Contribuição para o estudo do Ascaris lumbricoides em laboratório

Crístiano Lara Massara Hélio Martins de Araújo Costa Omar dos Santos Carvalho

Resumos

Com o objetivo de contribuir para o estudo do Ascaris lumbricoides em laboratório, foram coletadas fezes em períodos de 24 horas de duas crianças com ascaridiase. As amostras fecais foram tamisadas e ressuspendidas várias vezes em água. Os sedimentos com ovos, foram cultivados em frascos de cultura de tecido em H2SO4 0,1N e incubados a 28°C. As culturas foram oxigenadas diariamente por agitação manual. A percentagem de embrionamento dos ovosfoi determinada a cada 10 dias a partir do 20.° dia, obtendo-se em torno de 98,0% de embrionamento no 80.° dia de cultura. O melhor dia para a recuperação de larvas em camundongos foi estabelecido infectando-se nove grupos de cinco camundongos, per os, com 200 ovos embrionados/ camundongo. Cada grupo de camundongo foi sacrificado por fratura cervical a partir do 4. ° até 12° dia da infecção. As larvas foram recuperadas do pulmão, obtendo-se 0,45% de recuperação no 8° dia após a infecção. A determinação do inóculo foi feita utilizando-se cinco grupos de dez camundongos infectados com 200,400,800,1.600 e 3.200 ovos embrionados/camundongo. A maior recuperação foi de 1,2% com o inóculo de 3.200 ovos embrionados. A melhor idade para a infecção dos camundongos foi obtida utilizando-se quatro grupos de animais, com cinco camundongos cada, com idades de 20, 30, 40 e 50 dias e inóculo de 3.200 ovos. Recuperou-se o máximo de 1,9% das larvas nos camundongos de 20 dias de idade.

Ascaris lumbricoides; Egg culture; Larval recovery


With the purpose of standardising techniques for the laboratory study of Ascaris lumbricoides, faeces were collectedfrom children parasitised by A. lumbri- coides, during a 24 hour period. The fecal samples were sieved and resuspended several times in water. The se- diment containing the eggs was cultivated in H2SO4O. IN in tissue culture flasks, at 28°C. The culture of embryonated eggs was determined every ten days starting from the 20th day of culture achieving around 98.0% embryogeny on the 80th day of culture. The best day to recover larvae from mice was determined by infecting 9 groups of 5 mice per os with 200 embryonated eggs/mouse. Each mouse was sacrificed by cervical rupture starting on the 4 day up to the 12 day of infection. On the 8 day after the infection 0.45% of the larvae were recovered from the lungs. The inoculum determination was performed by using 5 groups of 10 infected mice with 200, 400, 800, 1.600 and 3.200 embryo eggs/mouse. The best age for recovery of infection was achieved by using 4 groups animals, with 5 mice/group, with age varying from 20 to 50 days and an inoculum of3.200 eggs. The best recovery (1.9% was obtained from the group of 20 days of age.

Ascaris lumbricoides; Egg culture; Larval recovery


ARTIGOS

Contribuição para o estudo do Ascaris lumbricoides em laboratório

Crístiano Lara Massara; Hélio Martins de Araújo Costa; Omar dos Santos Carvalho

Endereço para correspondência

RESUMO

Com o objetivo de contribuir para o estudo do Ascaris lumbricoides em laboratório, foram coletadas fezes em períodos de 24 horas de duas crianças com ascaridiase. As amostras fecais foram tamisadas e ressuspendidas várias vezes em água. Os sedimentos com ovos, foram cultivados em frascos de cultura de tecido em H2SO4 0,1N e incubados a 28°C. As culturas foram oxigenadas diariamente por agitação manual. A percentagem de embrionamento dos ovosfoi determinada a cada 10 dias a partir do 20.° dia, obtendo-se em torno de 98,0% de embrionamento no 80.° dia de cultura. O melhor dia para a recuperação de larvas em camundongos foi estabelecido infectando-se nove grupos de cinco camundongos, per os, com 200 ovos embrionados/ camundongo. Cada grupo de camundongo foi sacrificado por fratura cervical a partir do 4. ° até 12° dia da infecção. As larvas foram recuperadas do pulmão, obtendo-se 0,45% de recuperação no 8° dia após a infecção. A determinação do inóculo foi feita utilizando-se cinco grupos de dez camundongos infectados com 200,400,800,1.600 e 3.200 ovos embrionados/camundongo. A maior recuperação foi de 1,2% com o inóculo de 3.200 ovos embrionados. A melhor idade para a infecção dos camundongos foi obtida utilizando-se quatro grupos de animais, com cinco camundongos cada, com idades de 20, 30, 40 e 50 dias e inóculo de 3.200 ovos. Recuperou-se o máximo de 1,9% das larvas nos camundongos de 20 dias de idade.

Palavras-chave:Ascaris lumbricoides. Cultura de ovos. Recuperação de larvas.

ABSTRACT

With the purpose of standardising techniques for the laboratory study of Ascaris lumbricoides, faeces were collectedfrom children parasitised by A. lumbri- coides, during a 24 hour period. The fecal samples were sieved and resuspended several times in water. The se- diment containing the eggs was cultivated in H2SO4O. IN in tissue culture flasks, at 28°C. The culture of embryonated eggs was determined every ten days starting from the 20th day of culture achieving around 98.0% embryogeny on the 80th day of culture. The best day to recover larvae from mice was determined by infecting 9 groups of 5 mice per os with 200 embryonated eggs/mouse. Each mouse was sacrificed by cervical rupture starting on the 4 day up to the 12 day of infection. On the 8 day after the infection 0.45% of the larvae were recovered from the lungs. The inoculum determination was performed by using 5 groups of 10 infected mice with 200, 400, 800, 1.600 and 3.200 embryo eggs/mouse. The best age for recovery of infection was achieved by using 4 groups animals, with 5 mice/group, with age varying from 20 to 50 days and an inoculum of3.200 eggs. The best recovery (1.9% was obtained from the group of 20 days of age.

Keywords:Ascaris lumbricoides. Egg culture. Larval recovery.

Texto completo disponível apenas em PDF.

Full text available only in PDF format.

Recebido para publicação em 19/08/89.

Centro de Pesquisas "René Rachou 7FIOCRUZ. Departamento de Parasitologia, Instituto de Ciências Biológicas, Universidade Federal de Minas Gerais, Bolsista do CNPq.

Trabalho realizado com o apoio do CNPq Proc. no 408154/84.

  • 1. Artigas PT, Ueta MT. Sobre a evolução do Ascaris lumbricóides Lineu, 1738. In: Resumos do VI Congresso da Federacion Latinoamericana de Parasitologos. São Paulo p. 238, 1983.
  • 2. Barretto MP. Movimentos migratórios e sua importância na epidemiologia de doenças parasitárias no Brasil. Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical 1:91-102, 1967.
  • 3. Cimerman B. Contribuição para o estudo do controle da ascaríase humana através de quimioterápico. Tese de Mestrado. Instituto de Ciências Biomedicas da Universidade de São Paulo, São Paulo. 1984.
  • 4. F airbaim D. The in vitro hatching of Ascaris lumbricoi- des eggs. Canadian Journal ofZoology 39:153-62,1961.
  • 5. Katz N, Chaves A, Pellegrino J. A simple device for quantitative stool thick-smear technique in Schistosomiasis mansoni Re vista do Instituto de Medicina Tropical de São Paulo 14:397-400, 1972.
  • 6. Lutz A. O Schistosoma mansoni e a schistosomatose segundo observações feitas no Brasil. Memórias do Instituto Oswaldo Cruz 11:121-5, 1919.
  • 7. Metene F, Chaia G, Chiari L, Araujo SM, Abreu IB. Mebendazole um novo anti-helmintico de ação terapêutica polivalente. Folha Medica 64:139-45, 1972.
  • 8. Miller MJ, Farahmandian I, Arfaa F, Katz N, Winsor E. Bennett E. An evaluation of levamisole for treatment of ascariasis. Southern Medical Journal 71:137-40, 1978.
  • 9. Moraes RG. Contribuição para o estudo do Strongyloi- des stercoralis e da estrongiloidose no Brasil. Revista do Serviço Especial de Saúde Pública 1:507-624, 1948.
  • 10. Moreira C, Souza DWC. Estudo de ação de drogas ascaricidas sobre a embriogênese de ovos retirados de fêmeas expelidas após tratamento humano. In: Resumos do IX Congresso da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical, Fortaleza, p. 217. 1973.
  • 11. Pitts TD. in vitro culture of the larvae of Ascaris lumbricóides suun. A report on progress. Journal of Parasitology 46 section 2 (suppl): 24-5, 1960.
  • 12. Souza DWC, Carvalho OS, Savi A. Viabilidade de ovos de Ascaris lumbricóides expelidos após terapêutica humana. I. Levamisole e pamoato de pirantel. In: Resumos do XIII Congresso da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical, Brasília p. 170. 1977.
  • 13. Souza DWC, Neves J, Lemos MS. Estudo comparativo entre a eficácia terapêutica do pamoato de pirantel e do levamisole na ascaridíase. Revista do Instituto de Medicina Tropical de São Paulo 14:67-72, 1972.
  • 14. Souza DWC, Souza MSL, Neves J. Helmintíases Intestinais. In: Neves J. Diagnóstico e Tratamento das doenças infectuosas e parasitarias. Guanabara Koogan. Rio de Janeiro, p. 734-757, 1978.
  • 15. Souza MSL, Souza DWC. Nutrição e infecção. In: Neves J. Doenças Infectuosas e Parasitárias era Pediatria, Guanabara Koogan, Rio de Janeiro, p. 68-78,1981.
  • 16. Souza MSL, Souza DWC, Carvalho OS, Neves J, Massara CL. Viabilidade de ovos de Ascaris lumbri- coides após tratamento humano com medicamentos específicos. I. Levamisole e pamoato de pirantel. Revista do Instituto de Medicina Tropical de São Paulo 27:197- 200, 1985.
  • 17. Stoll NR. When are Ascaris eggs infective? Journal of Parasitology 20:126, 1933.
  • 18. Vanhaelen-Lindhout E, Smit AM. Abnormally shaped eggs of Trichuris trichiura after thiabendazol treatment. Tropical and Geographical Medicine 23:381-4, 1971.
  • 19. Wagner ED, Chavarria AP. in vivo effects of a new anthelmintic, mebendazole (R. 17,635) on the eggs of Trichuris trichiura and hookworm. The American Journal of Tropical Medicine and Hygiene 23:151-3, 1974.
  • 20. Wagner ED, Chavarria AP. Morphologically altered eggs of Trichuris trichiura following treatment with mebendazole. The American Journal of Tropical Medicine and Hygiene 23:154-7, 1974.

  • Endereço para correspondência:
    Dr. Cristiano Lara Massara.
    Centro de Pesquisas "René Rachou VFIOCRUZ
    CP: 1743
    30190
    Belo Horizonte, MG.

Datas de Publicação

  • Publicação nesta coleção
    27 Maio 2013
  • Data do Fascículo
    Mar 1990

Histórico

  • Recebido
    19 Ago 1989
  • Aceito
    19 Ago 1989
Sociedade Brasileira de Medicina Tropical - SBMT Caixa Postal 118, 38001-970 Uberaba MG Brazil, Tel.: +55 34 3318-5255 / +55 34 3318-5636/ +55 34 3318-5287, http://rsbmt.org.br/, Fax: +55 34 3318-5279 - Uberaba - MG - Brazil
E-mail: artes.rsbmt@gmail.com