Percepção do cirurgião-dentista sobre formação profissional e dificuldades de inserção no mercado de trabalho

Perception of dentists about professional training and difficulties of insertion in the labor market

Resumos

INTRODUÇÃO: A avaliação da percepção de egressos é uma estratégia fundamental para subsidiar o projeto político‑pedagógico nas universidades. OBJETIVO: Conhecer a percepção dos cirurgiões-dentistas em atuação no mercado de trabalho a respeito das principais dificuldades para sua inserção profissional, logo após o término da graduação, os aspectos positivos e negativos, e as sugestões em relação à formação acadêmica obtida. METODOLOGIA: Trata-se de uma pesquisa qualitativa, do tipo inquérito, realizada com egressos dos anos 2000 a 2010, do curso de Odontologia de uma universidade pública brasileira. Foi enviado um questionário autoaplicável por correio/email a todos os egressos no período. Os dados foram transcritos e submetidos à técnica da análise de conteúdo, dividida em pré-análise, caracterizada por leitura com atenção flutuante, e exploração do material, descobrindo orientações para análise propriamente dita. RESULTADO: As categorias referentes às dificuldades no início da vida profissional foram: conseguir emprego/local de trabalho; condições adequadas de trabalho e baixa remuneração; insegurança e confrontação à formação acadêmica obtida, e falta de experiência administrativa. Os aspectos positivos percebidos em relação à formação foram: boa infraestrutura e reputação da universidade, integração ensino-pesquisa e relacionamento docente-discente. Os aspectos negativos compuseram as categorias: preparo administrativo, falta de integração entre conteúdo teórico e atividade prática, e noções de mercado de trabalho. As sugestões apresentaram-se coerentes às dificuldades para o início da vida profissional e aos aspectos negativos. CONCLUSÃO: Os profissionais têm-se deparado com a saturação do mercado de trabalho e realidades diferentes daquelas vivenciadas na formação acadêmica. Os egressos sugeriram mudanças, apesar de relatarem aspectos positivos no curso realizado.

Odontologia; educação superior; recursos humanos


INTRODUCTION: The evaluation of the perception of graduates is an essential strategy to support the political project educational in universities. OBJECTIVE: This study aimed to verify the perception of dentists which are working in the labor market, about the difficulties of professional insertion after the graduation, positives and negatives aspects and suggestions regarding the training received. METHODOLOGY: This is a qualitative survey conducted with graduates of the years 2000 to 2010, of dentistry course from a Brazilian Public University. A self-administered questionnaire was sent by mail/email to all graduates in the period. The data were transcribed and subjected to content analysis, divided into pre-analysis, characterized by carefully reading floating, material exploration, guidelines for finding the analysis itself. RESULT: The categories related to the difficulties in early life were: getting a job/workplace, adequate working conditions and low pay, insecurity and confrontation obtained the academic and lack of administrative experience. The perceived positive aspects for the training were: good infrastructure and reputation of the university, integrating teaching-research, teacher-student relationship. The negative aspects comprised the following categories: administrative preparation, lack of integration between content theoretical/practical, concepts used in the labor market. The suggestions presented are consistent with the difficulties to the beginning of professional life and the negative aspects. CONCLUSION: The professionals have faced the saturation of the labor market and different reality from those found in academic life. Despite the positive aspects, graduates suggest changes in the course conducted.

Dentistry; education higher; human resources


  • 1
    Martínez MM, Estrada MRB, Bara FE. La universidad como espacio de aprendizaje ético. Rev Ibero-Amer Educ. 2002; 29: 14-43.
  • 2
    Finkler M, Caetano JC, Ramos FRS. A dimensão ética da formação profissional em saúde: estudo de caso com cursos de graduação em odontologia. Ciênc Saúde Coletiva. 2011; 16: 4481-92. PMid:22124829.
  • 3
    Brustolin J, Brustolin J, Toassi RFC, Kuhnen M. Perfil do acadêmico de odontologia da Universidade do Planalto Catarinense – Lages – SC, Brasil. Rev ABENO. 2006; 6:70-6.
  • 4
    Morita MC, Kriger L. Mudanças nos cursos de odontologia e a interação com o SUS. Rev ABENO. 2004; 4 : 17-21.
  • 5
    Nunes, MF, Silva ET, Santos LB, Queiroz LG, Leles CR. Profiling alumni of a Brazilian public dental school. Hum Resour Health. 2010; 18: 20. Available from: http://www.human-resources-health.com/content/pdf/1478-4491-8-20.pdf Pmid:20718976. PMCid:2933588. http://dx.doi.org/10.1186/1478-4491-8-20
  • 6
    Morita MC, Haddad AE, Araújo ME. Perfil atual e tendências do cirurgião-dentista brasileiro. Maringá: Dental Press International; 2010.
  • 7
    Martelli PJL, Macedo CLSV, Medeiros KR, Silva SF, Cabral APS, Pimentel FC, et al. Perfil do cirurgião-dentista inserido na Estratégia de Saúde da Família em municípios do estado de Pernambuco, Brasil. Ciênc Saúde Coletiva. 2010; 15 S:3243-48.
  • 8
    Conselho Federal de Odontologia. Totalização do número de cirurgiões-dentistas inscritos no CFO. Disponível em: http://cfo.org.br/wp-content/uploads/2011/06/Total_Geral_Brasil.pdf
  • 9
    Cavalcanti YW, Cartaxo RO, Padilha WW. Educação odontológica e Sistema de Saúde brasileiro: práticas e percepções de estudantes de graduação. Arq Odontol. 2010; 46: 224-31.
  • 10
    Moysés SJ. Políticas de saúde e formação de recursos humanos em Odontologia. Rev ABENO. 2004; 4: 30-7.
  • 11
    Brasil. Constituição 1988. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília: Senado; 1988.
  • 12
    Brasil. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação/Câmara de Educação Superior. Resolução CNE/CES no3 de 19 de Fevereiro de 2002. DOU, Brasília. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/sesu/arquivos/pdf/0302Odontologia.pdf
  • 13
    Brasil. Ministério da Saúde. Programa nacional de reorientação da formação profissional em saúde. Disponível em: http://prosaude.org/not/prosaude-maio2009/proSaude.pdf
  • 14
    Brasil. Ministério da Saúde. Política nacional de educação permanente em saúde: PNEPS. Disponível em: http://portal.saude.gov.br/portal/saúde/profissional/area.cfm?Idarea=1265
  • 15
    Bardin L. Análise de conteúdo. 3ª ed. Lisboa: Edições 70; 2004.
  • 16
    Ribeiro SFR. Sofrimento psíquico e privacidade de agente comunitário de saúde [tese doutorado]. Faculdade de Educação da UNICAMP; 2011.
  • 17
    Minayo MCS. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. São Paulo: Hucitec; 2004.
  • 18
    Mialhe FL, Furuse R, Gonçalo CS. Perfil profissional de uma amostra de egressos da Faculdade de Odontologia de Piracicaba. UFES Rev Odontol. 2008; 10: 31-6.
  • 19
    Moana Filho EJ. Levantamento das atitudes e crenças dos ortodontistas com relação à disfunção têmporo-mandibular e dor orofacial. Rev Dent Press Ortodon Ortop Facial. 2005; 10: 60-75.
  • 20
    Morosini MC. Qualidade da educação universitária: isomorfismo, diversidade e equidade. Interface Comunic Saúde Educ. 2001; 5:89‑102. http://dx.doi.org/10.1590/S1414-32832001000200006
  • 21
    Lazzarin HC, Nakama L, Cordoni Junior L. Percepção de professores de odontologia no processo de ensino-aprendizagem. Ciênc Saúde Coletiva. 2010; 15 S :1801-10.
  • 22
    Moimaz SAS. Avaliação da inserção de profissionais formados pela Faculdade de Odontologia de Araçatuba – UNESP, no mercado de trabalho [tese livre docência]. Araçatuba: Faculdade de Odontologia da UNESP; 2003.
  • 23
    Morin E. Os sete saberes necessários à educação do futuro. São Paulo: Cortez/UNESCO; 2000.
  • 24
    Campos GWS. O anti-Taylor: sobre a invenção de um método para co-governar instituições de saúde produzindo liberdade e compromisso. Cad Saúde Pública. 1998; 14:863-70. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X1998000400029
  • 25
    Moimaz SAS, Casotti CA, Saliba NA, Garbin CAS. Representação Social de Acadêmicos de odontologia sobre a área de Odontologia Social. Rev ABENO. 2006; 6: 145-9.
  • 26
    Camargo SX, Nakama L, Cordoni Junior L. O Sistema Único de Saúde como paradigma nas representações sociais dos cirurgiões-dentistas. Interface Comunic Saúde Educ. 2011; 15:883-900. http://dx.doi.org/10.1590/S1414-32832011005000038
  • 27
    Secco LG, Pereira MLT. Formadores em odontologia: profissionalização docente e desafios político-estruturais. Ciênc Saúde Coletiva. 2004; 9: 113-20. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232004000100011
  • 28
    Botazzo C. Da arte dentária. São Paulo: Hucitec; 2000.

Datas de Publicação

  • Publicação nesta coleção
    08 Fev 2013
  • Data do Fascículo
    Out 2012

Histórico

  • Recebido
    14 Maio 2012
  • Aceito
    05 Set 2012
Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho Rua Humaitá, 1680 - Caixa Postal 331, 14801-903 Araraquara,São Paulo,SP, Tel.: (55 16) 3301-6376, Fax: (55 16) 3301-6433 - Araraquara - SP - Brazil
E-mail: adriana@foar.unesp.br