Resolução temporal auditiva em idosos

Auditory temporal resolution in elderly people

OBJETIVO: Avaliar o processamento auditivo em idosos por meio do teste de resolução temporal Gaps in Noise e verificar se a presença de perda auditiva influencia no desempenho nesse teste. MÉTODOS: Sessenta e cinco ouvintes idosos, entre 60 e 79 anos, foram avaliados por meio do teste Gaps In Noise. Para seleção da amostra foram realizados: anamnese, mini-exame do estado mental e avaliação audiológica básica. Os participantes foram alocados e estudados em um grupo único e posteriormente divididos em três grupos segundo os resultados audiométricos nas frequências de 500 Hz, 1, 2, 3, 4 e 6 kHz. Assim, classificou-se o G1 com audição normal, o G2 com perda auditiva de grau leve e o G3 com perda auditiva de grau moderado. RESULTADOS: Em toda a amostra, as médias de limiar de detecção de gap e de porcentagem de acertos foram de 8,1 ms e 52,6% para a orelha direita e de 8,2 ms e 52,2% para a orelha esquerda. No G1, estas medidas foram de 7,3 ms e 57,6% para a orelha direita e de 7,7 ms e 55,8% para a orelha esquerda. No G2, estas medidas foram de 8,2 ms e 52,5% para a orelha direita e de 7,9 ms e 53,2% para a orelha esquerda. No G3, estas medidas foram de 9,2 ms e 45,2% para as orelhas direita e esquerda. CONCLUSÃO: A presença de perda auditiva elevou os limiares de detecção de gap e diminuiu a porcentagem de acertos no teste Gaps In Noise.

Percepção auditiva; Idoso; Testes auditivos; Transtornos da percepção auditiva; Perda auditiva


Sociedade Brasileira de Fonoaudiologia Al. Jaú, 684 - 7º andar, 01420-001 São Paulo/SP Brasil, Tel.: (55 11) 3873-4211 - São Paulo - SP - Brazil
E-mail: revista@sbfa.org.br