipó, Minas Gerais: caracterização e lista das espécies. Boletim de Botânica da Universidade de São Paulo 9:1-151.
  • Giulietti, A.M.; Wanderley, M.G.L.; Longhi-Wagner, H.M.; Pirani, J.R. & Parra, J.R. 1996. Estudos em "sempre-vivas": taxonomia com ênfase nas espécies de Minas Gerais, Brasil. Acta Botânica Brasilica 10:329-384.
  • Giulietti, A.M.; Pirani, J.R. & Harley, R.M. 1997. Espinhaço Range region. In: Davis, S.D.; Heywood, V.H.; Herrera Macbryde, O.; Villa-Lobos, J. & Hamilton, A.C. (eds.). Centers of plant diversity: a guide and strategy for their conservation. The Americas. Pp. 397-404.
  • Giulietti, N.; Giulietti, A.M.; Pirani, J.R. & Menezes, N.L. 1988. Estudos de sempre-vivas: importância econômica do extrativismo em Minas Gerais, Brasil. Acta Botânica Brasilica 1:179-194.
  • Harley, R.M. 1995. Introduction. In: B.L. Stannard (ed.). Flora of the Pico das Almas, Chapada Diamantina, Bahia. Royal Botanic Gardens, Kew. Pp. 1-40.
  • Harley, R.M. & Mayo, S.J. 1980. Towards a checklist of the Flora of Bahia. Royal Botanic Gardens, London.
  • IEF. 2004. Plano de manejo do Parque Estadual do Rio Preto. Instituto Estadual de Florestas, Curitiba. 662p.
  • IUCN. 2001. IUCN Red List Categories and Criteria: Version 3.1. IUCN Species Survival Commission. IUCN, Gland and Cambridge. 35p.
  • Kral, R. 1988. The genus Xyris (Xyridaceae) in Venezuela and contiguous northern South America. Annals of Missouri Botanical Garden 75:522-722.
  • Kral, R. & Wanderley, M.G.L. 1988a. Ten novelties in Xyris (Xyridaceae) from the Planalto of Brazil. Annals Missouri Botanical Garden 75:352-372.
  • Kral, R. & Wanderley, M.G.L. 1988b. Two new Xyris (Xyridaceae) from the Amazon Basin of Brazil. Annals Missouri Botanical Garden 74:912-916.
  • Kral, R. & Wanderley, M.G.L. 1993. Five new taxa of Xyris L. Xyridaceae. Kew Bulletin 48:577-588.
  • Mendonça, M.P. & Lins, L.V. 2000. Lista vermelha das espécies ameaçadas de extinção da Flora de Minas Gerais. Biodiversitas & Fundação Zoo-Botânica de Belo Horizonte, Belo Horizonte. Pp. 1-157.
  • Menezes, N.Z. & Giulietti, A.M. 2000. Campos rupestres. In: M.P. Mendonça & Lins, L.V. (eds.). Lista vermelha das espécies ameaçadas de extinção da flora de Minas Gerais. Biodiversitas & Fundação Zoo-Botânica de Belo Horizonte. Minas Gerais, Belo Horizonte. Pp. 65-73.
  • Mota, N.F.O. 2009. A família Xyridaceae C. Agardh no Parque Estadual do Rio Preto, Minas Gerais, Brasil. Dissertação de Mestrado. Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte. 160p.
  • Pirani, J.R.; Giulietti, A.M.; Mello-Silva, R. & Meguro, M. 1994. Checklist and patterns of geographic distribution of the vegetation of Serra do Ambrósio, Minas Gerais, Brazil. Revista Brasileira de Botânica 17:133-147.
  • Pirani, J.R.; Mello-Silva, R. & Giulietti, A.M. 2003. Flora de Grão-Mogol, Minas Gerais. Boletim de Botânica da Universidade de São Paulo 21:1-27.
  • Rapini, A.; Ribeiro, P.L.; Lambert, S. & Pirani, J.R. 2008. A flora dos campos rupestres da Cadeia do Espinhaço. Megadiversidade 4:16-24.
  • Wanderley, M.G.L. 1983. Xyris da Serra do Cipó, Minas Gerais, Brasil: duas novas espécies. Revista Brasileira de Botânica 6:11-14.
  • Wanderley, M.G.L. 1986. Estudos em Xyridaceae. 3. Xyris paradisiaca Wanderley uma nova espécies do Brasil. Hoehnea 13:31-33.
  • Wanderley, M.G.L. 2009. Cinco novas espécies de Xyris (Xyridaceae) da Serra do Cipó, Minas Gerais, Brasil. Rodriguésia 61:83-94.
  • Wanderley, M.G.L. 2011. Flora da Serra do Cipó, Minas Gerais: Xyridaceae. Boletim de Botânica da Universidade de São Paulo 29:69-134.
  • Wanderley, M.G.L. & Cerati, T.M. 1987. Studies in Xyridaceae II. Two new species of Xyris from Brazil. Brittonia 39:298-301.
  • Zappi, D.; Lucas, E.; Stannard, B.L.; Lughadha, E.N.; Pirani, J.R.; Queiroz, L.P.; Atkins, S.; Hind, N.; Giulietti, A.M.; Harley, R.M.; Mayo, S.J. & Carvalho, A.M. 2003. Lista das plantas vasculares de Catolés, Chapada Diamantina, Bahia. Boletim de Botânica da Universidade de São Paulo 21: 345-398.

Datas de Publicação

  • Publicação nesta coleção
    11 Nov 2013
  • Data do Fascículo
    Set 2013

Histórico

  • Recebido
    12 Jul 2012
  • Aceito
    18 Dez 2012
Instituto de Pesquisas Jardim Botânico do Rio de Janeiro Rua Pacheco Leão, 915 - Jardim Botânico, 22460-030 Rio de Janeiro, RJ, Brasil, Tel.: (55 21)3204-2148, Fax: (55 21) 3204-2071 - Rio de Janeiro - RJ - Brazil
E-mail: rodriguesia@jbrj.gov.br