Passifloraceae na área de proteção ambiental de Belém, PA, Brasil

Passifloraceae in the environmental protection area of Belém, Pará, Brazil

Eduardo Oliveira Silva João Ubiratan Moreira dos Santos Ana Cristina Andrade de Aguiar Dias Sobre os autores

Resumos

Esta pesquisa tem por objetivo levantar e descrever as espécies de Passifloraceae que ocorrem na Área de Proteção Ambiental de Belém (APA-Belém). A família Passifloraceae está representada, na área de estudo, por dois gêneros: Dilkea (D. johannesii)e Passiflora (P. acuminata, P. auriculata, P. araujoi, P.ceratocarpa, P. foetida, P. nitida, P. glandulosa, P. picturata, P. quandrangularis, P. serratodigitata, P. tholozanii, e P. vespertilio), totalizando 13 espécies. Uma nova ocorrência de P. ceratocarpa foi registrada para o estado de Mato Grosso. A presença de corona com três séries de filamentos em P. glandulosa é relatada como um novo caráter diagnóstico para a espécie. A partir desses resultados, podemos concluir que se fazem necessários novos estudos para ampliação do conhecimento desta família na região amazônica.

APA-Belém; Passifloraceae; taxonomia


The aim of this study is to survey and describe the Passifloraceae species from the Environmental Protection Area of Belém (EPA- Belém). Passifloraceae is represented in the area by two genera and a total of 13 species: Dilkea, (D. johannesii) and Passiflora, (P. acuminata, P. auriculata, P. araujoi, P. ceratocarpa, P. foetida, P. nitida, P. glandulosa, P. picturata, P. quandrangularis, P. serratodigitata, P. tholozanii and P. vespertilio). A new occurrence of P. ceratocarpa is recorded for the state of Mato Grosso. The presence of a corona with three sets of filaments is reported as a new diagnostic feature of P. glandulosa. Additional studies are required in order to expand our knowledge of Passifloraceae in the Amazon region.

EPA-Belém; Passifloraceae; taxonomy


ARTIGOS ORIGINAIS

Passifloraceae na área de proteção ambiental de Belém, PA, Brasil1 1 Parte da Dissertação de mestrado do primeiro autor.

Passifloraceae in the environmental protection area of Belém, Pará, Brazil

Eduardo Oliveira Silva2 2 Autor para correspondência: eoliveira12@yahoo.com.br ; João Ubiratan Moreira dos Santos; Ana Cristina Andrade de Aguiar Dias

Universidade Federal Rural da Amazônia/Museu Paraense Emílio Goeldi, Programa de Pós-Graduação em Ciências Biológicas, Mestrado em Botânica Tropical - UFRA/MPEG

RESUMO

Esta pesquisa tem por objetivo levantar e descrever as espécies de Passifloraceae que ocorrem na Área de Proteção Ambiental de Belém (APA-Belém). A família Passifloraceae está representada, na área de estudo, por dois gêneros: Dilkea (D. johannesii)e Passiflora (P. acuminata, P. auriculata, P. araujoi, P.ceratocarpa, P. foetida, P. nitida, P. glandulosa, P. picturata, P. quandrangularis, P. serratodigitata, P. tholozanii, e P. vespertilio), totalizando 13 espécies. Uma nova ocorrência de P. ceratocarpa foi registrada para o estado de Mato Grosso. A presença de corona com três séries de filamentos em P. glandulosa é relatada como um novo caráter diagnóstico para a espécie. A partir desses resultados, podemos concluir que se fazem necessários novos estudos para ampliação do conhecimento desta família na região amazônica.

Palavras-chave: APA-Belém,Passifloraceae, taxonomia.

ABSTRACT

The aim of this study is to survey and describe the Passifloraceae species from the Environmental Protection Area of Belém (EPA- Belém). Passifloraceae is represented in the area by two genera and a total of 13 species: Dilkea, (D. johannesii) and Passiflora, (P. acuminata, P. auriculata, P. araujoi, P. ceratocarpa, P. foetida, P. nitida, P. glandulosa, P. picturata, P. quandrangularis, P. serratodigitata, P. tholozanii and P. vespertilio). A new occurrence of P. ceratocarpa is recorded for the state of Mato Grosso. The presence of a corona with three sets of filaments is reported as a new diagnostic feature of P. glandulosa. Additional studies are required in order to expand our knowledge of Passifloraceae in the Amazon region.

Key words: EPA-Belém, Passifloraceae, taxonomy.

Introdução

Passifloraceae Juss. ex Roussel é composta por cerca de 600 espécies, distribuídas em 20 gêneros, com ampla distribuição em regiões tropicais e temperadas. Destes gêneros, quatro tem ocorrência no Brasil: Dilkea Mast., Mitostemma Mast., Ancistrothyrsus Harms e Passiflora L. (Cervi 2005; Souza & Lorenzi 2008). Passiflora é o mais representativo,com cerca de 520 espécies de distribuição Pantropical (Ulmer & MacDougal 2004). Destas, 139 ocorrem no Brasil, com 45 espécies referidas para o estado do Pará (Bernacci et al. 2013).

A família é reconhecida por apresentar hábito escandente, grande variabilidade foliar e floral, folhas alternas, gavinhas axilares, venação palmada, pecíolo com glândulas, flores com simetria radial, androginóforo e uma corona, que consiste de uma até várias séries de filamentos, usualmente coloridas (Killip 1938; Muschner 2005).

Estudos botânicos sobre as espécies de Passifloraceae são necessários na região amazônica, pois esta família, e em particular o gênero Passiflora, é bem representada no Brasil, principalmente no Cetro-Norte do País (Lopes 1991). O gênero Dilkea, também é representativo no Brasil, com espécies que ocorrem exclusivamente na Amazônia (Sacco 1980, Bernacci et al. 2013). Este trabalho tem como objetivo inventariar as espécies de Passifloraceae na área de Proteção Ambiental de Belém (APA-Belém), ampliando o conhecimento sobre essa família na região amazônica.

Material e Métodos

Este estudo foi realizado na Área de Proteção Ambiental dos Mananciais de Abastecimento de Água de Belém-PA, (APA-Belém), que é uma unidade de conservação criada pelo Decreto Estadual nº 1.551, de 03 de maio de 1993. Desta área faz parte também o Parque Estadual do Utinga (PEUt), uma área de 1.380 hectares, criado pelo Decreto Estadual Nº 1.552, de 03 de maio de 1993 (Pará 1994). Ao longo de sua extensão encontra-se disposta uma floresta com tipologia predominante de floresta de terra firme. Outras tipologias também são encontradas, como florestas de várzeas, matas secundárias e capoeiras (Pará 1994).

Foram estudados os exemplares de Passifloraceae coletados na área de estudo, e depositados no IAN (Herbário da Empresa Brasileira de Pesquisas Agropecuária/Embrapa Amazônia Oriental) e MG (herbário do Museu Paraense Emílio Goeldi), cujas siglas estão de acordo com Thiers (2013). As excursões foram realizadas quinzenalmente, entre março de 2010 a fevereiro de 2012. Após a montagem das exsicatas, seguindo a metodologia de Fidalgo & Bononi (1984), os exemplares foram incorporados ao acervo do MG, com envio de duplicatas ao IAN e IAC.

As identificações foram feitas por comparações com o materiais de herbário revisados por especialistas, imagens de exemplares-tipo, chaves analíticas, descrições e diagnoses existentes na literatura. Dados fenológicos foram obtidos durante coletas realizadas, e obtidos também de literatura especializada e etiquetas das amostras herborizadas. A distribuição geográfica está baseada em dados das etiquetas do material analisado, literatura especializada e nas bases de dados do Tropicos (2013) e da Flora do Brasil (Lista de espécies da flora do Brasil 2013). Este trabalho segue o sistema de classificação de Ulmer & MacDougal (2004) para o gênero Passiflora. Foram utilizadas as referências de Ribeiro et al. (1999) e Gonçalves & Lorenzi (2007) para a sistematização terminológicas da folha.

Resultados e Discussão

Aspectos gerais

A família Passifloraceae está representada na Área de Proteção Ambiental do Município de Belém-PA por dois gêneros, Dilkea (subgênero Dilkea) e Passiflora (subgêneros Astrophea, Decaloba e Passiflora) totalizando 13 espécies. A maioria das espécies (Fig. 1), ocorre em áreas abertas, principalmente em beira de estradas, como P. tholozanii Sacco, P. araujoi, P. nitida Kunth e P. acuminata DC., crescendo sobre outras espécies ou rente ao solo, como P. glandulosa Cav. As outras espécies comportam-se como plantas invasoras ou crescendo em terrenos de solos revolvidos, como P. foetida, ou em áreas alagadas como P. serratodigitata. Quase todas as espécies (Fig. 1) ocorrem apenas em florestas de terra firme. Entretanto, P. vespertilioL. ocorre também em Igapó, enquanto P. foetida L. e P. glandulosa Cav. ocorrem também em várzea e P. serratodigitata L. ocorre apenas em várzea (Tab. 1).


Chave para identificação de espécies de Passifloraceae ocorrentes na APA- Belém

1. Flores com 4 sépalas, 4 pétalas, ovário 4-carpelar, 8-10 estames ..................... ....................................................................................1. Dilkea johannesii 1'.

Flores com 5 sépalas, 5 pétalas, ovário 3-carpelar, 5 estames .......................... .............................................................................................2. Passiflora

2. Lâmina foliar apenas inteira 3. Caule quadrangular ..............................10. P. quadrangularis 3'. Caule cilíndrico ..............................................................4 4. Ramos glabros ..........................................................5 5. Folhas com margens denteadas glandulosas ............... ............................................................8. P. nitida 5'. Folhas com margens lisas ......................................6 6. Sépalas e pétalas escarlates, corona com 2-3 séries de filamentos ....................7. P. glandulosa 6'. Sépalas verdes, pétalas alvas, corona com 5 séries de filamentos ............................2. P. acuminata 4'. Ramos pubescentes a ferrugíneo-tomentosos ................7 7. Folhas com margens inteiras, glândulas no ápice lateral do pecíolo, flores branco-esverdeadas .................................................P. ceratocarpa 7'. Folhas com margens denteadas, 2-4 glândulas em diferentes posições no pecíolo, flores vermelhas ..............................................................8 8.

Corona com 2 séries de filamentos .......................12. P. tholozanii

8'.

Corona com 3 séries de filamentos .............................3. P. araujoi

2'.

Lâmina foliar variando de inteira a partida

9.

Folha lobadas oceladas ................................................................10

10. Folhas 2-3-lobadas, caule anguloso a fortemente comprimido, pecíolo desprovido de glândula ....................................13. P. vespertilio 10'.

Folhas de lobos reduzidos a inteiras, caule cilíndrico, pecíolo com duas glândulas auriculadas próximas da base ...........4. P. auriculata

9'.

Folhas lobadas não oceladas ........................................................11

11.

Folhas 5-7 lobadas ....................................11. P. serratodigitata

11'.

Folhas 3-lobadas .................................................................12

12.

Ramos hirsutos, brácteas pinatissectas ...............6. P. foetida

12'.

Ramos glabros, brácteas pecioladas de margens inteira ........... .................................................................9. P. picturata

Descrição das espécies

1. Dilkea johannesii Barb. Rodr.,Vellosia 1: 24. pl. 10. 1888. Fig. 2a-c


Liana lenhosa ou arbusto. Folhas 8-23 × 6,6-7,8 cm, simples, inteiras, elípticas, obovadas ou oblanceoladas, coriáceas, base aguda, ápice acuminado, agudo, obtuso ou retuso, margem inteira. Estípulas não analisadas. Pedúnculos axilares, solitários ou em grupos nas hastes mais velhas. Brácteas não observadas. Flores alvas, com botão floral de 2-2,4 cm compr., tubo do cálice ca. 1 cm. Sépalas 4, ca. 3,5 × 0,6 cm., oblanceoladas, unidas da base à metade, reflexas, formando um tubo curto ca. 1 cm compr., ápice obtuso. Pétalas 4, subiguais às sépalas. Corona 2 séries de filamentos de 1-1,3 cm compr. ligulados próximo ao ápice. Androginóforo ca. 0,2 cm alt., com porção livre dos filetes ca.1,3 cm compr., estames 8, antera ca.1cm compr., amarelas. Ovário 0,4-0,5 cm alt., fusiforme, tetracarpelar, estiletes 4, unidos até o meio, ca. 1-1,5 cm compr., estendendo-se até o alto da corona, estigmas capitados a reniformes. Fruto 3 × 2,7 cm, apiculado, amarelo. Semente 0,9 × 0,6 cm, oblanceolada.

Material selecionado: Belém, capoeira 157 L, 23.II.1957, fl., G.A. Black 57-19033 (IAN); 14.IX.1959, N.T. Silva 547 (IAN). Óbidos: IV. 2008, fr., L.C B. Lobato 3491 (MG). Material adicional examinado: AMAZONAS: Humaitá, mata de terra firme, 6.VI.1982, fr.; Teixeira, L.O.A. et al. 957 (MG); Vila do Carmo: mata de terra firme, 27.IV.1985, fr., C.A.C. Ferreira 5858 (MG); Esperança: mata de terra firme, 30.I.1942, fl., A. Ducke, 2.065 (MG).

No Brasil, é própia da Região Norte, ocorrendo nos estados do Acre, Amazonas, Roraima, Pará e Amapá.

Floresce nos meses de janeiro e fevereiro e com frutos em abril e junho. Espécie adaptada às planícies, encontrada em torno de 100-600 m de altitude (Tillett 2003).

A morfologia floral entre as espécies de Dilkea é muito semelhante, o que torna sua delimitação bastante complexa (Feuillet 2009). A taxonomia de Dilkea tem sido uma série de reagrupamentos e sinonimizações (Feuillet 2010). Killip (1938) sugeriu que o gênero fosse monotípico, porém, manteve quatro espécies: D. acuminata Mast. para o Amazonas, D. johannesii para Amazonas e Pará, D. retusa Mast. para o Amazonas e Peru a qual designou como tipo do gênero, D. wallisii Mast. para o Brasil (Pará), Peru, e Venezuela, acrescentando mais uma de sua autoria, D. parviflora para o Peru.

2. Passiflora acuminata DC., Prod. 3: 328. 1828. Fig. 2d-i

Trepadeira de caule herbáceo, cilíndrico, estriado, glabro. Estípulas ca. 0,4 cm compr., lineares, falcadas, decíduas. Pecíolos 0,7-1,5 cm compr., ápice biglandular, canaliculado. Folhas 10-14-(-17) × 3,5-6 cm, inteiras, membranáceas, lanceoladas a oblongo-lanceoladas, margem inteira, ápice agudo, base arredondada a atenuada, face adaxial lustrosa, face abaxial apresentando nervura primária proeminente. Pedúnculos 2,2-5,5 cm compr. Brácteas 3,2-3,9 × 1,8-2 cm, oblongas, finamente pubescentes, margens glandular-serreadas, estreitando-se na base. Flores ca. 6 cm diâm., esverdeadas, odoríferas. Tubo do cálice 0,8-1 × 1,3-1,5 cm. Sépalas 3-3,9. × ca. 1,1 cm, verdes, maculadas de vermelho, oblongas, corniculadas na face abaxial. Pétalas 2,5-3,5 × 0,5 cm, oblongas a elípticas, alvas, levemente maculadas de vermelho próximo da base. Corona 5 séries de filamentos, as duas séries externas formadas por filamentos de 5-5,5 cm compr., bandeados transversalmente por faixas vermelhas e brancas na base, seguindo faixas violetas e brancas, terminando em um ápice branco; as séries seguintes setáceas de 0,1 cm compr.; a ultima série com filamentos subulados ca. 0,8 cm., bandeados de branco e vermelho. Opérculo ca. 0,4 cm alt., membranoso, ligeiramente incurvado, margem fimbriada. Límen ca. 0,5 cm alt., cupuliforme, envolvendo a base do androginóforo. Adroginóforo 1,4 cm alt., finamente pubescente. Ovário ca. 0,7 × 0,3 cm, ovóide, pubescente. Frutos não analisados. Material selecionado: IPEAN, estrada do cafezal, 27.VI.1968, fl., J.M. Pires & N.T. Silva 11832 (IAN); floresta ao sul, 25.XI.1942, fl., W.A.Archer 7864 (IAN); 20. VI.1944, fl., A. Silva 243 (IAN); Parque Ambiental de Belém, 6.VIII.1999, fl., G.C. Ferreira & J.C. Freitas 543 (IAN); beira de estrada, 19.XI.2010, fl., E.O. Silva 10 (MG).

Distribui-se pela América Central, Colômbia, Equador, Peru, Brasil: Amazonas, Pará, Roraima, Amapá e Maranhão (Tillett 2003; Cervi 1997; Bernacci et al. 2013).

Floresce de novembro a fevereiro e frutifica de janeiro a abril (Cervi 1997). Na área de estudo, é encontrada nas margens das várias estradas que cortam o parque.

Passiflora acuminata (P. subg. Passiflora) integra a superseção P. supersect. Laurifolia (Cervi) Feuillet & MacDougal, a mais representativa deste subgênerona área de estudo. As espécies de P. ser. Laurifoliae Killip ex. Cervi, constituem um grupo muito uniforme em seus caracteres morfológicos e a identificação taxonômica das suas espécies é geralmente difícil (Killip 1938; Holm-Nielsen et al. 1988). Algumas características das espécies desta superseção são as largas flores pendentes, com uma corona proeminente que circunda o ovário, estípulas lineares a linear-lanceoladas, brácteas livres, geralmente glandulares e folhas inteiras, lanceoladas a oblongo-lanceoladas (Ulmer & MacDougal 2004).

Pode ser facilmente confundida com P. nitida,por causa da corona violácea longa; entretanto, podem ser diferenciadas pelas folhas lanceoladas com margem inteira em P. acuminata,e folhas ovais com margem glandular denteada em P. nitida.

3. Passiflora araujoi Sacco, Ann. XV Congr. Soc. Bot. do Brasil 1: 153. 1967. Fig. 3a-c


 




Trepadeira de caule cilíndrico, estriado, ferrugíneo-tomentoso. Estípulas 0,7-1,5 cm compr., lineares, margens glandulares. Pecíolos 1,3-1,5 cm compr., ferrugíneo-tomentoso, 2-4 glândulas, distribuídas geralmente no ápice. Folhas 5,5-9 × 2,2-5 cm, simples, inteiras, oval-elípticas, membranáceas, ferrugíneo-tomentosas na face abaxial e lustrosa na face adaxial, margem duplo-serrada, ápice acuminado, base subcordada. Pedúnculos 4-4,5cm compr., robustos, articulados acima do ponto de inserção das brácteas. Brácteas 3,7-4 × 1-1,4 cm, foliáceas, oval-elípticas, involucradas, ferrugíneo-tomentosas, base cuneada, ápice agudo, margem glandular-serreado, inseridas a 0,4 cm abaixo da base da flor. Tubo do cálice 0,6-0,8 cm compr., cilíndrico campanulado, sulcado. Sépalas 2,6-3,4 × 0,8-0,9 cm, oblongas, escarlates a vermelhas, terminando em uma arista de 0,3-0,4 cm compr. Pétalas 2-2,4 × 0,8-1 cm, oblongas, vermelhas. Corona 3 séries de filamentos livres desde a base; as duas séries externas com filamentos subulados de 0,7-0,9 e 0,6-0,8 cm compr., respectivamente, de coloração vermelho clara mais escura nos ápices; a série interna formada por filamentos filiformes, alvos, de 0,5-0,6 cm compr. Opérculo ca. 0,3 cm alt., recurvado de margem fimbriada, membranáceo. Límen ca. 0,1 cm alt., anular, margem erosa. Ovário ca. 0,7 × 0,4 cm, elipsoíde, amarelo-esverdeado, viloso-tomentoso. Fruto ca. 5,5 cm × 4,5 cm, ovóide, pubérulo, verdes. Sementes 0,5-0,6 × 0,2-2,5 cm, obovadas, levemente reticulada, apiculada no ápice.

Material selecionado: Belém, 22.X.1945, J.M. Pires & A. Black 479 (IAN); Parque Estadual do Utinga, bordas de floresta, 21.IX.2011, fl. e fr., E.O. Silva 02 (MG).

Material adicional examinado: AMAZONAS: Tefé, próximo ao aeroporto, capoeira. 10.IX. 1976, fl., N.T. Silva 4407 (IAN).

Distribui-se pelo Amazonas, Rondônia, Mato Grosso, Roraima, Pará e Maranhão (Bernacci et al. 2013).

Floresce de julho a novembro e frutifica de novembro a fevereiro, sendo encontrada em capoeiras e capoeirões (Cervi & Júnior 2004).

Passiflora araujoi (P. subg. Passiflora) pode ser facilmente confundida no campo com P. tholozanii, por apresentar folhas de margens serreadas, tomentosas e flores vermelhas. Entretanto, ambas podem ser separadas pela estrutura interna da corona, que em P. araujoi é formada por três séries de filamentos, enquanto P. tholozanii, por apenas duas. Estas espécies integram P. supersect. Coccinea Feuillet & MacDougal, na qual são particularmente conhecidas quatro espécies muito afins (Passiflora coccinea Aubl., P. quadriglandulosa Rodschied, P. speciosa Gardner e P. vitifolia Kunth) comparáveis pelas características de suas flores escarlates, que lhes conferem grande interesse ornamental e pelos frutos comestíveis (Killip 1938; d'Eeckenbrugge 2003).

4. Passiflora auriculata Kunth,Nov. Gen. S. 2: 131. 1817. Fig. 3d-h

Trepadeira de caule cilíndrico, estriado, glabro a levemente pubescente, verde. Estípulas ca. 0,4 cm compr., filiformes. Pecíolos 1-3,5 cm compr., pubescente, com duas glândulas auriculadas ca. 0,15 cm larg., próximas da base. Folhas 2,9-18,8 × 1,5-12,5 cm, oceladas, variando de inteiras (mais raro) a 3-lobadas (2 lobos laterais reduzidos), subcoriáceas, ovado-lanceoladas a ovaladas, base subcordada a arredondada, 3-nervada, lobos mucronados, faces glabras a pubescentes. Pedúnculos 0,5-1,5 cm compr., solitários ou aos pares, pubescentes. Brácteas não analisadas. Flores ca. 2 cm diâm. Sépalas 0,8-1,1 × 0,3-0,4 cm, oblongo-lanceoladas, pubescentes na face externa. Pétalas 0,5-0,7 × 0,1-0,2 cm, lineares. Corona de filamentos 2 series; série externa ca. 1 cm compr., filiformes, ondulados; a série interna com filamentos ca. 0,3 cm, capitados. Androginóforo 0,3-0,6 cm alt. Opérculo membranoso, ca. 0,2 cm alt., plicado, incurvo. Límen ca. 0.04 cm, anular. Ovário ca. 0.15 × 0,1 cm, elíptico, pubescente. Fruto 1-1,5 × 1-2 cm, globoso, negro, pubescente. Sementes 0,3 × 0,2 cm, obovadas, transversalmente reticuladas.

Material selecionado: Belém, Reserva Mocambo. 10.V.1968, fr., J.M. Pires & N.T. Silva 11698 (IAN); Goianésia, floresta de terra firme, 10. IV. 2003, fr., L.C.B. Lobato & O.C. Nascimento 2993 (MG).

Material adicional examinado: AMAZONAS: Cucui, alto Rio Negro, 4.V.1975, fl., P. Cavalcante 3108 (MG). ACRE: Cruzeiro do Sul, arredores do aeroporto, capoeira. fl. e fr., 9. II.1976, O.P. Monteiro & C. Damião 234 (MG).

Distribui-se pela América Central, Nicarágua, e Bolívia. Brasil: Acre, Rondônia, Roraima, Amazonas, Amapá, Pará, Mato Grosso, Minas Gerais e Espírito Santo. (Cervi 1997; Ulmer & MacDougal 2004; Bernacci et al. 2013).

Encontrada com flor e fruto de outubro a maio.

Passiflora auriculata (P. supersect. Auriculata MacDougal & Feuillet)pode apresentar folhas variando de inteiras a 3-lobadas; entretanto, no material examinado procedente do estado do Pará, apresentam-se em geral inteiras, como observado por Killip (1938), em amostras coletadas em Trinidad e Brasil (Pará). Por vezes, tais folhas apresentam-se inteiras, estreitamente 1-nervada, com as duas nervuras basais muito reduzidas, sendo este caráter encontrado às vezes numa mesma planta com folhas de forma típica (Killip 1938).

5. Passiflora ceratocarpa F. Silveira, Arch. Jard. Bot. RJ 5: 217. pl. 30. 1930. Fig. 3i-o

Trepadeira de caule cilíndrico sulcado, verde, pubescente. Estípulas não analisadas. Pecíolos 1,7-2,8 cm compr., com um par de glândulas amareladas no ápice lateral. Folhas 6,5-16 × 5,5-15 cm, simples, membranáceas a subcoriáceas, ovais, ápices geralmente obtuso, margem inteira, base subcordada, faces adaxial e abaxial pubescentes. Pedúnculos ca. 2,2 cm compr., pubescentes, articulados abaixo do meio. Brácteas não observadas. Tubo do cálice ca. 1,1 cm compr., cilíndrico-campanulado, pubescente. Sépalas ca. 2,5 × 0,8 cm, oblongas, subcoriáceas, face interna branca, face externa verde. Pétalas ca. 1,7 × 0,7 cm, alvas, membranáceas, afinando-se rapidamente na base. Corona 1 série externa de filamentos amarelos, eretos, em torno do androginóforo, com ca. 1-1,2 cm compr., livres na base, e 1 série interna formada por filamentos setáceos, ca. 0,15 cm. Opérculo situado a 0,8 cm da base tubo do cálice, margem finamente denticulada. Androginóforo ca. 2 cm alt., liso, glabro, com anel de glândulas nectaríferas (tróclea) na região mediana. Ovário ca. 0,5 × 0,4 cm, cilíndrico, levemente sulcado, densamente tomentoso. Frutos 4,5-5,5 × 2,3-2,6 cm, casca fina e pubescentes, com estiletes persistentes. Sementes ca. 0,5 × 0,4 cm, amareladas, fortemente foveoladas.

Material selecionado: Belém, Reserva Florestal do Mocambo, terra firme, 26.IX.1963, fl. e fr., E. Oliveira 3070 (IAN); floresta do Mocambo, 13.I.1953, fr., J.M. Pires & N.T. Silva 4440 (IAN); Parque Estadual do Utinga, beira de estrada, 21.IX.2011, fl., E. O. Silva 04 (MG). Gorotire, 20.VIII.1985, fl., A. Gély, 397 (MG).Marabá, Serra dos Carajás, próximo ao aeroporto, 28.I.1985, fr., O.C. Nascimento & R.P. Bahia 1029 (MG). Material adicional examinado: MATO GROSSO: Chapada dos Guimarães, 20.III.1983, fl., L.Carreira, et al. 554 (MG).

Distribui-se pelo Pará (Bernacci et al. 2013) e Mato Grosso.

É encontrada com flores nos meses de março, agosto e setembro e com frutos no mês de janeiro.

Passiflora subg. Astrophea é representada na área de estudo, apenas por P. ceratocarpa. Esta espécie é considerada, até o momento, exclusiva do estado do Pará, segundo a lista das espécies da flora do Brasil (2013). Consultando o herbário MG, foi observado o material coletado por L.Carreira et al. 554, na Chapada dos Guimarães, confirmando assim, uma nova ocorrência para P. ceratocarpa para o estado do Mato Grosso, e o primeiro registro para a Região Centro-Oeste do Brasil.

6. Passiflora foetida L., Sp. Pl. ed. 2: 959. 1753. Fig. 4a-e


 




Trepadeira de caule cilíndrico, levemente viscoso, com odor desagradável, densamente hirsuto, com tricomas tectores e glandulares, ca. 0,3 cm, amarelados a dourados. Pecíolos 1-3,6 cm compr., canaliculados, hirsutos com tricomas simples e glandulares. Estípulas ca. 0,6 × 0,8 cm, ensiformes, partidas em projeções filiformes. Folhas simples, alternas, membranáceas, hastadas, 3-lobadas, lobos ovalados a suborbiculares, hirsutas em ambas as faces, lobo central 5,5-8 × 3,3-4,9 cm, lobos laterais de 3-8 × 1,5-4,3 cm, sendo de 5-9 cm a distância entre os lóbulos laterais, ápice agudo a acuminado, base cordada, margem densamente a esparsamente glandular-ciliada, levemente erosa. Pedúnculos 1-3,6 cm, com tricomas esparsos. Tubo do cálice curto-campanulado, verde, ca. 0,3 cm compr. Brácteas 2,3-4 × 1,5-3 cm, verticiladas, involucradas, pinatissectas, persistentes, verdes, localizadas ca. 0,3 cm da base floral, com segmentos filiformes glandulares de 0,2-0,5 cm compr., por toda a margem. Sépalas 1,2-1,5 × 0,6-0,7 cm, ovaladas, glabra, face externa verde e face interna branca, margem inteira, com uma arista dorsal logo abaixo do ápice, ca. 0,8 cm compr. Pétalas 1-1,2 × 0,5-0,7 cm, oblongas, branco-esverdeadas, membranáceas. Corona com mais de 4 séries de filamentos: as primeiras duas séries formadas por filamentos de 0,8-1 cm compr., coloração vinácea na base, prolongando-se até um pouco acima do meio com coloração azulada e terminando em ápice esbranquiçado; as séries restantes internas formadas por filamentos capilares de 0,1-0,2 cm compr., brancos com ápices vináceos. Opérculo ca. 0,2 cm alt., ereto, membranoso, margem denteada, verrucosa. Límen ca. 0,3 cm alt., cupuliforme, não envolvendo a base do androginóforo, membranoso, margem lisa. Androginóforo 0,7-1,0 cm alt. , em forma de cone, glabro, liso, apresentando manchas vináceas da metade para a base; ovário ca. 0,25 cm compr., ovóide, glabro, estiletes hirsutos na base. Fruto subgloboso ca. 1,4 × 1,3 cm, amarelo quando maduro. Sementes ca. 0,4 × 0,2 cm, oblongas, alveoladas, triapiculadas no ápice.

Material selecionado: Belém, Reserva florestal do Utinga, 24.08.1942, fl. e fr., W.A. Archer 7614 (IAN); terras do IPEAN, várzea do rio Guamá, 9.VI.1969, fl. e fr., D.F. Austin 451 (IAN); Fazenda Velha, 15.VI.1974, fl. e fr., A. Silva 217 (IAN). Ananindeua: limites com o PEUt, terrenos abandonados, 16.IV.2011, fl. e fr., E.O. Silva 16 (MG).

Distribuição em todos estados, comportando-se como uma planta invasora em áreas degradadas (Nunes & Queiroz 2006; Bernacci et al. 2013).

Floresce e frutifica o ano todo.

Passiflora foetida (P. supersect. Stipulata Feuillet & MacDougal) é colocada na seção P. sect. Dysosmia DC., pela presença de caracteres como brácteas pinatissectas e involucradas. Segundo Ulmer & MacDougal (2004), P. foetida possivelmente éa mais variável espécie do gênero, particularmente em relação às flores e frutos. Baseando-se em características como a pilosidade do ovário, arranjo das brácteas, tamanho e cor das flores e frutos, e formato das folhas, Killip (1938) reconheceu 38 taxa infraespecíficos para P. foetida. Autores como Sacco (1980), Cervi (1986), Araújo & Alves (2007) e Mondin et al. (2011), reconheceram algumas das variedades de P. foetida em seus trabalhos. Já Deginani (2001), Bernacci (2003) e Nunes & Queiroz (2006) observaram que os caracteres diagnósticos sugeridos para a determinação das variedades são bastante instáveis, o que torna difícil o reconhecimento dessas variedades, preferindo não considerá-las em seus trabalhos. Da mesma forma, as variedades relacionadas a P. foetida, não foram reconhecidas neste estudo.

7. Passiflora glandulosa Cav., Diss, 10: 453. pl. 281. 1790. Fig. 4f-l

Trepadeira de caule cilíndrico ou subanguloso, glabro. Estípulas não analisadas. Pecíolos 0,7-2,5 cm compr., canaliculado, biglandular no terço inferior. Folhas 7-12 × 3,5-5,5 cm, inteiras, ovalado-oblongas ou oblonga-lanceoladas, raro oblanceoladas, agudas a acuminadas no ápice (menos frequente obtusa), margem lisa ou levemente ondulada; cordada ou arredondada na base, coriáceas a subcoriáceas, presença de pontuações amareladas (manchas ocelares próximo às margens). Brácteas 0,4-0,5 × 0,15-0,2 cm, linear-lanceoladas, raramente ovado-lanceoladas, 3-verticiladas, com glândulas nas margens. Pedúnculos 3-4,5 cm compr. Tubo do cálice cilíndrico, 1,7-1,8 × 0,9-1 cm. Sépalas ca. 3,7 × 0,9-1,1 cm, oblongas, escarlate, com uma pequena arista próxima ao ápice. Pétalas de tamanho, posição e cor, iguais às sépalas. Corona 2-3 séries de filamentos; a primeira série com 0,7-0,8 cm compr., alva, com filamentos livres desde a base; a segunda de tamanho e cor igual à primeira; a terceira série formada por filamentos lacerados alvos, 0,2-0,3 cm compr., surgindo de uma membrana cilíndrica de 0,4-0,5 mm, rósea de base adnata ao tubo. Opérculo ca. 0,4 cm acima da base do tubo, róseo, pendente, ápice filamentoso e margem recurvada. Límen membranáceo, cupuliforme, ereto, envolvendo a base do androginóforo, levemente fimbrilhado. Ovário ca. 0,6 × 0,3 cm, elipsoidal, pubescente. Fruto ca. 4-6 × 3-4 elipsoidal. Sementes 0,7 × 0,3 cm, obovadas, levemente reticuladas.

Material selecionado: Belém, terras do Instituto agronômico do Norte-IAN, capoeira 157, 5.X.1950, fl., G.A. Black & P. Ledoux 50-10212 (IAN); capoeira 157 l, Terra Firme IPEAN, 9.II.1975, fl. e fr., E. Oliveira 3239 (IAN); capoeira do Utinga, 20.VII.1945, fl., J.M. Pires & G. A. Black 46 (IAN); IPEAN, Reserva Aurá, 5.XII.1967, fl., J.M. Pires & N.T. Silva, 11.387 (IAN); Parque estadual do Utinga, bordas de floresta, 21.IX.2011, fl, E. O.Silva 03 (MG).

Distribuição no Brasil ocorre no Acre, Amazonas, Amapá, Pará, Roraima, Rondônia, Tocantins, Mato Grosso, Maranhão, Goiás, Piauí, Ceará, Paraíba, Pernambuco e cultivada no Rio de Janeiro (Cervi & Junior 2004; Bernacci et al. 2013).

Encontrada com flor de julho a setembro e com fruto em julho.

Passiflora glandulosa (P. subg. Passiflora) representa na área de estudo P. supersect. Distephana (DC.) Feuillet & MacDougal. Os espécimes coletados no Parque Estadual do Utinga e Campus do Museu Goeldi, diferem de outros materiais pela presença de uma série adicional de filamentos externos a mais na estrutura da corona e por apresentarem glândulas nectaríferas (semelhantes a ocelos) no limbo das folhas. A corona formada por três séries de filamentos, até então, não tinha sido relatada para esta espécie conforme observado nas descrições feitas por Killip (1938), Cervi & Junior (2004), Tillett (2003) e Ulmer & MacDougal (2004). Já as glândulas laminares em P. glandulosa foram observadas pela primeira vez por Tillet (2003) e descritas como glândulas diminutas de posição submarginais. A ocorrência de glândulas inseridas no limbo foliar, são comuns em espécies de P. subg. Decaloba, tais como em P. misera Kunth e P. vespertilio, denominadas de ocelos, e que correspondem a nectários extra-florais, sendo este, portanto, o segundo relato dessas estruturas em P. subg. Passiflora.

8. Passiflora nitida Kunth, Nov. gen. sp. 2: 130. 1817. Fig. 4m-p

Trepadeira de caule herbáceo, cilíndrico, estriado, verde, glabro, fistuloso. Estípulas 0,5-0,6 cm compr., linear-subuladas. Pecíolos 1,3-3,6 cm compr., biglandular no ápice. Folhas 11-14 × 6,5-8 cm, simples, glabras, membranáceas a subcoriáceas, ovado-oblongas a ovado-elípticas, ápice agudo ou acuminado, arredondadas na base, nervuras secundárias terminando em glândulas pouco proeminentes nas margens, lustrosas em ambas as faces, peninérveas. Pedúnculos 4-6 cm comp., robustos, articulado na inserção das brácteas. Brácteas 5-6 × 3-4,2 cm, oblongo-ovadas, côncavas, com ápice e base arredondadas, com 3-4 glândulas nas margens, persistentes, verdes. Flores 6,4-8 cm diâm. Tubo do cálice campanulado. Sépalas 4,2-5,0 × 1,8-2,0 cm, oblongas, carnosas, face externa verde, alva na face interna, ápice obtuso, margem inteira a glandular-denteada (mais frequente). Pétalas oblongas 4-4,5 × 0,9-1,3 cm, brancas, membranáceas, margem inteira, ápice obtuso. Corona formada por 5 ou mais séries de filamentos; as duas primeiras com filamentos de 4-4,5 cm compr., carnosos em pelo menos na metade inferior, atenuando-se para o ápice, púrpuros com tons alvos e bandas azuis até a metade, e brancos até o ápice; as demais séries com filamentos filiformes de 0,2-0,3 cm compr.; a ultima série com filamentos de 1 cm compr., alvos. Opérculo 0,4-0,8 cm alt., membranoso, ereto, margem fimbriada. Límen ca. 0,7 cm alt., tubular, membranoso, envolvendo a base do androginóforo, margem lisa. Androginóforo ca. 3 cm alt., tróclea presente. Ovário ca. 0,8 × 1 cm, elíptico glabro. Fruto ca. 4 × 4,5 cm, globoso, amarelo quando maduro. Sementes ca. 0,8. × 0,6 cm, obcordadas, margens reticuladas.

Material selecionado: Belém: Terras do Instituto agronômico do Norte-IAN, 2.I.1943, fl. e fr., W.A. Archer 8112 (IAN); 26. I. 1943, fl e fr., W.A. Archer 8185 (IAN); 14.X.1943, fl. e fr., W.A. Archer 8317 (IAN); mata do marco 15, 31.I.1969, fl., J.M. Pires (IAN-12031); capoeira 157, 24.II.1955, fr., G.A. Black 55-18128 (IAN); 10.VII. 1951, fl., G.A. Black 51-12472 (IAN); 6.V.1949, fr., T. Guedes 157 (IAN); 19 I.1944, fl. e fr., A. Silva 49 (IAN). Parque Ambiental do Utinga, 8.III.2001, fl. e fr., E.S.C. Gurgel, & M.R. Cordeiro 01-03 (100.091) (MG); 16.III.2011, fl. e fr., E.O. Silva 11 (MG).

Distribui-se pelo Panamá, Colômbia, Venezuela, Peru, Bolívia e Guianas. Brasil: Acre, Amazonas, Rondônia, Roraima, Pará, Tocantins, Mato Grosso, Goiás, Brasília, Maranhão e Bahia, (Cervi 1997; Bernacci et al. 2013).

Floresce e frutifica nos meses de março e setembro.

Passiflora nitida (P. subg. Passiflora) pode ser facilmente confundida com P. acuminata pela estrutura das flores de corona filamentosa que recobre o ovário, mas se diferencia desta por apresentar folhas ovado-oblongas com margens glandulosas.

9. Passiflora picturata Ker Gawl., Bot. Reg. 8: 673. 1822. Fig. 5a-f


 




Trepadeira de caule cilíndrico, levemente estriado, glabro. Estípulas 1,3-2,1 × 0,7-1,1 cm, semi-ovadas, aristadas. Pecíolos 4-4,5 cm compr., delgados, 2-3 glândulas filiformes de 0,1-0,15 cm compr., distribuídas de forma opostas ou alternas pelo meio do pecíolo. Folhas 1,4-2,2 × 1-1,5 cm, membranáceas, trilobadas com lóbulos ovados, sendo a distância entre os lóbulos de 4-8 cm, ápice arredondado ou subagudo, mucronado, subcordadas ou arredondadas na base. Pedúnculos 6-6,5 cm compr. robustos. Brácteas 1,2-3 × 0,9-1,1 cm, pecioladas, livres, 3-verticiladas, elípticas, situadas a 0,3 cm da base floral, estreitando-se na base e com um pecíolo ca. 0,2 cm; ápice arredondado ou obtuso com uma arista ca. 0,1 cm. Tubo do cálice ca. 0,5 × 1,4 cm, campanulado. Sépalas ca. 2,3 × 1 cm, linear-oblongas, levemente côncavas, verdes na face abaxial e purpúreas na face adaxial, carnosas, quilha dorsal, ápice terminando em uma arista foliácea ca. 0,6 cm. Pétalas 1,5-2,5 × 1-1,2 cm, oblongas, obtusas no ápice, purpúreas. Corona de filamentos 2 séries; série externa com filamentos de 0,5-1,5 cm compr.; série interna com filamentos de 0,3-0,5 cm compr. Opérculo 0,6-1 cm compr., filamentoso desde a base, ereto. Límen 0,4 cm alt., adnato ao androginóforo. Ovário 0,4 × 0,25 cm, ovóide, levemente pruinoso. Fruto ca. 3,5 × 4,5 cm, globoso. Sementes 0,5 × 0,3 cm, obovadas, fortemente foveoladas.

Material selecionado: Belém: IAN, capoeira 157 L, 12.II.1947, fr., J.M. Pires & G.A. Black 1290 (IAN); capoeira, nas vizinhas do IAN, 12.II.1952, fr., R.L. Froés, 27742 (IAN); Terras do IAN, 15.I.1951, fl., J.M. Pires 3112 (IAN).

Distribui-se pelo Acre, Pará, Rondônia, Alagoas, Ceará (Bernacci et al. 2013).

Floresce e frutifica de outubro a maio (Cervi 1997).

Passiflora picturata está inserida em P. supersect. Stipulata Feuillet & MacDougal, a mais rica em número de espécie de P. subg. Passiflora. Foi posicionada em P. ser. Lobatae de Killip (1938), por apresentar folhas lobadas e glabras. Esta espécie pode ser facilmente reconhecida em campo pelas folhas trilobadas e brácteas pecioladas, sendo este caráter único entre as espécies do gênero.

10. Passiflora quadrangularis L., S. Nat. (Ed. 10) 2: 1248. 1759. Fig. 5g-h

Trepadeira de caule quadrangular, ângulos alados, glabros. Estípulas 2,5-3 × 0,6-1 cm, ovado-lanceoladas, estreitando-se na base, margem inteira a levemente serreadas, ápice agudo. Pecíolos 2-5 cm compr., canaliculados na parte superior, 6 glândulas aos pares, distribuídas ao longo do pecíolo. Folhas 7,5-12 × 6-10,5 cm, ovado a ovado-oblongas, ápice abruptamente acuminado, margens inteiras, subtruncada a cordada na base, peninérveas, com nervuras secundárias proeminentes na face abaxial em números de 10 a 12. Brácteas, flores, frutos e sementes não analisados.

Material selecionado: Belém: terras do Instituto Agronômico do Norte, 22. VII.1944, A. Silva 307 (IAN); Embrapa, P.C.F. Castro (IAN-175804).

Distribui-se pela América Central e Norte da América do Sul. Brasil: Amazonas, Pará e Maranhão (Cervi 1997; Ulmer & MacDougal 2004; Bernacci et al. 2013).

Floresce e frutifica de setembro a março (Cervi 1997).

A espécie está posicionada em P. ser. Quadrangulares Feuillet & MacDougal pelo caule anguloso, sendo facilmente identificada por esta característica. Acredita-se que seja nativa do noroeste da América do Sul (Ulmer & MacDougal 2004).

11. Passiflora serratodigitata L., Sp. Pl. 2: 960. 1753. Fig. 5i-l

Trepadeira de caule cilíndrico, estriado, fistuloso, glabro. Estípulas 1,3-1,5 cm compr, linear-subuladas, margens levemente serradas e com pequenas glândulas próximas ao ápice. Pecíolos 3,3-6 cm compr., 2-4 glândulas em forma de clavas ou liguladas, dispostas no meio ou na base do pecíolo. Folhas 6-9 × 1,9-2,5 cm, 5-7-lobadas, lobos oblongos a oblongos-lanceolados, membranáceas, palmadas, serreados nas margens com ápice agudo a acuminado. Pedúnculos 2-3,5 cm compr., delgados. Brácteas 5-5,5 × 2,5-3 cm, 3-verticiladas, ovado-lanceoladas, com face abaxial levemente pubescente, sésseis, unidas em 1/3 do seu comprimento. Tubo do cálice infundibuliforme. Sépalas 3,2-3,5 × 1-1,3 cm, oblongas, obtusas no ápice. Pétalas ca. 3 × 1,2-1,3 cm, oblongas. Opérculo 0,2-0,3 cm compr., estendido horizontalmente, com ápice filamentoso. Límen ca. 0,8 cm alt., tubular, envolvendo a base do androginóforo. Androginóforo com um anel carnoso na altura do primeiro terço. Ovário ovóide, estipitado, ca. 0,6 × 0,5 cm. Fruto 6-6,5 × 4-6 cm, globoso. Sementes não analisadas.

Material selecionado: Belém: estrada da bomba do Utinga, próximo ao rio Guamá, quadra do Capinzal, terreno alagado. 22.III.1967, fl., J.M. Pires & N.T. Silva 10326 (IAN).Reserva Aurá, 2.IV.1968, fl. e fr.; J.M. Pires & N.T. Silva 11531 (IAN). Ilha do Marajó, Sitio Campina, 20.X.1984, fr., G.L. Sobel & J. Strudwick, 4752 (MG); capoeira, 11.X.1945, fl. e fr., J.M. Pires & G.A. Black 404 (MG).

Distribui-se pelas Antilhas, Guianas, Equador, Colômbia, Peru, Bolívia. Brasil: Amazonas, Pará, Rondônia e Rio de Janeiro (Cervi 1997; d'Eeckenbrugge 2003; Bernacci et al. 2013).

Floresce de julho a novembro e frutifica de novembro a março (Cervi 1997).

Passiflora serratodigitata está inserida em P. ser. Tiliifolia Feuillet & MacDougal por apresentar brácteas unidas no meio ou na base, assim como as demais espécies dessa série. Por causa das folhas 5-7 lobadas, pode ser facilmente diferenciada de todas as outras espécies (Killip 1938; Feullit & MacDougal 2004).

12. Passiflora tholozanii Sacco, Ann. XV Congr. Soc. Bot. do Brasil 1:151. 1967 Fig. 6a-c


 




Trepadeira de caule cilíndrico, estriado, ferrugíneo-tomentoso quando jovem. Estípulas 0,6-0,7 × 1,0-1,4 cm, lineares, ferrugíneo-tomentosas, margens glandulares. Pecíolos com canalículo na parte superior, ferrugíneo-tomentosos, 2-4 glândulas localizadas em diferentes posições, em geral 1-2 glândulas na base da lâmina foliar, 1-2 no meio, ou ainda uma glândula na base lateral. Folhas 6,5-9 × 3,5-5 cm, inteiras, ovado-elípticas, membranáceas, verdes a ferrugíneo-tomentosas na face abaxial, lustrosas na face adaxial, ápice agudo a acuminado, base subcordada, margens glandulosa-denteadas. Pedúnculos 5-8 cm compr., robustos, verdes. Brácteas 4-4,5 × 1,3-1,5 cm, foliáceas, oval-elípticas, base cuneada, margem glandulosa (4-5 glândulas em cada margem). Tubo do cálice 0,8-0,9 × 1,2-1,4 cm, campanulado, sulcado. Sépalas 3,5-4,0 × 1-1,5 cm, linear-oblongas, vermelhas, lustrosas, côncavas, margem inteira, face abaxial terminando com uma arista de 0,4 cm. Pétalas 3,6-3,8 × 0,7-0,9 cm, vermelhas. Corona 2 Séries de filamentos livres desde a base, a série externa com filamentos subulados de 1-1,4 cm compr.; a série interna com filamentos de 0,9-1,0 cm, com tons de vermelho a um vermelho mais escuro nos ápices, alvos nas laterais. Androginóforo 2-2,4 cm. Opérculo ca. 4 mm alt., pendente com ápice recurvo fimbriado Límen ca. 0,15 cm alt., anular, róseo, margem erosa. Ovário ca. 0,6 × 0,3 cm, ovóide a fusiforme, levemente trisulcado, viloso-tomentoso. Frutos ca. 7 × 6 cm globosos, verdes, com pontuações esbranquiçadas. Sementes 0,6 × 0,4 cm, obovadas, levemente reticuladas.

Material selecionado: Belém, Parque Estadual do Utinga, 19.XI. 2010, fl. e fr., E.O. Silva 01 (MG); terras do Instituto agronômico do Norte-IAN, 30.XI.1945, fl., J.M. Pires & G.A. Black 778 (IAN).

Distribuição no Brasil: Amazonas, Pará, Amapá, Rondônia, Roraima e Mato Grosso (Bernacci et al. 2013).

Floresce de agosto a novembro e frutifica de novembro a fevereiro.

Passiflora tholozanii (P. subg. Passiflora) tem como espécie mais próxima P. araujoi. Entretanto, ambas se diferenciam pela estrutura interna da corona, que em P. araujoi é constituída por três séries de filamentos, enquanto P. tholozanii apresenta apenas duas séries.

13. Passiflora vespertilio L., Sp. Pl. 957. 1753. Fig. 6d-f

Trepadeira de caule anguloso ou fortemente comprimido, estriado, glabro ou levemente pubescente. Estípulas 0,3-0,5 cm compr., linear-subuladas, falcadas. Pecíolos 1,3-2,5 cm compr., pubescente, desprovido de glândulas. Folhas 2-3-lobadas, sendo 2,3-5 cm compr. nervura central, 5-11,3 cm entre os lobos (variando em forma, margem superior truncada ou às vezes ondulada com o ápice dos lobos em geral acuminados), membranáceas a cartáceas, 3-nervadas, rotunda a subtruncadas na base, ápice agudo, retuso ou truncado, mucronado, margem inteira, face adaxial glabra, face abaxial levemente pubescente, 2 ocelos na base, 2-6 ocelos entre as nervuras laterais principais. Pedúnculos 1,3-1,7 cm compr., articulados próximo ao meio. Brácteas setáceas, ca. 0,4 cm compr., situadas abaixo do meio do pendúculo. Tubo do cálice pateliforme, com flores medindo ca. 5 cm diâm. Sépalas 1,5-1,7 × 0,6-0,7 cm, oblongas, largas na base, ápice obtuso, verde-amarelado. Pétalas 4,0-4,5 × 0,9-1,3cm, oblongas, membranáceas, alvas, ápice obtuso. Corona 2 séries de filamentos, a série externa estreitamente liguliformes 1-1,3 cm compr., verde-amarelados, unidos na base por uma membrana; série interna lineares 0,3-0,5 cm compr., brancos. Opérculo membranoso, incurvado, margem fimbriada, plicado, branco. Límen anular. Androginóforo 0,7-1,0 cm alt., glabro. Ovário 0,3 × 3,5 cm, ovóide, glabro. Fruto 1,6-3,4 × 1,8- 3,9 cm, subgloboso, sulcado transversalmente, escuros quando maduro. Sementes ca. 0,4 × 0,2 cm, obovadas, transversalmente sulcadas.

Material selecionado: Belém, estrada em frente ao IAN, 2.III.1943, fr., W.A. Archer 8264 (IAN). Utinga, Igapó, 19.IX.1945, fl., J.M. Pires & G.A. Black 228 (IAN); floresta do Instituto Agronômico do Norte, 2.XII.1942, fl., W.A. Archer & A. Ducke 7918, (IAN); 15.II.1944, fl. e fr., A. Silva 112 (IAN); capoeira do Black, 30.VI.1967, fl. e fr., J.M. Pires e N.T. Silva 10573 (IAN); estrada do cafezal, 28.I.1948, fl., N.T. da Silva 123 (IAN); 10.XII.1950, fl. e fr., J.M. Pires 2669 (IAN); campus do MPEG, 13.VII.2009, fr., S.M. Kerpel 1 (MG); Parque Estadual do Utinga, 1.IX.2009, fl. e fr., S.M. Kerpel 5 (MG); 31.I.2010, fl., S. M. Kerpel 11 (MG); 14.V.2011, fl. e fr., E.O. Silva 21 (MG).

Distribuição no Brasil: Amapá, Pará, Amazonas, Acre, Rondônia, Mato Grosso (Bernacci et al. 2013).

É encontrada com flores nos meses de fevereiro a dezembro, e com fruto de fevereiro a maio e setembro.

Passiflora vespertilio integra P. sect. Decaloba DC. Essa seção apresenta espécies com folhas muito plásticas quanto à forma, podendo variar de acordo com o ambiente (Milward-de-Azevedo & Baumgratz 2004), o que faz com que sejam facilmente confundidas. A estrutura da corona, em muitos casos, é o caráter diferenciador para algumas espécies (Killip 1938). O mesmo autor descreve duas formas principais de folhas em P. vespertilio: uma em que a margem superior forma uma linha quase reta e outra com a margem superior dos lóbulos formando um ângulo com um seio raso no meio, lembrando as asas de um inseto, sendo esta ultima forma o tipo mais característico das amostras coletadas na área de estudo.

Agradecimentos

Os autores agradecem à Secretaria de Estado do Meio Ambiente (SEMA), por intermédio da Diretoria de Áreas Protegida na pessoa do seu diretor Crisomar Lobato, a autorização de coleta nos limites do Parque Estadual do Utinga-PEUt, ao Dr. Armando Carlos Cervi e ao Dr. Luis Carlos Bernacci, as importantes contribuições neste trabalho, e aos ilustradores botânicos, Carlos Alvarez e João Silveira, os desenhos.

Artigo recebido em 05/11/2012

Aceito para publicação em 17/06/2013

  • 1
    Parte da Dissertação de mestrado do primeiro autor.
  • 2
    Autor para correspondência:
    • Araújo, D. & Alves, Marccus 2007. Variabilidade Morfológica de Passiflora foetida L. Quantas variedades existem no estado de Pernambuco? Revista Brasileira de Biociências 5:852-854.
    • Bernacci, L.C., 2003. Passifloraceae. In: Wanderley M.G.L.; Shepard G.J.; Guilietti, A.M. & Melhem, T.S. (coords.). Flora fanerogâmica do estado de São Paulo. RiMa, FAPESP, São Paulo. Pp. 247-257.
    • Bernacci, L.C.; Cervi, A.C.; Milward-de-Azevedo, M.A.; NUnes, T. S.; Imig, D.C. & Mezzonato, A.C. 2013. Passifloraceae. In: Lista de espécies da flora do Brasil. Jardim Botânico do Rio de Janeiro. Disponível em <http://www.floradobrasil.jbrj.gov.br/jabot/floradobrasil/FB12506>. Acesso em 22 Mai 2013.
    • Cervi, A.C. 1986. Flora do estado de Goiás: Coleção Rizzo. Ed. UFGO. 45p.
    • Cervi, A.C. 1997. Passifloraceae do Brasil: estudo do gênero Passiflora L., subgênero Passiflora Fontqueria 45:1-92.
    • Cervi, A.C., & Junior A.D. 2004. Passifloraceae do Brasil: estudo do gênero Passiflora L. subgênero Distephana (Juss.) Killip. Revista Estudos de Biologia 26:45-67.
    • Cervi, A.C. 2005. Espécies de Passiflora L. (Passifloraceae) publicadas e descritas nos últimos 55 anos (1950-2005) na América do Sul e principais publicações brasileiras. Estudos de Biologia 27:19-24.
    • D'Eeckenbrugge, C.G. 2003. Exploração da diversidade genética das Passifloras . Sexto Simpósio Brasileiro sobre a Cultura do Maracujazeiro. November 24-27, Campos de Goytacazes (Brazil). Palestra 6 (invited conference), CD. 25p.
    • Deginani, N.B. 2001. Las espécies argentinas del gênero Passiflora (Passifloraceae). Darwiniana 39:43-129.
    • Feuillet, C. & MacDougal, J. 1999. Infrageneric classification of Passiflora. In: Abstracts of XVI International Botanical Congress. Missouri Botanical Garden, St. Louis. P. 173.
    • Feuillet, C. 2009. Folia taxonomica 16. Dilkea (Passifloraceae) 1. Epkia, a new subgenus and five new species from western Amazonia and the Guianas. Journal of the Botanical Research Institute of Texas 3:593-604.
    • Feuillet, C. 2010. Folia taxonomica 17. Dilkea (Passifloraceae) 2. conspectus of the species of the Guianas with three new species. Journal of the Botanical Research Institute of Texas 4:55-62.
    • Feuillet C. 2010. Folia taxonomica 19. Typifications in Dilkea (Passifloraceae). Journal of the Botanical Research Institute of Texas 4:615-617.
    • Fidalgo, O. & Bononi, V.L.R. 1989. Técnicas de coleta, preservação de material botânico. Série Documentos. Instituto de Botânica, São Paulo. 62p.
    • Gonçalves, E.G. & Lorenzi, H. 2008. Morfologia vegetal: organografia e dicionário ilustrado de morfologia das plantas vasculares. Plantarum. 416p.
    • Holm-Nielsen, L.; Jorgensen, P.M. & Lawesson, J.E. 1988. Flora de Ecuador. 31. Passifloraceae. In: Harling, G. & Andersson, L. (eds.). Univ. of Göteborg, Copenhagen. 130p.
    • Killip, E.P. 1938. The American species of Passifloraceae. Field Museum of Natural History. Botanical Series 19:1-613.
    • Lopes, S.C. 1991. Citogenética do maracujá, Passiflora spp. In: São José, A.R. (ed.). A cultura do maracujá no Brasil. FUNEP, Jaboticabal. Pp. 201-209.
    • Milward-de-Azevedo, M.A. & Baumgratz, J.F.A. 2004. Passiflora L. subgênero Decaloba (DC.) Rchb. (Passifloraceae) na Região Sudeste do Brasil. Rodriguésia 55:17-54.
    • Milward-de-Azevedo, M.A.; Baumgratz, J.F.A. & Gonçalves-Esteves,V. 2012. A taxonomic revision of Passiflora subgenus Decaloba (Passifloraceae) in Brazil. Phytotaxa 53:1-68.
    • Mondin, C.A.; Cervi A.C. & Moreira G.R.P. 2011. Sinopse das espécies de Passiflora L. (Passifloraceae) do Rio Grande do Sul, Brasil. Revista Brasileira de Biociência 9:3-27.
    • Muschner, V.C. 2005. Filogenia molecular, taxas evolutivas, tempo de divergência e herança molecular em Passiflora L. (Passifloraceae). Tese de Doutorado. Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre. 162p.
    • Nunes, T.S. & Queiroz, L.P. 2006. Flora da Bahia: Passifloraceae. Sitientibus 6:194-226.
    • Pará. 1994. Secretaria de Estado de Ciência, Tecnologia e Meio Ambiente. Parque Ambiental de Belém: plano de manejo. SEMA, Belém. 86p.
    • Ribeiro J.E.L.S; Hopkins, M.J.G; Vicentini, A.; Sothers, C.A.; Costa, M.A. S.; Brito, J.M.; Sousa, M.A.D.; Martins, L.H.P.; Lohmann, L.G.; Assunção, P.A. C.L.; Pereira, E.C.; Silva, C.F.; Mesquita, M.R. & Procópio, L. 1999. Flora da Reserva Ducke. Guia de identificação das plantas vasculares de uma floresta de terra-firme na Amazônia Central. INPA, Manaus. 816p.
    • Sacco, J.C. 1980. Passifloráceas. In: Reitz, R. (ed.). Flora Ilustrada Catarinense. Herbário Barbosa Rodrigues, Itajaí. 130p.
    • Souza, V.C. & Lorenzi, H. 2008. Botânica sistemática: Guia ilustrado para identificação das famílias de Fanerógamas nativas e exóticas no Brasil, baseado em APG II. 2nd ed. Instituto Plantarum, Nova Odessa. 704p.
    • Thiers, B. 2013. Index Herbariorum: a global directory of public herbaria and associated staff. New York Botanical Garden's Virtual Herbarium. Disponível em <http://sweetgum.nybg.org/ih/>. Acesso em 26 Mai 2013.
    • Tillett, S.S. 2003. Passifloraceae. In: Berry, P.E.; Yatskievych, K. & Holst, B.K. (eds.). Flora of the Venezuelan Guayana. Vol. 7. Pp. 625-667.
    • Tropicos.org. Missouri Botanical Garden. Disponível em <http://www.tropicos.org/Name/42000124>. Acesso em 5 Jun 2013.
    • Ulmer, T. & MacDougal, J.M. 2004. Passiflora: Passionflowers of the world. Timber Press, Cambridge. 430p.

    1 Parte da Dissertação de mestrado do primeiro autor. 2 Autor para correspondência: eoliveira12@yahoo.com.br

    Datas de Publicação

    • Publicação nesta coleção
      11 Fev 2014
    • Data do Fascículo
      Dez 2013

    Histórico

    • Recebido
      05 Nov 2012
    • Aceito
      17 Jun 2013
    Instituto de Pesquisas Jardim Botânico do Rio de Janeiro Rua Pacheco Leão, 915 - Jardim Botânico, 22460-030 Rio de Janeiro, RJ, Brasil, Tel.: (55 21)3204-2148, Fax: (55 21) 3204-2071 - Rio de Janeiro - RJ - Brazil
    E-mail: rodriguesia@jbrj.gov.br