Accessibility / Report Error

Editorial

EDITORIAL

Profa. Dra. Fernanda Dreux M. Fernandes

Estamos inaugurando uma nova fase da Revista da Sociedade Brasileira de Fonoaudiologia. Este é o primeiro número da Revista a ser publicado on-line com quase um mês de antecedência. Esse é o resultado do interesse e da produtividade da comunidade científica da Fonoaudiologia e também da inestimável colaboração de nosso corpo editorial e pareceristas ad-hoc, que dedicadamente analisam os originais encaminhados e contribuem para o aprimoramento da sua qualidade.

Em muito pouco tempo todo o processo de submissão de artigos, encaminhamento para análise a acompanhamento desse processo será feito on-line através do sistema SciELO, o que deve nos proporcionar ainda mais agilidade e transparência.

Este número da Revista da Sociedade Brasileira de Fonoaudiologia conta com dez artigos originais, dois Estudos de Caso, um artigo de Revisão de Literatura, um Refletindo sobre Novo, uma Resenha e dois Resumos.

O primeiro artigo original é apresentado por Santos-Carvalho, Bolli-Mota e Keske-Soares e tem o título Teste de figuras para discriminação fonêmica: uma proposta. Ele envolve a proposição de um teste para a avaliação da discriminação fonêmica dos pares mínimos de todos os fonemas do português brasileiro. As autoras sugerem a aplicação do teste em diversas regiões do país para sua posterior padronização.

O estudo Envelhecimento, voz e atividade física de professores e não-professores, de Gampel, Karsch e Ferreira, comparou a voz de sujeitos idosos professores e não-professores, relacionando os dados com os fatores idade e pratica de atividade física. Os resultados não encontraram diferenças significativas entre os parâmetros vocais dos grupos.

A Reabilitação vestibular no tratamento da tontura e do zumbido é o estudo apresentado por Zeigelboim, da Rosa, Klagenberg e Jurkiewicz. Nele as autoras buscaram verificar a efetividade dos exercícios de reabilitação vestibular na melhora dos sintomas de zumbido e tontura. Foram avaliados seis pacientes entre 43 e 70 anos de idade e os resultados indicam que o protocolo de reabilitação vestibular utilizado favoreceu a diminuição do zumbido e da tontura.

Varandas, Campos e Motta realizaram pesquisa sobre a Adesão ao tratamento fonoaudiológico segundo a visão de ortodontistas e odontopediatras que aplicou questionários a 30 ortodontistas e 30 odontopediatras das cidades de Itabira e Belo Horizonte. Os resultados indicam que os profissionais de ambas as especialidades encaminham para o fonoaudiólogo e que pacientes com condições financeiras favoráveis são os que melhor aderem à fonoterapia.

A Comparação dos erros ortográficos entre alunos com desempenho inferior em escrita e alunos com desempenho médio nesta habilidade é a pesquisa relatada por Zuanetti, Corrêa-Schnek e Manfredi. Seu objetivo foi verificar se crianças com baixo desempenho em escrita cometem mais erros ortográficos do que crianças com desempenho satisfatório em escrita a partir da análise de 24 crianças da segunda série do ensino fundamental. Os resultados indicam que quanto melhor o desempenho em escrita, menos erros ortográficos ocorrem na elaboração gráfica.

Nicolielo, Fernandes, Garcia e Hage apresentam estudo a respeito do Desempenho escolar de crianças com distúrbio específico de linguagem: relações com habilidades metafonológicas e memória de curto prazo. O objetivo deste estudo foi descrever o desempenho de crianças com Distúrbio Específico de Linguagem em provas de leitura, escrita, aritmética, consciência fonológica e memória auditiva de 20 crianças entre 7 e 12 anos de idade. Os resultados indicam defasagem no desempenho nas habilidades de consciência fonológica e memória de curto prazo, diretamente relacionadas, respectivamente, ao desempenho nas provas de leitura e escrita e de aritmética, respectivamente.

O Perfil pragmático de crianças surdas em diferentes fases lingüísticas foi estudado por Lichtig, Couto e Leme com o objetivo de verificar a interferência da fase lingüística no perfil comunicativo de 30 crianças surdas entre 36 e 59 meses de idade. Os resultados revelaram que os dois grupos apresentaram basicamente as mesmas habilidades comunicativas, mas que há uma relação direta entre a complexidade lingüística e a freqüência no uso dessas habilidades.

O estudo de Brites, Souza e Lessa, intitulado Fonoaudiólogo e agente comunitário de saúde: uma experiência educativa analisa a eficácia de um processo de formação desenvolvido por agentes comunitários de saúde e conclui que esse processo foi eficiente na abordagem dos temas propostos.

Barbetta, Panhoca e Zanolli apresentam a pesquisa: Gêmeos monozigóticos – revelações do discurso familiar que realizou o acompanhamento longitudinal de uma família considerando o desenvolvimento da linguagem de gêmeos monozigóticos.

A pesquisa Habilidades de resolução de conflito e a ocorrência de disfluências comuns em crianças em desenvolvimento normal de linguagem relatada por Befi-Lopes e Paula teve como objetivos investigar as habilidades de resolução de conflito e verificar a ocorrência de disfluências comuns em crianças em 20 em idade escolar. Os resultados indicam que as crianças apresentaram principalmente estratégias unilaterais para a resolução de conflitos e que essas estratégias não se tornaram mais sofisticadas com o desenvolvimento.

O Relato de caso apresentado por Lemes e Goldfeld aborda a Análise da ortografia de crianças usuárias de implante coclear , que estudou quatro crianças usuárias de implante coclear que freqüentam o ensino fundamental. Segundo as aturas esse estudo apontou caminhos que auxiliam o fonoaudiólogo a compreender melhor a produção gráfica do aluno usuário de implante coclear.

O Relato de Caso apresentado por Silva, Alves, Netto e da Silva com o título As alterações fonoaudiológicas na síndrome de Goldenhar descreve o caso clínico de um menino de seis anos e oito meses com essa síndrome, que inclui alterações miofuncionais orais e perda auditiva bilateral profunda. As autoras chamam a atenção para a necessidade de intervenção multidisciplinar precoce.

O Artigo de Revisão é escrito por Tamanaha, Perissinotto e Chiari e aborda Uma breve revisão histórica sobre a construção dos conceitos do autismo infantil e da síndrome de Asperger em que buscam evidenciar as modificações ocorridas ao longo do tempo nas concepções teóricas e nas descrições clínicas desses quadros.

Molini-Avejonas apresenta no artigo Refletindo Sobre o Novo o estudo Pilot study of a parent training program for young children with autism: The Play Project Home Consultation Program que envolve uma abordagem inovadora e criativa para a ampliação de oportunidades de desenvolvimento para crianças autistas.

A Resenha trazida no Di Ninno comenta o artigo Long-term effects of pharyngeal flaps on the upper airways of subjects with velopharyngeal insufficiecy.

Por fim, os dois resumos apresentados por Lofredo-Bonatto a respeito de sua tese, defendida na PUC-SP com o título Vozes infantis: a caracterização do contraste de vozeamento das consoantes plosivas no Português Brasileiro na fala de crianças de 3 a 12 anos, e por Di Ninno, sintetizando sua tese de doutorado apresentada na UFMG com o título O contraste da nasalidade em falantes normais e com fissura palatina: aspectos da produção.

No período de realização do 16º Congresso Brasileiro de Fonoaudiologia, cujo tema é Fonoaudiologia e Cidadania, nosso Editorial Convidado é escrito pelas fonoaudiólogas que já receberam o Prêmio Mérito Fonoaudiológico. A leitura de seus depoimentos certamente vai fazer surgir, em cada um de nós, um sentimento de orgulho, não só por tê-las como colegas de profissão, mas especialmente por fazer parte de um grupo que é capaz de reconhecer seu mérito.

Quando a edição impressa dessa revista for publicada esse grupo de profissionais que receberam o Prêmio Mérito Fonoaudiológico já terá um novo membro. Parabéns e Obrigada por tornar a Fonoaudiologia a cada dia um motivo de orgulho.

Fernanda Dreux

Datas de Publicação

  • Publicação nesta coleção
    18 Set 2008
  • Data do Fascículo
    2008
Sociedade Brasileira de Fonoaudiologia Al. Jaú, 684 - 7º andar, 01420-001 São Paulo/SP Brasil, Tel.: (55 11) 3873-4211 - São Paulo - SP - Brazil
E-mail: revista@sbfa.org.br