Assembléia de macroalgas de dois manguezais do núcleo Picinguaba – Parque Estadual da Serra do Mar, São Paulo, Brasil

Seaweed assemblages on two sites of mangrove at the Núcleo Picinguaba - Parque Estadual da Serra do Mar, São Paulo State, Brazil

Gisa Eneida M. Machado Cristina A. G. Nassar Sobre os autores

RESUMO

O presente trabalho caracteriza as assembléias de macroalgas de dois manguezais localizados no Parque Estadual da Serra do Mar (Ubatuba-São Paulo) avaliando a composição, a abundância, as variações espaço-temporais na biomassa e no estado reprodutivo das algas. Dez amostras foram coletadas aleatoriamente, em quatro campanhas, em três pontos de coleta ao longo dos Rios Picinguaba e Rio da Fazenda. Um total de 16 táxons foi identificado. Os táxons mais representativos em termos de freqüência de ocorrência e biomassa foram Bostrychia calliptera, Bostrychia moritziana e Bostrychia radicans. Os maiores valores de biomassa das amostras foram observados no ponto B do Rio Fazenda, em setembro (160,17 ± 75,51 g.m-2) e os menores no ponto C do rio Picinguaba, em março (24,85 ± 23,80 g.m-2). A ausência de uma tendência na distribuição das macroalgas indica que os rios apresentam condições semelhantes para o desenvolvimento das espécies típicas do "Bostrychietum", possivelmente, devido à alta vazão dos rios, aliada à ausência de um período de seca ao longo do ano.

Palavras-chave:
manguezal; macroalgas; Unidade de Conservação

ABSTRACT

The present study characterizes the seaweed assemblages growing on trunks of mangrove trees in two rivers of the Serra do Mar State Park - Núcleo Picinguaba (Ubatuba County, São Paulo State) evaluating composition, abundance, temporal and spatial distribution variations and reproductive phases of seaweeds. Ten samples were randomly collected on four collecting events at three different mangrove sampling sites along the rivers Picinguaba and Fazenda, and 16 seaweed taxa were reported. The more expressive species in terms of frequency and biomass were Bostrychia calliptera, Bostrychia moritziana and Bostrychia radicans. The highest values were observed on samples from site B at the River Fazenda in September (160.17 ± 75.51 g.m-2), while the lowest values were found on samples from site C at the River Picinguaba in March (24.85 ± 23.80 g.m-2). No clear pattern in the distribution of the species was found. The obtained results indicate that both rivers are under similar environmental conditions for the growth of the "Bostrychietum" species, probabily due to the high water volume of both rivers combined with the lack of a dry season along the year.

Keywords:
mangrove; seaweeds; conservation unit

Texto completo disponível apenas em PDF.

AGRADECIMENTOS

As autoras agradecem ao Instituto Florestal, SMA, SP pela autorização de coleta (Proc. 40.978/2004) e à coordenação do Núcleo Picinguaba pelo apoio logístico durante as coletas. Agradecemos ainda à Cristina Menezes pela identificação das cianobactérias e a Vanine Pereira Cristina pela identificação dos crustáceos.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

  • Braga, M. R. A.; Fujii, M. T.; Yokoya, N. S.; Eston, V. R.; Plastino, E. M. & Cordeiro-Marino, M. 1990. Macroalgal reprodutive patterns in mangroves of Ilha do Cardoso, SP, Brasil. In: Anais do Simpósio de Ecossistemas da Costa Sul e Sudeste Brasileira: Estrutura, Função e Manejo. Águas de Lindóia. V.2. Pp. 209-217.
  • Branco, L. H. Z.; Moura, A. N.; Silva, A. C. & Bittencourt-Oliveira, M. C. 2003. Biodiversity and biogeographical considerations of Cyanobacteria from a Mangrove area of Pernambuco State, Brazil. Acta Botanica Brasílica 17(4): 585-596.
  • Brasil. 2000. Sistema Nacional de Unidades de Conservação - SNUC, Lei nº 9.985, de 18 de julho de 2000. IBAMA/DIREC, Brasília.
  • Centro de Previsão de Tempo e Estudos Climáticos - CPTEC. Disponível em http://www.cptec.inpe.br/NRIDALN/ubatuba.shtml (acessado em dezembro de 2005).
    » http://www.cptec.inpe.br/NRIDALN/ubatuba.shtml
  • Cunha, S. R. & Costa, C. S. B. 2002. Gradientes de salinidade e freqüência de alagamento como determinantes da distribuição e biomassa de macroalgas associadas a troncos de manguezais na Baía de Babitonga, SC. Notas Técnicas FACIMAR 6: 93-102.
  • ______ & Duarte, N. R. 2002. Taxa fotossintética e respiratória de macroalgas do gênero Bostrychia (Rhodomelaceae, Rhodophyta), SC, Brasil. Notas Técnicas FACIMAR 11(8): 103-110.
  • Cutrim, M. V. J. 1998. Distribuição espaçotemporal de macroalgas em troncos e pneumatóforos de Avicennia germinans (L.) Steran em duas áreas de mangues da Ilha de São Luís - MA. Brasil. Tese de Doutorado. Universidade de São Paulo, São Paulo, 158p.
  • Diaz-Pferrer, M. 1967. Las algas superiores y fanerogamas marinhas. In: Ecologia Marina. Caracas. Fund. Salle de Cienc. Nat. Pp. 273-307.
  • Eston, V. R.; Braga, M.; Cordeiro-Marino, M.; Fujii, M. T. & Yokoya. N. S. 1992. Macroalgal colonization patterns on artificial substrates inside southeastern Brazilian mangroves. Aquatic Botany 42: 315-325.
  • ______; Yokoya, N. S.; Fujii, M. T.; Braga, M.; Plastino, E. M. & Cordeiro-Marino, M. 1991. Mangrove and macroalgae in southeastern Brazil: spatial and temporal patterns. Revista Brasileira de Biologia 51(4): 829-837.
  • Ferreira, D. M. 2001. A percepção da natureza através da imagem: Contribuições do vídeo educativo ao trabalho de campo em ecologia. Dissertação de Mestrado. Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 119p.
  • Fortes, A. C. M. 1992. Estudo taxonômico e aspectos ecológicos das Rhodophyta no manguezal da Ilha de Santos (Complexo Estuarino Piauí-Fundo-Real, Sergipe). Dissetação de Mestrado. Universidade Federal Rural de Pernambuco, Recife, 194p.
  • Hadlich, R. M. 1984. Contribution to taxonomic research on the benthonic marine algae of the mangrove swamp of Itacorubi, Florianopolis, Island of Santa Catarina, Brazil: 1. Chlorophyta. Insula 14: 121-138.
  • ______ & Bouzon, Z. L. 1985/87. Contribution to the taxonomic survey of the benthic marine algae from the Itacorubi mangrove swamp, Florianópolis, Santa Catarina Island, Brazil: II. Rhodophyta. Insula 15: 89-116.
  • IBGE. Disponível em http://mapa.ibge.gov.br (acessado em dezembro de 2004).
    » http://mapa.ibge.gov.br
  • ______. 1974. Folha SF-23-Z-C-I-3; 1:50 000.
  • King, R. J.; Puttock, C. F. & Paula, E. J. 1991. The morphology of Bostrychia pilulifera Montagne (Rhodomelaceae, Rhodophyta). Japanse Journal of Phycology 39: 31-36.
  • Köppen, W. 1984. Climatologia, México, Ed. Fundo de Cultura Econômica, 213p.
  • Menezes, M. & Dias, I. C. A. 2001. Biodiversidade de algas de ambientes continentais do Estado do Rio de Janeiro. Série Livros 9. Museu Nacional do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 256p.
  • Miranda, P. T. C. 1986. Composição e distribuição das macroalgas bentônicas no manguezal do Rio Ceará (Estado do Ceará - Brasil). Dissertação de Mestrado. Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 96p.
  • ______; Gurgel, F. F. C.; Liberato, M. A. F.; Oliveira, M. T. & Arruda, T. L. B. 1988. Comunidades bentônicas em raízes de Rhizophora mangle Linnaeus, no manguezal do rio Ceará (Ceará - Brasil). Arquivos da Estação de Biologia Marinha da Universidade Federal do Ceará 27: 101-110.
  • ______ & Pereira, S. M. B. 1989/90. Macroalgas Bentônicas no Manguezal do Rio Ceará (Ceará-Brasil). II - Distribuição em função das condições hidrológicas. Arquivos da Estação de Biologia Marinha da Universidade Federal do Ceará 28: 39-52.
  • Mitchell, G. J. P.; Montello, D. F. & Medina, R. S. 1974. Observações ficológicas no manguezal de Piedade. Leandra 4-5: 137-142.
  • Oliveira, E. C. 1984. Brazilian mangal vegetation with special emphasis on the seweeds. In: Por, I. D. & Dor, I. (eds.). Hydrobiology of the mangal. Dr. W. Junk Publishers, The Hague. Pp. 55-65.
  • Paula, E. J.; Ugagim, Y. & Kanagawa, A. J. 1989. Macroalgas de manguezais da Ilha de Maracá - Estado do Amapá, Brasil. Insula 19: 56-65.
  • Pereira, S. M. B. 1996. Algas marinhas bentônicas. In: Sampaio, E. V. S. B.; Mayo, S. & Barbosa S. (eds.). Pesquisa Botânica Nordestina: Progresso e Perspectivas. Sociedade de Botânica do Brasil, Recife. Pp. 79-96.
  • ______. 2000. Macroalgas bentônicas. In: Barros, H. M. E.; Eskinazi-Leça, H. M. E.; Macedo, S. J. & Lima, T. (eds.). Gerenciamento participativo de estuários e manguezais. Editora Universitária, Recife. Pp. 48-63.
  • ______ & Esinazi-Leça, H. M. E. 1999. Estuarine management and sustainable development. Southampton: WIT Press. Pp. 70-77.
  • Pinheiro-Joventino, F. & Lima-Verde, N. G. 1988. Ocorrência e distribuição de macroalgas no estuário do rio Cocó, Fortaleza, Brasil. Arquivos da Estação de Biologia Marinha da Universidade Federal do Ceará 27: 83-89.
  • Por, F. D.; Almeida Prado Por, M. S. & Oliveira, E. C. 1984. The mangal of the estuary and lagoon system of Cananéia (Brazil). In: Por, F. D. & Dor, I. (eds.). Hydrobiology of the Mangal. Dr. W. Junk Publishers, The Hague. Pp. 211-228.
  • Post, E. 1968. Zur Verbreitungs-Okologie dês Bostrychietum. Hydrobiologia 31: 241-316.
  • Schaeffer-Novelli, Y.; Mesquita, H. S. L. & Cintron-Molero, G. 1990. The Cananéia Lagoon Estuarine System, São Paulo, Brasil. Estuaries 13(2): 193-203.
  • Silva, S. R. & Silva, R. S. 1997. Análise de assoreamento do manguezal de Picinguaba (Ubatuba - SP), através de sensoriamento remoto e trabalho de campo. In: Anais do Simpósio de Geografia Física Aplicada e Fórum Latino Americano de Geografia Aplicada. Curitiba-PR, 125p.
  • Silveira, J. P. 1964. Morfologia do litoral. In: Azevedo, A. (coord.). Brasil: A terra e o homem - as bases físicas. Vol. 1. Cia. Ed. Nacional, São Paulo. Pp. 253-305.
  • Sousa, I. F.; Ferreira, L. E. C.; Magini, C. & Abessa, D. M. S. 2006. Percepção ambiental, perfil sócio-econômico e uso e ocupação do solo pela comunidade do núcleo Pedro de Toledo - Parque Estadual da Serra do Mar-SP. O mundo da saúde 30(4): 570-580.
  • Wynne, M. J. 2005. A checklist of benthic marine algae of the tropical and subtropical western Atlantic: second revision. Nova Hedwigia 129: 152p.
  • Yokoya, N. S.; Plastino, E. M.; Braga, R. M. A.; Fujii, M. T.; Cordeiro-Marino, M.; Eston, V.R. & Harari, J. 1999. Temporal and spatial variations in the structure macroalgae associated whith mangrove trees of Ilha do Cardoso, São Paulo state, Brazil. Revista Brasileira de Botânica 22(2): 195-204.

Datas de Publicação

  • Publicação nesta coleção
    Oct-Dec 2007

Histórico

  • Recebido
    Set 2006
  • Aceito
    Maio 2007
Instituto de Pesquisas Jardim Botânico do Rio de Janeiro Rua Pacheco Leão, 915 - Jardim Botânico, 22460-030 Rio de Janeiro, RJ, Brasil, Tel.: (55 21)3204-2148, Fax: (55 21) 3204-2071 - Rio de Janeiro - RJ - Brazil
E-mail: rodriguesia@jbrj.gov.br