Accessibility / Report Error

Estrutura da comunidade arbórea da floresta atlântica de baixada periodicamente inundada na Reserva Biológica de Poço das Antas, Rio de Janeiro, Brasil

Tree community structure of a lowland seasonally flooded Atlantic Forest at Poço das Antas Biological Reserve, Rio de Janeiro, Brazil

RESUMO

Este estudo teve por objetivo descrever a estrutura e composição florística arbórea de dois fragmentos naturais de florestas periodicamente inundadas na Reserva Biológica de Poço das Antas e compará-los a outros tipos florestais da região. Seis parcelas de 30 m x 20 m foram alocadas em cada fragmento. Todas as árvores (DAP ≥ 10 cm) foram amostradas. Os dois fragmentos, denominados ARI e CM, apresentaram estrutura muito similar. Ao todo foram amostradas 628 árvores pertencentes a 31 espécies e 16 famílias, com forte dominância de espécies heliófilas tolerantes à inundação, como Calophyllum brasiliense, Symphonia globulifera (Clusiaceae) e Tabebuia cassinoides (Bignoniaceae). Estas três espécies foram responsáveis por 73% do valor de cobertura em ARI e 67% em CM. Os índices de diversidade de espécies (H' = 1,75 e 1,99, para ARI e CM respectivamente) foram próximos aos de outras florestas inundáveis do sudeste brasileiro. Os fragmentos apresentaram elevada similaridade florística devido à dominância destas espécies heliófilas. Entretanto, a similaridade de espécies foi baixa em relação às florestas bem drenadas adjacentes. Aparentemente, o alagamento do solo é o maior fator regulador da composição florística desta vegetação.

Palavras-chave:
Floresta alagada; fragmentação; floresta atlântica de baixada; fitossociologia

ABSTRACT

This study aimed to describe the tree structure and floristic composition of two seasonally flooded forests at Poço das Antas Biological Reserve and to compare these forests to other Atlantic Forest types in the region. Six plots of 30 m x 20 m were set up in each fragment. All trees (DBH ≥ 10 cm) were sampled. The fragments (ARI and CM) were structurally very similar. A total of 628 trees were sampled being distributed within 16 families and 31 species, with strong dominance of flooding tolerant heliophilous trees, such as Calophyllum brasiliense, Symphonia globulifera (Clusiaceae) and Tabebuia cassinoides (Bignoniaceae). This three species together accounted for 73% of cover value in ARI and 67% in CM. The species diversity (H' = 1,75 and 1,99, respectively to ARI and CM) can be considered to be within the values found for swamp forests in Southeastern Brazil. Both fragments showed high floristic similarity due to dominance of heliophilous trees. However, species similarity was low in comparison to adjacent well-drained Atlantic Forest. Soil flooding apparently was the major regulator factor of the floristic composition in this vegetation.

Key words:
Swamp forest; fragmentation; lowland Atlantic Forest; phytosociology

Texto completo disponível apenas em PDF.

  • Apoio financeiro: MMA/PRONABIO/PROBIO/CNPq.

AGRADECIMENTOS

Aos pesquisadores Carlos R. Ruiz-Miranda, Dora M. Villela, Jorge Assumpção e Josival S. Souza pelas críticas ao manuscrito; a AMLD pelo apoio logístico. Ao IBAMA, por permitir o acesso à área de estudo; ao técnico de campo Maurício Pacheco, e aos biólogos Guilherme R. Rabelo, Guilherme V. Faria, Glauce M. Gonçalves e Diogo O. Santos, pelo auxílio nas atividades de campo; ao PROBIO/ PRONABIO/BIRD/MMA pelo apoio financeiro e ao CNPq pela bolsa de I.C. (PIBIC) concedida ao primeiro autor no período de 1999 a 2001.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

  • Araujo, D. S. D.; Scarano, F. R.; Sa, C. F. C.; Kurtz, B. C.; Zaluar, H. L. T.; Montezuma, R. C. M. & Oliveira, R. C. 1998. Comunidades vegetais do Parque Nacional da restinga de Jurubatiba. In Esteves, F. A. (ed.). Ecologia das Lagoas Costeiras do Parque Nacional de Jurubatiba e do Município de Macaé. NUPEM/UFRJ. Pp. 39-62.
  • Aselmann, I. & Crutzen, P. J. 1989. Global distribution of natural freshwater wetlands and rice paddies, their net primary productivity, seasonality and possible methane emission. Journal of Atmospheric Chemistry 8: 307-358.
  • Borém, R. A. T. & Oliveira-Filho, A. T. 2002. Fitossociologia do estrato arbóreo em uma topossequência alterada de Mata Atlântica, no município de Silva Jardim-RJ, Brasil. Revista Árvore 26: 727-742.
  • _____. & Ramos, D. P. 2001. Estrutura fitosso-ciológica da comunidade arbórea de uma topossequência pouco alterada de uma área de floresta atlântica no município de Silva Jardim-RJ. Revista Árvore 25: 131-140.
  • Brower, J. E. & Zar, J. H. 1984. Field and laboratory methods for general ecology. 2nd ed., W. C. Brown Company Publishers, Iowa, 226p.
  • Câmara, I. G. 1991. Plano de ação para a Mata Atlântica. Fundação SOS Mata Atlântica, São Paulo, 152p.
  • Carvalho, D. A.; Oliveira-Filho, A. T.; Vilela, E. A. & Curi, N. 2000. Florística e estrutura da vegetação arbórea de um fragmento de floresta semidecidual às margens do reservatório da usina hidrelétrica Dona Rita (Itambé do Mato Dentro, MG). Acta Botanica Brasilica 14: 37-55.
  • Carvalho, F. A.; Nascimento, M. T. & Braga, J. M. A. 2006. Composição e riqueza florística do componente arbóreo da floresta atlântica submontana na região de Imbaú, município de Silva Jardim, RJ. Acta Botanica Brasilica 20(3): 741-754.
  • Castro, E. B. V. & Fernandez, F. A. S. 2002. A fragmentação florestal na Reserva Biológica de Poço das Antas como conseqüência das intervenções de engenharia na bacia do Rio São João (RJ). In: Anais do III Congresso Brasileiro de Unidades de Conservação. Fundação O Boticário de Proteção à Natureza, Fortaleza. Pp. 649-659.
  • Clark, D. B. 1996. Abolishing virginity. Journal of Tropical Ecology 12: 735-739.
  • Constantino, R.; Britez, R. M.; Cerqueira, R.; Espindola, E. L. G.; Grelle, C. E. V.; Lopes, A. T. L.; Nascimento, M. T.; Rocha, O.; Rodrigues, A. A. F.; Scariot, A.; Sevilha, A. C. & Tiepolo, G. 2005. Causas naturais da Fragmentação. In: D. Rambaldi, D. & Oliveira, D. A. S. (orgs.). Efeitos da Fragmentação sobre a Biodiversidade: Recomendações de Políticas Públicas. 2ª ed., MMA, Brasília. Pp. 43-63.
  • Crawford, R.M. 1989. Studies in plant survival. Blackwell Scientific Publications, Oxford, 496p.
  • Cronquist, A. 1981. An integrated system of classification of flowering plants. Columbia University Press, New York, 1262p.
  • Dias, M. C.; Vieira, A. O. S.; Nakajima, J. N.; Pimenta, A. P. & Lobo, P. C. 1998. Composição florística e fitossociologia do componente arbóreo das florestas ciliares do rio Igapó, na bacia do rio Tibagi, Tibagi, PR. Revista Brasileira de Botânica 21: 183-195.
  • Esteves, F. A. 1998. Considerations on the ecology of wetlands, with enphasis on brazilian floodplains ecosystems. In: Scarano, F. R. & Franco, A. C. (eds.). Ecophysiological strategies of xerophytic and amphibious plants in the neotropics. Oecologia brasiliensis, IV, PPGE-UFRJ, Rio de Janeiro. Pp. 111-135.
  • Felfili, J. M. 1993. Structure and dynamics of a gallery forest in Central Brazil. PhD Thesis, Oxford University, Oxford, 180p.
  • Fundação SOS Mata Atlântica. 2002. Atlas da evolução dos remanescentes florestais e ecossistemas associados no domínio da Mata Atlântica no período 1995-2000. SOS Mata Atlântica/INPE/ISA, São Paulo. http.//w.w.w.sosmataatlantica.org.br
    » http.//w.w.w.sosmataatlantica.org.br
  • Gentry, A. H. 1992. Bignoniaceae. Part II (Tribe Tecomeae). Flora Neotropica Monograph 25: 1-370.
  • Guedes-Bruni, R. R. 1998. Composição, estrutura e similaridade de dossel em seis unidades fisionômicas de Mata Atlântica no Rio de Janeiro. Tese de Doutorado. Universidade de São Paulo, São Paulo, 347p.
  • Gotelli, N. J. & Entsminger, G. L. 2001. EcoSim: Null models software for ecology. Version 7.0. Acquired Intelligence Inc. & Kesey-Bear. http://homepages.together.net/~gentsmin/ecosim.htm
    » http://homepages.together.net/~gentsmin/ecosim.htm
  • IBDF. 1981. Plano de Manejo da Reserva Biológica de Poço das Antas. Documento técnico, no 10, Ministério da Agricultura, Brasília.
  • Ivanauskas, N. M.; Rodrigues, R. R. & Nave, A. G. 1997. Aspectos ecológicos de um trecho de floresta de brejo em Itatinga, SP: florística, fitossociologia e seletividade de espécies. Revista Brasileira de Botânica 20: 139-153.
  • Joly, C. A. 1991. Flooding tolerance in tropical trees. In: Jacksons, M. B.; Davis, D. D. & Lambers, H. (eds.). Plant life under oxygen deprivation. SPB Academic Publishing, The Hague. Pp. 23-43.
  • ______ & Crawford, R. M. M. 1982. Variation in tolerance and metabolic response to flooding in some tropical trees. Journal of Experimental Botany 33: 799-809.
  • Junk, W. J. 1989. Flood tolerance and tree distribution in Central Amazonian floodplains. In: Holm-Nielsen, L. B.; Nielsen, I. & Baslev, H. (eds.). Tropical Forests. Academic Press, New York. Pp. 65-42.
  • Kubitzky, K. 1989. The ecogeographical differentiation of Amazonian inundation forests. Plant Systematics and Evolution 162: 285-304.
  • Kurtz, B. C. & Araujo, D. S. D. 2000. Composição florística e estrutura do componente arbóreo de um trecho de Mata Atlântica na estação Estadual do Paraíso, Cachoeiras de Macacu, Rio de Janeiro, Brasil. Rodriguésia 71: 69-111.
  • Leitão-Filho, H. F. 1982. Aspectos taxonômicos das florestas do estado de São Paulo. Silvicultura em São Paulo 16: 197-206.
  • Lima, H. C. 2000. Leguminosas arbóreas da Mata Atlântica. Tese de Doutorado. Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 141p.
  • Lima, H. C.; Pessoa, S. V. A.; Guedes-Bruni, R.; Moraes, L. F. D.; Granzotto, S. V.; Iwamoto, S. & Ciero, J. Di. (2006). Vegetação da Reserva Biológica de Poço das Antas, Mun. Silva Jardim, RJ, Brasil. Rodriguésia 57(3): 369-389.
  • Lorenzi, H. 1992. Árvores Brasileiras. Manual de identificação e cultivo de plantas arbóreas do Brasil. Editora Plantarum, Nova Odessa, São Paulo, 352p.
  • Loureiro, M. F.; Faria, S. M.; James, E. K.; Pott, A. & Franco, A. A. 1994. Nitrogenfixing stem nodules of the legume, Discolobium pulchellum Benth. New Phytologist 128: 283-295.
  • Maltby, E. 1991. Wetlands - Their status and role in the biosphere. In: Jacksons, M. B.; Davis, D. D. & Lambers, H. (eds.). Plant life under oxygen deprivation. The Hague, SPB Academic Publishing. Pp. 3-21.
  • Medri, M. E.; Bianchini, E.; Pimenta, J. A.; Colli, S. & Müller, C. 2002. Estudos sobre tolerância ao alagamento em espécies arbóreas nativas da bacia do rio Tibagi. In: Medri, M. E.; Bianchini, E.; Shibatta, O. A. & Pimenta, J. A. (eds.). A bacia do rio Tibagi, Londrina. Pp. 133-172.
  • Milaré, E. 1991. Legislação ambiental no Brasil. Edições APMP. Série Cadernos informativos
  • Moraes, E. 2000. Estrutura populacional de Symphonia globulifera (Clusiaceae) em fragmentos de mata alagada nas Reservas Biológicas de Poço das Antas e União, RJ. Dissertação de Mestrado. Universidade Estadual do Norte Fluminense, Campos dos Goytacazes, 67p.
  • Moreno, M. R.; Nascimento, M. T. & Kurtz, B. C. 2003. Estrutura e composição florística do estrato arbóreo em duas zonas altitudinais na Mata Atlântica de encosta da região do Imbé, RJ. Acta Botanica Brasilica 17: 371-386.
  • Mueller-Dumbois, D & Ellenberg, H. 1974. Aims and methods of vegetation ecology. John & Wiley Sons, New York, 347p.
  • Naiman, R. J. & Décamps, H. 1997. The ecology of interfaces: riparian zones. Annual Review of Ecology and Systematics 28: 621-658.
  • Nascimento, M. T. & Cunha, C. N. 1989. Estrutura e composição florística de um cambarazal no Pantanal de Poconé-MT. Acta Botanica Brasilica 3: 3-23.
  • Neves, G. M. S. 1999. Florística e estrutura da comunidade arbustivo-arbórea em dois remanescentes de floresta atlântica secundária - Reserva Biológica de Poço das Antas, Silva Jardim, RJ. Dissertação de Mestrado. Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 115p.
  • Oliveira-Filho, A. T. 1989. Composição florística e estrutura comunitária da floresta de galeria do córrego da Paciência, Cuiabá (MT). Acta Botanica Brasilica 3: 91-112.
  • ______, Almeida, R. G.; Mello, J. M. & Gavilanes, M. L. 1994. Estrutura fitossociológica e variáveis ambientais em um trecho da mata ciliar do córrego dos Vilas Boas, Reserva Biológica de Poço Bonito, Lavras (MG). Revista Brasileira de Botanica 17: 67-85.
  • ______ & Fontes, M. A. L. 2000. Patterns of floristic differentiation among Atlantic Forests in Southeastern Brazil and the influence of climate. Biotropica 32: 793-810.
  • Polhill, R. M. & Raven, P. H. 1981. Advances in legumes systematics. Part 1. Royal Botanic Garden, Kew, 425p.
  • Prance, G. T. 1979. Notes on the vegetation of Amazon III. The terminology of Amazonian forest types subject to inundation. Brittonia 31: 26-38.
  • ______ & Schaller, G. B. 1982. Preliminary study of some vegetation types of the pantanal, Mato Grosso, Brazil. Brittonia 34: 228-251.
  • Programa Mata Atlântica 2004. Relatório Técnico-Científico. Rio de Janeiro. Jardim Botânico do Rio de Janeiro.
  • RADAMBRASIL. 1983. Levantamento de recursos naturais. Ministério das Minas e Energia, v.32, Rio de Janeiro, 768p.
  • Ratter, J. A.; Pott, A.; Pott, V. J.; Cunha, C. N. & Haridasan, M. 1998. Observations on woody vegetation types in the pantanal and at Corumbá, Brazil. Revista Brasileira de Geografia 45: 503-525.
  • Rodrigues, P. J. F. P. 2004. A vegetação da Reserva Biológica União e os efeitos de borda na Mata Atlântica fragmentada. Tese de Doutorado. Universidade Estadual do Norte Fluminense, Campos dos Goytacazes, 153p.
  • Salis, S. M.; Tamashiro, J. Y. & Joly, C. A. 1994. Florística e fitossociologia do estrato arbóreo de um remanescente de mata ciliar do rio Jacaré-Pepira, Brotas, SP. Revista Brasileira de Botânica 17: 93-139.
  • Scarano, F. R.; Cattânio, J. H. & Crawford, R. M. M. 1994. Root carbohydrate storage in young saplings of an amazonian tidal varzea forest before the onset of the wet season. Acta Botanica Brasilica 8: 129-139.
  • ______; Ribeiro, K. T.; Moraes, L. F. D. & Lima, H. C. 1997. Plant establishment on flooded and unflooded patches of a freshwater swamp forest in southeastern Brazil. Journal of Tropical Ecology 14: 793-803.
  • ______; Rios, R. I. & Esteves, F. A. 1998. Tree species richness, diversity and flooding regime: case studies of recuperation after anthropic impact in brazilian flood-prone forests. International Journal of Ecological and Environmental Sciences 24: 223-235.
  • Schluter, U. B.; Fürch, B. & Joly, C. A. 1993. Physiological and anatomical adaptations by young Astrocariym jauari Mart. (Arecaceae) in periodically inundated biotopes of Central Amazonia. Biotropica 25: 384-396.
  • Shepherd, G. J. 1994. FITOPAC 1: Manual do usuário. Departamento de Botânica. Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 59p.
  • Silva, G. C. & Nascimento, M. T. 2001. Fitossociologia de um remanescente de mata sobre tabuleiros no norte do estado do Rio de Janeiro (Mata do Carvão). Revista Brasileira de Botânica 24: 51-62.
  • Takizawa, F. H. 1995. Levantamento pedológico e zoneamento ambiental na Reserva Biológica de Poço das Antas. Relatório Técnico, Departamento de Ciência do Solo, USP/ESALQ, Piracicaba.
  • Toniato, M. T. Z.; Leitão-Filho, H. F. & Rodrigues, R. R. 1998. Fitossociologia de um remanescente de floresta higrófila (mata de brejo) em Campinas, SP. Revista Brasileira de Botânica 21: 197-210.
  • Torres, R. B.; Matthes, L. A. F. & Rodrigues, R.R. 1994. Florística e estrutura do componente arbóreo de mata de brejo em Campinas, SP. Revista Brasileira de Botânica 17: 189-194.
  • van den Berg, E. & Oliveira-Filho, A. T. 2000. Composição florística e estrutura fitossociológica de uma floresta ripária em Itutinga, MG, e comparação com outras áreas. Revista Brasileira de Botânica 23: 231-253.
  • Veloso, H. P.; Rangel Filho, A. L. R. & Lima, J. C. A. 1991. Classificação da Vegetação Brasileira, adaptada a um sistema universal. IBGE, Rio de Janeiro, 123p.
  • Worbes, M. 1985. Structural and other adaptations to long-term flooding by trees in Central Amazonia. Amazoniana 9: 459-484.
  • World Conservation Monitoring Centre. 1992. Global biodiversity - status of the earth living resources. Chapman & Hall, London, 614p.

Datas de Publicação

  • Publicação nesta coleção
    Sep-Dec 2006

Histórico

  • Recebido
    Out 2005
  • Aceito
    Ago 2006
Instituto de Pesquisas Jardim Botânico do Rio de Janeiro Rua Pacheco Leão, 915 - Jardim Botânico, 22460-030 Rio de Janeiro, RJ, Brasil, Tel.: (55 21)3204-2148, Fax: (55 21) 3204-2071 - Rio de Janeiro - RJ - Brazil
E-mail: rodriguesia@jbrj.gov.br